A FRASE DA SEMANA

“O MST não rouba terras, o MST ocupa terras improdutivas”

Colunista fubânico Goiano Braga Horta em comentário numa postagem

* * *

Um exemplo de terra improdutiva:

4 pensou em “A FRASE DA SEMANA

  1. Caro A Palavra do Editor, embora â primeira vista condenemos o MST pela derrubada dos pés de laranja, ao nos aprofundarmos no exame do caso algumas dúvidas a esse respeito surgem:
    1) O MST ocupou parte das terras onde a empresa Cutrale planta laranjal alegando que as terras são de propriedade da União e estariam ocupadas irregularmente pela empresa;
    2) O MST ocupou a áreacom a justificativa de que “Como forma de legitimar a grilagem, a Cutrale, maior produtora mundial de sucos de laranja, realizou irregularmente o plantio de laranja em terras da União. A produtividade da área não pode esconder que a Cutrale grilou terras públicas, que estão sendo utilizadas de forma ilegal, sendo que, neste caso, a laranja é o símbolo da irregularidade”;
    3) Assim considerando, o MST fez a ocupação com 250 famílias e derrubou uma área de laranjal para plantar feijão, alegando que ninguém vive só de chupar laranja;
    4) Essa ocupação, pelo que me lembro, rendeu de 2009 a 2011, e a Justiça mandou fazer a reintegração da posse em favor da Cutrale;
    5) Algumas vezes membros do MST praticam excessos em atos de ocupação ou de reivindicação, o que não significa que as ações e objetivos do MST, pela reforma agrária, sejam irregulares e condenáveis, muito pelo contrário – são movimentos sociais que a democracia deve acolher; e quando praticar excessos e irregularidades deve sofrer as consequências por isso.
    6) Para conservadores, direitistas, extremistas de direita, fascistas e gente sem coração, movimentos sociais reivindicatórios só servem para bagunçar e incomodar, de modo que se a pessoa quer terra para plantar e não tem terra para plantar que se foda.

  2. “O MST abandonou sua pauta de luta para absorver um modelo de produção liberal – e por que não dizer capitalista – para lograr sucesso”, critica Adriano Paranaiba, mestre em Agronegócios pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e diretor de ensino e pesquisa do Instituto Liberdade e Justiça (ILJ).

  3. Papa Berto, com mais umas duas publicações do subvencionado, vulgo ceguinho teimoso (falsificação grosseira do Chico Folote), vossa já inflada bolsa escrotal vai explodir!

Deixe uma resposta para Goiano Cancelar resposta