COMENTÁRIO DO LEITOR

MARINÊS CANTA O COLUNISTA FUBÂNICO XICO BIZERRA

Comentário sobre a postagem SEXTOU E VAI FIM-DE-SEMANAR

Xico Bizerra:

Tenho a maior vaidade e orgulho de ter tido uma canção minha gravada pela imensa MARINÊS (Pé-de-Saudade).

É ainda a maior cantora de Forró surgida nesse País Nordeste.

DEU NO JORNAL

TÁ POUCO

Ações da Petrobras derreteram 12,60% na última semana, derrubando em R$ 70 bilhões o valor de mercado da estatal.

Foram três dias seguidos de desvalorização após a nova intervenção de Lula.

* * *

As ações derreteram apenas 12,60%?

A derrubada do valor da estatal foi de apenas 70 bilhões?

Tá pouco.

Muito pouco mesmo pro padrão Lulo-petralha.

Aguardem que a situação vai piorar mais ainda com o passar dos dias.

DEU NO JORNAL

RLIPPI CARTOONS

DEU NO JORNAL

JUSTO

Motoristas têm que se preparar com a volta do DPVAT oficialmente ressuscitado após a sanção de Lula, na sexta (17).

Sem data para início da cobrança, há margem para que comece ainda neste ano.

* * *

O mais correto seria cobrar DPVAT apenas de quem fez o L e votou no Descondenado.

Uma justa medida.

J.R. GUZZO

MOSTRAR POVO AJUDANDO O PRÓPRIO POVO É CRIME PARA O CONSÓRCIO QUE MANDA NO PAÍS

Pedido de investigação de supostas “fake news” contra o governo foi feito por Paulo Pimenta, responsável pela Secom do presidente Lula.

Pedido de investigação de supostas “fake news” contra o governo foi feito por Paulo Pimenta, responsável pela Secom do presidente Lula

O PT e a esquerda nacional, nesta terceira passagem de Lula pelo Palácio do Planalto, desenvolveram uma paixão súbita pela polícia. Não deu para perceber esse tipo de coisa nas duas primeiras vezes. A esquerda, naquela época, pendia mais para o lado contrário – tinha o velho hábito de ver a polícia atrás dela, e não gostava, por instinto, de farda, gente com revólver na cinta e sirene tocando. Mas como nos ensina Machado de Assis em Quincas Borba, o sujeito só aprecia o valor do chicote quando o cabo está na sua mão.

A polícia, agora, não está querendo enfiar as “lideranças populares” no camburão. Está sob as suas ordens no plano federal, faz cinco vezes por dia suas orações rituais à democracia e vive à procura de ordens para obedecer. Caiu a ficha, ao que parece. O PT percebeu o que todo o regime de esquerda já nasce sabendo: se quiser realmente ter uma permanência mais duradoura no governo, é preciso armar uma ditadura em torno de si. Pode ser disfarçada ao máximo, mas tem de ser ditadura – e o maior sonho de todas as ditaduras de esquerda é ter a sua KGB.

A ânsia com que o governo Lula tem se jogado na cama da repressão está especialmente visível na sua conduta em relação às enchentes do Rio Grande do Sul. Diante da pior tragédia natural que o Brasil já viveu em sua história recente, a coisa em que eles mais pensam é aquilo: “Manda prender”. Abre inquérito criminal. Põe disque denúncia. Solta a Globo em cima. Chama a ministra Cármen Lúcia. Toca polícia.

Contra quem? Idealmente, contra o povo gaúcho – essa gente “branque”, “fasciste” e “safade” que teve o desplante de se organizar para socorrer a si mesma e se mostrou mais competente para isso do que o sagrado governo Lula. Mas como não é possível prender o povo inteiro, descontaram sobre o seu grande inimigo: as fake news. Exigem, para se ir direto ao resumo da ópera, que os cidadãos que se manifestam sobre o desastre nas redes sociais copiem o noticiário da TV Globo. Se não for assim, é fake news, e fake news tem de dar cadeia.

