A PALAVRA DO EDITOR

Há de parecer um contrassenso. Há algumas décadas, temia-se pela empregabilidade dos mais idosos. Dizia-se que eles seriam rapidamente superados e, muito provavelmente, substituídos pela juventude que se preparava para entrar no mercado de trabalho. Em reportagens sobre o assunto, li que indústrias japonesas tinham uma sala de estar e de convivência onde seus velhinhos podiam se sentir úteis, convidados a opinar perante certas situações específicas. Cortesias orientais para antigos ocupantes de um mundo que rejuvenescia. Não sei se tais locais ainda existem.

A vida, porém, furou a bola de cristal, ao menos no Brasil. No país do futuro, o Estadão do dia 14 deste mês publicou matéria que merece ser lida, da qual extraí pequeno trecho:

“… Ou seja, de cada dez trabalhadores com até 24 anos de idade, quase oito trabalham em situação vulnerável, segundo levantamento da consultoria IDados. Em números absolutos, isso significa perto de 7,7 milhões de pessoas. Na faixa etária entre 25 e 64 anos, o porcentual é de 39,6% e, acima de 65 anos, de 27,4%.” O inteiro teor da matéria pode e deve ser lido aqui.

A constatação não surpreende se recordarmos o minucioso relatório da UNESCO intitulado “Perfil dos professores brasileiros” (2004) – sem dúvida o mais alentado e minucioso que já li – constatou (tab. nº 55, pag. 108) que 72% dos nossos “trabalhadores em educação” assumiam como sua principal função “formar cidadãos conscientes”. Apenas 9% priorizavam “proporcionar conhecimentos básicos” e não mais de 8% sublinhavam a importância de “formar para o trabalho”. Noutro item da mesma pesquisa (tab. nº 64, pag. 127) 64,5% dos professores tinha consciência, em grau alto e muito alto, de exercer um “papel político”. Infelizmente, não se requer nova investigação para saber que de lá para cá, ao longo dos últimos 16 anos, também nisso a situação só se agravou.

É só lembrar: o aparelhamento e a ação política dos sindicatos da categoria; a partidarização das universidades públicas; a ocultação de autores conservadores e liberais; a orquestração depreciativa contra o projeto Escola Sem Partido; atos de formatura que se assiste por aí. Nada de estranhar num país que cultua Paulo Freire, que assume atitude religiosa perante a obra mais descaradamente política que já li sobre educação e continua a influir em tantos no comando da barra de giz ou do ponteiro laser.

O PISA de 2018, divulgado em dezembro de 2019, continha apenas uma notícia boa para o Brasil: a convicção de que assim como está não dá para continuar. Lembre-se, porém, que, em nosso país, tudo precisa mudar, contanto que, para cada um, tudo fique como está. Resultado: num rol de 79 países, conseguimos as posições entre 58º e 60º em leitura, entre 66º e 68º em ciências e entre 72º e 74º em matemática. A variação decorre da margem de erro adotada pela pesquisa.

O resultado dessas posições de vanguarda, da formação de jovens de pouco estudo e nenhum livro, entregues a seus “criativos e não reprimidos impulsos”, está custando muito caro àqueles em quem se investiu de modo tão equivocado. Outro dia, deu-me dó de uma atendente de caixa quando a vi, disfarçadamente, contando nos dedos para calcular um troco de R$ 12 reais. Sem sucesso, apelou para a calculadora.

Sempre que alguém se apresentar como trabalhador em educação, lhe falar em educação para a cidadania, se disser freireano, saia correndo, chame a mulher e as crianças e grite por socorro, SOS, Mayday, salve-se quem puder! Em seguida seus filhos estariam falando em alternativos, fascistas, neoliberais, negacionistas, golpistas, excluídos, oprimidos, bem como em utopia, problematizar e por aí afora.

2 pensou em “A DIFÍCIL EMPREGABILIDADE DOS JOVENS

  1. Percival, muito bom seu artigo.

    Mas eu devo separar a educação em três áreas: humanas, saude e exatas

    Nas humanas, só o diploma interessa. Se vai buscar vaga no mercado, não é um problema. Aí surgem espaços para os “prolapsos do cu”, peças teatrais escatológicas (fotos já mostradas aqui no JBF), festas e consumo de drogas…

    Nas Exatas, o aluno olha para o futuro e escolhe uma área de atuação que vai estar em evidência ao fim do curso. E busca estágios e projetos para qualificação. A competição é grande e ele sabe que deve estudar muito.

    Na Saúde o problema não é tão grande dada a falta de profissionais para o atendimento e a possibilidade de apoio profissional dos familiares

    É… hoje em dia no Brasil você só arregala os olhos para manifestações de alunas das Humanas (normalmente de esquerda). As demais áreas só aparecem na mídia ao ganharem prêmios por projetos, participações em eventos internacionais, enfim profissionalismo. Idem para a Saude.

  2. A importância de “formar cidadãos conscientes” é para eles, ao receberem o diploma, terem consciência de que não sabem fazer nada de útil e sua chance de conseguir um bom emprego é nula.

Deixe uma resposta para Marcelo Bertoluci Cancelar resposta