CARLOS BRICKMANN – CHUMBO GORDO

Uma menina de dez anos de idade que há quatro era estuprada engravidou.

A Justiça liberou o aborto, na forma da lei. E que é que aconteceu? A menina de dez anos foi exposta ao público: Sara Geromini, por apelido Sara Winter, em prisão domiciliar com tornozeleira, divulgou nome e dados pessoais da menina, mais o endereço do hospital onde ocorreria o aborto, permitindo que uma turba ululante de fanáticos perturbasse a paz dos pacientes e médicos. Pior: aos berros, acusaram a menina de “assassina”. O nome do estuprador, ninguém se incomodou em descobrir e revelar. Em que país vivemos, no qual adultos fanatizados gastam seu tempo para insultar crianças e perturbar a vida de um hospital? Pois vivemos num país ainda pior: o presidente da CNBB, Confederação Nacional de Bispos do Brasil, d. Walmor de Oliveira, disse que interromper a gravidez de uma criança de dez anos, vítima de estupro, “é um crime hediondo”. Sua Eminência Reverendíssima que perdoe este colunista, mas no caso o crime que se configura é atribuir falsamente um crime a alguém. D. Walmor tem todo o direito de, como hierarca católico, condenar o aborto, do ponto de vista de sua religião. Mas qualificá-lo como crime? Crime é algo definido em lei. E a lei não considera crime interromper uma gravidez proveniente de estupro – ainda mais tratando-se de criança, ainda mais após a aprovação da Justiça. Tenho certeza de compartilhar esta posição não só com o papa Francisco como com o papa emérito Bento 16.

A religião

Apenas relembrando, as três Virtudes Teologais do catolicismo são a Fé, a Esperança e a Caridade – que também pode ser chamada de amor. Palavra de Jesus: “Deixai vir a mim as criancinhas, pois delas é o Reino de Deus”.

A lei

A interrupção da gravidez em casos como este é legal. A Justiça a aprovou – ponto final. Todos têm o direito de defender opinião diferente, por quaisquer motivos, mas sem violência, e sem tentar imputar o crime à vítima. Não como fez Sara Geromini, que expôs a menina. Abusou da prisão domiciliar e se mostrou perigosa, lembra a deputada Perpétua Almeida, do PCdoB, que pediu ao STF que elimine o benefício e a ponha na cadeia.

Abaixo os livros!

Há uns 1.500 anos, quando o califa Omar conquistou o Egito, onde havia a notável Biblioteca de Alexandria, decidiu destruí-la: “Se os livros estiverem de acordo com o Corão, são inúteis. Se estiverem em desacordo, são nocivos”. Os livros foram distribuídos aos balneários, e usados como combustível para aquecer a água. Agora, um milênio e meio depois, o Egito tenta restaurar a Biblioteca de Alexandria, símbolo eterno de sua cultura.

O nazismo lutou contra os livros, os comunistas soviéticos proibiram boa parte dos livros, Mao Tsé-tung fez o que pôde para evitar o contágio de novas ideias. Só eles? Não: Paulo Guedes, o Imposto Ipiranga, também propõe que os livros tenham fim. Em sua reforma tributária, os livros, hoje isentos de impostos, passarão a pagar 12% – o Governo ganhará mais que os autores, mais que os industriais gráficos, mais que os comerciantes, e sem se dar ao trabalho de gerar uma só ideia, um só emprego. Guedes deveria gostar de livros, já que fez uma boa Universidade americana, a de Chicago, e se gabou de ter lido toda a obra de Keynes no original, e três vezes. Talvez tenha de ler a quarta para ver se entende: tanto Keynes quanto Milton Friedman, guru de Guedes, embora defendam ideias diferentes, são defensores dos livros.

Este conhece

O professor Jayme Pinsky é autor, editor, intelectual de renome. Vejam o que pensa dessa ideia de jerico: O livro, esse subversivo!

