DEU NO JORNAL

“ROUBAR É UM DIREITO”

O petista Andres Sanchez, ex-presidente do Corinthians, saiu em defesa de ladrão de relógio durante a participação no Casal Coringão, na terça-feira, 14.

Em vídeo que está circulando nas redes sociais, o ex-deputado afirmou que “roubar é um direito, só não pode dar uma facada”.

Conforme o ex-dirigente, o crime se justificaria porque as pessoas estão cada dia mais pobres.

“O país, é um país pobre, as pessoas estão cada dia mais pobre, então o cara tem o direito de te roubar um relógio, mas não tem o direito de te dar uma facada, um tiro, por causa de um relógio, por causa de um tênis que, às vezes, é falso, por causa de uma bicicleta.”, disse o petista.

“Rouba a bicicleta, mas não dá a facada nem o tiro na pessoa. E hoje qualquer um dá o tiro por nada”, concluiu.

* * *

Petralha e luleiro.

Não precisa se dizer mais nada.

É phoda!!!!

Puta que pariu!!!!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MÁRIO MORAES DA CUNHA – PETROLINA-PE

Segue comprovante.

Já tá lá, meu ídolo.

R. Já lá tá, meu leitor.

Já tá lá na conta desta gazeta escrota sua generosa doação.

E já tá garantida a farra de Chupicleide para este final de semana.

Bem como garantida está uma importante ajuda para o pagamento mensal da empresa Bartolomeu Silva, que nos dá assistência técnica e cuida dessa gazeta escrota. 

Gratíssimo também aos leitores Esdras Serrano, Arael Costa, Expedito Mateus e Manuel M. Sabino, que fizeram suas doações nos últimos dias.

Vocês são mesmo porretas, mantendo o JBF avuando pelos ares!!!!

Uma excelente final de semana para toda a querida patota fubânica.

E, para alegrar a nossa sexta-feira, uma gostosa roda de choro.

PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

A GENIALIDADE DE MANOEL XUDU

O paraibano Manoel Lourenço da Silva, o Manoel Xudu (1932-1985)

* * *

Dia 13 de março terça-feira
Ano mil novecentos trinta e dois
Pouco tempo depois que o sol se pôs
Mamãe dava gemidos na esteira
Numa casa de barro e de madeira
Muito humilde coberta de capim
Eu nasci pra viver sofrendo assim
Minha dor vem dos tempos de menino
Vivo triste por causa do destino
E a saudade correndo atrás de mim.

* * *

O mar se orgulha por ser vigoroso,
Forte, gigantesco que nada lhe imita
Se ergue, se abaixa, se move, se agita,
Parece um dragão feroz e raivoso.
É verde, azulado, sereno, espumoso;
Se espalha na terra, quer subir pro ar,
Se sacode todo, querendo voar,
Retumba, ribomba, peneira, balança,
Nem sangra, nem seca, nem para, nem cansa,
São esses fenômenos da beira do mar.

* * *

Analise o caju e a castanha,
São os dois pendurados num só cacho,
Bem unidos, um em cima, outro embaixo,
Porém tendo um do outro a forma estranha,
Dela, extrai o azeite, o sumo, a banha,
Dele, o suco pro vinho e o licor,
Quando ambos maduros mudam a cor
Ele fica amarelo e ela escura,
Mas o gosto dos dois não se mistura,
Quanto é grande o poder do Criador.

* * *

Não há tempestades e nem furacões,
Chuvada de pedra no bosque esquisito
Quedas de coriscos e meteorito
Tiros de granadas, obuses, canhões,
Juntando os ribombos de muitos trovões
Que tem pipocado na massa do ar
Cascata rugindo, serra a desabar,
Estrondo, ribombos, rumores de guerra,
Nuvens mareantes, tremores de terra
Que imitem a zoada na beira do mar.

* * *

Voei célere aos campos da certeza
E com os fluidos da paz banhei a mente
Pra falar do Senhor Onipotente
Criador da Suprema Natureza
Fez do céu reino vasto, onde a beleza
Edifica seu magno pedestal
Infinita mansão celestial
Onde Deus empunhou saber profundo
Pra sabermos nas curvas deste mundo
Que ele impera no trono divinal.

* * *

Os astros louros do céu encantador
Quando um nasce brilhando, outro se some
E cada astro brilhante tem um nome
Um tamanho, uma forma, brilho e cor
Lacrimosos vertendo resplendor
Como corpos de pérolas enfeitados
Entre tronos de plumas bem sentados
Vigiando as fortunas majestosas
Que Deus guarda nas torres luminosas
Que flutuam nos paramos azulados.

