RLIPPI CARTOONS

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

SONETO DA SEPARAÇÃO – Vinícius de Moraes

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Vinícius de Moraes, Rio de Janeiro (1913-1980)

LAUDEIR ÂNGELO - A CACETADA DO DIA

DEU NO X

FARRA D’ALÉM MAR COM NOSSO DINHEIRO

RODRIGO CONSTANTINO

OS FARSANTES

Aquela invasão de “terroristas” no 8 de janeiro estava suspeita demais desde o começo. Por meses, bolsonaristas tinham se manifestado de forma pacífica, enquanto a esquerda radical sempre adotara os métodos do vandalismo e da violência. De repente, a “direita” resolve mudar de tática e partir para o ataque, dando o pretexto necessário para o estado intensificar a perseguição contra direitistas. Que conveniente!

Levantar a possibilidade de omissão voluntária do governo Lula, na melhor das hipóteses, já era promover “Fake News”, o que, na atual circunstância, pode render censura ou mesmo prisão arbitrária. Mas as imagens que o governo tentou colocar sob sigilo por anos vazaram, e o que vimos foi revelador: o “sombra” de Lula, general chefe do GSI que acompanha o presidente há duas décadas, estava bem à vontade com a turma de “terroristas”.

Agora vimos ainda um “jornalista” da Reuters preparando a cena para o “arrombamento” de uma porta no Palácio do Planalto, tudo bem ensaiado e com direito à revisão da imagem pelo próprio “terrorista”, antes de garantir que o resultado ficara satisfatório. Isso era um golpe de estado ou um documentário para o Fantástico?

Tudo muito, muito estranho. E para lá de suspeito! Não precisamos aderir à tese de que o próprio PT organizou, orquestrou e comandou a invasão para perceber que, ao menos, viu ali uma boa oportunidade para rotular de vez toda a direita de golpista e partir para sua criminalização. Não custa lembrar que, após aquele fatídico dia, comentaristas como Fiuza, Paulo Figueiredo e eu fomos calados na marra.

Estamos lidando com manipuladores profissionais, com mentirosos compulsivos, com um mitomaníaco como Lula, que mente sem nem ruborizar sobre qualquer assunto. Essa turma da esquerda radical é capaz de tudo. O grau de cinismo é assustador. As inversões nas narrativas são constantes e sob medida para auxiliar seu projeto de poder.

Vejam os “jornalistas” da esquerda, por exemplo. As mudanças abruptas de discurso atendem aos interesses momentâneos dos poderosos, sem qualquer apego a princípios éticos ou coerência. É o caso de Reinaldo Azevedo, que escreveu “O País dos Petralhas” quando isso interessava aos colegas tucanos, e hoje virou lulista de carteirinha.

Azevedo escreveu ontem: “Muito se fala SOBRE o MST. É hora de ouvir o movimento e conhecer sua inserção na economia, a sua produção de alimentos e suas formulações, que vão além da questão agrária”. Para tanto, o “jornalista” entrevista um líder do movimento que promoveu novas invasões criminosas e que o próprio Reinaldo Azevedo já chamou de “terrorista” num passado recente: “O MST e o terrorismo oficializado”, dizia o título de sua coluna na Veja contra os invasores.

Enquanto a direita achar que está enfrentando gente que segue as regras do jogo e liga para fatos, vai ser feita de trouxa. O perigo agora é deixar o PT comandar a CPMI, que se tornou inevitável. Se isso acontecer, o troço vira um circo, como aquela da Covid, usada para palanque de Lula e para demonizar gente séria enquanto enaltecia notórios picaretas.

O esquerdismo é um grande truque de farsantes. Está na hora de constatar essa verdade e reagir de acordo. Acreditar que basta ter a verdade ao seu lado para vencer é uma doce ilusão. Há décadas que toda a experiência demonstra o retumbante fracasso do esquerdismo, e não obstante ele se mantém no poder em vários países. Isso acontece porque a farsa muitas vezes supera a realidade e engana os otários. E não há escassez de otários no mundo, infelizmente…

RLIPPI CARTOONS

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

SÉRGIO – SÃO PAULO

Assim é o pai e a mãe dos pobres coitados que fizeram o L de Lunático enquanto o Lunático bebendo vinhos e comendo sua saborosa picanha portuguesa e os noticiários mostram a sua esposa Que Esbanja estão em Portugal se esbaldando.

O Portugal da Bahia no Brasil como Ilhéus e Cabrália estão em estado de emergência debaixo das águas da chuvas. Um Lunático com sua esposa Esbanja não estão nem aí.

O negócio é gastar quem paga a conta somos nós.

LAUDEIR ÂNGELO - A CACETADA DO DIA

DEU NO JORNAL

EXCLUÍDOS

O selo de verificação do Twitter, símbolo que atesta a veracidade do perfil, foi derrubado para usuários que não pagam pelo serviço.

Entre os excluídos, a primeira-dama Janja e o deputado Guilherme Boulos.

* * *

“Usuários que não pagam”???

Não entendi…

Pelo que sei, Janja e Boulos são excelentes pagadores.

LAUDEIR ÂNGELO - A CACETADA DO DIA