VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

Reza uma lenda espanhola, que, certa vez, um soldado acometido de Malária, no meio da selva, tremendo de febre, calafrios e morrendo de sede, bebeu da água amarronzada de uma pequena lagoa, onde o tronco de uma árvore havia caído. Depois de matar a sede com essa água marrom, o soldado adormeceu. Só acordou no dia seguinte, sem qualquer indisposição. A febre altíssima e calafrios haviam passado completamente.

A árvore era QUININA.

Os colegas, que já o consideravam quase moribundo, surpreenderam-se quando o viram curado, como por milagre.

O soldado, então, lhes falou da febre, calafrios e sede desesperadora, que sentira no dia anterior, e da água marrom, que bebera, avidamente, até se fartar.

A cura do soldado se espalhou e a Quinina passou a ser usada no tratamento da Malária (ou Impaludismo).

Em 1633, um jesuíta, chamado Padre Calancha, descreveu as propriedades de cura da árvore na Crônica de Santo Agostinho:

“Uma árvore cresce, que eles chamam de árvore da febre, na região de Loxa, cuja casca tem cor de canela. Quando transformada em pó, juntando-se uma quantidade equivalente ao peso de duas moedas de prata, e oferecida ao paciente como bebida, ela cura febre. E tem curado, milagrosamente, em Lima.”

Jesuítas, no Peru, começaram a utilizar a casca da árvore para prevenir e tratar Malária.

Em 1645, o padre Bartolomeu Tafur levou algumas cascas para Roma, onde seu uso espalhou-se entre os clérigos.

Em 1654, a casca peruana foi introduzida na Inglaterra.

A descoberta da Quinina pelo Ocidente data do final do século XVI e início do século XVII, durante a conquista do Império Inca pelos espanhóis, na região do Peru. Nessa época, os invasores espanhóis tomaram conhecimento de uma árvore usada pelos índios para curar febre.

A QUININA é uma árvore medicinal, cujo tronco possui uma casca de poderoso gosto amargo, sendo considerada um dos mais importantes vegetais, usados no combate à Malária, ou Impaludismo.

A importância extraordinária dessa árvore reside na sua casca, considerada como um dos mais valiosos medicamentos, para a cura de febres intermitentes, nevrálgicas, e outras doenças.

Foi o médico genovês, Sebastião Bodos (1663), quem primeiro descreveu a casca da Quinina e mencionou suas propriedades febrífugas. Mas a droga deve o seu maior sucesso à cura da condessa Del Cinchon, esposa do vice-rei espanhol no Peru, acometida de forte febre terçã (própria da Malária). Ao ingerir uma poção feita pelos índios chamada “quina-quina”, a febre cedeu e a continuidade do tratamento a deixou curada.

A partir desse relato, padres jesuítas da missão espanhola levaram o pó para a Europa, para vendê-lo como medicamento para a cura da Malária, que depois ficou conhecido como “pó dos jesuítas”.

Em 1679, o Rei Charles II da Inglaterra foi vitimado por uma forte febre, porém sendo protestante, preferia morrer a tomar um medicamento católico, por melhor que ele fosse.

Surgiu um amigo seu, Robert Talbor, com um medicamento “protestante” que o rei não hesitou em tomar. Ficou curado e, como agradecimento, sagrou Talbor, cavaleiro e médico real.

Alguns anos depois, foi revelado que o remédio “protestante” de Talbor era, na verdade, o “pó dos jesuítas”, apenas em uma formulação diferente.

O mal que acometeu a condessa e o rei, foi, de fato, a Malária. Este nome tem origem na expressão italiana “mala aria” (ar ruim), pois se acreditava que a doença era transmitida pelo ar, contaminado por pântanos e esgotos.

A Malária é causada pelo protozoário Plasmodium falciparum, descrito em 1880, pelo médico francês Charles Louis Alphonse Laveran, sendo transmitida pela picada das fêmeas do mosquito do gênero Anopheles.

Quinina (fórmula química: C20H24N2O2) é um alcalóide de gosto amargo, que tem funções antitérmicas, antimaláricas e analgésicas. O sulfato de quinina é o quinino.

A Quinina entra na composição de numerosos preparados, como: Água Tônica de Quinino, Vinho de Quina, Quinado, Tintura, Xarope e pílulas.

Para uso externo, a quinina serve como dentifrício e adstringente.

11 pensou em “A QUININA

    • É a base do medicamento CLOROQUINA, usado, atualmente, no combate ao CORONAVÍRUS. Também foi usado no combate à Gripe Espanhola de 1918.

  1. Pronto, agora virou curandeira!!!!! Interessante Violante. Os índios tratavam seus males com ervas. Acho que por interesse econômico a indústria farmacêutica não investe.ba ANVISA reconhece os efeitos de alguns como espinheira Santa. Eu acho que a pesquisa deveria ser incentivada. A quininina é a quina quina?

  2. Violante,

    A crônica está conectada com a realidade da pandemia pelo Covid-19. Está sendo usado nos pacientes em estágios adiantados dessa patologia a cloroquina e a hidroxicloroquina. Por ser uma doença nova, ainda não há evidências científicas suficientes que comprovem a eficácia do medicamento para casos dessa terrível pandemia. No entanto, há estudos promissores que demonstram o benefício do uso em pacientes graves.
    Medicamentos dessa classe terapêutica já são disponibilizados no SUS para tratamentos de outras doenças, como a malária, lúpus e artrite reumatoide. Até o momento, o Ministério da Saúde esclarece que não há nenhum medicamento, substância, vitamina, alimento específico ou vacina que possa prevenir a infecção pelo coronavírus.
    Aproveito a oportunidade para compartilhar uma sextilha de Rubens do Valle sobre o coranavírus com a prezada amiga:

    O relógio do viver
    Tem números certos de giros
    A mente aperta os gatilhos
    Mesmo sem arma dá tiros
    E assiste o mundo enterrando
    Vítimas do coronavírus.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

    • Obrigada pelo gratificante comentário, prezado Aristeu Bezerra! A quinina, cujo sulfato é a quina ou quinino, foi usada na gripe Espanhola de 1918. que, inclusive, de acordo com a história atingiu também o RN. E agora está sendo usada novamente no tratamento da gripe, especificamente do CORONAVíIRUS. Já era usada contra Impaludismo (Malária), Lupus, Artrite Reumatóide e outras enfermidades graves.
      Os Alcalóides mais conhecidos são: morfina, estricnina, quinina, efedrina, e nicotina.
      Obrigada por compartilhar comigo esta sextilha inteligente e oportuna, do poeta Rubens do Valle. Adorei!

      Um abraço! Muita saúde e Paz!

      Violante

Deixe uma resposta