MAURÍCIO ASSUERO - PARE, OLHE E ESCUTE

É sabido que desde a eleição de Bolsonaro o país continuou com o terceiro turno das eleições. Palanques continuaram armados e agressões entre vencidos e vencedor esticou a corda até onde a elasticidade, dificilmente, permitirá uma volta ao ponto de equilíbrio. O inicio do governo foi marcado por ações econômicas inovadoras que atraiu investimentos externos, fez a Bolsa de Valores bater recordes e fez a taxa de desemprego começar a cair. Os vencidos continuavam fazendo de tudo para desacreditar o governo e analistas já falavam sobre uma nova candidatura do presidente Bolsonaro.

A pandemia foi o atropelo de Bolsonaro. Sua postura bateu de frente com orientações do mundo inteiro sobre isolamento. Como a economia já estada arruinada mesmo, ele poderia ter apoiado o isolamento, afinal a derrocado econômica era culpa do vírus e não dele. Teria saído por cima. Preferiu instigar desmerecendo o que estava acontecendo no resto do mundo. Não sabemos se fizemos o isolamento no momento certo (se foi cedo ou não) porque tudo que se diz sobre o covid-19, é cercado de incertezas. O médico francês Luc Montagnier, ganhador do Nobel em medicina pela descoberta do vírus HIV, declarou que o covid-19 foi criado na China, em laboratório, quando se tentava uma vacina contra a AIDS e que foi libertado acidentalmente. Outros renomados nomes da ciência se apressaram em apontar equívocos nessa declaração.

Todos nós fomos informados pelo Ministério da Saúde que o pico da pandemia seria agora em maio e hoje já recebi um artigo da STUD – Singapore University of Technology and Design que aponta o pico em 12.06 e imediatamente outro diz que “ninguém é capaz de prever quando será o pico” e, ironicamente, é nesse que eu acredito. Escrevi dois relatórios sobre o covid-19 no Brasil e em Pernambuco e vou colocar nas redes, brevemente. A cidade de São Lourenço da Mata tem 18,55 óbitos por 100 mil habitantes. Isso é muito grave.

No auge desse debate da pandemia, sobre a atitude do PR em participar de ações e desrespeitar o isolamento, vem a saída de Moro do Governo. Certo, que os eleitores votaram em Bolsonaro e não em Moro, mas não tem como negar que seu nome representava 45% do governo. Os outros 45% era Guedes e os 10% era o restante que, cresceu ao longo do tempo com o bom ministro Tarcísio de Freitas.

A saída de Moro poderia ter se dado de outra forma, com muito menos ruído do que foi. Eu já disse aqui: se era uma questão administrativa que fosse resolvida internamente. Bolsonaro não deveria ter exonerado Valeixo sem esgotar as conversas com Moro e este deveria ter tido um pouco mais de paciência. Não falo isso como uma forma de esconder falcatruas, mas pela defesa do Brasil que virou esse cabaré. Hoje, por uma decisão monocrática, Alexandre de Morais concedeu liminar ao PDT cancelando a nomeação de Ramagem para o cargo de Diretor da Polícia Federal. E aí que reside a questão. Até que ponto um ministro tem esse poder? Não deveria ser uma decisão colegiada?

Gilmar Mendes suspendeu a posse de Lula porque viu indícios de irregularidade na nomeação, ou seja, Dilma mandou “ Bessias” entregar um termo de posse, com data a ser preenchida por ele, caso fosse incomodado pela Polícia Federal. Até onde me lembro foi uma decisão monocrática. O governo poderia ter recorrido, mas Dilma optou por outro nome. Alexandre de Morais fez a mesma coisa. No governo FHC, a filha dele, Luciana Cardoso tem uma nomeação suspensa pelo TRF-4. Agora, tudo soa bastante estranho porque o presidente não pode nomear um delegado, mas pode nomear um ministro para o STF. O próprio Alexandre de Morais foi nomeado num momento terrível para o governo Temer e foi por ser um fiel escudeiro de Temer desde quando era secretário de segurança de São Paulo.

