DEU NO X

ALEXANDRE GARCIA

OS GOLPES EM PROGRAMAS SOCIAIS E A ESMOLA QUE VICIA

Os golpes em programas sociais e a esmola que vicia

Vejam só o quanto do nosso dinheiro estava indo para mãos erradas, de gente que, por algum motivo, andou tapeando o Bolsa Família e o programa do gás. O governo desconfia que 1,2 milhão de pessoas estão sem receber o Bolsa Família por causa de situações como a de uma família de três pessoas, pai, mãe e filho, em que o pai declara que mora sozinho, que ele é a família, e ganha R$ 600; a mãe declara que mora sozinha e ganha outros R$ 600; e o filho também diz que é sozinho, e leva mais R$ 600. No total vão R$ 1,8 mil dos nossos impostos, quando a família toda deveria receber R$ 600. No programa do gás, só têm direito ao R$ 110 do botijão de gás de 13 quilos por mês quem ganha menos de meio salário por mês, mas o governo acha que 267 mil pessoas declararam falsamente que ganham menos que isso, e estão levando dinheiro dos nossos impostos também.

A ministra do Planejamento acha que só aí escorrem R$ 7 bilhões dos nossos impostos – não é “dinheiro do governo”, não: o governo não produz riqueza, não produz nada, só gasta, só aplica. Pode ser não apenas em custeio, mas também em investimento, e mesmo assim é o nosso dinheiro. Quem cria a riqueza somos nós, é o nosso trabalho, nosso suor, nossas mãos, nosso cérebro; e uns 36% de tudo que que produzimos, pagamos e trabalhamos vai para os governos municipais, estaduais e federal prestarem serviço nos três poderes, Judiciário, Legislativo e Executivo.

Continua aquele problema que todos conhecem: é muito melhor ensinar a pescar que dar o peixe. Luiz Gonzaga canta isso, que a esmola humilha o cidadão e vicia, o que é pior ainda. Precisa haver uma porta de saída, demos um auxílio emergencial para quem precisa, mas é preciso capacitar as pessoas, agitar a cabeça delas para que invistam em si próprias, produzam, contribuam para a riqueza nacional e não para a pobreza nacional.

* * *

PL da Censura coloca o Brasil no caminho da China

Vamos ficar parecidos com a China, com essa história de lei para censurar as redes sociais. Na quinta-feira fez aniversário o início do movimento na Praça da Paz Celestial, em 1989, pedindo democracia, mas não adiantou nada. Aqui estamos fazendo o caminho da China: inventamos nomes bonitinhos para essa lei da censura das redes sociais, e o pior tem sido a atitude de nossos representantes, nossos mandatários. Nós, os mandantes, estamos apavorados, porque elegemos cerca de 70% de deputados de centro e de direita na Câmara, mas na votação da urgência ganhou a tese da esquerda, que adora uma censura. A esquerda ideologicamente é totalitária, exige censura, como vemos na Venezuela, em Cuba, na China, na Nicarágua.

O perigo existe não apenas para o nosso futuro, mas para o futuro dos nossos filhos, netos, bisnetos. Porque estão passando por cima da Constituição, que é muito clara, “cidadã”, como dizia o Doutor Ulysses; está escrito lá, no parágrafo 2.º do artigo 220, que “é vedado todo e qualquer tipo de censura política, ideológica e artística”. Mas estão fazendo isso na nossa cara. É uma vergonha, especialmente para quem se cala diante disso.

DEU NO JORNAL

EM FILA FAZENDO O “L”

Beneficiários do programa Bolsa Família fizeram uma fila na frente da Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), em Salvador, na capital baiana, nesta quinta-feira, 27. Os favorecidos reclamaram que tiveram o benefício bloqueado.

As pessoas aglomeradas foram ao Sempre questionar a decisão da perda provisória do benefício. A interrupção foi determinada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome do governo Lula.

RODRIGO CONSTANTINO

DETERIORAÇÃO MAIS RÁPIDA DO QUE PESSIMISTAS ESPERAVAM

Estamos terminando o primeiro quadrimestre do novo governo. Em pouco mais de cem dias, o estrago já é visível por todo canto. A deterioração do país tem sido acelerada demais, mesmo para aqueles, como eu, que sempre esperaram o pior quando a turma resolveu fazer o L.

Chega-se a questionar se não é intencional, para avançar com o projeto totalitário de poder, que demanda caos social para justificar mais e mais estado em todo lugar. Se, por um lado, uma tranquilidade econômica daria tempo ao PT para seu projeto de poder, esse clima de anomia serve como pretexto para mais controle ainda.

Na área econômica, o governo apresentou seu “calabouço fiscal”, e até o ministro Haddad, poste de Lula, já diz agora que “se economia continuar desacelerando, vamos ter problemas fiscais”. As previsões começam a sinalizar graves crises à frente.

O ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, tucano que fez o L para “salvar a democracia”, criticou duramente o arcabouço fiscal proposto pelo governo federal, em audiência no Senado nesta quinta-feira. Ele afirmou que a aritmética da proposta não fecha. Durante o debate sobre juros, Fraga também afirmou que 2023 é o ano da economia e que há um risco de o país “desembocar em um grande fiasco”. Arminio está com medo?

