ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A saudade quando vem
Corta igual a esmeril
Tem na língua portuguesa
Não tem acento nem til
Se espalhou por todo mundo
Porém nasceu no Brasil.

Ivanildo Vila Nova

Tira a felicidade
Que o ser humano tem
Pode pensar que a saudade
É companhia de alguém
E quem nunca sentiu saudade
Nunca gostou de ninguém.

João Lourenço

Saudade é um parafuso
Que na rosca quando cai,
Só entra se for torcendo,
Porque batendo num vai
E enferrujando dentro
Nem distorcendo num sai.

Antonio Pereira (1891 – 1982)

Saudade é minha modelo
No tédio da passarela
Por consolo tenho a lua
Que é quem me serve de vela
E a boca do vento dando
Sopros com o cheiro dela.

Rubens do Valle

Todo filho tem saudade
Da casa que nasceu nela
Os dedos da mãe matuta
Botando sal na panela
E os dedos da mão da gente
Puxando na saia dela.

João Paraibano (1952 – 2014)

Deixe uma resposta