Embora seja prerrogativa do PR nomear e exonerar alguns cargos na administração, o principio da moralidade e da impessoalidade, que deveria ser observado, não é, nunca foi e dificilmente será. No Brasil cada ministro do supremo é um tribunal superior. Cada ministro traz vínculos com partidos políticos. Celso de Mello, “o juiz de merda” foi indicado por Saulo Ramos, Marco Aurélio, pelo primo Collor, Gilmar Mendes por FHC (alguém lembra quantos processos contra Aécio ele arquivou?), Lewandowski, Cármem Lúcia, Dias Toffoli, Fux, Rosa Weber, Barroso, Fachin, todos por Lula e Dilma e Alexandre de Morais, por Temer. O que tem em comum? Peregrinações pelos gabinetes do senado.

No STF, decisões colegiadas são desrespeitadas diariamente, a constituição é tripudiada todos os dias a ponto de faltar, apenas, o uso de suas páginas para higienização das bundas dos digníssimos ministros. Eu não consigo entender como um presidente vai nomear um inimigo político, mas me parece que é isso que a oposição quer. Bota Ciro Gomes ou Carlos Lupi (investigado) como diretor da PF.

Agora, uma parcela imensa de políticos é formada por canalhas, ladrões, trapaceiros, vigaristas, etc. Qualquer que seja o delegado que tiver lá e começar a mostrar serviço, a pressão para tirá-lo vai ser imensa. Ou tira ou o governo não tem apoio. Quem não se lembra de Aécio Neves querendo trocar o diretor Daniello da PF? Ele chegou a dizer que “se o João é simpático a Aécio, bota o João pra conduzir o processo”. E é isso que ocorre aos olhos de todos. Proteção para os grandes. Para os políticos. Só para eles.

A realidade do Brasil é essa: um congresso corrupto que só apoia governo em troca de dinheiro entregue em caixas de sapatos, malas, meias ou cuecas. Os urubus já sentiram o cheiro de fragilidade do governo e estão sobrevoando. Roberto Jerfferson, Valdemar da Costa Neto e Paulinho da Força. Um já ganhou o Banco do Nordeste que daqui a pouco será o Bando do Nordeste; o outro já pediu o Porto de Santos, que é subordinado ao bom ministro Tarcísio de Freitas, homem sério, incorruptível. Como vai’ ser essa convivência? Tarcisio não fica e Bolsonaro vai ter que explicar aos eleitores porque trocou um incorruptível por um corrupto. Simplesmente isso.

Esse é o Brasil. Um país grande, rico, capaz de avançar, metido num emaranhado de interesses pessoais. Eu não acredito que essa ruptura com Moro seja apenas fruto de inquérito dos filhos. Flávio teve sua investigação suspensa por ordem de Toffoli e o caso dele é investigado pela polícia do Rio de Janeiro. A movimentação de suas contas era analisada pelo COAF que era subordinado a Moro, mas migrou para o Ministério da Justiça. Eu prefiro acreditar que a pressão maior veio de aliados. O seu líder de governo no senado é investigado.

Vamos ter interferência dos poderes uns nos outros, a cada dia, e pressão para Rodrigo Maia aceitar um, dos tantos, pedido de impeachment do presidente vai aumentar. Para mim, as declarações públicas dele negando isso, já são indícios do que vem por ai. Um desgaste político sem fim para um país que estava voltando a crescer e que agora virou um cabaré. Minha dúvida: esse cabaré aceita cartão de crédito ou só dinheiro à vista em caixas de sapatos, malas, meias ou cuecas?

29 pensou em “ACEITAM CARTÃO DE CRÉDITO?

  1. Bem falado Maurício. Nem tenho mais vontade de fazer comentários. Neste cabaré o melhor é apagar a luz pra não ver o que acontece. Como dizem: briga de foice na zona com luz apagada

  2. O pessoal tem memória curta mesmo. O Bolsonaro é que colocou o Coaf para o Moro e os deputados derrubaram este item da MP. Agora estão espalhando que foi o Bolsonaro que tirou porque estavam investigando o seu filho. Quanta mentira por linha escrita na imprensa.

    • A Verdade está lá fora, o que eu quis dizer é essa era a forma de contato entre o ministério da justiça e Flávio Bolsonaro

  3. Quando terminou a eleição, que 11 entre 10 especialistas diziam que Bolsonaro não venceria de modo algum, não começou o terceiro turno e sim a plantação de fakes para a tentativa de derrubá-lo da PR. Dia após dia a imprensa tenta derrubá-lo.

