A PALAVRA DO EDITOR

O presidente Jair Bolsonaro pode estar levando a preço de custo, ou praticamente de graça, a sua reeleição em 2022. É isso que vai acontecer, se a situação dos próximos dois anos permanecer a mesma dos dois últimos – período em que os partidos de oposição, as elites centristas, a mídia e quem mais quer Bolsonaro fora da presidência da República parecem ter feito tudo o que podiam para ajudar seu inimigo número 1 a ficar na cadeira de onde querem que ele saia. Em primeiro lugar, não conseguem se unir em torno de um programa mínimo e menos ainda de um nome para concorrer de verdade com o presidente. Além disso, insistem na obsessão de denunciar o adversário por desastres que ele não cometeu – enquanto deixam passar, intacta, a boiada inteira dos erros, fracassos e disparates que seu governo de fato tem cometido.

É a história de sempre – quando o sujeito é cobrado por dívidas que não tem, ou que a maioria acha que não tem, acaba ficando livre de pagar o que realmente deve. Resultado: quanto mais os ataques contra Bolsonaro vão se aproximando da histeria, mais ele prospera em seus índices de aprovação popular. O presidente, por exemplo, acaba de ser denunciado na imprensa, mais uma vez, como um “genocida” que pratica atos de “descaso homicida” e “estupidez assassina” por conta da covid-19; é acusado, todos os dias, de ser o responsável pela morte de “180 mil pessoas”. É isso, e coisa pior, que vem sendo repetido por seus adversários desde o começo da epidemia. Exatamente no mesmo momento informa-se que o índice de aprovação do presidente acaba de subir para 37% – o mais alto de todo o seu governo.

É no que dá, aparentemente, fazer denúncias de gravidade terminal, como assassinato em massa, e não mostrar com clareza a relação de causa e efeito entre a acusação e o fato. Em vez de prejudicar, a denúncia ajuda. Obviamente, pelo que mostram os números, a maioria das pessoas não está acreditando que Bolsonaro matou alguém, muito menos 180 mil pessoas – quem matou, no olhar da opinião pública, foi o vírus. Mais: se alguém matou alguém, foram os governadores e prefeitos que receberam da Justiça a exclusividade na gestão da epidemia. Quando se juntam as palavras “covid” e “Bolsonaro”, a primeira reação da mídia é falar em “genocídio”; na opinião pública, a primeira ideia que ocorre é o auxílio emergencial de R$ 600 por mês.

Nada disso, pelo jeito, impressiona a oposição; em vez de fazer oposição de verdade, a começar pelo trabalho de demonstrar para a população por que seu governo seria melhor que este, os inimigos de Bolsonaro insistem em apostar tudo na covid. Ou, então, em outras miragens como a perseguição dos índios, o massacre dos gays e os incêndios no Pantanal; dá muita primeira página, mas não dá voto, porque só acreditam nessas coisas, no fundo, quem já está decidido a acreditar nelas. O fato é que, dez meses depois das primeiras mortes da epidemia, Bolsonaro tem uma aprovação muito maior do que tinha no começo. Num ano de desastre absoluto para qualquer governo, 2020 foi uma beleza para ele.

10 pensou em “A BOIADA PASSA

  1. J. R. Guzzo fala que a oposição “deixa passar, intacta, a boiada inteira dos erros, fracassos e disparates que seu governo de fato tem cometido”. Depois deita a falar das críticas infundadas que são feitas e que estão elevando a popularidade do Bolsonaro.

    Guzzo poderia incluir nesta oposição aparvalhada que é feita ao PR, o Estadão, órgão de imprensa que lhe paga salários e que dia sim, outro também culpa Bolsonaro por tudo de ruim que acontece no mundo. A moda agora é chamá-lo de acéfalo, além de genocida.

    Não sou daqueles que diz que o governo do Bolsonaro é perfeito, minha nota para ele está entre 6 e 7, ou seja, de regular para bom, mas J. R. Guzzo deveria especificar o que seria esta “boiada” que está passando e que a oposição, junto do seu patrão Estadão, está deixando de lado.

