VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

Violante Pimentel

Bartolomeu passou muito tempo no Rio de Janeiro e, já beirando os 60 anos, voltou para sua terra natal, no interior do Rio Grande do Norte. Boêmio e seresteiro, reencontrou vários amigos da sua juventude e os encontros em mesa de bar tornaram-se diários. Voltou do Rio de Janeiro, chiando e com uma boa economia financeira, fruto do seu trabalho em um Jornal. Veio disposto a viver a vida com que sempre sonhou: “Sombra e água fresca”. Queria, agora, somente tomar suas cervejas, conversar com os amigos e curtir serestas, onde ele mesmo era o melhor violonista e cantor.

Divorciado, preferiu permanecer sozinho, sem qualquer relacionamento sério. Bom de copo e de conversa, os amigos sempre aguardavam, com ansiedade, a sua chegada.

Certo dia, Bartolomeu sentiu um incômodo no pescoço e, muito assombrado com doença, foi depressa à casa do Dr. Simplício, um médico antigo da cidade, que há anos estava aposentado. O Dr Simplício, disse-lhe que não estava mais clinicando, mas, por delicadeza, apalpou o pescoço de Bartolomeu, constatando alguns gânglios. Contundente, o médico sugeriu, então, que ele fizesse uma consulta com um médico moderno, na capital do Estado. Podia não ser nada e podia ser muita coisa. Por isso, era melhor prevenir do que remediar.

Bartolomeu ficou decepcionado com o Dr. Simplício e considerou uma grosseria o fato dele ter se recusado a lhe receitar qualquer remédio. E falou:

– O que é isso, Dr. Simplício? Um médico bom, como o senhor sempre foi, não esquece nunca o que aprendeu no exercício da sua profissão. Não está vendo que eu não vou sair daqui para me consultar a um médico novo, que ainda não tem a sua experiência?

Bartolomeu reclamou tanto que o médico saiu do sério. e falou aborrecido:

– Olha Bartolomeu, para mim é difícil dar um diagnóstico sem os exames que se fazem necessários. Por isso, eu insisto com você, para que vá a um médico em Natal, especialista em pescoço.

Bartolomeu não concordou com a sugestão do Dr. Simplício e disse que não iria a nenhum outro médico, muito menos em Natal. Já tinha passado muito tempo longe de sua terra e de seu familiares, e não se afastaria mais dali por motivo nenhum.

Nessas alturas, o nervosismo tomou conta de Bartolomeu e ele perguntou ao médico:

– Se for câncer, quanto tempo terei de vida, doutor? Pode dizer, pois não tenho medo de morrer!!!

Já irritado com a insistência de Bartolomeu, o médico sentenciou:

– Se for câncer, no máximo, seis meses.

Bartolomeu saiu arrasado da casa do Dr. Simplício. Não foi a nenhum centro adiantado para se consultar e continuou no interior, com a sua vida normal, de boemia e boas conversas com os amigos. Passou a usar no pescoço, todos os unguentos caseiros que lhe arranjavam, e aos poucos seu pescoço normalizou.

Quase um ano depois, Bartolomeu, completamente em forma, resolveu voltar à casa do Dr. Simplício, que lhe sentenciara, se fosse câncer, “no máximo, seis meses de vida”. Lógico, que não era câncer. Sorte de Bartolomeu.

O velho médico costumava passar as tardes na janela de sua casa, olhando o movimento da rua. Quando Bartolomeu vinha se aproximando, Dr. Simplício o reconheceu, saiu da janela e a fechou bruscamente. Humilhado, Bartolomeu foi ao encontro dos amigos que o esperavam no bar e contou a decepção por que tinha passado. Literalmente, o médico batera a janela na sua cara.
Um dos amigos saiu-se com essa tirada:

– Não se engane não, Bartolomeu. Esse Dr. Simplício ficou intrigado com você, somente porque você não morreu!!!

Deixe uma resposta