VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

Lúcia e Bento, recém-casados, viajaram em lua de mel, de carro, para conhecerem uma agradável cidade serrana, na Paraíba.

A viagem, mesmo longa, foi muito agradável, pois os dois “pombinhos”, finalmente, iriam se pertencer, uma vez que Lúcia teve uma educação muito rígida e reprimida.. Nesse tempo, as noivas ainda casavam virgens.

Já instalados num hotel, aparentemente antigo, os dois chegaram exaustos da viagem. Pediram almoço no quarto mesmo, tomaram banho e resolveram descansar o resto do dia.

O quarto com banheiro era muito aconchegante, com mobília estilo colonial e cortinas discretas, em cor neutra. À noite, pediram o jantar, e depois continuaram com os afagos e carinhos que há tempos reprimiam.

A felicidade plena dos dois jovens na noite de núpcias, com a certeza de que nada no mundo perturbaria aqueles momentos mágicos que estavam vivendo, completava o cenário do sonho das “mil e uma noites”.

Diz a sabedoria popular, que “o diabo sempre encontra um meio, de lançar a sua gota de absinto na taça da felicidade”. Coincidência ou não, isso sempre acontece.

O casal que estava em paz, gozando das delícias da primeira noite, de repente passou a ouvir risadas e conversas indecentes, dos hóspedes que bebiam no quarto vizinho. Depois de alguns minutos, sem que a balbúrdia cessasse, Bento foi até à gerência e pediu providências, no sentido de que aqueles hóspedes diminuíssem o barulho. Ele e a esposa estavam sem poder relaxar.

Mesmo tendo sido abordados com cordialidade pela gerência, a reclamação não foi bem recebida pelos rapazes, que disseram estar comemorando o aniversário de um deles. Já haviam pedido muita bebida e comida e a euforia continuou.

Lúcia e Bento se entregaram, novamente, aos braços um do outro, tentando não ouvir as risadas nem as conversas picantes dos rapazes. Mas, era impossível.

Ao saberem, pelo empregado do hotel, que no quarto vizinho havia um jovem casal em lua de mel, a excitação e euforia dos hóspedes aumentou. Aparentemente embriagados, falavam ao mesmo tempo, até que se ouviu uma voz forte e pastosa:

– É preciso que os noivos venham aqui brindar conosco! Nós beberemos à saúde deles e ensinaremos ao cara seus deveres conjugais! Melhor ainda, será nós irmos ao quarto deles!!!

Após essas palavras, seguiu-se uma euforia ainda maior, e vozes chamando uns aos outros para irem ao quarto dos noivos. Os dois jovens em lua de mel estremeceram, temendo que o quarto fosse invadido pelos rapazes, e houvesse um assalto ou um estupro.

Por sorte, ouviu-se uma ordem superior, quase aos gritos, mandando que eles se calassem e ficassem onde estavam. Aos poucos, a balbúrdia cessou e fez-se um relativo silêncio.

Nesse ínterim, o clima de desejo entre o casal esfriou, dando lugar a um medo terrível dos hóspedes do quarto vizinho. A noite de amor foi interrompida e se transformou numa noite de terror. Nesse tempo, não se falava em assalto, nem existia a violência dos dias atuais.

Lúcia e Bento estavam certos de que aquela seria a noite mais feliz da vida deles. Mas, ninguém pode dizer “hoje serei feliz”. Às vezes, a pessoa faz os melhores planos para sua vida, mas o Universo conspira contra eles.

Quando o casal já estava calmo e sentindo-se em paz, os hóspedes do quarto vizinho voltaram a fazer barulho. Dessa vez, começou uma cantoria, acompanhada por um trombone. Vieram até a porta dos recém-casados e gritaram:

– Boa noite para os noivos!!! Muitas felicidades!!!

Cantaram uma canção de amor, acompanhada pelo trombone e finalmente deixaram o hotel, para sossego do casal e do hoteleiro, que temia perder a freguesia dos hóspedes costumeiros e barulhentos, mas que lhe davam muito lucro.

Lúcia e Bento continuaram imóveis na cama, tensos, como se tivessem despertado de um pesadelo.

Deixe uma resposta