* * *

Quando eu segurei a tua mão
Foi achando que ela estava fria
Ela tava tão quente e tão macia
Igualmente um capucho de algodão
Vou mandar repartir meu coração
Pra fazer-te presente da metade
Pra gente ficar de igualdade
Tu me dá teu retrato eu dou o meu
O retrato me serve de museu
Pra eu guardar meu romance de saudade.

* * *

O nome da minha amada
Escrevi com emoção
Na palma da minha mão,
No cabo da minha enxada
No batente da calçada
E no fundo da bacia
Na casca de melancia
Mais grossa do meu roçado
Pode ir lá que tá gravado
O nome Ana Maria.

* * *

Eu admiro um caixão
Comprido como um navio
Em cima uma cruz de prata
No meio um defunto frio
E um cordão de São Francisco
Torcido como um pavio.

* * *

O homem que bem pensar
Não tira a vida de um grilo
A mata fica calada
O bosque fica intranquilo
A lua fica chorosa
Por não poder mais ouvi-lo.

* * *

Sou igualmente a pião
saindo de uma ponteira
que quando bate no chão
chega levanta a poeira
com tanta velocidade
que muda a cor da madeira.

* * *

Tristeza é a do peruzinho
Beliscando essa maniva
Correndo atrás da galinha
A sua mãe adotiva
Como quem está dizendo
Ah se mamãe fosse viva !

* * *

A mulher que eu casei
Além de linda é brejeira
Daquelas que vai à missa
No domingo e terça-feira
Das que faz uma sombrinha
Com um pé de carrapateira.

* * *

Estou como um penitente
Que não possui um barraco,
Dorme à-toa pela rua,
Um guabiru fura o saco,
Quando recebe uma esmola
Ela cai pelo buraco.

* * *

Judas pegou uma corda,
Morreu com ela enforcado,
Não estava arrependido,
Estava desesperado,
E o desespero da culpa
Nunca redime o pecado.

* * *

Com você canto apertado
Que só cobra de cipó.
Que, com três dias de fome,
Tenta engolir um mocó,
De tanto forçar a boca,
Finda estourando o gogó.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MAURÍCIO ASSUERO – RECIFE-PE

Meu caro Papa,

hoje é dia de falar de coisas boas, de encontrar os amigos e relembrar várias histórias e estórias.

Vamos abrir as portas do Cabaré do JBF às 19h30, nesta sexta feira.,

E para participar basta clicar aqui.

Avise aos leitores do JBF e vamos rir, vamos nos divertir…

Abraços

R. O recado está dado, nobre gerente cabarelista.

Vamos fuxicar com muito gosto e vigor.

É sempre bom reencontrar os queridos amigos fubânicos.

Um excelente indício de que teremos todos um final de semana maravilhoso.

Às sete e meia de noite nos encontramos lá na sala do Cabaré.

Até mais tarde!!!

DEU NO X

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOSÉ DOMINGOS BRITO – SÃO PAULO-SP

Caros leitores

Dentro em breve – 19/4/2023 – teremos o Centenário de Lygia Fagundes.

Lygia foi tema da minha coluna aqui no JBF no dia 5 passado.

Vamos dar-lhe de presente mais 5 anos, conforme indicam os documentos.

Bem sabemos que não ficará aborrecida na condição de mais idosa, pois sabe que agora os anos contam e cantam melhor.

Se quando em vida foi vaidosa e tinha condições de sê-la, o que importa agora é o tempo de experiência.

Assim, Salve Lygia Fagundes, nos seus 105 anos!!!

DEU NO X

VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

ESPANTANDO OS URUBUS

Zezinho pula cedo da cama e, como sempre faz, deixa-a desarrumada. Também não tira o pijama, porque não dorme de pijama; tem a péssima mania de dormir de roupa. Toma um café preto e ralo e sai de casa tremendo de frio. Hoje não calçou o Conga; preferiu o sapato super velho, pois já sabia o que o esperava e aonde teria que ir.

Como companhia, um cajado pequeno, do seu tamanho, um ou dois sacos plásticos de supermercado e um lenço que sua mãe lhe amarra ao pescoço. Em determinado momento, esse lenço vai servir para cobrir seu nariz e sua boca: há gases no lugar onde ele vai, há péssimos cheiros, há micróbios, há bactérias e outros tipos de porcaria. Era o lenço de seu pai, agora é seu, pois virou o homem da casa desde que seu velho saiu para comprar cigarro e nunca mais voltou.

A mãe grita da porta: “Não esquece de cobrir os olhos, também, e não respire a fumaça que sai do chão”.

Depois de andar quase uma hora, Zezinho chega àquele monte enorme, o lixão. Percebe que está atrasado e quase não há onde fuçar.