O tempo passa

O ministro da Economia, Paulo Guedes, encaminhou ao Ministério da Saúde, em 21 de abril, um ofício com a lista de 81 imóveis da União, nos 26 Estados e no Distrito Federal, onde poderiam ser instalados hospitais de campanha. O general Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, respondeu ao ofício em 31 de julho, três meses depois. Fazendo o cálculo de outro jeito, no dia em que o ofício foi enviado, havia no Brasil 2.700 mortos pela Covid. No dia em que o ofício foi respondido, já havia por aqui 91 mil mortos.

O brasileiro e os impostos

A pesquisa foi encomendada ao Ipespe pela corretora XP. Primeira conclusão: 10% dos entrevistados se julgam bem informados sobre a reforma tributária, 61% mais ou menos bem informados, 26% não estão informados.

A nova CPMF é rejeitada por 78%; mas se for ligada a um programa tipo Bolsa Família, para beneficiar mais pessoas, há empate, 43% a 43%. Se for para substituir outros impostos, 43% concordam e 37% discordam. Mas 59% dos ouvidos dizem não se lembrar de como era cobrada a CPMF. E, para 41%, a alta carga tributária é um dos principais problemas do país.

18 pensou em “A CULPA DA VÍTIMA

  1. OLá Brickmann
    Na Europa a situação é pior, lá as vítimas são acusadas de racismo, veja esta reportagem
    https://pt.gatestoneinstitute.org/16343/vitimas-estupro-acusadas-de-racismo. Aqui não é diferente, algum idiota ainda vai acusar a criança.
    Tem youtubers já aparecendo para se aproveitar do caso ao oferecer tratamento. Caridade você faz com a mão direita para que a esquerda não fique sabendo, como falou nosso Jesus Cristo. O que estes cara estão fazendo é publicidade para eles.

    Mateus 6.2 Por essa razão, quando deres um donativo, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Com toda a certeza vos afirmo que eles já receberam o seu galardão. 3Tu, porém, quando deres uma esmola ou ajuda, não deixes tua mão esquerda saber o que faz a direita. 4Para que a tua obra de caridade fique em secreto: e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará. A oração modelo

    • Sr. Mauri, sabe quanto ganha para divulgar uma marca qualquer um youtuber com mais de 10 milhões de seguidores e 40 milhões de views por mês? cerca de 500 mil reais só para citar a marca algumas poucas vezes.

      Os dois Youtubers famosos que teriam prometido darão tratamento ou bolsas de estudo, ao divulgar isso publicamente, estão investindo muito pouco dinheiro (que darão para a menina) no próprio nome para o grande retorno de mídia que terão.

      Não é por pura caridade que estão fazendo isso. Já se fizessem de forma anônima, aí a coisa seria diferente.

  2. Sr. Carlos Brickmann, vamos falar de estupro, pedofilia e aborto.

    Primeiramente eu digo que abomino os três tipos de crime, pois envolve um abuso de poder contra vítimas vulneráveis e estes para mim são hediondos. No caso da menina foram cometidos os três crimes e envolvia o seio familiar.

    Há notícias do abusador sim, seu tio, veja o vídeo:

    https://youtu.be/738ru8r8e1A

    Neste, o suposto abusador acusa que além dele, devem ser investigados o avô e o filho do avô da criança. Portanto há muito o que se investigar nesta história, inclusive a avó que a criava, pode ter sido conivente e foi quem deu a autorização para o aborto.

    Sara Winter divulgou o nome da menina e seu endereço? Como ela obteve isso? Isso é crime, pois expôs a menina de 10 anos.

    Por falar em lei, na situação em tela a Lei prevê que a menina de seis meses que estava no útero da criança de 10 anos fosse assassinada com uma injeção de uma solução salina diretamente no coração, cujos efeitos para o feto é pior que a injeção letal que é dada aos condenados à morte nos EUA.

    Nenhum médico do ES aceitou “cumprir a lei”, mas em PE a coisa foi diferente. Pensa na situação, um “médico” se dispõe a aplicar uma injeção no útero até achar um coraçãozinho do tamanho de uma azeitona pequena. Não será na primeira vez que vai acertar. Pensa no sofrimento da menina de 6 meses enquanto este procedimento é feito. Se fizer isso com um assassino em série nos EUA na câmara da morte (que eu também não concordo) seria uma gritaria só. Mas está na lei né?

