ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

Quando o inverno aparece
O clima na terra muda;
A formiga pequenina
Pega uma folha graúda;
Quando não pode com ela
Vem uma tropa e lhe ajuda.

Geraldo Amâncio

O céu de Deus não depende
De instalar energia;
Uma nuvem sem piloto
Voa cem léguas num dia,
Ou até mais do que isso
Depende da ventania.

Ismael Pereira

Têm coisas na natureza
Que eu olho e fico surpreso:
Uma nuvem carregada,
Se sustentar com seu peso,
De dentro de um bolo d’água,
Saltar um corisco aceso.

Manoel Xudu (1932-1985)

O que eu acho comum
É enfrentar o sol quente,
Me banhar na correnteza,
E me sentar no batente,
Abrir os olhos pra o mundo
E poder cantar repente.

Severino Feitosa

O pobre do retirante
Viaja sem rumo certo
Quando está fatigado
Acha um juazeiro perto
Parecendo um guarda-chuva
Que Deus armou no deserto.

Zé de Cazuza

11 pensou em “A NATUREZA NOS VERSOS DO REPENTISTA

  1. Uma frase do filósofo grego Aristósteles, um dos pensadores com maior influência na cultura ocidental, define a importância da natureza na nossa vida: Tendo em conta as condições de que dispõe e na medida do possível, é a natureza que faz sempre as coisas mais belas e melhores. Os poetas e repentistas descrevem com a beleza dos seus versos tudo o que compõe o meio ambiente. Considero a estrofe do repentista Ismael Pereira de uma beleza ímpar: O céu de Deus não depende/De instalar energia;/Uma nuvem sem piloto/Voa cem léguas num dia,/Ou até mais do que isso/Depende da ventania.

    • Cristina,

      Muito obrigado por seu admirável comentário. Quanto a frase do notável filósofo grego Aristóteles (384 – 322 a.C.), foi muito importante para se entender a dimensão da natureza em nossa vida. No Jornal da Besta Fubana, aprendemos uns com os outros sempre. Há uma estrofe sobre a natureza do repentista Zezé Lulu (1916 – 1987), eu a considero uma pérola e compartilho com a prezada amiga: Essa palavra ciência/
      Deus, a mim, não concedeu;/Meus ouvidos não ouviram,/Minha boca nunca leu,/Mas vivo aprendendo os livros/Que a natureza me deu.

      Saudaçôes fraternas,

      Aristeu

  2. Lendo o Jornal da Besta Fubana tive o privilégio de ler vesos sobre a natureza feitos por grandes repentistas nordestinos. A natureza é perfeita, nada precisa mudar em sua essência. O único elemento que precisa ser mudado na natureza, é o ser humano. Considero a sextilha de Manoel Xudu uma das mais bonitas que tive a satisfação de conhecer: Têm coisas na natureza/Que eu olho e fico surpreso:/Uma nuvem carregada,/Se sustentar com seu peso,/De dentro de um bolo d’água,/Saltar um corisco aceso.

    • Antônio,

      É um prazer ler seu ótimo comentário. A sensação de paz e tranquilidade que a conexão com a natureza nos traz é compreendida pelo nosso organismo como algo prazeroso, e isso é suficiente para iniciar a liberação dos hormônios da felicidade, como serotonina e dopamina. Estamos conectados o tempo todo ao meio ambiente.

      Os poetas e repentistas nos ajudam a despertar o respeito pela obra da natureza. Aproveito esse espaço democrático do Jornal da Besta Fubana para enviar uma estrofe do genial repentista Manoel Xudu (1932 – 1985) a ao prezado amigo:O meu amor pelo campo,/Cada vez mais, continua./Eu não troco a claridade/Embaraçada da lua/Pelas lâmpadas de mercúrio/Que clareiam aquela rua.

      Saudaçôes fraternas,

      Aristeu

  3. A beleza da natureza está nos detalhes. Os poetas e repentistas são responsáveis por narrarerem de forma bonita utilizando versos criativos. Sou uma leitora de poesia e fico maravilhada quando leio estrofes tão bem feitas. Os versos que tocaram a minha sensibilidade foram os elaborados pelo repentista cearense Geraldo Amâncio: Quando o inverno aparece/O clima na terra muda;/A formiga pequenina/Pega uma folha graúda;/Quando não pode com ela/Vem uma tropa e lhe ajuda.