    A saída de Moro se deu porque ter um ministro de progressista de esquerda (desarmamentista e a favor do aborto) com um PR conservador de direita é problema. O modo como Moro saiu (atirando sem provas) revela algo mais que um simples ressentimento. Tem jogada política e até crime de denunciação caluniosa e alteração artificial do mercado de capitais.

    No bloqueio da nomeação do Ramagem para diretoria da PF, faltou o ministro Moraes explicar qual a base legal que lhe permitiu bloquear a nomeação do Delegado e permitir que o mesmo ocupe a diretoria da ABIN, que é um cargo do mesmo quilate da Direção da PF. A questão da amizade ser um impeditivo para nomeações é muito vaga e não consta na CF.

    As negociações do JB com os partidos do Centrão serão feitas com testemunhas e de forma republicana. Não tem nada demais um político indicar o representante da Sudene no Piauí, desde que o indicado passe pelo crivo da ABIN e que os órgãos de fiscalização funcionem. Se houver indícios de crime, que a PF apure e se abra um inquérito, ocasião em que o indicado tem que ser afastado.

    Isso que Bolsonaro faz é governar em parceria. Governo de coalisão é outra coisa e implica em dar Ministérios de porteira fechada para partidos.

    Quanto a Rodrigo Maia, este aprendeu que se bater de frente direto com JB, como fazia tava lhe deixando isolado. Para haver impeachment tem que haver povo nas ruas (uns 10 milhões em 350 cidades). Isso até o PSOL sabe.

    • JF, Alexandre de Morais queria usar o que Gilmar fez. Mas, os casos são diferentes. Ele condenou por antecipação o Ramagem

    • Perfeito!!! Mais do que perfeito, perfetíssimo!!!
      Se houver indícios de crime, que a PF apure e se abra um inquérito, ocasião em que o indicado tem que ser afastado para que se defenda, coisa que não ocorreu em governos anteriores. Aos que não se conformam com o atual governo, que esperem 2022 para, nas urnas, esternarem seu descontentamento.
      Um recados aos insatisfeitos: há tanta gente revirando TUDO E TODOS que possuem qualquer contato com o governo federal que, com certeza, assim que houver qualquer crime (se houver) seus anseios serão atendidos e Bolsonaro será afastado.

  4. Augusto Nunes disse inúmeras vezes . Bolsonaro gosta de atravessar a rua para pisar em casca de banana .
    E só relembrando . Reforma da Previdência , depois de muitas brigas e xingamentos , ela seria aprovada na forma que Paulo Guedes queria , já que a opinião pública pressionava o Congresso para que assim fosse,,Bolsonaro vem com a ideia de fazer o filho embaixador do Brasil nos Estados Unidos . A reforma foi jogada a segundo plano , Botafogo , Alcolumbre , Centrão e oposição deitaram e rolaram e a reforma proposta por Guedes miou.
    Quanto a sua irônica ideia de colocar o Ciro Gomes , eu acho uma boa . Ciro Gomes é uma biruta de aviação .

  5. O princípoo da impessoalidade já foi antes aplicado por 2 vezes, E MANTIDO!. Gilmar Mendes barrou a posse de Lula como chefe da casa civil da Dilma e Cármem Lícia barrou a posse da Cristiane Brasil como ministra do trabalho,

    Veeja que nos ois casos eram ministros, cargos do governo e agora é de um diretor da PF, cargo de estado.

    Antes de escrever tanta baboseira, relembre os fatos.

    • “Lei 13.047/2014 – ‘Art. 2º-C. O cargo de Diretor-Geral, NOMEADO PELO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, é privativo de delegado de Polícia Federal integrante da classe especial’”

      Portanto o Delegado PF classe especial Alexandre Ramagem tem condições de ser nomeado, segundo a Lei.

      Impessoalidade: quando uma indicação é feita exclusivamente para uma pessoa específica. Não é o caso atual.

    • Prezado, eu falei sobre Lula e não quis falar sobre Cristina. Lula estaca sendo processado e Cristiane investigada. Obrigado por ter lido as baboseiras. Estou treinando pra ficar melhor

  6. Maurício: o ex promotor de justiça do Ceará Ivar Hartmann, escreveu um artigo curto ontem, dia 29.04.2020 para o blog o Novo Bar do Ferreirinha que diz justamento o que penso sobre o caso MORO ter saído do governo de JBB:

    EI-LO:

    O PT deita e rola

    Ivar Hartmann

    A partir da demissão do Moro, as redes estão fartas de mensagens, interpretações pessoais, fakes, etc. dos admiradores do Bolsonaro criticando Sérgio Moro. Por ter saído do governo, por não ter acelerado medidas na tentativa de assassinato de Bolsonaro, por querer ser ministro do STF. Tudo espremido é nada. Moro foi juiz a vida inteira.

    Qual a máxima aspiração de um advogado, juiz ou promotor? Ser Ministro do Supremo. Como se alcança isso? Da mesma forma que todos que lá estão: com apadrinhamento. Então não há nada de errado no pedido, sabido, aliás, pelos brasileiros desde a primeira hora. E que ministro era hem? Ou, de repente, não vale mais nada porque pediu demissão? Muito sem memória os bolsonaristas. E, como sempre, muito agressivos.

    Falta-lhes memória ou estavam errados? Porque, até a semana passada Moro era um ídolo. Não sou advogado do Moro ele que faça sua defesa. No entanto, por seu trabalho na Lava Jato (ou não trabalhou?), por suas sentenças (ou não foram dele?), por seus conhecimentos jurídicos (ou não eram dele?) conseguiu colocar Lula, o chefe da quadrilha esquerdista na cadeia. De onde só foi tirado pela proteção amiga do STF. Ou seja, um bandido, Lula, tem como seus melhores advogados, ministros do STF. O fato real é que Moro, com todos seus defeitos, e deve ter inúmeros porque não desceu de uma espaçonave para viver na terra, é um jurista de fama internacional. A Europa inteira respeita-o por sua ação fundamental para que os ricos brasileiros também frequentassem a cadeia.

    Então os ataque que sofre dos bolsonaristas, longe de atingi-lo, lhe dá mais nome e é o juiz impoluto contra o presidente que quer defender os filhos respondendo a vários processos. Razão da demissão do juiz. O PT deita e rola. Cada crítica ao Moro é uma música para a esquerda. Atacam o amigo da véspera para quem eram só elogios e esquecem o inimigo comum, real. O inimigo real da direita: à esquerda e seus corruptos. Nós do centro assistimos de camarote. O presidente defende os filhos, esquece os eleitores e seus compromissos.

    Seu artigo está ótimo!

  7. Esse senhor, que escreveu o artigo acima citado, é apenas mais um suposto ISENTÃO (e que se diz “de centro”, seja lá o que isso for), e que fica repetindo insinuações venenosas a respeito de uma suposta proteção de Bolsonaro aos filhos.

    É apenas mais um desajuizado e pior ainda que os verdadeiros inimigos do presidente, porque fica se escondendo atrás de uma máscara de falsa isenção e equilíbrio.

    Quanto ao Moro, o fato dele ter feito chover guaraná antártica em tempos passados NÃO LHE DÁ PASSE LIVRE PARA COMETER CANALHICES E PATIFARIAS!

    Viva o juiz Moro! Dane-se o Ministro e candidato Moro! Teria feito muito melhor negócio ficando escondidinho lá no Paraná.

      • Creio que a pergunta deveria ser endereçada ao Cerimonial do evento (Cerimonial, protocolo e etiqueta). Autoridades são convidadas para tais eventos. Goste o señor ou não do Gilmar, ele é uma autoridade pertencente ao Supremo Tribunal Federal.

    • Adonis, a gente dificilmente vai entender o que rolou. Não vi motivos pra apressar a saudade Valeixo; acho que Moro poderia ter feito diferente.

  8. Terminou o mês, mas o que vimos foi um abril de nuvens negras… Acabou o que já tinha acabado. Moro demitiu Bolsonaro, E DAÍ?!?!?!

    P.S.: – Enquanto durou, Bolsonaro foi o agrotóxico usado para exterminar as pragas daninhas petralhas, mas, porém, contudo, todavia…

  9. Assuero, o tipo de política rasteira vista apenas nas brenhas dos menores interiores do Brasil, o tipo retratado em Sucupira ou Asa Branca, ganharam forças e asas e acamparam de vez em Brasília.

Deixe uma resposta