DEU NO X

UM FILME DO BANDO CRIMINOSO

MAURÍCIO ASSUERO - PARE, OLHE E ESCUTE

PRAZO LIMITE

Durante o período de transição após a eleição de 2022, arrombaram o orçamento para dar sustentação as promessas feitas pelo presidente eleito na manutenção de programas sociais como bolsa família. O governo anterior pagou auxílio emergencial com recursos oriundos dos dividendos da petrobras e outras fontes sem desrespeitar os a PEC 95/2017 que limitava as despesas do governo até o ano de 2036. A proposta do governo eleito era violar esse preceito constitucional e apresentar, até agosto de 2023, o desenho do equilíbrio fiscal. Tudo bem que temos ainda alguns dias do mês, mas não parece que tenham qualquer proposta a apresentar.

A bem da verdade, puseram à mesa uma proposta tributária vazia, ou melhor cheia de vácuo, que “acabava” com cinco impostos (PIS, COFINS, IPI, ICMS e ISS), centralizando a cobrança de um novo imposto substitutivo a ser pago para a União e daí ser repartido entre os municípios e estados na forma de quota-parte. Eu, francamente, não sei onde as pessoas estão com a cabeça para não ver os riscos que esse procedimento traz. Basta citar três: esse modelo tira do estado/município a autonomia de aplicar como bem entender os recursos próprios arrecadados internamente; estados e municípios passarão a depender ainda mais da administração central, numa forma de subjugar governadores e prefeitos e atender, preferencialmente, aqueles que são simpáticos ao governo em detrimento daqueles que se colocam na oposição; o governo pode contingenciar créditos comprometendo projetos estaduais e municipais.

Os fatos são simples de interpretação: passados oito meses o Brasil caiu vertiginosamente em desgraça. Uma gama de empresas fechando suas portas e gerando desemprego. O caso das Lojas Americanas é mínimo diante do abismo que se avizinha. Um detalhe técnico é que é possível uma empresa trabalhar tendo prejuízo, mas quando o nível de preços fica abaixo da curva de custo médio, acabou: é hora de sair do mercado. Numa visão primária é isso eu enxergo. O aumento do custo de produção, com o fechamento da economia em 2020, induziu o aumento dos custos e, embora, tenha havia aumento de preços, aparentemente, estes foram mais de reposição dos custos.

Além disso, a desconfiança de que o governo não teria nenhum comprometimento com o equilíbrio fiscal, haja vista o fechamento das contas com um déficit negativo de R$ 40 bilhões, nenhum incentivo à produção, etc. trazem a certeza de que vamos ter mais empresas quebrando. O detalhe é que o governo não busca com a reforma tributária fortalecer o sistema produtivo – alguns podem até ganhar -, mas o foco é garantir recursos para manter a população carente na mesma linha de miséria e com isso se manter no poder.

O que fazer então? A primeira coisa é mudar o foco e para isso é necessário contar com a cumplicidade da mídia e com os órgãos internos para atacar o governo anterior e particularmente, a pessoa do ex-presidente. Não parto aqui numa defesa cega de sua inocência, mas acredito que é preciso ser muito burro para participar de um esquema de vendas de joias, ainda mais, pela internet. Eu fico surpreso com o fato de que ao longo de 4 anos nenhuma matéria de corrupção foi publicada. Tentaram com a questão da vacina e tudo não passou de uma questão de um funcionário e nenhum centavo foi pago pelo governo; feito a coisa do leite condensado e se calaram porque no governo Dilma foi adquirido muito mais; depois teve a questão do tadalafila – que é usado para combater, também alterações na pressão – e era só uma tomada de preços. Obras e mais obras foram feitas e/ou concluídas e ninguém é capaz de citar o nome de uma empreiteira que tenha levado vantagem financeira, no entanto, se falarmos Odebrecht, OAS, UTC, etc… todos sabem em que governo elas se locupletaram.

