DEU NO X

LAUDEIR ÂNGELO - A CACETADA DO DIA

DEU NO X

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

NACINHA – CUIABÁ-MT

Gente amada!!!

Um bom final de semana para todos.

Vejam, meus queridos, essa profecia do comediante Mazzaropi.

Há meio século ele já previa o que viríamos a ser nos dias de hoje.

Beijos para todos!

* * *

DEU NO X

RLIPPI CARTOONS

DEU NO JORNAL

DÚVIDA: NO FURICO DE QUEM???

A Polícia Militar foi acionada para uma ocorrência de lesão corporal em um condomínio no bairro Alto de São Manoel, em Mossoró.

Chegando ao local, os policiais encontraram dois homens, e segundo o suposto autor da agressão, os dois se conheceram em uma boate e a vítima o teria chamado para ir até seu apartamento.

Já no apartamento, o anfitrião queria ter relação sexuais com o convidado, queria ser o ativo da relação.

Mas, o convidado disse que tinha ido lá “não pra dar, mas para comer”, nas palavras dele aos policiais.

A partir daí, houve uma discussão entre os dois e o dono do apartamento acabou levando um soco no rosto.

* * *

O sujeito que disse que tinha ido lá “não pra dar, mas para comer”, é muito faminto.

Que fome da porra!

Vôte!

O fato é que deveria constar do BO que saíram ambos com as pregas intactas: ninguém enrabou ninguém.

Só o fucinho de um deles é que foi atingido com um tabefe.

Segundo apurou o Departamento de Investigações Bundeiras do JBF, os dois são petistas.

JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

A ESTANTE – PARTE DO MEU TODO

Estante onde está depositado um vasto aprendizado

A sala, como muitas de antigamente, ficava na parte frontal da casa. Uma casa grande, como eram as casas antigas. Ao lado daquela sala, uma entrada que conduzia à sala de estar que era usada também como sala de jantar. Dependências antigas, simples, mas muito arejadas e confortáveis.

Uma porta que, aberta, conduzia à sala em questão – alguns chamavam também de biblioteca. Mas não era nada disso.

Um pequeno abat-jour, era o único objeto de decoração sobre a mesa, sempre limpa e servindo de apoio a leitura. Ao lado, uma cadeira espreguiçadeira de vime contendo alguns almofadados para apoio e conforto do usuário.

A estante era a peça principal da sala. A peça mais importante. Uma mobília do estilo Luiz XV, transportada no século passado diretamente de Carcassonne, por mais de noventa dias de uma viagem de navio na travessia do Atlântico.

Mas, a estante de importante e significativo valor sentimental, tivera sua importância quadruplicada pelo conteúdo. Pelo que guardava nas prateleiras internas. Vidas, ensinamentos, conselhos e valores morais e religiosos indubitáveis.

Livros e objetos colecionados

Claro, as enciclopédias Lello Universal e Barsa tinham lugar de destaque. Almanaques de revistas em quadrinhos do Mandrake, Fantasma, Tarzã, Cavaleiro Negro, Flecha Ligeira e o impagável Homem de Borracha, carinhosamente encapados. Um pacote com mais de 200 charges do Amigo da Onça, autoria de Péricles, publicadas pela revista O Cruzeiro.

Medalhas conquistadas, troféus, algumas lembranças familiares e, claro um lugar de destaque para um “retrato” da Vovó. Vovó, parte de mim, minha raiz firme e segura que ainda hoje cresce para o centro da Terra.

Livros da Editora Nova Aguilar: poesia completa de Fernando Pessoa, de Manuel Bandeira, Eça de Queiroz.

A vida e bibliografia esmiuçada – e lida – de Machado de Assis: Quincas Borba, O Alienista, Dom Casmurro, O Enfermeiro.

Eça de Queiroz: O Primo Basílio, O Crime do Padre Amaro, A Ilustre casa de Ramires.

Entre os preferidos, lidos, relidos, trilidos: Os elefantes não esquecem, Dando milho aos pombos, O caso dos dez negrinhos, Os relógios, Mistério no Caribe, todos da impagável Agatha Christie.

Ali, naquela estante, tinha vida, experiência, aprendizado e a luz necessária para iluminar meu caminho durante décadas, e me ajudar fortemente na construção da minha família.

Parte do muito que conquistei e aprendi

Por anos seguidos Deus me permitiu praticar parte do que aprendi nos livros. Criei em mim o hábito da leitura e o vício de ler. Aprendi no curso de Jornalismo. A gente precisa ler tudo que nos cai às mãos. Usar, na prática, é alternativa e arbítrio de cada um.

Ler é viajar sem fazer check-in, viajando sempre no luxo e usufruto do leito – ônibus, navio, trem ou avião.

Ler é viver – e ninguém jamais conseguirá escrever, sem ler.

DEU NO X

WELLINGTON VICENTE - GLOSAS AO VENTO

CREPÚSCULO

Foto: Padre Edberto Oliveira

Os cactos que simbolizam
O agreste e o sertão
Aparecem nesta imagem
Causando admiração
Parecendo três mãos postas
Pedindo ao Céu proteção.