A MINISTRA DAMARES E A TURMA DO KAKAY

A frase de Kakay, advogado dos corruptos endinheirados, que desfila de bermudas no STF, é testemunho eloquente de um tipo de personalidade que coloniza a atual oposição brasileira. Segundo nota publicada na coluna Radar, da Veja, Kakay escreveu o seguinte sobre Damares Alves para um grupo de juristas no WhatsApp: “Foi uma pena os pais desta idiota não terem feito o que ela prega. Se não tivessem trepado, estaríamos livres dela”. Não satisfeito com a repercussão da grosseria e o vocabulário chulo, o advogado ocupou espaço no Estadão digital com um artigo em que tenta, de modo patético e inútil, bater palmas para si mesmo. Não teve boa parceria pelo que vê nos comentários ao texto.

Parcela significativa da oposição brasileira, no entanto, ainda não entendeu o resultado da eleição de 2018. Instituíram para seu uso pessoal, como nécessaire, conceitos empacotados segundo os quais o país foi tomado por alguns homens e mulheres intrinsecamente perversos, com ideias conservadoras e liberais. É como se dissessem: “Querem recompor tudo que lutamos para desconstruir – família, ordem, religião, virtudes, amor à pátria. Acreditam que direitos e deveres andam juntos e que liberdade impõe um vínculo sólido com responsabilidade”. E deduzem: “Essa gente não presta!”. Kakay talvez complementasse esse despautério com elegância lacradora: “Melhor seria se os pais dos conservadores não tivessem trepado e eles não tivessem nascido”.

No entanto, a “idiota” assim qualificada por ele é, logo após Sérgio Moro (aguenta Kakay) o segundo nome mais prestigiado junto à opinião pública no conjunto dos ministros e representa, em muitos aspectos, o discurso vencedor das eleições de 2018. Bolsonaro foi eleito, principalmente, porque segurou a bandeira do discurso conservador, que ressoou na alma de milhões de eleitores de muitos bons professores, de muitos pais conscientes do efeito tóxico da permissividade transformada em sinônimo geneticamente defeituoso de liberdade.

A Dra. Damares, que lança hoje, às 16 horas, junto com o ministro da Saúde a Campanha de Prevenção à Gravidez na Adolescência, tem maior conhecimento e experiência nos temas em que atua do que o inteiro colegiado de seus críticos. A má vontade deles espelha a maldade de seu querer, que torna opaco o que é cristalino. E como é cristalino o que ela tem dito sobre o tema da gravidez precoce! Qual mãe, qual pai ficará aborrecido se seus filhos, em adição ao que ouvem em casa, forem levados a refletir sobre as consequências e responsabilidades inerentes à atividade sexual? Qual mãe, qual pai ficará tranquilo ao saber que a filha de 12 ou 13 anos, sob pressão psicológica própria ou externa, está deitando com um adolescente imberbe? Que embaraço matemático existe em compreender a relação de causa e efeito entre menos “trepadas” precoces e menos gravidezes?

Isso nada tem a ver com cultura medieval, com colocar Rapunzel na torre da bruxa, nem com cinto de castidade. E tem tudo a ver com zelo, prudência, responsabilidade e saúde pública.

6 pensou em “A MINISTRA DAMARES E A TURMA DO KAKAY

  1. Kakay é a representação de um Brasil arcaico que está se esvaindo.

    É representante de uma casta de privilegiados luta para manter o povo mais pobre alienado e odeia a classe média, que é quem mantém isso tudo à custa de seus impostos.

    Tirar o país do atraso não é uma opção para quem ele representa.

  2. Será por onde anda as advogadas feministas,e o conselho de “ética’ da O A B, porque não chama o advogado brasiliense para dar explicações, por seu ataque gratuito a uma sua colega de profissão, considerando que d. Damares, também é advogada. Pau que dá em Chico também tem que dar em Francisco.

    • OAB? Está de brincadeira? Quem é o presidente? Esqueceu que o presidente desta porcaria é um canalha esquerdalha, um pulha, um apostema e um canalha vagabundo sem eira e nem beira?

  3. O “adivogado de bandidos e ladrões”, Kakay, “o-cara-de-buceta-peluda-de-puta-gonorrenta”, está apenas demonstrando a inveja incurável, que o tortura diuturnamente, de que a Damares foi concebida e parida pelas vias normais.

    É que ele é resultado de uma gozada no cu da mãe dele, cujo um dos espermatozoides fecundou uma lombriga lá dentro existente e que – por uma desses inexplicáveis fenômenos biológicos – gerou uma criatura antropoformizada, que foi expelida numa das cagadas da sua progenitora.

    Ela, ao vê-lo, se debatendo na água suja da privada, levou um baita susto, e gritou, repetida e histéricamente, a la Maria do Rosário:

    – Mazuquê quié íssu?

    Então, a coisa já mostrando e demonstrando ser um vigarista e salafrário bem precoce, gemeu, convincentemente:

    – Mamã!!!

    Aí, o instinto materno foi mais forte, e ela o aceitou e criou esse lombrigômem.

    Eis o porquê, para essa lombriga nauseabunda, mas com aparência humana, devemos parafrasear a citação bíblica:

    “Vieste da merda e à merda voltarás!!!”

Deixe uma resposta