Teremos 4 anos de um país devastado, com necessidade de reconstrução. E esse ponto é crucial: sucessores! Jair Bolsonaro ficou inelegível e está fora do pleito, muito embora eu tenha minhas desconfianças de que não seria muito diferente do que foi em 2022, com ele concorrendo. Restam dois nomes: Tarcísio e Zema. Como se sabe os governadores do Sul-Sudeste criaram uma espécie de consórcio que tem sido duramente criticado pelo governo atual. Disseram que Zema está implantando uma visão separatista, mas francamente, eu acho que precisamos ser realistas: não tem como ajudar uma pessoa que não quer ajuda e mesmo sendo nordestino entendo que temos uma parcela de responsabilidade por votar em canalhas corruptos como Lula e eleger desgraças como Fátima Bezerra.

O nordeste capenga e tudo que se faz aqui é para manter o estado de miséria do povo. Acho que todos sabem a ciclovia de 10 km que o governo petista do Piauí entregou à população por uma bagatela de R$ 6 milhões. A ciclovia, em cor vermelha, ocupava a faixa central de uma BR sem a menor proteção para quem por ela se aventurasse. Depois de ganhar os noticiários, o governo resolveu acabar com a ciclovia, gastando mais dinheiro para isso. Quanto aos R$ 6 milhões … bem, é dinheiro público que volta para fortalecer a campanha à reeleição do governador.

Não sei você, mas vou me colocar à disposição para contribuir com uma possível candidatura de Zema ou Tarcísio.

DEU NO X

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

DIA DOS PAIS

Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Mote de Dalinha Catunda

Pai é a grande figura
Nos ensina a caminhar
Seu conselho salutar
É que nos molda a postura
Com censura ou com brandura
Ele nos chama atenção
Ralha e oferece a mão
Aquele pai consciente:
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Dalinha Catunda

Ter um ” PAI ” nas nossas vidas
Que benção maior do mundo
Um amor assim profundo
Com proteções garantidas
São esteios, são guaridas
Nosso porto e direção
Segurando nossa mão
Por jamais ficar ausente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Dulce Esteves

Mesmo já sendo velhinho
De pijama e de bengala
Numa cadeira na sala
Solitário sentadinho
Ele me mostra o caminho
O rumo e a direção
Sua sábia opinião
É algo bem pertinente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Araquém Vasconcelos

Eu ainda era criança
Quando meu pai se encantou
Só o vazio ficou
Enchendo minha lembrança;
Bons exemplos, por herança,
No meu dia a dia estão
Registro com emoção
Da saudade compungente:
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Bastinha Job

Todo pai é um dosador
Dos desafios da vida
Ora sopra a ferida
Ora briga com vigor
Ora é forte protetor
Mas castiga e dá sermão
Ora é pura emoção
Noutra finge que nem sente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Giovanni Arruda

Sabia compartilhar
O ser presente, meu pai
Eu vou, você também vai
Dizia vamos somar
Construindo o verbo amar
Arquitetada em razão
Na busca da solução
Sensata e consciente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Rivamoura Teixeira

O meu pai foi um professor.
Me ensinou tudo que sei,
O que sou e sempre serei.
Não tinha anel de doutor.
Foi grande batalhador.
Tinha grande coração.
Estendia sempre a mão.
Sempre foi um homem decente.
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Rosário Pinto

Ser pai é missão Divina,
Missão mandada por Deus,
Pra cuidar dos filhos seus,
De ser pai, é a sua sina,
Todo dia o pai ensina,
Aos filhos, cada missão,
Tornar-se bom cidadão,
E ser um homem decente,
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Joab Nascimento

Minha prenda estimável
De imensurável valor
Tesouro do criador
Mil vezes admirável
Ser único incomparável
Dono da minha afeição
Meu guia de formação
De corpo está ausente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Francisco de Assis Sousa

Pai, é sim Porto seguro
É essência de Tutor
Expressão maior do amor
Uma luz em todo escuro
Meu amor por ele eu juro
É repleto de afeição
Mesmo em outra dimensão
Amarei eternamente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Pedro Sampaio

