PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Aqui morava um Rei, quando eu menino:
Vestia ouro e Castanho no gibão.
Pedra da sorte sobre o meu Destino,
Pulsava, junto ao meu, seu Coração.

Para mim, seu Cantar era divino,
Quando, ao som da Viola e do bordão,
Cantava com voz rouca o Desatino,
O Sangue, o riso e as mortes do Sertão.

Mas mataram meu Pai. Desde esse dia,
Eu me vi, como um Cego, sem meu Guia,
Que se foi para o Sol, transfigurado.

Sua Efígie me queima. Eu sou a Presa,
Ele, a Brasa que impele ao Fogo, acesa,
Espada de ouro em Pasto ensanguentado.

Ariano Vilar Suassuna, João Pessoa-PB (1927-2014)

Um comentário em “ACAUHAN – A MALHADA DA ONÇA – Ariano Suassuna

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *