BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DEU NO JORNAL

FORTALECENDO A LADROAGEM

A posição da ONG Transparência Brasil sobre a cassação do deputado Deltan Dallagnol (Pode-PR) deve derrubar o Brasil no índice internacional dos países corruptos.

Em nota, a entidade considera que a cassação pelo TSE “produzirá efeitos sistêmicos para a Justiça e a democracia no Brasil.”

Além disso, “a atipicidade da dinâmica processual e da fundamentação” desgastam a Lei da Ficha Limpa, agravam a insegurança jurídica e fragilizam a representação democrática no País.

A Transparência avalia que a decisão do TSE ameaça direitos políticos fundamentais “resguardados pela Constituição e tratados internacionais”.

A ONG adverte que “acarreta perigo sistêmico” o precedente inventado no TSE porque poderá ser aplicada a outros casos por juízes eleitorais.

A “alteração casuística” também amplia “os riscos de utilização abusiva da Lei da Ficha Limpa, um “instrumento fundamental”.

Além disso, enfraquece o “enfrentamento da corrupção política” e prejudica a representação democrática.

* * *

O último parágrafo dessa nota aí de cima fala em enfraquecimento do “enfrentamento da corrupção política”.

Logo, consequentemente, então, fortalece enormemente a corrupção e a roubalheira.

Um notícia festejada intensamente pelo bando que atualmente exerce o Poder. E que tem no comando um Descondenado que foi enjaulado por grossa ladroagem.

Como diz o ditado, tá do jeito que o Diabo gosta.

Ou, melhor dizendo, tá do jeito que o Ladrão gosta.

BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

COMENTÁRIO DO LEITOR

PEDIDO DO LEITOR ATENDIDO PELO GRANDE PENINHA

Comentário sobre a postagem NORIEL VILELA

Flavio Feronato:

Acho que há mais de 1 século não ouvia “Só o Ômi” com Noriel.

Se o Peninha puder postar outro sucesso de Noriel chamado “16 toneladas” ficaria muito agradecido.

* * *

RESPOSTA DO PENINHA:

Flávio, aqui estão três versões de “16 toneladas”.

Uma com “The Platters” gravada no Estúdio Showlivre em 2013.

A primeira gravação foi em 1946, feita pelo cantor e autor da música, Merle Travis.

O sucesso aconteceu em 1955 com a gravação feita pelo cantor Tennessee Ernie Ford.

The Platters gravaram a música em 1960:

A outra é a versão brasileira interpretada pelo grupo “Quem Sabe Faz ao Vivo” em gravação de março de 2020:

E esta é a versão com Noriel Vilela gravada em 1971 em compacto simples:

Este é um vídeo do site “Garimpo Sonoro” que nos revela um pouco da história de Noriel Vilela:

É por essas e outras que eu acho que a música é o que temos mais próximo de uma máquina do tempo.

A mente viaja nas lembranças.

DEU NO JORNAL

NADA DE SURPRESA

Até o Ipea teve de admitir, em comunicado sobre as contas do governo, que nos 4 primeiros meses de Lula (PT) o superávit caiu quase pela metade (-43%) e a receita caiu quase 2% em relação ao mesmo período no último ano de Bolsonaro.

Já a despesa teve alta, claro, de 7,8%.

* * *

Alguma novidade?

Nenhuma.

E por enquanto ainda está ótimo:

Vamos torcer pra que a piora não seja tão rápida quanto nesses 4 primeiros meses.

BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

LUIZ CARLOS FREITAS – RIO DE JANEIRO-RJ

Prezado editor Berto.

Contamos mais uma vez com sua gentileza de sempre, em atender nossos pedidos de publicação no aclamado JBF.

Mais uma vez o Senador Cleitinho eleito pelo estado de Minas Gerais (ele era verdureiro como os seus pais).

Demonstra sua dedicação e seu respeito para com os seus eleitores (coisa rara de se ver na grande maioria dos políticos).

Neste vídeo, ele faz duras cobranças ao diretor de pedágio de uma empresa que ganhou a concessão em estradas no seu estado.

Se tivéssemos mais meia dúzia de senadores (verdureiros), acho que iríamos ter muito boas colheitas.

Paz e Bem!