    Ah, a lei, o Sr. Sabia que corre atualmente no congresso uma Lei que diminuirá a idade do consentimento para menins e meninas de 14 para 12 anos? Aquele famoso cantor baiano, que recebei de presente na festa de aniversário de 40 anos, a virgindade uma menina de 13 anos, com consentimento dos pais dela, deve estar adorando isso.

    Bobo Jeff, semanas atrás disse que havia em Brasília urubus (altos togados) que gostavam de carne de aves novas. Ontem a PF adentrou no STF para recolher computadores que continham imagens de pedofilia. Parece que Bob estava certo né?

    Vou parar por aqui, pois estou enojado e revoltado esta história que tem muito de hipocrisia.

    • Correção: a atuação da PF ontem foi no STJ e não no STF e não é Bobo Jeff e sim Bob Jeff o nome no meu malvado e crápula favorito.

      • Enquanto não for provado quem foi ou quais foram, todos são supostos estupradores. Se Sara Winter divulgou o endereço dos supostos estupradores? não sei.

        Aquele que aparece no vídeo estava preso até 2 anos atrás e a menina foi abusada nos últimos 4 anos. Muito estranho tudo isso

        Só sei que a criança não tem mais condições de morar com os tios, a avó e o avô. A avó deveria perder a guarda da neta por total incapacidade de cuidar da mesma, independentemente se ela sabia ou não das atrocidades

        • O texto pelo que entendi é uma critica , ao meu ver justa , e que assino embaixo , a Sara Winter , pela divulgação de dados pessoais de uma pessoa , no caso de uma criança , que foi jogada a sanha de malucos iguais a ela .

          • A Sara Winter Geromel é uma “ativista Bolsonarista” de acordo com a imprensa e o Colunista. No entanto ela fala e age só por ela, não tem representatividade alguma. Se cometeu crime, que pague. No entanto a ênfase dada a ela é o menor dos problemas nesta história toda.

            Eu digo que a criança de 10 anos não pode ser considerada culpada de nada, já sua família…, é preciso investigar mais. O Feto de 6 meses se fosse simplesmente tirado da barriga da criança de 10 anos, muito provavelmente estaria vivo.

            Agora na Folha estão querendo fazer do tio dela (o suposto estuprador) uma vítima também. Uma vergonha

            • Concordo com o Airton e com o João. Realmente a coisa precisa ser bem investigada, pois disse o sujeito que um avô e outro tio também “abusaram” da garota.

            • Nobre Francisco,

              o crime da Sara Winter foi infringir um artigo do ECA (revelar, ainda que parcialmente, dados referentes a identidade de um menor).

              Sim, o ECA, o zênite do Direito tupiniquim que permite menores de doze anos, já iniciados no mundo do crime, toquem o terror nos cidadãos de bem já que, para cumprir medida-socioeducativa, tem que ter doze anos completos.

              Então infringir um artigo do ECA, com certeza, um crime comparável a permissividade de se destruir um feto no quinto mês com mais de meio quilo, prática que a comunidade médica no ES definiu dentro de seu conhecimento técnico como inviável, não?

              Pois é. É esse naipe de dosimetria que a isentosfera e lacrosfera se utiliza para cuspir e meter pedra na Geni da Direita.

              Que a verdade seja dita: sem a ₢ blasfêmia ao positivismo jurídico de Pindorama ₢ da Sara Winter, nenhum de nós saberia disso, ninguém estaria comentando sobre isso, os carniceiros da lacrosfera e isentosfera continuariam alienados na sua luta contra o Fascismo imaginário e a menina seria só mais uma dentre milhares que o nosso judiciário autoriza passar por isso sem considerar possibilidade de adoção posterior do feto e atenuar os já grotescos danos à integridade da infante gestante.

