VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

Antigamente, todo religioso na idade madura era gordo e tinha fama de comilão. Por isso, no interior nordestino, era comum alguém que havia comido demais, dizer, em tom de brincadeira: Estou empanzinado! Comi que só um padre!!!

Dom Serafim era um monge gordo e comilão, que, no Mosteiro onde morava, era uma espécie de pai para os mais novos. Já na idade madura, dizia sempre que uma das coisas de que mais gostava na vida era quando se via diante de um prato de comida. Mas, na mesma hora, dizia que só comia por hábito ou vício. Isso provocava riso nos monges mais novos, e, muito brincalhão, Dom Serafim também dava suas risadas. Todos sabiam que ele era mesmo um glutão.

Pois bem. Dom Serafim chamava a atenção dos mais jovens, com a sua forma exagerada de comer. Seu prato era o maior de todos e ele comia com avidez, como se estivesse saboreando as melhores iguarias do mundo. Diz o ditado popular que o melhor tempero que existe é a fome. Para ele, não existia o pecado da gula.

Muito bem humorado, Dom Serafim dizia sempre que tinha sonhado comendo coisas boas, como um pernil de porco e a metade de um carneiro assados, faisão dourado etc. sozinho e numa só refeição. Todos os dias, ele tinha um sonho para contar, relacionado com iguarias deliciosas, que, no Mosteiro, somente o Abade e o Prior tinham o privilégio de comer.

Os monges jovens se divertiam com Dom Serafim, embora, não perdessem oportunidade de censurá-lo ao Abade. Na verdade, no Mosteiro, a alimentação oferecida aos monges era muito pobre e leve. Diferente da alimentação do Abade, do Prior e seus amigos.

Dom Serafim sentia tanta fome que juntava as sobras dos pratos dos colegas para comer, com a desculpa de que era pecado estragar comida. Não deixava uma só migalha em seu prato.

Com o tempo, os monges mais jovens, que iam chegando no mosteiro, passaram a ridicularizá-lo, comparando-o a um porco faminto, e faltando-lhe com o devido respeito.

Um certo dia, traiçoeiramente, os monges fizeram uma reclamação por escrito ao Abade diretor do Mosteiro, contra o comportamento de Dom Serafim.

Após receber uma convocação, o reclamado compareceu perante a autoridade maior do Mosteiro, que lhe expôs:

– Dom Serafim, seus colegas fizeram-me uma representação contra atitudes suas, que constituem uma grande vergonha para um monge. Acusam-no de ser esfomeado e comer feito um porco, aproveitando até as sobras dos pratos dos outros monges.

– O que o senhor diz sobre essa acusação? Fale, Dom Serafim! Não sente Vergonha de uma acusação dessa?

Humilhado, o monge respondeu:

– Sou o monge mais antigo e mais calmo do vosso Mosteiro. Se sou injuriado, sofro calado; não reajo às humilhações e deboches a que me submetem. Que outra oposição me fazem, fora essa, de ser comilão. Pai Abade?

– Só existe essa acusação contra o senhor. Respondeu o Abade.

O Monge continuou:

– De que deverei me envergonhar, Pai Abade? De procurar saciar minha fome? Onde se encontra, agora, a Vergonha no mundo? Estamos na situação daqueles que carregam pedras nas costas e cada um só enxerga as costas do companheiro, sem olhar para suas próprias costas. Se eu comesse comidas requintadas, lautas iguarias, como comem os senhores importantes, os chefes e diretores, certamente eu ficaria bem alimentado e não sentiria tanta fome. Mas, comendo iguarias pobres e leves, de fácil digestão, não me parece vergonhoso tentar, ao meu modo, saciar minha fome.

O Abade, que vivia suntuosamente, com o Prior e outros amigos, fartando-se de lautos almoços, jantares, lanches e sobremesas, compreendeu o que queria dizer o monge. Temendo ser por ele apontado, logo o absolveu, permitindo-lhe que continuasse a comer a mísera comida de sempre, de acordo com a sua vontade.

No dia seguinte, na hora do almoço, Dom Serafim subiu ao púlpito do refeitório e com delicadeza, pediu que todos os monges prestassem atenção à uma pequena fábula que iria contar. Encabulados, os delatores ouviram atentos, as suas palavras:

– Certo dia, encontraram-se o Vento, a Água e a Vergonha. Conversaram muito e mataram a saudade.

A Vergonha, então, perguntou ao Vento e à Água:

– Irmãos, quando voltaremos a nos encontrar, tão pacificamente como hoje?