Viva Papai todo dia
E jamais só em agosto
Do seu amor faça posto
Abrace com alegria
Seu exemplo faça guia
Ele é sua proteção
Um amigo, feito irmão
Tem conselho previdente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Pedro Sampaio

Lembro meu pai, outro dia
Tocando seu bandolim
Na sala, quarto ou jardim
Dedilhando a melodia
No choro só de alegria
Hoje é de recordação
Passos lentos, solidão
Não diz, mas sei que sente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Creusa Meira

O meu pai cedo partiu
Dele ficou a lembrança
Do meu tempo de criança
Muito pouco ele curtiu
Na lida ele construiu
Pros filhos sua canção
Cheio de amor e união
Deixou plantada a semente
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Vânia Freitas

Pai tive dois pela vida,
Adotivo e biológico
O destino não foi lógico
Ao fazer sua investida,
Deixando-me entristecida,
Os levou pra imensidão,
Mas para sempre farão
Morada na minha mente.
Pai é um grande presente
Presente em meu coração.

Nilza Dias

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

AS BRASILEIRAS: Elisa Frota Pessoa

Elisa Esther Habbema de Maia nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 17/1/1921. Física experimental e professora, foi uma das pioneiras da ciência no Brasil e uma das primeiras a se formar em Física. Foi cofundadora do CBPF-Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas e destacou-se na área da Física Nuclear.

Filha de Elisa Habbema de Maia e Juvenal Moreira Maia, passou a se interessar pela ciência no curso ginasial, sob a influência do professor de Física Plinio Sussekind da Rocha. Ingressou no curso de Física da Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil, atual UFRJ, e graduou-se em 1942. Já no segundo ano do curso, foi convidada pelo professor Joaquim da Costa Ribeiro para ser assistente e trabalhou sem renumeração até 1944, quando foi contratada pela universidade.

Aos 18 anos casou-se com seu ex-professor, o biólogo Oswaldo Frota-Pessoa, com quem teve dois filhos. Em 1951 separou-se do marido e passou a viver com o físico Jayme Tiommo, um nome reconhecido na área. Assim, passou a integrar uma plêiade de cientistas, tais como José Leite Lopes, Cesar Lattes e Mario Schenberg, promotores da ciência no Brasil. Não obstante o fato de ser uma cientista, sofreu preconceitos pelo fato de ser uma mulher separada numa época em que não havia divórcio.

Nos anos 1942-1969, teve participação ativa na luta para vencer o proconceito contra o trabalho da mulher, atuando como chefe da Divisão de Emulsões Nucleares do CBPF, que ajudou a fundar em 1949. Publicou seu primeiro artigo –Sobre a desintegração do méson pesado positivo – nos Anais da Academia Brasileira de Ciências, em 1950, junto com sua colega Neusa Margem, com o qual obteve pela primeira vez resultuados que apoiavam a teoria “V-A” das interações fracas. Noutro artigo, publicado em 1969, pôs fim a uma longa controvérsia sobre a possibilidade do “méson n” ter “spin” diferente de zero. Além destes trabalhos, colaborou com pesquisadores europeus no estudo dos “mésons K”.

Em 1965 mudou-se para Brasília, indo lecionar na UnB e pouco depois transferiu-se para a USP-Universidade de São Paulo, onde lecionou até abril de 1969, quando foi aposentada compulsoriamente pelo Ato Institucional nº 5, promulgado pela ditadura militar no ano anterior. Não podendo mais lecionar aqui, foi trabalhar na Europa e Estados Unidos, colaborando na formação de físicos brasileiros.

De volta ao Brasil, passou a colaborar na montagem de um laboratório de emulsões na PUC/SP-Pontifícia Universidade Católica junto com Ernst Hamburger, do IFUSP-Instituto de Física da USP. Em 1980 reassumiu seus trabalhos no CBPF e implantou um laboratório de emulsões nucleares para estudo da espectroscopia nuclear e permaneceu como professora emérita do Centro até 1995, aos 74 anos.