    • Denise,

      Agradeço seu interessante comentário sobre a natureza nos versos dos repentistas. É da natureza que retiramos os recursos necessários para a nossa sobrevivência, tais como alimento e água. É ela também que garante o nosso desenvolvimento econômico, fornecendo as matérias-primas naturais necessárias. A natureza, portanto, é essencial para a sobrevivência do homem no planeta. Vou aproveitar a ocasião para compartilhar uma estrofe sobre a natureza do poeta popular e cordelista Wellington Vicente com a prezada amiga:

      Assisti o Astro-Rei
      Na passagem do plantão:
      Deixou bem limpa a guarita,
      Pendurou o macacão,
      Fez continência a Jesus
      E foi emprestar a luz
      Para o Luar do Sertão.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  4. Sempre tão sábia, em seus pequenos detalhes, a natureza diariamente nos ensina sobre a nossa vida, o passar do tempo, a capacidade de sentir e também sobre as etapas de nosso crescimento. Quando paramos para prestar atenção ao que nos cerca, percebemos que nada acontece em vão. Os repentistas têm a função de fazer a platéia despertar para a importância de preservar a natureza através dos seus belos versos. Confesso que a estrofe do repentista Severino Feitosa é a minha preferida: O que eu acho comum/É enfrentar o sol quente,/Me banhar na correnteza,/E me sentar no batente,Abrir os olhos pra o mundo/E poder cantar repente.

  5. Rafael,

    Grato por seu ilustre comentário. Gostei demais da conta da sua reflexão fazendo reverência a natureza. A importância do meio ambiente está atrelada ao seu papel enquanto fornecedor dos principais elementos necessários para a formação e continuação da vida no planeta. Nesse sentido, destaca-se que elementos básicos para a sobrevivência humana, como o ar e a água, são componentes do meio ambiente.

    Aproveito a oportunidade para compartilhar uma estrofe do talentoso repentista Raimundo Caetano para o prezado amigo:

    O que Deus faz é perfeito:
    No mar pôs mais de um cardume;
    No céu colocou estrelas;
    Nas rosas botou perfume
    E eletrizou a floresta
    Nos faróis do vaga-lume.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

  6. Parabéns, Aristeu, pela excelente postagem A NATUREZA NOS VERSOS DO REPENTISTA!

    Gostei imensamente da sua seleção de repentistas e de todos os versos.
    Mas, destaco o repentista Geraldo Amâncio, quando diz:

    “Quando o inverno aparece
    O clima na terra muda;
    A formiga pequenina
    Pega uma folha graúda;
    Quando não pode com ela
    Vem uma tropa e lhe ajuda.”

    Desejo a você e familiares, uma ótima semana, com muita saúde e Paz!

  7. Violante,

    Muito obrigado por seu excelente comentário. A natureza é um tema que me fascina e gosto muito de pesquisar. Devemos estabelecer nossa relaçao com a natureza adotando hábitos saudáveis. Observando e cuidando melhor da natureza. Empregando meios alternativos e menos predatórios de consumo, buscando afetar cada vez menos o nosso meio ambiente. Desenvolvendo métodos de avanço tecnológico que não prejudique tanto a natureza.

    Compartilho com a prezada amiga o mote, abaixo, glosado pelo poeta e repentista Geraldo Amâncio:

    A seca pintou de preto
    As cores do meu sertão…

    Quando a barra se levanta
    Com raios na nossa cara
    O sol parece coivara
    Queimando as folhas da planta
    Parece que o vento canta
    Um verso de solidão
    Nas folhas secas no chão
    Nos estalos do graveto
    A seca pintou de preto
    As cores do meu sertão…

    Desejo uma semana plena de paz, saúde e alegria para você e familiares!

    Aristeu

  8. Obrigada, Aristeu, por compartilhar comigo tão bonitos versos do poeta e repentista Geraldo Amâncio, glosando o mote “A seca pintou de preto
    As cores do meu sertão…”
    Gostei imensamente!
    Uma ótima semana! Muita saúde, inspiração e Paz!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *