VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

O ardor sentido nos olhos, ao se picar uma cebola, e a consequente choradeira, é um fenômeno que se deve às células desse vegetal, uma parte rica em enzimas e a outra em sulfuretos. Ao serem cortadas, essas duas células se rompem e se misturam. Reação que resulta em uma substância chamada ácido sulfénico e é transformada em um gás. A irritação é produzida quando esse gás atinge os olhos, pois eles estão constantemente úmidos. É produzida, então, uma solução fraca de ácido sulfúrico. O organismo se defende do incômodo, produzindo mais lágrimas.

Mariza era muito emotiva e por tudo chorava. Desde criança, seu apelido era “Maria chorona”. Por isso, era sempre levada na gozação, pelos quatro irmãos e até pelos pais. Chorava de alegria, de tristeza, de raiva ou decepção. Uma música triste, em tom menor, sempre lhe fazia chorar.

Depois de mocinha, ajudava a mãe na cozinha e aprendeu a cozinhar divinamente. Vivia com os nervos à flor da pele, sem perspectiva de crescer na vida.

Filha de família pobre, foi alfabetizada em Grupo escolar, mas não pôde prosseguir nos estudos. Assumiu os afazeres da casa, com a morte da mãe.

Vivia sonhando com um príncipe encantado, que a tirasse daquela pobreza franciscana. Mas esse príncipe estava difícil de chegar. Seu pai, agricultor, já cansado, recebia pequena aposentadoria pelo INSS.

Sempre triste, Mariza se realizava, quando preparava comida. Descascava cebola com a maior satisfação, já que a cebola, quando é cortada, quase sempre provoca lágrimas.

Com a morte da mãe, ela sentiu-se na obrigação de ser forte, evitando chorar na frente do pai e dos irmãos. Eles não suportariam ver seu sofrimento e iriam sofrer muito, vendo-a assumir o papel de dona de casa, no lugar da mãe.

Certa vez, enquanto todos jantavam, tomando a sopa de feijão, igual àquela que sua mãe fazia, perceberam seus olhos lacrimejando e se entreolharam. Antes de qualquer comentário, Mariza se antecipou:

– Meus olhos estão lacrimejando, por causa da cebola que cortei para colocar na sopa.

Nenhum comentário. Mesmo sabendo que não era, todos fingiram acreditar que a culpa daquelas lágrimas era da cebola.

Na verdade, naquela hora em que todos estavam sentados à mesa, Mariza estava vivendo uma grande crise de saudade da Mãe, como sempre acontecia. Sua alma estava dilacerada.

Mas, ela mesma gostou da desculpa da cebola, e, a partir de então, sempre que o pai e os irmãos a surpreendiam chorando, ela se antecipava: – Estava descascando cebola.

Por isso, a comida que preparava era muito acebolada. As cebolas nasciam em abundância, na horta que ela cultivava..

Certo dia, Mariza soube que cientistas estavam inventando coisas para modificar a cebola. Elas não iriam mais provocar lágrimas. Mariza não gostou da ideia e pediu a Deus para que eles não obtivessem êxito nesse invento.

O que seria dela sem as cebolas, que eram suas cúmplices?

13 pensou em “A CEBOLA

  1. Os dois excelentes artigos medicinais anteriores escritos pela ótima colunista Pimentel fizeram com que eu caísse em campo a procura da casca da QUINA QUINA nas feiras de cidades como Petrolina, Salgueiro, Caruaru e nas feiras circunvizinhas da região de Garanhuns-PE, donde, só fui encontrar a danada da QUINA QUINA na cidade alagoana de Arapiraca através de um raizeiro ambulante…

    P.S.: – Para quem não sabe, eu sou fabricante de licores de frutas regionais, pimentas de variadas ardência e garrafadas, misturadas ou pau dentro de aguardente de cana(cachaça) com casca de pau – É UM HOBBY SEM FINS LUCRATIVOS – Hoje, agorinha ha pouco, às seis da manhã, em jejum, tomei uma talagada da danada tendo como tiragosto uma lapa de umbu cajá do tamanho de uma laranja(?), já fazendo uso da profilaxia para ponderações futuras. Daqui a pouco lavo à prensa com duas copadas de vinho tinto seco… E DEIXE A VIDA NÃO PRESTAR!!!

    • Obrigada pelo gratificante comentário, prezado colunista Altamir Pinheiro! O Quinado é feito de Quina-quina. A Água tônica Antártica tem escrito na lata “água tônica de Quinino”, o que é a mesma coisa. Aproveite esta onda de coronavírus e introduza nas suas fabricações o Quinado, ou Vinho Quinado, feito de QUINA-QUINA, QUININO OU QUININA (tudo a mesma coisa) Vai ser um sucesso!
      É uma pena o Dr. Januário Cicco (nome da primeira Maternidade de Natal). não estar vivo. Ele iria ficar famoso, já que durante a gripe espanhola de 1918, que também atingiu o Rio G. do Norte, ele tratava a pobreza com Quinino, mandando até aviar uma fórmula de comprimidos na farmácia, que mandava distribuir com a pobreza. Vale a pena reler minha crônica “A História se Repete. Claro que não vivenciei a gripe espanhola, nem sou “CURANDEIRA”, MAS PESQUISA É PRA ISSO.
      A CLOROQUINA é composta do sulfato de Quina-quina + antibiótico. Um comprimido custa 1 Real. . Por isso, esta guerra toda. As outras drogas importadas são caríssimas e facilitam a roubalheira dos políticos.. Eis a questão.

      Um abraço! Feliz Páscoa!

  2. Pois é, Altamir. Essa semana recebi um vídeo onde um médico falava sobre a quina-quina como um potencial remédio pra combater o covid-19. Lembrei da texto de Violante.

  3. Ah que saudade de você e dos seus textos Violante Pimentel. Que bom que te encontrei aqui com mais um texto que me fez rir em pleno confinamento.

    Um forte abraço

    Itaerço

    Imperatriz-ma

  4. Violante,

    Parabéns pela explicação do fenômeno da cebola produzir lágrimas. Gostei demais da conta dessa crônica na qual o leitor fubânico se instrui de forma prazerosa. Aproveito a oportunidade para fazer um brevíssimo comentário psicológico sobre o choro.
    O ato do choro pode ser ocasionado por diversos fatores, entretanto, o ser humano é a única espécie biológica que chora por motivos emocionais. Dentre estes diversos fatores, as lágrimas, compostas por água, sal, óleo e proteínas, são produzidas por motivos diferentes. Lágrimas chamadas reflexivas protegem os olhos de irritações externas e lágrimas basais permitem a lubrificação do globo ocular. Estas são funções fisiológicas para o bom funcionamento do órgão olho. Já as lágrimas emocionais são ativadas pelo cérebro por meio do sistema imunológico de acordo com situação que causem emoções.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

  5. Obrigada pelo generoso comentário, prezado Aristeu Bezerra! Você enriqueceu o meu texto, com esta brilhante explicação. Adorei!

    Um grande abraço! Feliz Páscoa!

    Violante

Deixe uma resposta