DEU NO X

RESUMINDO A GLOBOSTA

J.R. GUZZO

“ARROZBRAS” DE LULA É COISA DE DITADURA SUBDESENVOLVIDA DE TERCEIRA CATEGORIA

Lula disse que Brasil poderá importar arroz da Bolívia e Venezuela, países que não tem para exportar

Lula disse que Brasil poderá importar arroz da Bolívia e Venezuela, países que não tem para exportar

O Ministério Extraordinário do Arroz, última invenção dos serviços de propaganda do governo Lula, tem pelo menos uma vantagem em relação ao resto do “Brasil Que Voltou”: seu prazo de validade é limitado. Vai durar até os estrategistas de comunicação de Brasília acharem que essa “Arrozbras” já rendeu o que tinha de render – ou seja, simular atividade numa crise de abastecimento que o próprio governo criou e fazer de conta que Lula está vencendo a guerra para segurar o preço do arroz.

O presidente está pouco ligando para o preço do arroz. No seu primeiro ano no cargo os preços subiram 40% – e ele nunca disse uma palavra sobre o assunto. A única coisa em que está pensando, mesmo, é nos rótulos que eles querem imprimir nos pacotes a serem importados e vendidos nos supermercados a R$ 4 o quilo: “Arroz adquirido pelo Governo Federal”. Vem junto a marca da Conab, a repartição pública encarregada da operação.

É coisa de ditadura subdesenvolvida de terceira categoria, mas não é só isso. A decisão do governo, além de demagogia em estado bruto, também é flagrantemente lesiva ao interesse público. Querem jogar cerca de R$ 7 bilhões na importação de 1 milhão de toneladas de arroz, das quais as primeiras 300 mil são prometidas para daqui 50 dias, que devem ser vendidas no varejo a R$ 40 o pacote de 10 quilos. Daria, se tudo saísse certo, para dois meses de consumo, na melhor das hipóteses.

O problema, nessa história toda, é que o Brasil não precisa de um único quilo de arroz importado. Ao contrário. A safra deste ano é 600 mil toneladas superior ao necessário para abastecer o mercado interno. Na verdade, os produtores terão de exportar esse excedente, ao mesmo tempo em que o governo estará comprando arroz no mercado externo – é possível, até, que os graneleiros se cruzem no mar, uns levando e outros trazendo arroz.

O que houve, no mundo das realidades, foi um sobressalto passageiro causado pelas enchentes no Rio Grande do Sul, responsável por 70% de toda a produção de arroz do Brasil. A maior parte da safra gaúcha já foi colhida – mas Lula, também aí, aproveitou a desgraça para investir na sua imagem. Compras exageradas logo depois dos primeiros dias, caminhões retidos nas estradas e dificuldades de emitir notas fiscais em escritórios debaixo d’água fizeram os preços subirem nas gôndolas. Queriam o que? Que o preço do arroz baixasse?

O fato é que todos esses problemas foram ficando para trás, e hoje o mercado caminha para a normalidade. Anormal, mesmo, só o que o governo fez. Ressuscitou, quase 40 anos depois dos “fiscais do Sarney”, a ideia morta de tabelar preços – coisa que não dá certo desde que os faraós tentaram pela primeira vez. O abastecimento vai voltar ao normal. Os exportadores estrangeiros vão vender pelo preço que quiserem, e o Brasil vai comprar.

Os supermercados, naturalmente, vão manter a sua margem de lucro. O MST, sócio proprietário da Conab, vai se dar bem. O governo, em suma, vai comprar mais caro e vender mais barato – e a diferença, como acontece com cada tostão do dinheiro público, vai ser paga pela população em geral, incluindo os que comparem esse arroz de R$4. É mais um retrato do Brasil de 2024.

DEU NO X

VERGONHOSO

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

OS CISNES – Júlio Salusse

A vida, manso lago azul, algumas
vezes, algumas vezes mar fremente,
tem sido, para nós, constantemente,
um lago azul, sem ondas, sem espumas.

Sobre ele, quando, desfazendo as brumas
matinais, rompe um sol vermelho e quente,
nós dois vagamos, indolentemente,
como dois cisnes de alvacentas plumas.

Um dia, um cisne morrerá, por certo:
Quando chegar esse momento incerto,
no lago, onde talvez a água se tisne,

que o cisne vivo, cheio de saudade,
nunca mais cante, nem sozinho nade,
nem nade nunca ao lado de outro cisne!…

Júlio Salusse, Bom Jardim-RJ, (1872-1948)

LAUDEIR ÂNGELO - A CACETADA DO DIA

RLIPPI CARTOONS

DEU NO X

BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DEU NO JORNAL

NÃO É SOBRE “FAKE NEWS”, MAS SIM PELO MONOPÓLIO DAS INFORMAÇÕES

Nikolas Ferreira

Quem quer censurar mídias sociais não está preocupado com fake news, só quer poder mentir sozinho e sem contestação.

