FRED MONTEIRO - MASCATEANDO

Nessa mania de fazer cordel, surgida há uns dois anos, já produzi algumas centenas de estrofes de toda ordem (quadras, sextilhas, septilhas, décimas, martelos) em comentários e pelejas virtuais no Jornal da Besta Fubana, onde assino coluna.

Motivos os mais diversos podem resultar em pelejas animadas em que os poetas se digladiam por horas e até dias, pela WEB, resultando disso folhetos muito interessantes, alguns dos quais já publiquei aqui.

Parte deste, cuja capa encima esta matéria, vou trazer hoje para vocês, por um motivo especial: quero aqui fazer uma homenagem aos meus amigos poetas daquele Blog, sem os quais eu não teria entrado nessa vertente artístico/literária que é a poesia de cordel.

Como vocês vêem a capa não tem a ver com a homenagem que acabo de mencionar. E tem…

Pois foram os versos de uma animada peleja, começada para glosar um mote do Escritor e Editor do JBF, Luiz Berto, que me fizeram ser escolhido como um dos cinco colocados num concurso interno de glosas, o que nos divertiu bastante.

O mote também se prestava a muita chacota: 

“Tua mãe morre e não acha
outro macho que nem eu”

A ilustração também é da minha autoria, pois meto-me a imitador de desenhista e assim vou matando a vontade de ser artista.

Através da minha fictícia (mas eficiente) Cordelaria Monteiro, que já editou 32 títulos e tem muitos outros na fila de edição, tenho registrado essas brincadeiras para distribui-las com amigos e admiradores da poesia de cordel.

Divirtam-se com o texto.

* * *

AOS MEUS AMIGOS POETAS DO JBF

Faço aqui uma homenagem aos colegas de Jornal que sempre estão postando poemas, folhetos, comentários em verso, como também provocando, com seus ricos motes, diversas e boas pelejas entre a poetada que frequenta o Jornal da Besta Fubana, esta fronteira da boa poesia nordestina e brasileira.

1.
Ismael, Filó, Dalinha
Jessier e Dom Capeta
Xico Bizerra é porreta
Itaerço anda na linha
Claude Bloc é a rainha
Do Crato tão festejado
Nesse blog consagrado
Que tem Gregório e Crisanto
E Alamir, lá no seu canto
Fazendo verso rimado

2.
Hélio, Jefferson, Nonato
Hardy Guedes e Aristeu
Tem gente que apareceu
E depois sumiu, no ato
Com medo que o carrapato
do poema de cordel
grudasse no seu chapéu
Pois eu não faço questão
Cutuco meu violão
E aí é sopa no mel

3.
Só uma coisa desafina
Nesse papo de poeta
é quando vira uma meta
é quando vira uma sina
brigar por coisa mofina
apelar pra grosseria
insistir na hipocrisia
de defender aloprado
falando papo furado
pra defender utopia

4.
Tem poeta que sumiu
por conta dessa pendenga
de toda essa lenga-lenga
que a política pariu
e a solução não viu
Pois eu digo com certeza
que as cartas estão na mesa
Pra quem quiser arengar
eu nunca mais vou entrar
nesse rio de correnteza

5.
E agora peço desculpa
se ofendi a alguém
intenção nunca se tem
não precisa sentir culpa
pois não há gênio que esculpa
a estátua da verdade
com mil faces sem maldade
e mais mil tão tenebrosas
Pois nem tudo são só rosas
Nesta nossa humanidade

20 pensou em “A CORDELARIA MONTEIRO HOMENAGEIA OS POETAS DA BESTA FUBANA

    • Sem dú8via, Maurício ! Uma manifestação reconhecida por todos que amam a nossa literatura sui generis, vinda diretamente da alma de um povo simples mas muito inteligente, que já aprende a ler com os pais, nos mais distintos rincões, nos cordéis comprados nas feiras das pequenas e grandes cidades espalhadas por essa Nação Nordestina que tanto orgulho nos trás. Conservemos, pois, essa bela e às vezes incompreendida literatura do povo !