              O que Sara fez para deixar as hordas canhotas do inferno emputecidas foi muito mais do que infringir um artigo do ECA ou ter acesso a um processo em segredo de justiça. Ela levantou as inúmeras togas que acobertam essa prática macabra a qual dão aceitabilidade por uma legalidade aviltante.

              • Pois é, meu caro Hel, a hipocrisia a que me referi na última palavra do meu comentário, está aí descrita no seu.

                Ah, uma pena que o Sr. Carlos Brickmann não tem estado disposto a participar deste nosso importante debate.

  3. Sr. Carlos, agora que já passou meu engulho pelo primeiro assunto, vamos falar de Paulo Guedes e livros.

    Há uma caça ao “Posto Ipiranga” do Bolsonaro. Que história é essa de taxar livros?

    a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 150, inciso VI, alínea “d”, limita o poder da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, de instituir impostos sobre os livros, jornais, periódicos e papel destinado a sua impressão.

    Portanto se Guedes quisesse taxar o papel para impressão de livros ele teria que mudar a CF e a Reforma Tributária não passará por uma PEC. Falácia desfeita?

    Também tem a falácia da volta da CPMF. E porque é falácia? Porque a proposta é instituir um imposto sobre pagamentos eletrônicos e visa substituir PIS, COFINS e impostos sobre a folha de pagamento.

    Vou dar um exemplo que até o Sr. Carlos poderá entender. Com a CPMF em toda e qualquer movimentação bancária havia imposto. Tirou dinheiro de uma conta e passou para outra; imposto. Depósito do Bolsa família; imposto. No sistema proposto, é só quando efetua um pagamento via eletrônica de um bem ou serviço, que pagará imposto. Viu? não é a volta da CPMF. Tá desfeita a falácia?

  4. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará!” (Jo 8,32)

    João lá na Bíblia e João cá, no JBF…. Divinal gazeta de meu bem querer… E ao ler nosso João você leva gratuitamente Francisco. Quer coisa melhor? Oremos!!!!!!

    Tá desfeita a falácia? Falando em falácia, o falacioso Sancho cada vez mais fã de João Francisco. Como é bom ter amigos de tal porte. E essa gente amiga a gente encontra reunida em que lugar? Se você pensou na grande mídia, você errou. Gente como a gente só se encontra no interestelar Jornal da Besta Fubana. O JBF manda a concorrência para o espaço. Chuuuuuuuuuuuuuuuuuuupa concorrência!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  5. E o Brickmann comete a , no mínimo , injustiça de jogar no colo do Pazuello a não resposta ao ofício , ” esquecendo” que os estados e municípios construíram hospital de campanha ,e que muitos deles sequer chegaram a ser ativados e alguns que foram , não foram plenamente, como é o do Anhembi , que agora seria desativado , mas ao contrario disso ,teve o contrato prorrogado .
    Ele também ” esqueceu ” que a gerência da crise foi outorgada pelo STF aos governadores e prefeitos e que estes receberam verbas para pagamento de leitos de UTI e de enfermaria , fora os ventiladores .

    • Caro Airton, o Colunista, Sr. Brickmann tem uma implicância com o General Pazuello, que beira uma fixação doentia. Já o chamou gratuitamente de General Cloroquina. Quando Guedes ofereceu os imóveis para servirem de hospital de campanha, realmente ele o fez com a melhor das intenções.

      Quem contratou, implantou e pagou com o dinheiro do contribuinte federal tais Hospitais foram os Governadores e Prefeitos, por interferência do STF. No RJ, o do Maracanã não chegou nem a funcionar, em SP o do Anhembi mal chegou a ter 20% de sua capacidade ocupada. O dinheiro rolou solto e sem o menor controle, porém isso pouco importa ao Colunista, e sim enxovalhar o nome do General Pazuello, Vai entender.

      • Nobre Francisco,

        no tocante ao Pazuello nome disso é “fetiche”.

        Os olhos do colunista cintilam quando falam no general assim como suas insígnias no peito e suas estrelas no ombro.

        O bigode do Homemm-tijolo nunca me enganou. Freddie Mercury também era bigodudo e Renato Russo tinha até barba.

Deixe uma resposta