O Vento respondeu:

– Minhas irmãs, cada vez que me quiserem reencontrar, para gozarmos o prazer de estar juntos, olhem por qualquer porta aberta ou rua estreita, que logo me encontrarão, pois é ali a minha residência. E tu, Água, onde moras?”

A Água respondeu:

– Eu estou nos mais baixos pauis, entre aqueles caniços; mas, por mais seca que seja a terra, sempre lá me encontrarão.

E a Água quis saber:

– E tu, Vergonha, onde moras?

A Vergonha respondeu:

– Eu mesma não sei onde moro. Sou muito pobre e sou sempre enxotada por todos. Se olharem entre os grandes, não me encontrarão, porque eles não querem me ver e zombam de mim. Se olharem entre as mulheres, tanto casadas como viúvas e donzelas, também não me encontrarão, pois todas fogem de mim, como se eu fosse um monstro. Se olharem entre os religiosos, longe deles estarei, pois eles me expulsam, com bastões e galhas. Por isso, até agora, nunca tive onde pousar. Se eu não puder acompanhar vocês, perderei toda a minha esperança!

Ouvindo isto, o Vento e a Água sentiram compaixão e acolheram a Vergonha em sua companhia. Mas não ficaram juntos por muito tempo, porque se levantou uma forte tempestade. E a Vergonha, separada do Vento e da Água, não tendo onde pousar, afundou-se no mar.

Eu tenho procurado a Vergonha em muitos lugares, e continuo procurando, mas não consegui encontrá-la. Ninguém sabe notícia dela.

Por isso, continuarei com meus costumes, fazendo o que gosto. E vocês continuem com os seus!

A Vergonha sumiu do mundo.

18 pensou em “A VERGONHA

  1. Aproveitando a deixa para com o vocábulo VERGONHA, o Brasil já passou da hora de criar um VERGONHÓDROMO para políticos…

    • Passou bem longe mesmo. A palavra Vergonha é letra morta em determinados dicionários.
      Obrigada pelo comentário, prezado Maurício Assuero!

  2. Uma pérola estacestoruavda Violante. Poderia ser tal mosteiro substituído pelo STF? Ou foi uma meta impressão minha. Serafins e abade e o que mais tem na justiça

    • O texto dá margem à imaginação. A hipótese apontada por você está certíssima!

      Obrigada pela presença, prezado Gonzaga!

  3. História bem bolada, Violante Pimentel.

    Merece um abraço apertado, literalmente escrevendo, pela sua imaginativa margem à interpretações.

    Realmente BRASÍLIA É UM ANTRO DE SENVERGONHICE, onde a indecência se espalhou feito o Vírus Chinês, e a vergonha foi morta!

    • Obrigada pela gentileza de suas palavras, grande cronista Cícero Tavares!, Retribuo o abraço apertado! O texto, realmente, dá margem a várias interpretações, Mas, pela imoralidade “suprema” que estamos assistindo, Brasília, é o foco da falta de VERGONHA,. Lá, “a indecência se espalhou feito o Vírus Chinês, e a vergonha foi morta!”.

      Tudo de bom, amigo! Muita Saúde e Paz!

  4. Violante,

    Parabéns pela belíssima crônica. Embora a vergonha seja um sentimento conhecido, trata-se de um afeto de difícil descrição. De acordo com a psicanálise, a vergonha caminha junto com o narcisismo, o que nos leva a crer que, quanto maior a vaidade, maior o receio de ser envergonhado diante de outras pessoas. Atualmente, vemos na mídia a vergonha sendo exposta quase diariamente. Temos a esperança da vergonha voltar a fazer parte de toda sociedade brasileira…

    Saudações fraternas,

    Aristeu

  5. Obrigada pela gentileza de suas palavras, prezado Aristeu Bezerra! A Vergonha, sentimento moral, de pejo e pudor, antigamente funcionava como regulador das ações humanas, Com a evolução dos costumes, principalmente na política, o vocábulo é quase letra morta.

    Gostei muito das suas considerações sobre a Vergonha, à luz da Psicanálise.

    Muita Saúde e Paz!

    Violante

  6. Cara Violante Pimentel vc criou utra bela crônica. Esta, A VERGONHA, é sensacional. Vc me transportou para o passado. Fazia tempo que ouvia mais a expressão: EMPANZINADO. Ótimo. Belo repertório de criatividade literária.

    • Obrigada pelo generoso comentário, prezado Carlos Ivan!
      “Empanzinado” faz parte do vocabulário do interior nordestino, onde nasci e me criei, Nossas raízes são fincadas em nós com profundidade. Quando paramos para escrever, a saudade faz com que elas aflorem e nos inspirem.

      Fiquei feliz com suas palavras!..

      Muita Saúde e Paz!

Deixe uma resposta