DEU NO JORNAL

Em 5 de agosto de 2017, Sergio Moro escreveu a Deltan Dallagnol:

“Talvez seja o caso de tornar pública a delação da Odebrecht sobre propinas na Venezuela. Isso está aqui ou na PGR?”

Qual era o contexto da mensagem?

Isso a Folha de S. Paulo – a fim de escandalizar o fato – preferiu omitir, claro.

Naquele mesmo sábado, 5 de agosto de 2017, a procuradora-geral venezuelana, Luisa Ortega Díaz, foi destituída pela ditadura de Nicolás Maduro, justamente por tentar investigar as propinas da Odebrecht na Venezuela.

O caso foi encerrado pela brutalidade do regime, que obstruiu a lei.

A Folha de S. Paulo, que publica alegremente documentos roubados, agora ataca Sergio Moro e os procuradores da Lava Jato por terem estudado medidas legais – repetindo: LEGAIS – para revelar documentos verdadeiros – repetindo: VERDADEIROS – que incriminavam uma ditadura corrupta que perseguia o Judiciário.

Parabéns.

* * *

Quer ver tempo perdido?

É tentar explicar isto prum esquerdista.

Ou tentar mostrar prum cego.

Deixe uma resposta