DEU NO JORNAL

RETROCESSO POPULISTA NA PETROBRAS

Editorial Gazeta do Povo

Petrobras

Nova política de preços da Petrobras não necessariamente seguirá o preço internacional do petróleo

Quatro meses e meio após Lula subir a rampa, está realizado o sonho de todo governante populista brasileiro: a Petrobras oficialmente abandonou sua política de preços alinhada com o mercado internacional, e que fora responsável pelo início de sua recuperação após a depredação realizada na primeira passagem do petismo pelo Planalto. Cumprindo uma promessa de campanha de Lula – e, mais uma vez, o que seria elogiável em qualquer outro governante se torna maldição para o país –, o preço dos combustíveis será “abrasileirado” e as consequências são imprevisíveis, tanto para a própria Petrobras quanto para o incipiente setor privado, que compete com a estatal no fornecimento de combustíveis.

Nunca é demais recordar as razões que fizeram do Preço de Paridade de Importação (PPI) a escolha da diretoria que assumiu a Petrobras quando Dilma Rousseff foi cassada e substituída por Michel Temer. O Brasil depende do mercado externo, pois sua autossuficiência em petróleo é ilusória: como o parque de refinarias nacional é insuficiente e obsoleto, o país precisa importar óleo e derivados. Além disso, ao praticar preços de mercado, a Petrobras permite que haja competição justa com os demais fornecedores privados, já que a estatal, sozinha, não dá conta de toda a demanda nacional por combustíveis. Nada, portanto, de “crime contra o povo”, como o ministro Alexandre Silveira, de Minas e Energia, classificou a PPI, mas de prática exigida por boas regras de governança.

Crime, na verdade, era o que o petismo havia realizado com a Petrobras, a ponto de fazer dela a petrolífera mais endividada do mundo, segundo dados de 2017 da Organização Mundial do Comércio. As perdas com a corrupção propriamente dita, quando o PT saqueou a Petrobras em conluio com empreiteiras e partidos aliados, foram bilionárias, mas o prejuízo com o represamento artificial de preços fora muito maior. A dobradinha Dilma Rousseff-Graça Foster fez com que a estatal vendesse derivados abaixo do preço de custo durante um longo período, para tentar controlar a inflação e não prejudicar as perspectivas de reeleição em 2014. Se o preço das ações da Petrobras subiu na terça-feira, aliás, foi em parte por um certo alívio do mercado, uma sensação de que a nova política de preços, embora pior que a PPI, poderia ter sido bem mais desastrosa, com um retorno declarado a essa época de devastação.

A nova política não estará completamente desvinculada do mercado internacional. “Não vamos nos desgarrar do preço internacional como uma Venezuela e vender o diesel ao preço que quiser. Quando subir lá fora, terá que subir aqui dentro. Quando descer lá fora, vai ter que descer aqui”, prometeu o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, na semana passada. Mas as novas regras incluem outros critérios, definidos de forma um tanto vaga, com expressões como “melhor alternativa acessível aos clientes” e “custo de oportunidade dadas as diversas alternativas para a companhia”. Ao afirmar no comunicado que continuará “seguindo as referências de mercado”, mas “sem abdicar das vantagens competitivas de ser uma empresa com grande capacidade de produção e estrutura de escoamento e transporte em todo o país”, a estatal deixa subentendido que terá uma grande margem discricionária para, no fim das contas, praticar o preço que quiser.

E, com isso, não é apenas o risco de novos prejuízos que volta à tona. Nos últimos anos, a Petrobras se voltou prioritariamente para a extração, atividade bem mais lucrativa que o refino e a distribuição, e iniciou um programa de desinvestimento que incluía, por exemplo, a venda de refinarias. Isso permitiu a entrada de players privados nessa área, embora ainda minúsculos em comparação com a gigante estatal. Mas, quando Prates fala em deixar a Petrobras “mais eficiente e competitiva, atuando com mais flexibilidade para disputar mercados com seus concorrentes”, indica que a empresa deve jogar todo o seu peso para tentar retomar fatias de mercado perdidas nos últimos anos. Ocorre que a Petrobras tem como suportar eventuais perdas se praticar preços artificialmente baixos, mas seus concorrentes não. Se a nova política tornar a atividade inviável para o setor privado, teremos a repetição do caso argentino, em que a estatal YPF represou seus preços e quebrou a concorrência, causando escassez de diesel.

