DEU NO X

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

SINHÁ – Machado de Assis

Nem o perfume que expira
A flor, pela tarde amena,
Nem a nota que suspira
Canto de saudade e pena
Nas brandas cordas da lira;
Nem o murmúrio da veia
Que abriu sulco pelo chão
Entre margens de alva areia,
Onde se mira e recreia
Rosa fechada em botão;

Nem o arrulho enternecido
Das pombas nem do arvoredo
Esse amoroso arruído
Quando escuta algum segredo
Pela brisa repetido;
Nem esta saudade pura
Do canto do sabiá
Escondido na espessura,
Nada respira doçura
Como o teu nome, Sinhá!

Joaquim Maria Machado de Assis, Rio de Janeiro-RJ, (1839-1908)

RLIPPI CARTOONS

ALEXANDRE GARCIA

CALVÁRIO NO TSE?

Bolsonaro

Bolsonaro diz esperar que algum dos ministros do TSE peça vista do processo para prorrogar conclusão do julgamento

Leonel Brizola botou a boca no mundo quando percebeu que a contagem eletrônica dos votos feita pela Proconsult, contratada pelo TRE, poderia conduzir à vitória de Moreira Franco. A denúncia do risco de alteração dos resultados teria interrompido o processo e garantido a Brizola o governo do Rio de Janeiro, em 1982. O episódio serviu para deixar o PDT com um pé atrás em relação à contagem informatizada. O deputado Brizola Neto uniu-se a Bolsonaro por comprovante impresso de voto, assim como o PDT. Projeto aprovado em 2015, Dilma vetou, mas o veto foi derrubado por 71% dos congressistas. No entanto, o Supremo suspendeu a lei, por oito votos. Mas tarde declarou-a inconstitucional, por unanimidade. Em 2021 ainda se voltou ao assunto, com o apoio do PDT de Carlos Lupi e Ciro Gomes. Nesta semana o tema volta à discussão em julgamento no TSE, provocado por ação do PDT contra Bolsonaro.

O PDT denunciou Bolsonaro por abuso do poder politico e econômico, enquadrando-o em crime eleitoral, por ter convidado embaixadores credenciados no Brasil para uma conversa no Palácio do Alvorada. A conversa versava sobre riscos da contagem eletrônica pela ausência de um comprovante impresso do voto digital. Se a denúncia tivesse sido feita por outro partido, não teria sido tão irônico quanto foi com a iniciativa do PDT, que teria tudo para honrar a memória de seu líder e nunca mais querer o risco de um caso como o Proconsult.

Embaixadores que estiveram na reunião com Bolsonaro ficaram surpresos com a denúncia do PDT. Alguns me disseram não ter visto crime algum na atitude do então presidente. Que eles atenderam ao convite pelo mesmo motivo pelo qual concordaram em ir ao então presidente da Justiça Eleitoral, Edson Fachin: acompanhar o processo eleitoral de um dos maiores eleitorados do mundo, num país de grande importância estratégica. É dever deles relatar a seus governos o andamento de um processo eleitoral, para que seja avaliada a legitimidade dos resultados. Assim, se houve crime no encontro do Alvorada, os embaixadores seriam todos cúmplices, já que nada denunciaram.

No julgamento desta semana, bolsonaristas escrevem nas redes sociais que já está decidido que Bolsonaro será crucificado. Que farão com ele o contrário do que foi feito com Dilma quando, à revelia do que manda o parágrafo único do artigo 52 da Constituição, condenada, ela deveria ter ficado inelegível por oito anos – e não foi. Agora, com medo de Bolsonaro, vão torná-lo inelegível. Se vão crucificá-lo como dizem os bolsonaristas, podem convertê-lo, então, num cristo, alguém que já é messias no nome. Podem turbinar Bolsonaro como um líder sem voto literal, mas com poder de voto ainda maior.

DEU NO JORNAL

AGORA O NOME É “FAXINA”

Rhiannon, de 32 anos, largou o emprego de secretária para ganhar R$ 3 mil, por dia, para fazer faxina completamente nua, ou de lingerie, na casa de clientes no Reino Unido.

Ela trabalha para a empresa britânica Naked Cleaning Company, que se tornou alvo de polêmica pelos serviços “premium”. Outras moças de diferentes etnias trabalham para a companhia.

“Eu amo ficar nua e fazer faxina, foi uma vitória para todos com ótimas taxas de pagamento”, disse a mulher, em entrevista ao jornal The Sun, publicada em 22 de junho.

LAUDEIR ÂNGELO - A CACETADA DO DIA

A PALAVRA DO EDITOR

HÁ MUITOS ANOS…

Futucando aqui nos meus arquivos reencontrei esta foto aí de cima.

Um palmarense inxirido passeando pelo Rio Mississipi, no barco Queen of Hearts.

Quando participava do International Writing Program, da Universidade de Iowa, lá nos Zisteites e que durou quatro meses.

Programa que foi realizado em 1986 e que contou com escritores de todos os continentes, a convite do governo americano.

Foram quatro meses de debates, seminários, palestras, eventos culturais e muitas viagens ao longo do território americano.

Uma mordomia arretada!

Este palmarense foi convidado pra representar o Brasil.

RLIPPI CARTOONS

DEU NO X

DEU NO JORNAL

TÁ POUCO

Sobrou para a Embaixada do Brasil em Paris, na França, o pagamento da conta de mais de R$ 728 mil (138,5 mil euros) pela suíte presidencial do Hotel Intercontinental Paris Le Grand para Lula (PT) e a primeira-dama Janja, 17 acomodações para seguranças, aspones, e “esquadrão avançado”, além de uma sala de reunião, wi-fi e linha de telefone exclusivos.

Os pagamentos foram feitos entre 14 e 20 de junho, todos com a justificativa da “visita presidencial de 22 e 23 de junho”.

Outras despesas não entram na conta: R$ 728 mil foram o custo apenas da hospedagem de Lula, Janja e a grande comitiva no Intercontinental.

A conta mais barata bancada pelo pagador de impostos brasileiro para o petista Lula e sua comitiva foi a “linha de telefone exclusiva”: 140 euros

Três diárias em dois quartos do Hotel Intercontinental Paris Le Grand para a “equipe técnica” (em outra reserva) custaram R$ 40 mil.

* * *

Pro contribuinte decente, homem de bem e pagador de seus impostos, isto é um absurdo.

É lamentável.

Mas pra quem fez o “L”, eu acho é pouco!!!

FAZ O L JUMENTO (@MarceloLallo) / Twitter