    • Bom dia, Arael ! Muito grato pelo comentário, que foi direto ao coração de um nordestino orgulhoso da nossa cultura popular tão queridas por todos, hoje um patrimônio cultural da humanidade !

  1. O grande Fred Monteiro
    Que tem qualidades mil
    Fez do mundo Poeteiro
    um ‘fubanar’ varonil
    calou, e o mundo viu
    dele próprio não falou
    modesto, não se citou
    nesse florido roçado
    que por ele encabeçado
    só cresceu e melhorou
    xb

  2. Fred Monteiro e seu banjo
    Espalhando Poesia
    No cordel, com maestria
    Esbanja o seu arranjo
    Junto de Santo e de Anjo
    a rima sempre a fluir
    o verso a lhe perseguir
    com a maior das destrezas
    Onde vai, leva belezas
    sorrindo e fazendo sorrir
    fb

    • Meu caro amigo Xico Bizerra.. Muita honra pra mim receber esses dois comentários tão caprichados pela forma e pelo conteúdo. Duas belas estrofes que serão objeto de uma resposta especial. pra mim, ter participado desde o início de sua tão brilhante carreira musical, poética e literária, se bem que a maior parte do tempo somente acompanhando essa trajetória vitoriosa no Brasil e no mundo mesmo. Sou seu fã desde os primórdios dessa carreira e vc sabe muito bem disso !! Um ano novo cheio de inspiração pra você (que já é uma fonte de nordestinidade desde os tempos de “ajudante de locutor” nos servicos de altofalantes do Crato, conforme um dia me contou, passando pelo prestigiado programa da Rádio Pacoland, com uma audiência total dentro do alcance daquela emissora dos nossos queridos Paco e Edy Anselmo, até suas inúmeras apresentações pelas mais divrsas emissoras do REcife.. Muito obrigado mais uma vez. E que o ANO NOVO DE 2021 venha com gosto de tapioca com côco ralado, cuscuz com leite (a nossa divina comunhão nordestina, simbolo de fartura e sabor em qualquer mesa desta Nação querida. Sem máscaras pra atrapalhar e com aquele café quentinho numa caneca de ágata azul marinho e flores pintadas no capricho. Saúde e Paz, meu irmao !

  3. Como quem carrega coco faz da labuta a “poesia do suor”, Sancho entra de verso sem rima para aplaudir quem sonha realidade em forma de palavras tão belas. Os elencados por Fred são ou foram leitura obrigatória de Sancho pelas estradas da vida.

    E a todos levo guardados nas folhas de papel onde copiei a muitos deles para revisitar sempre que minha alma sente sede de poesia de ótima safra, pois como vinho, valorados foram quando guardadod em fubânicos barris de carvalho.

    • Sancho amigo.. ainda não lhe conheço pessoalmente, ao que me lembra (mas nem eu mais confio na minha memória, tanto foram as vivências que lotaram meu HD cerebral, kkkk) Mas agradecer é bom e eu gosto. E quero aqui agradecer de coração cheio de orgulho, essas palavras tão tocantes que vc manda. Não duvido que sou um sonhador, 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano. Sonho tanto que às vezes penso que estou acordado. E olha que é tudo sonho bom, viu? Sonho de menino, olhando sempre pras árvores de Natal da vida ou de olho nos ponteiros e ouvidos aguçados esperando a comemoração geral dos ” vivaaaas ” ao romper do ano novo, cheio de abraços, de beijos e de lágrimas de alegria!. Dia da Confraternização Universal.. Oxalá todos os dias do Ano fossem assim e todas as noites nos trouxessem os sonhos de paz das crianças depois que o “papai noel” que hj tb somos para os nossos netos, como fomos pra nossos filhos, na linda Noite de NAtal de todos os muitos anos que vivemos e os que o Divino ainda nos der a graça de viver !!! Feliz Ano Novo, com muita PAz e saúde pra vc e para os seus..

  4. Fred Monteiro,

    Agradeço de ter meu nome citado na sua homenagem poética..Aproveito a oportunidade para compartilhar com uma estrofe sua generosidade:

    Este jornal tem feras
    Respira inspiração
    Os versos são perfeitos
    Popular ou erudição
    Vulcão permanente
    Lava incandescente
    Estrofes sem infração!