    Para criticar, você tem que apresentar soluções, indicar quem e como poderia estar fazendo melhor no lugar do PR.

    Eu falo: Bolsonaro é o tiozão do churrasco, entra em boteco e biroscas para tomar coca, comer pastel e tomar café com o povão sem fazer cara de nojo; anda com chinelo Rider, camisa do Palmeiras (eca!); pilota motos abaixo de 700 cilindradas e se acha. O cabelo é cortado no facão (rsrs); vira e meche aparece de bermudas com as canelas parecendo um palmito fino.

    É o que temos para o momento. Um conservador de direita simples, apesar de ter tido inteligência para sair de Eldorado – SP e cursar a AMAN, o que é para poucos.

    Continue assim, J. R. Guzzo, dizendo que JB é tosco e que a oposição deveria mudar a forma de combater o Cara, sem especificar como seria isso.

    • É isso que vai acontecer, se a situação dos próximos dois anos permanecer a mesma dos dois últimos – período em que os partidos de oposição, as elites centristas, a mídia e quem mais quer Bolsonaro fora da presidência da República parecem ter feito tudo o que podiam para ajudar seu inimigo número 1 a ficar na cadeira de onde querem que ele saia.

      J.R.Guzzo

    • Solução : Nos primeiros dias conversar com políticos em primeiro mandato e tentar a um denominador comum sem abrir mão de tudo aquilo que propôs , talvez aí conseguisse avançar mais com as reformas .

      Não ter feito a besteira de dizer que indicaria o filho pra embaixador tendo um senado todo contra ele ;
      Ter cumprido o que disse sobre o filho : ” se for culpado que pague ”
      Ter mantido o tal superministério da segurança publica e não desidratá-lo pra atender ao filho e ao Toffoli .

  2. Caro Guzzo, Bolsonaro perde a eleicão para qualquer poste que for apresentado como candidato se não acoplarem impressoras às urnas eletronicas. Não esqueca, o xande vai estar no comando do STE na eleicão de 2022. Com ele tudo é possível. Escreva.

  3. Gostaria de saber quais são os erros, ou a boiada que está “passando” despercebida. Quando ‘governava’ o país o PT, tudo era PERFEITO??
    Bolsonaro recebeu o país aos frangalhos, está recuperando grande parte da infraestrutura, levando água ao Nordeste que sempre foi curral eleitoral dos ‘pulíticus’ profissionais, concluindo obras abandonadas pelos ‘excelentes’ governos petralhas que viviam de inaugurar PLACAS, não tem UM só caso de corrupção em praticamente dois anos de governo, é atacado 24 horas por dia e sete dias por semana pela mídia, NADA que faça é divulgado. É achacado por toda mídia desmamada que não se conforma com a perda do dinheiro público que pagava propagandas desnecessárias, etc e tal…
    Arriégua!!

  4. Nomeou Aras Para a PGR, foi pedir abenção do Gilmar e Tofalli para nomear um” engravidador” de curriculum para o STF, tirou o dr Sergio Moro da 13 Vara de Curitiba, tem feito o diabo para proteger seu filhote cambalacheiro , aliou-se ao centrão, cada vez que fala, joga merda no seu próprio governo. Errei uma vez, repetir o erro jamais.

  5. Por increça que parível, bom era no tempo em que o BNDES financiada obras no exterior, Cuba, Argentina, Venezuela, etc e tal…
    Depois de mais de 20 anos com os órgãos públicos todos aparelhados, querem que em dois anos TODOS os problemas de nosso país sejam resolvidos… é querer demsis…
    Graças a Deus NUNCA votei no PT, e sempre votarei no Capitão Bolsonaro, tantas vezes ele se candidate…

  6. Eu também!

    Tenho muita segurança que uma série de coisas poderia estar melhor. Só que, com um STF canalha dessa maneira, um congresso composto e liderado por um covil de ladrões, um aparelho judiciário composto por crápulas, um aparato estatal composto por bezerrões mamadores e cafajestes, etc. etc. etc…

    O nosso JB está de excelente tamanho! Ói nós aí outra vez em 2022!

Deixe uma resposta