VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

Violante Pimentel

Rosilda e Josimar eram casados há bastante tempo e já caminhavam para as Bodas de Ouro. As duas filhas já estavam casadas e haviam lhes dado dois netos.

Certa vez, Rosilda tinha saído de casa para assistir a Missa das 6:30 h, como costumava fazer todas as manhãs. Deixara o marido dormindo e todo coberto. A Igreja não ficava muito longe e dava para ir a pé.

Quando já tinha percorrido mais da metade do caminho, o tempo fechou e, como ainda era cedo, Rosilda resolveu voltar ligeiro, para buscar a sombrinha. Ao chegar em casa, abriu o portão da garagem e entrou. Qual não foi sua surpresa, ao encontrar Josimar e a empregada da vizinha deitados no chão da garagem, transando loucamente. Ao vê-la, Josimar, nervoso, disse a célebre frase:

– Não é nada disso do que você está pensando!!!

Revoltada, Rosilda foi para a calçada, gritando para quem quisesse ouvir:

– Venham ver a cena que encontrei na minha própria casa! Olhem que tipo de marido eu tenho há 45 anos e não sabia!!! Ele é indigno de ter uma esposa como eu!!! Canalha!!! Bandido!!!

A empregada da vizinha saiu na carreira, antes que levasse uns bofetões de Rosilda.

Desesperada, a mulher telefonou para as duas filhas casadas, contando o que o pai delas tinha aprontado. Desde quando ele vinha fazendo isso, ela não podia imaginar!

Dentro de pouco tempo, as filhas chegaram e encontraram a mãe em estado de choque, dizendo que tinha vontade de matar “esse cabra safado”!!! Enquanto isso, o gostosão, safenado e beirando os setenta anos, chorava de vergonha, trancado no escritório.

As filhas tentaram acalmar a mãe, dando-lhe uma garapa e até uma dose de “Coramina”.

Josimar era tão sonso, que, nem de banda, olhava para outra mulher, por mais bonita que fosse. Dizia sempre que, para ele, só existia Rosilda. Os dois eram considerados um casal exemplar.

Depois dessa decepção, Rosilda, dona de um gênio muito forte, separou-se de Josimar, que chegou a lhe pedir perdão de joelhos. As filhas imploraram à mãe que o perdoasse, mas não houve jeito.

Deixe uma resposta