Além disso, não se pode descartar que o governo Lula esteja interessado em usar a Petrobras como a mais nova arma em sua guerra contra o Banco Central. Os combustíveis têm enorme peso no cálculo da inflação, e uma redução de preços neste momento cairia como uma luva, quem sabe mantendo o IPCA acumulado dentro do limite de tolerância da meta por mais tempo, freando a elevação prevista para o segundo semestre e aumentando a pressão para que o Copom reduza a taxa Selic. No fim, tudo se resume à velha prática petista: usar toda a estrutura do Estado para atender aos próprios interesses, pouco se importando com as consequências desse sequestro.

BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CARLOS EDUARDO SANTOS - CRÔNICAS CHEIAS DE GRAÇA

NOMES RARÍSSIMOS

Valeriana Carmencita, um dos nomes raros

Todas as vezes que faço uma pesquisa lembro-me de nomes de etnólogos de Pernambuco, sobremodo aqueles que deixaram sua contribuição ao setor. Mário Souto Maior, que figura entre os proeminentes.

Sentado em sua rede, no terraço da casa de Olinda, com um catálogo telefônico à mão, ele produziu seu primeiro livro: “Dicionário do Palavrão e termos afins”. Conversamos durante horas sobre suas pesquisas, num adorável domingo.

Como hoje ele não está mais entre nós, andei me aventurando a relacionar alguns nomes raros, não constantes de sua publicação e que certamente seriam por ele aceitos a fim de completar sua obra, se vivo ainda estivesse.

Nessa procura de nomes exóticos, raros e pouco conhecidos recebi a colaboração de muitos leitores que contribuíram para a publicação destas notas. Há poucos dias dei continuidade à busca, iniciando com uma relação da Folha de Pagamentos, onde constavam nomes de funcionários do Banco do Brasil, no decênio de 1960.

Dos personagens que conheci aproveitei para publicar seus apelidos, a fim de dar graça à relação. Nesta oportunidade aproveitei correspondências e telefonemas que me chegaram, a fim de engrandecer a “coleção” que ora venho publicando. Vejamos:

Abdalino Serro Lopes (Lino)
Abdenísio Costa
Abdoral Marcondes Filho
Agripa Ulysses de Vasconcelos
Agustiniana da Silva Mendes
Alaíde Bruna de França
Albenaldo Fonseca
Alcidélia Marcondes Ferro
Almanaíra Logan (Mana)
Ana Flor Marcondes
Arão Mendes
Argentina Castello Branco
Austriclínio Roberto Santos
Bailton Neves (Babá)
Benevaldo Nobre de Melo (Bené)
Clidenor Ferreira da Silva
Dailane Correia
Demevaldo Melo Reis
Denerilson Arruda
Deobertina Caruso
Desandra Elisio Teles
Desandra Santos
Djailton Ferreira da Costa (Dadá)
Docivaldo Melo Cruz (Dôci)
Dulcinaura Dias
Ebtuso Maia Carrilho
Edilsenir Melo Gomes.
Eleunere de Matos
Elibertona Soares
Elinevanda Lopes Silva
Elsonildes de Arruda Silva
Elvandilma Correia (Elva)
Erivaldene Lopes Cardoso
Estrelina Mendes Félix
Florisbundo Menezes da Rocha
Gedalva Maria de Sena
Hermógenes de Araújo Viana
Jenoveva Cândida Mendes (Véva)
Joacir de Medeiros
José Florisbelo Costa (Floris)
Marinalva Teles Mendes
Menivalda Loureiro
Onix Lorenzzoni
Sizolmar Cavalcanti
Tertuliano Veríssimo Silva (Teté)
Valeriana Carmencita
Valeriana Carmencita.

Outro dia, ouvi num restaurante, ouvi um cidadão contar uma história incomum. Uma senhora, mãe solteira, que estava grávida, disse que teria que batizar seu filho com um nome inventado por ela, a fim de tornar o rebento um cidadão de nome raro. E mandou ver.

Registrou o pobre como Florisbundo Menezes da Rocha.

Ainda bem que não foi u’a menina. Pois assim seria um nome raríssimo e o apelido, quase impronunciável: Florisbunda.