No âmbito internacional é vergonha atrás de vergonha. Agora sim, o brasileiro vai saber o que é ser um pária mundial. Lula resolveu atacar os Estados Unidos, a Ucrânia e até a ONU, enquanto sai em defesa das ditaduras comunistas da China, Venezuela, Cuba e Nicarágua. O desmatamento bate recordes, o presidente comete gafes contra Israel, é um verdadeiro show de horrores!

O MST voltou a invadir com vontade propriedades rurais, inclusive da Embrapa, e o governo propõe “diálogo”. A Folha de SP diz que Lula estaria irritado com seus antigos aliados, mas é tudo mentira: a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, condenou Arthur Lira por apoiar a CPI do MST, saindo em defesa do “movimento social”. Tudo teatro: o MST invade pois tem companheiros no poder, e o intuito é espalhar o caos no campo mesmo, além de demandar mais verba estatal.

No quesito liberdade de expressão o Brasil lulista caminha a passos largos rumo ao totalitarismo comunista. o PL da Censura vem aí, criando o Ministério da Verdade. A narrativa dos blogueiros petistas segue espalhando… Fake News. A Lei de combate às Fake News vai “acabar com as mentiras nas redes sociais”, assim como a Lei do Desarmamento acabou com as armas dos marginais nas favelas…

Analistas atentos sabiam que a volta de Lula ao poder significava enorme risco para o Brasil, mas mesmo os mais pessimistas pensavam que a destruição seria mais lenta. O PT chegou com vontade de destruir tudo de vez, ninguém pode negar. Lula não tem tempo a perder: ele sabe que se for aos poucos o sistema tucano pode se livrar dele novamente. Ou vai ou racha: o PT tentará transformar o Brasil numa Venezuela ainda no primeiro ano de governo!

MAGNOVALDO BEZERRA - EXCRESCÊNCIAS

GETÚLIO VARGAS

Por acaso vossuncê é chegado em política?

Bem, de uma maneira ou de outra, a política está em toda a parte. Até as religiões estão impregnadas de política. Dos tribunais, que deveriam ser os templos da justiça, nem se fala!

Minha iniciação à política aconteceu em 1952 (ou foi em 1953?), por ocasião da cerimônia de inauguração de alguma coisa ligada à Estrada de Ferro Noroeste do Brasil em Corumbá, Mato Grosso do Sul, cidade onde nasci.

Foi quando, pela primeira vez, vi em pessoa um Presidente do Brasil: Getúlio Vargas. Ao lado dele, como de costume, a figura do “Anjo Negro”, Gregório Fortunato, seu guarda-costas de estimação. Perto dele, Getúlio era um baixote. Todo vestido de terno de linho branco (o calor em Corumbá é arretado), andava na frente de um magote de seguranças e homens bem vestidos ou fardados.

Minha madrasta já dizia, desde priscas eras, que tinha horror e nojo a três tipos de animais: os sapos, as aranhas e os políticos. Eu não entendia nada, já que tinha uma certa simpatia por sapos e aranhas, mas nada sabia de políticos.

Foi minha primeira decepção quando vi Getúlio Vargas: como moleque, imaginava que o homem mais poderoso do país deveria ser, também, o mais sacudido, parrudo, alto e musculoso. E Getúlio só era o mais barrigudo!

Perguntei a meu pai quem eram aqueles homens que caminhavam ao lado e atrás do Getúlio, ao que ele me informou que eram guarda-costas ou puxa-sacos.

E o que eram puxa-sacos?

Ah, esses são os políticos, ponderou com arretada sabedoria o sr. Miguel Bezerra, explicando que políticos são gente que vive de política.

A coisa aí complicou, já que minha curiosidade infantil queria saber o que é política.

O velho pensou um pouco e fulminou:

– Meu filho, imagine um chiqueiro de porcos. Política é uma espécie de chiqueiro: é uma criação de porcos sujos que só estão interessados na lavagem, e se você entrar nele – ou nela – não vai sair sem levar, no mínimo, o fedor.

Manda a sabedoria popular que os religiosos têm alma pura e só desejam o bem e a salvação dos homens. Mas é igualmente certo que vários deles fizeram o mal e pecaram contra sua própria condição pastoral.

Também a sabedoria popular contempla os políticos como uma classe de corruptos e somente interessados em enriquecer às custas de nossos impostos. Mas é igualmente certo que alguns deles são gente honesta, trabalhadora e que lutam para melhorar as condições de vida de seus eleitores. São uma exceção, penso eu.

Parte do desmantelo que penso da grande maioria dos políticos vem das palavras de meu pai naquela ocasião muito especial.

DEU NO JORNAL

DEU NO JORNAL

VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

PODEROSOS ENDEMONIADOS

“A astúcia dos pobres não é nada, se comparada à picaretagem dos poderosos”.

O poder é o demônio do homem. A sede do poder é mais forte do que a fome e outras necessidades básicas. Pela disputa do poder é que se faz a guerra.