O chefe do pelotão de fuzilamento atual é o peixe graúdo que dirige a Secretaria de Comunicação, ou o Ministério de Verbas Para a Imprensa. Quer prender os autores de notícias que desagradam o governo, sobretudo as verdadeiras. Pediu investigação da Polícia Federal. Queixou-se ao ministro da Justiça – e dali a coisa subiu para os tribunais supremos, que não têm rigorosamente nada a ver com isso. Denunciou postagens publicadas nas redes sociais como “atividades criminosas”. Colocou a mídia oficial como força auxiliar da repressão.

Foi tão bem na sua missão que Lula o transformou em Ministro Temporário da Calamidade; está encarregado, agora, de anunciar as dádivas de verbas federais de acordo com os elogios feitos ao governo. Faz sentido. Um dos critérios para a denúncia de fake news foi o tipo de imagens postadas nas redes. As que mostram gente do povo ajudando o próprio povo, em vez do Exército e de outros “agentes públicos”, são excomungadas como “desinformação” destinada a esconder o brilho das operações do “Estado”. É um crime, para o consórcio que manda no Brasil.

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

SONETO FUTEBOLÍSTICO – Glauco Mattoso

Machismo é futebol e amor aos pés.
São machos adorando pés de macho,
e nesse mundo mágico me acho
em meio aos fãs de algum camisa dez.

Invejo os massagistas dos Pelés
nos lúdicos momentos de relaxo,
servindo-lhes de chanca e de capacho,
levando a língua ali, do chão no rés.

É lógico que um cego como eu
não pode convocar o titular
dum time brasileiro ou europeu.

Contento-me em chupar o polegar
do pé de quem ainda não venceu
sequer a mais local preliminar.

Glauco Mattoso, pseudônimo de Pedro José Ferreira da Silva, (São Paulo, 29 de junho de 1951) é um escritor brasileiro. Seu nome artístico é um trocadilho com glaucomatoso, termo usado para os que sofrem de glaucoma, doença que o fez perder progressivamente a visão, até a cegueira total em 1995. É também uma alusão a Gregório de Matos, de quem se considera herdeiro na sátira política e na crítica de costumes. (Wikipédia)

COMENTÁRIO DO LEITOR

A TALENTOSA MARINÊS

Comentário sobre a postagem SEXTOU E VAI FIM-DE-SEMANAR

Violante Pimentel:

Marinês foi uma forrozeira da melhor qualidade.

Foi casada com o acordeonista Abdias dos Oito Baixos, por trinta anos.

As composições por ela gravadas levantam qualquer astral.

Gosto muito da música “Sou o estopim“.

Grande abraço!

DEU NO JORNAL

PAVOROSA COINCIDÊNCIA

O governo Lula (PT) é ruim de cumprir promessas, por isso o governo e prefeituras gaúchas receberam com ceticismo e desconfiança as juras para liberar dinheiro, em clima de comício eleitoral.

O vice-governador Gabriel Souza, a quem coube coordenar iniciativas de reconstrução de cidades do Vale Taquari, disse que até hoje, oito meses depois, o governo federal não construiu uma só unidade residencial do Minha Casa Minha Vida devastadas pelo ciclone de setembro. Zero, nadica de nada.

Lula chegou a anunciar a “liberação” de R$ 209 milhões para construir 857 casas no âmbito do “Minha Casa, Minha Vida Calamidades”. Lorota.

Foram 13 municípios devastados pelo ciclone de setembro, oito deles no Vale do Taquari. Pobres que perderam suas casas continuam sem teto.

Na ocasião em que contou a lorota da construção de casas, Lula também prometeu R$ 134 milhões para refazer pontes e trechos de estradas.

O vice Gabriel Sousa foi gentil: no Jornal Gente, da Rádio Bandeirantes e TV Bandnews, culpou a “legislação” pelo estelionato político de Lula.

* * *

Diz essa nota aí de cima que foram 13 os municípios no Vale do Taquari devastados pelo ciclone de setembro.

Pavorosa coincidência:

É o número do bando comandado pelo Descondenado.

Xô, xô, xô!!!

LAUDEIR ÂNGELO - A CACETADA DO DIA