Mais de cinquenta meninos chegaram antes dele e fuçaram primeiro; já pegaram os melhores restos, os mais frescos, aqueles que ainda serviam para comer. Mesmo assim, Zezinho cobre o rosto com o lenço, mete os pés no monturo e, com o cajado, espanta os urubus. Consegue salvar alguns restos de comida e se apressa em voltar para casa, onde a mãe o aguarda ansiosa.

Não tenho nada contra os urubus. Pelo contrário, gosto muito dos urubus, pelo serviço que eles prestam á humanidade, limpando o solo e a podridão dos animais em decomposição.

“Os urubus, aves becadas por natureza, não tem grandes dotes para canto, mas já decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haverão de se tornar grandes cantores.”

Os urubus tem fama de dar azar. Isto é pura superstição. O ditado “um urubu pousou na minha sorte”, ´´e muito antigo, e faz parte da sabedoria popular.

Na minha terra natal, Nova-Cruz (RN), já ouvi gente dizer:

“Estou tão sem sorte, que só falta, agora, um urubu fazer cocô na minha cabeça.”

Se isto acontecer, será moleza demais!!!

Voando sob o céu azul, os urubus apresentam um espetáculo muito bonito: Fazem curvas suaves no espaço. Entretanto, mesmo com curvas suaves no voo, representam um perigo para a aviação. Eles tem sido responsáveis por inúmeros acidentes aéreos, na decolagem e no pouso, momentos críticos dos voos, conforme atestam as estatísticas. Os urubus se aproximam das turbinas dos aviões e são sugados, ou se lançam contra os vidros, como suicidas.

É impossível se cercar o ar ou erguer muralhas no espaço aéreo, pois, afinal, este pertence a todos, inclusive aos urubus.

Existem recursos técnicos, como a fumaça, que diminuiriam o perigo e afastariam os urubus. Mas, eliminá-los completamente é impossível. Outra solução seria deslocar os depósitos de lixo, das proximidades dos aeroportos, o que também é impraticável.

DEU NO X

JOSÉ PAULO CAVALCANTI - PENSO, LOGO INSISTO

NOTÍCIAS DA TERRINHA

Lisboa. Novas notícias dos jornais portugueses, para sentir diferenças entre as culturas da terrinha e de nosso Brasil.

* * *

ALIMENTOS. No hemisfério Norte, a primavera “está a chegar mais cedo” (primeira página de O Público‒OP). Em Almogia, na província espanhola de Málaga, as amendoeiras floriram mais cedo. O que vai ter grandes reflexos na agricultura. Em outra matéria no mesmo jornal, sobre o livro Eating Extinction, o jornalista Dan Saladino explica o desaparecimento de alguns alimentos, na face da terra. Logo pensei em nossa mangaba. Sobre ela, tenho até uma teoria. De que Deus começou o mundo fazendo a mangaba. Depois, já cansado com tanta perfeição, fez o homem. E deu no que deu. Se acabar mesmo, vai ser triste.

ALIMENTOS 2. Ainda nesse jornal, em outra edição, vemos projeto na Faculdade de Ciências do Porto, com financiamento europeu, de “editar grãos de arroz para suportar mais calor”. Deveríamos fazer o mesmo, aqui no Nordeste. Para “editar” grãos que produzissem milho, feijão e outras culturas nossas usando menos água. Os transgênicos, parece, vão ser o futuro dos alimentos.

BALEIAS. “Estudo liderado por economistas do FMI revela que se as baleias pudessem voltar aos números de antes, o planeta ganharia capacidade de fixação de CO2 equivalente à de quatro florestas como a Amazônia”. Seria bom dizer isso aos países que pescam esse mamífero e ainda reclamam de nós.

BRASIL. No Correio da Manhã–CM, o brasileiro Begoleã Fernandes foi preso, quando voltava a Belo Horizonte, por suspeita de canibalismo. E, na primeira página do Diário de Notícias‒DN, “PCC quer utilizar Portugal como porta de entrada de Cocaína na Europa”. O Brasil, triste Brasil, assim brilha na Europa.

CASAS. Governo pretende invadir casas vazias para alugar a quem precise. Isso não vai acabar bem.

CENTENÁRIOS. Em Portugal, o número de pessoas com mais de 100 anos duplicou na última década. Não só aqui, penso. Em toda parte estamos vivendo mais. Ainda bem. E, considerando meu caso, penso que 100 é ainda muito pouco.

CONTAS PÚBLICAS. Primeira página de OP diz que o “Conselho Estratégico de Defesa Nacional (CEDN)”, da Presidência da República, define que “para garantir a segurança nacional deve haver estabilidade nas contas públicas”. Vale para Portugal. Mas, parece, não para o Brasil. O que é pena.

CORRUPÇÃO. Primeira página de OP: “Número de condenados por corrupção é o mais baixo nos últimos 16 anos”. Não só em nosso Brasil. Roubar, para gente demais, vale muito a pena.

