A ESTRADA E O POETA

Essa estrada reta, qual é sua meta,
E aonde é seu fim? De forma discreta,
Por favor, poeta, responda pra mim!
Sendo um andarilho, não acha empecilho,
Para me dizer, por ser viajante,
Sei que num instante, vai me responder.

E logo o poeta, de forma completa,
Respondeu assim, essa estrada é linda,
E lhe digo ainda, que ela não tem fim,
É uma porta aberta, que de forma certa,
Serventia tem, encanta e atrai,
Servindo a quem vai, e servindo a quem vem.

Pra o caminhoneiro, pra o aventureiro,
Para o caminhante, que por ela passa,
Com charme e com graça, pra perto ou distante,
Cansado ou disposto, carrega no rosto,
Sorriso ou saudade, pela estrada larga,
Transportando a carga, de felicidade.

Leva a alegria, leva a poesia, por onde passar,
Leva o sofrimento, a mágoa, o lamento,
Leva o bem-estar, passam vales, rios,
Tantos desafios, nessa caminhada,
Com fé no Divino segue o seu destino,
Qualquer peregrino, que vai nessa estrada.

Deixe uma resposta