    Saudações fraternas,

    Aristeu

    • Aristeu, seu nome é muito especial pra todos nós, pela presença de sempre nas páginas desse Jornal que é a nossa cara, sendo mesmo a cara e o espírito do caro BErto que nos estimula a toda hora a espalhar nossa cultura nordestina aos 4 cantos do mundo. Vc na sua coluna é um dos mestres nesse assunto e logicamente tem que ser lembrado por todos nós. Pode ter a certeza que nunca esqueço das tantas vezes que nos encontramos por aqui ! Feliz 2021, com muita Saúde e poesia, sempre !

      • Fred Monteiro,

        Fiquei emocionado com seu texto. Concordo que Berto conseguiu armar um time de excelentes profissionais em cada posição. Vou utilizar os versos do ator e poeta Mário Lago para compensar a sua gentileza:

        Fazer o céu, com pouco a gente faz
        Basta uma estrela
        Uma estrela e nada mais
        Pra ter nas mãos o mundo
        Basta uma ilusão
        Um grão de areia
        É o mundo em nossa mão
        Sonhar é dar à vida nova cor
        Dar gosto bom às lágrimas de dor
        O sol pode apagar, o mar perder a voz
        Mas nunca morre um sonho bom dentro de nós.

        Saudações fraternas do amigo de sempre,

        Aristeu

    • Cícero, amigo.. Desculpe a demora em comentar. De vez em quando cometo essas gafes, não por relaxamento, mas por faltA DE TEMPO MESMO. Ontem mesmo passei parte da manhã conversando via zapimagem com minha familia distante, lá pelas neves geladas do Noroeste americano de Seattle (só que ele mora um pouco mais distante da cidade grande, escolhendo, isto sim, os sopés das Cascades, montanhas de clima digamos estranho aos nossos calores brasileiros.. Por lá a coisa chega a atormentar nossos habituais 28 graus acima de zero…Nessa fase do ano é comum encarar o 8 a 10 graus negativos, com neve nas ruas e ns portas e telhados das casas.. Bonito é, sem dúvida.. Passei por lá 4 meses pegando desde o fim do outono, lindo e frio, ao pico do inverno congelante…literalmente.. Juro que prefiro estar aqui, sem camisa e com o suor escorredo !! Feliz Ano Novo pra vc e sua família, com paz, saúde e NORMALIDADE.. Quero meu no perdido de volta, com alegria e sem medo !

      • esqueci de dizer (falo pelos cotovelos, mas continuo esquecido), que a tarde não foi diferente.. Logo depois do almoço, chegou meu caçula a nora e dois netos.. A farra foi grande e seria melhor se o pequeno não começasse a reclamar de sono lá pelas cinco da tarde. Aí ficou pouco dia pra dar conta das tarefas interrompidas. Abração!

    • Oi Ivan !! gostei desse supimpa, que embora não mereça por tão pouco que fiz, retratando uma realidade no nosso convívio BESTAFUBANENSE..A poetada aqui é de fé mesmo e só lamento não ter homenageado a TODOS os colegas que por aqui passa e/ou passaram, alguns deixando saudade eterna. Sintam-se homenageados, pois, os não citados. Todos vocês colegas do JBF são igualmente importantes pra esse velho e improvisado escriba.. FELIZ ANO NOVO, amigo, sem máscaras físicas ou espirituais (as mais nocivas) e que somente saúde, paz e alegria com muita poesia e amizade permaneçam vivas nesse amado jornaL !

  5. Caro amigo Fred, estava com saudade dos seus versos, agradecido por ter me botado nesse time de feras cordelistas, um abraço das terras potiguares

  6. Crisanto, rapaz, saudade dos encontros poéticos da nossa turma de cordelistas aqui pela BEsta !
    Vc é um dos que admiro grandemente, por sua rima perfeita e temas renovados. Prazer enorme em rencontrá-lo! UM GRANDE ABRAÇO, SEM CORONGA, NEM ISOLAMENTO…

Deixe uma resposta