O homem pode ter saúde, alimentação, divertimento, moradia, mas, mesmo assim, o que ele mais deseja na vida é o poder. O demônio do poder está sempre lhe atentando e quer ser satisfeito.

Lutero disse: “Se nos tiram o corpo e haveres, honra, mulher e filhos, bom proveito lhes faça. – não nos hão de tirar o poder.”

Segundo Nietzsche, o poder tem escalas: o poder do pai, do Estado, do chefe e do subchefe, o poder, enfim, que explica todas as formas do mal que vulgarmente é centralizado no demônio – o demônio do homem, que o leva a comer o fruto da árvore do Bem e do Mal para ser poderoso igual ao Deus que o criou.

É na vida política, que o demônio do poder mais se manifesta. O maior explora o menor, o menor explora o mínimo, e o mínimo busca outro mínimo a explorar.

Até mesmo na vida particular de cada um, o poder é o objetivo final de cada ação, por mais simples que seja. O poder do marido sobre a mulher, do guarda sobre o motorista, do motorista sobre o transeunte e, evidentemente, de um presidente de empresas ou da República sobre seus subordinados e sobre a nação.

O demônio do poder está no embrião de todo o processo político, das alianças e das rupturas. Aparentemente, há limites legais para o exercício do poder, mas, no subsolo das paixões, tudo é permitido, desde que, guardadas as conveniências de ocasião, o demônio que está a rugir em volta sempre faz mais um súdito.

Não se deve chutar cachorro atropelado. É uma maldade. Há um entendido de uma rede de TV, que a toda hora, nos debates políticos, diz ao vivo e a cores, não gostar do ex-presidente da República, e chega a lembrar o holocausto dos nazistas contra os judeus, desejando-lhe uma prisão perpétua ou pena capital. Se o poder estivesse nas mãos desse endemoniado, o ex-Presidente estaria “perdido”.

Mas o feitiço sempre vira contra o feiticeiro. E a lei do retorno faz com que o mal que se deseja a alguém retorne em dose dupla.

Pois bem. Há dois mil anos, o filósofo grego Diógenes saiu de casa, com uma lanterna na mão. Como o sol brilhava naquela manhã, todos perguntavam a ele a razão de levar uma lanterna e por que fazia isso. Diógenes respondia: “Procuro um homem.”

Diz a lenda que não encontrou nenhum homem nas ruas, nem nos lugares públicos. Todos eram incompetentes ou corruptos.

Alguém que já ocupou, honestamente, importantes cargos públicos no passado, hoje não aceitaria mais exercer nenhum cargo, pois a corrupção se alastrou e a contaminação é grande. A ganância e a inveja continuam ocupando os corações dos homens.

DEU NO JORNAL

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

SANTIFICADO SEJAS OU A FUGA DE MADAME GESSINHO

Esta é a primeira vez que aqui estou depois da última vez que aqui estive, na sexta já pretérita e friélica (sim, está a fazer frio no Chuveste).

“Ahora por primera vez, entiendo lo que es el miedo de verdad”, dijo Geralt de Rivia. A frase poderia muito bem ter sido proferida por muita gente na América do Sul neste exato instante, “nénão?”.

JBF, la libre parole… ¡Afírmate, cabrón! Haja phé!!! Courtney Tillia made the declaration in with the Daily Starsaying: “God’s message has been abundantly clear: I’m here to be a porn star. This is my way of serving.” Coração em paz, porque Deus sabe o que faz.

Revelan qué le dijo Zé Laricca a Luiz Carlos Sancho de Panza en en impactante momento fubánico: “Tengo comunicación con ellos” y quiero hablar de eventos que sucedieron: Zé Laricca, un “viajero del tiempo”, aseguró que se habló con extraterrestres y le anunciaron un terremoto politico en Brasil.

¿Y si los locos somos nosotros? E se um “ovni” abduzir o Laricca? E se a Schirley “um dia não” tivesse aberto esta Gazeta Escrota e nos visitasse? O JBF e o caminhoneiro não seriam os mesmos (como discordar, João?).

Deixemos a curitibana, restauradora de mobília que o cupim comeu, que está passando por poucas e boas, como a tortura do banho, afinal o gesso não pode molhar de JEITO NENHUM, além do malabarismo para usar um banquinho no chuveiro ou ter que ensacar o gesso com sacolinha de mercado; em compensação, a Schirgessinho engessada se tornou rapidamente popular nas andanças pelo hospital; seus novos amigos a perseguem com canetas para dar uma assinadinha naquele gigantesco espaço em branco, ou melhor, cinza, pois assim ficou depois de tanta gente passando a mão; está ela desesperada tentando apagar o desenho de um pênis que um engraçadinho lá desenhou. Quase louca está com a COCEIRA dentro do gesso.

Da Gessinho ao JJ. Em verdade eu vos digo, que Jairo Juruna é o leitor mais atento do sexta ferino cronista, pois amparou Sancho quando um centenário Vozão (Siará pussívi?) passou uma rasteira no embaralhador de palavras.

Continue lendo