AUGUSTO NUNES

O artigo 2° da Constituição informa que os três Poderes são independentes e harmônicos entre si. Mas o Supremo Tribunal Federal aparentemente decidiu que o Judiciário é mais independente que os outros – e deve, portanto, subordinar o Legislativo e o Executivo a partituras compostas por nove homens e duas mulheres cobertos por togas.

O ministro Alexandre de Moraes, por exemplo, impediu que o presidente da República nomeasse o superintendente da Polícia Federal – atribuição do chefe do Executivo. E, há poucas semanas, atropelou as imunidades parlamentares ao mandar prender um deputado federal por crime de opinião.

Nesta quinta-feira, o ministro Luís Roberto Barroso ordenou ao Senado que instalasse imediatamente uma CPI para investigar o desempenho do governo federal no combate à pandemia de coronavírus. Enquanto democratas de picadeiro anunciam aos berros o parto iminente do fascismo à brasileira, vai-se consolidando a hegemonia do Supremo Poder.

Antes que seja proclamada a ditadura do Judiciário, os brasileiros deveriam reler com atenção o parágrafo único do artigo 1° da Constituição: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos”. Ao contrário dos integrantes dos demais Poderes, ministros do STF são indicados pelo presidente da República e chancelados pelos senadores. Que tal escolher também nas urnas, pelo voto direto, os 11 juízes que mandam no Brasil?

A julgar pelas pesquisas de opinião, todos os atuais ministros teriam de procurar outro emprego.

9 pensou em “A OFENSIVA DO SUPREMO PODER

  1. Artigo 142 da CF imediatamente. Processe logo nove dos onze sinistros pelo atraso causado ao país pelas suas decisões desastrosas. São sinistros indicados do ladrão contumaz e os onze com viés político desde sempre.

  2. Barroso e Gilmar Boca de Caçapa já proporcionaram uma das discussões mais vulgares e cheias de acusações pesadas que o STF já viu em sua centenária história. Acusações que fariam corar raparigas de lupanar barato.

    Uma coisa Barrosão e Gilmar têm em comum: o ódio aos conservadores e seu ora representante, o Presidente Jair Bolsonaro.

    Junto dos Ministros que eles controlam (tiro, por enquanto Nunes Marques desta) farão de tudo para tirar o PR do seu cargo. Eu ia falar tirar do poder, mas o PR já não tem mais o poder de governar que lhe confere a CF.

      • Lembrei sim, caro Nokolai, porém tem duas coisas.

        O Ministro Joaquim não faz mais parte do STF, segundo, que esta discussão, apesar de falar em capangas do Gilmar em MT, parece bobagem perto da que eu citei.

        Abraço

        • Eu acho o ad hominem do Barbosa mais agressivo e visceral.
          Faz falta um barraqueiro desse no STF (até pq ele quem botava no furico de todos ali sem levar no furico).🤣

  3. Infelizmente esse procedimento – escolha dos ministrinhos do stf por votação nacional, não nos livraria das ameaças subjacentes que quais quer dos processos em voga nos trará, pois bem sabemos que, como bem dizia Pelé, o brasileiro não sab(ia)e votar.
    Desmoralizado como é o nosso processo eleitoral, notadamente no campo dos órgãos ditos de representação coletiva, é fora de dúvidas a qualidade dos candidatos e dos eleitos para integrar esses colegiados.
    É bem provável, embora um pouco duvidoso, que teríamos, decerto, ilustres herdeiros da sapiência e da moralidade dos atuais, para não falar de outros aspectos, tais como hombridade, conhecimento jurídico e isenção procedimental.
    Vade retro!!!

  4. No Brasil dos babacas periculosos, tudo pode. A bola da vez, agora é punir quem xingar ou assediar a Bia, um máquina de atendimento virtual do Bradesco, que responde aos clientes do banco. Um chute no saco da sensatez.

Deixe uma resposta