Quem quer censurar mídias sociais não está preocupado com fake news, só quer poder mentir sozinho e sem contestação

Recentemente tivemos mais uma prova do quão profissional é o jornalismo brasileiro. Desta vez, atribuíram a mim uma crítica feita por um perfil fake que utilizava o meu nome contra um ex-BBB, o qual admitiu ter gastado para fins pessoais parte do dinheiro arrecadado em prol de vítimas da tragédia climática no Rio Grande do Sul. Por meio de uma pesquisa simples já seria possível confirmar que não se tratava da minha conta oficial, mas o básico não foi feito e as mentiras foram replicadas por vários veículos de mídia.

Jornalistas são isentos de erros? Não, assim como ninguém é, independentemente da profissão. Também não defendo que sejam presos por um equívoco, como muitos tiranos querem fazer com seus opositores não por propagarem notícias falsas, mas por falar aquilo que não os agrada.  A questão é que, em várias situações, as falhas não são por engano.

Alguns jornais que publicaram a informação inverídica postaram uma errata corrigindo o que haviam escrito, mas nem todos se corrigiram. E por qual motivo não o fizeram, e provavelmente não o farão, considerando que já se passaram dois dias? Em um dos meus textos, comentei sobre um episódio ocorrido enquanto eu era vereador em Belo Horizonte, quando a TV Globo noticiou que eu havia discursado sem máscara no mesmo dia em que outro vereador estava com sintomas de gripe. Essa mentira segue sem correção até hoje, três anos depois. Se inventam até coisas pequenas como essa, imagine com questões mais sérias.

O jornalismo militante consegue a façanha de mentir para tentar desgastar aqueles que expressam ideias e opiniões contrárias às suas. Concomitantemente, tais comunicadores veiculam propagandas com linguagem persuasiva, implorando para que o leitor se torne um assinante. Essa velha mídia se coloca como a que realmente produz um material de qualidade, baseado em informações verdadeiras, mas isso está muito longe de ser o que acontece na prática.

Faça você mesmo um teste: pesquise em qualquer site de buscas por “Nikolas ataca” e veja os resultados. Simples falas, opiniões e respostas magicamente se transformam em “ataques” quando sou o interlocutor; porém, quando sou o alvo, além de não publicarem o que de fato ocorreu, tentam inverter a narrativa colocando o agressor como vítima. Isso aconteceu de forma explícita, por exemplo, em uma ocasião na qual fui ameaçado por uma deputada do Partido Comunista do Brasil e quando fui xingado pelo vice-presidente do PT, que inclusive usou um termo homofóbico para tentar me insultar.

O mesmo acontece com relação às fake news. O “tribunal da verdade’’ age como um verdadeiro leão para classificar tudo o que incomoda o governo Lula e seus vassalos, mas se omite quando postagens falsas são publicadas por políticos ou militantes de esquerda. Calaram-se durante o período eleitoral em 2022 e assim continuam.

No mês passado, viralizou no X uma publicação de uma deputada do PT de Minas Gerais associando a compra de um clube de futebol mineiro pelo dono de uma rede de supermercados a uma eventual perda de emprego dos atuais funcionários. O motivo? Segundo supostos boatos ouvidos por ela, os cargos seriam ocupados por torcedores que trabalhariam de forma voluntária. Uma notícia não somente falsa como absurda. O post foi excluído após a repercussão negativa, e absolutamente nenhum veículo de mídia comentou a respeito. Curiosamente, a mesma deputada fez uma postagem comemorando a suspensão da minha conta há dois anos e pedindo para que todas as contas de quem “espalha mentiras” fossem suspensas. Ainda estou no aguardo de que ela exclua as próprias redes sociais para manter a coerência.

Por falar em X, a checagem da plataforma, feita por avaliações fontes dos próprios usuários, se tornou uma ferramenta importante, menos para os lulopetistas que frequentemente são desmentidos no microblog. Alguns apenas ignoram e outros excluem o que escreveram após a vergonha ganhar destaque, mas nada que os impeça de continuar com a mesma estratégia, isentos da fiscalização de ministros governistas que acionam a PF ou a AGU somente quando convém. E, claro, se não fosse a mídia independente, jamais seria publicizado.

Por fim, coincidentemente os que geralmente defendem a regulação das redes sociais e o PL da Censura são os que possuem os maiores históricos de propagação de notícias falsas. Nunca foi sobre fake news, mas sim pelo controle das informações e das narrativas. Para combater uma mentira, basta desmenti-la. Se a todo tempo só tentam censurar, é muito provável que sejam apenas verdades incômodas.

BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS