HÉLIO CRISANTO – UMA LUA, UM CAFÉ E UM BATENTE

Enquanto a voz da miséria
Alardeia seus clamores
Os bueiros da cidade
Abrigam seus moradores
E o pobre banca as mansões
Dos supremos roedores

Deixe uma resposta