Faleceu em 28/12/2018, aos 97 anos, e deixou um legado científico composto de diversos artigos e estudos publicados nas principais revistas internacioanais. Sobre sua trajetória de vida, temos um belo ensaio biográfico – Elisa Frota-Pessoa: suas pesquisas com emulsões nucleares e a Física no Brasil – publicado na revista “Cosmo & Contexto”, de outubro de 2012, juntamente com uma entrevista comandada por Maria Borba e disponível na Internet.

DEU NO JORNAL

PERCIVAL PUGGINA

A INESPERADA UTILIDADE DOS LEITORES PETISTAS

Não raro, leitores petistas me sugerem temas importantes. É o que fez um leitor que, comentando meu artigo “O silêncio de uma nação”, escreveu:

Professor faça um texto com uma reflexão sobre as joias e o Cid e o general pai, enfim, as muambas que se desvendam diariamente. Este assunto que o sr. passa à margem não condiz com uma pessoa que se diz intelectual e de bem.

Muito mais importante do que responder ao leitor, é explicar como uma pessoa “de bem” se conduz, em sua comunicação social, perante casos como esse em que ele gostaria de colher minha opinião.

Apenas uma vez na vida cometi o erro que o leitor deseja que eu repita. Há trinta anos, embarquei, ingenuamente, na campanha de difamação movida pelo PT contra Alceni Guerra, ministro da Saúde no governo de Collor de Mello. A mídia companheira triturava o governo, já em decadência rumo ao impeachment. Denúncias de corrupção pipocavam envolvendo a pessoa do presidente e o caso contra Alceni (superfaturamento na compra de bicicletas para agentes de saúde) era um prato cheio para minhas ironias e sarcasmos.

A vítima daquela difamação trilhou um longo caminho até o reconhecimento de sua inocência, restauração de sua vida como prefeito de sua cidade e como parlamentar honrado e respeitado. Passadas três décadas, esse caso pesa em minha consciência, deixando uma linha divisória que nunca mais ultrapassei: não conjeturar sobre a honra alheia e não verbalizar um conceito antes de decisão judicial que o estabeleça. Jamais pelo noticiário da hora!

A vida me ensinou quanto são afobados, instrumentalizados e irresponsáveis os juízos prévios na vida pública. E como são hipócritas os espalhafatosos censores da conduta alheia. São hipócritas porque especulam sobre a honra dos adversários, mas votam em ladrões, se os ladrões forem companheiros.

Esclareço. Suponhamos que ao cabo das investigações, dos trabalhos de acusação e defesa, se acumulem contra o ex-presidente provas como as que levaram às condenações do atual presidente da República. Bolsonaro nunca mais terá meu voto. Então, e só então, me sentirei autorizado a emitir um juízo moral e verbalizar minha indignada decepção. Jamais gastarei meu pobre português para escrever textos como os do noticiário de hoje, nos quais, em meio às gravíssimas suspeitas investigadas, se entremeiam adjetivos como “supostos”, “possíveis”, etc., usados por salvaguarda de uma prudência que talvez esteja em falta no almoxarifado dos fatos.

DEU NO JORNAL

WELLINGTON VICENTE - GLOSAS AO VENTO

AGRADECIMENTOS

Amigos, eu agradeço
Tantas felicitações
E tão boas vibrações
Até mais do que mereço.
Amizade não tem preço
E o valor da amizade
Nos protege, na verdade,
Passa a ser o nosso teto
Na data em que eu completo
Cinquenta e sete de idade.

Nesta minha caminhada
Me considero feliz
Por onde passei eu fiz
Um amigo na estrada.
À Maria Imaculada
Sempre pedi proteção
E Jesus me deu a mão
Sempre guiando meus passos
Para escapar dos fracassos
Dos erros, da perdição.

Aos meus pais sempre fui grato,
Aos irmãos, sempre escutei,
Nos momentos que errei
Me arrependi no ato.
Procurando ser cordato
Em cada fase vivida
Fiz da poesia a lida
Para fugir de tropeço.
A Deus Pai eu agradeço
Por mais um ano de vida!

1 de agosto de 2023