COVID. Surgem, agora, os primeiros estudos sobre as estratégias usadas, pelos países, para combater a pandemia. Com destaque, aqui, nas comparações entre Suécia e Portugal. Suécia, com “uma política sem confinamentos, por não serem sustentáveis a longo prazo”; e Portugal com um sistema que quase reproduz nosso modelo brasileiro. Os números mostram Portugal com 2.512 mortos por milhão de habitantes; enquanto Suécia, bem menos, apenas 2.069 mortes. Com a palavra, os cientistas.

EUTANÁSIA. O Tribunal Constitucional devolveu, à Assembleia Nacional, lei aprovada autorizando a morte piedosa. E vem, agora, a primeira pesquisa: “61% votam a favor da eutanásia no país”. No Brasil, qual seria o percentual?

HOSPITAIS. Primeira página do DN, “700 pessoas a viver em hospitais depois de alta”. Ficam boas das doenças e não tem para onde ir. Isso é que é tragédia.

LULA. Foi convidado pelo ministro João Gomes Cravinho, dos Negócios Estrangeiros do governo Costa, a discursar na Assembleia Nacional (o Congresso daqui, com apenas deputados, que Portugal não tem Senado) na sessão solene de 25 de abril. Só que a Assembleia não convidou ninguém. E não o queria receber, em respeito à separação de poderes. Com apoio, nessa recusa, do presidente da República, Marcelo Rebelo de Souza. Charge de Luis Afonso resume a situação: “1. Um amigo meu vai amanhã jantar em sua casa. 2. Um amigo seu? Mas eu não o convidei. 3. Ora, não vai me dizer que não”. Acabou tudo num jeitinho brasileiro. Vai falar, mas não na sessão comemorativa à Revolução dos Cravos. Em outro horário, menos nobre.

MÉDICOS. Duas curiosidades nas eleições para o Sindicato dos Médicos aqui de Portugal. Uma é nenhuma mulher ser candidata a Bastonário ou algum outro cargo de direção. A segunda é que todos os candidatos são contra o aumento de vagas nos cursos de medicina. Em um país com bem menos médicos do que deveria (ou poderia), é difícil entender.

MONÇÃO. Primeira página do JN fala em evento gastronômico que vai realizar-se na aldeia de Piais, de hoje até domingo, com essa manchete

‒ Monção quebra jejum de 3 anos e reedita Feira da Foda.

NOVO VIAGRA. Equipe liderada por Xuetao Smi, da Universidade de Cantão (China), descobriu tecido a partir de material conhecido como “Álcool Polivinílico”, que corrige a disfunção em porcos para reproduzir•. Com os animais logo voltando a ter ereções. O tecido, conhecido como “Túnica Albugínea”, também funciona em humanos. Se der mesmo certo, vai ser uma revolução.

PÂNCREAS. Já está sendo testado, com sucesso, um artificial. Nessa fase, em pacientes com diabetes. E funciona controlado por um celular. A notícia dá conta de experiências similares realizadas em Estados Unidos, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Vamos rezar para que dê certo.

PÍLULAS PARA HOMENS. Depois da Pílula Feminina, surgida em 1960, desde então se estuda algo similar, para os homens. Experimentos agora, com a enzima SAC (aderilato cidose solúvel) são promissores. E já apresentam bons resultados em ratinhos. Se der certo mesmo, o mercado vai explodir.

ROBIN DOS BOSQUES. OP dá a notícia, em primeira página, “Provedor convoca Robin dos Bosques e Madre Teresa de Calcutá”. Por vezes, é preciso traduzir os nomes para o leitor brasileiro. Esse “Robin dos Bosques” é Robin Hood. Já “Papai Noel”, aqui, é Pai Natal. “Mickey Mouse” é o Rato Mickey. “Os 3 Patetas” são Os 3 Estarolas. “O Gordo e o Magro”, Bucha e Estica. E “camisinha” é durex.

* * *

P.S. Ontem, 16 de março, dona Maria Lia teria feito 97 anos. Para ela redigi, num Natal, esses versos:

– Me diga dona
Maria Lia
Luar da noite
Flor do meu dia
Se brilha ainda
A luz infinda
Que eu perseguia.

• Quando completou 40 anos, mandei para ela esse bilhete

‒ Minha mãe, não é por nada não mas a IDA começa aos 40.

Sem resposta. Quando fez 80 seu motorista chegou bem cedo, em nossa casa, com bilhete dela

‒ Meu filho, esperei 40 anos para lhe responder. A IDA pode ser que comece aos 40. Mas a VIDA começa, mesmo, é aos 80.

• Se assim for, nos deixou com só 13 anos. Pena, que lembro dela todos os dias. E como dói.