ALEXANDRE GARCIA

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Nicarágua retira nacionalidade de bispo, escritores e outras 90 pessoas

Ditador Daniel Ortega apresenta lista de presos políticos em pronunciamento nacional

A Nicarágua de Daniel Ortega acaba de suspender relações com o Estado do Vaticano, porque o papa comparou o regime de Ortega com o comunismo soviético e o nazismo de Hitler. “Ditaduras grosseiras”, disse o papa Francisco, sugerindo “desequilíbrio” de Ortega. No dia seguinte, o ditador mandava fechar a Nunciatura Apostólica. Na escalada totalitária, a  primeira liberdade que Ortega atacou foi a de expressão, antes de tirar as outras liberdades. Assim fizeram Stálin e Hitler. Assim fazem todos os regimes totalitários.

Os nossos constituintes de 1988, marcados pelo AI-5, trataram de preservar a liberdade de expressão, na cláusula pétrea que é o artigo 5.º. O inciso IV estabelece que “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”. O artigo 220, que trata da comunicação social, garante que “a manifestação do pensamento, a criação, a expressão, e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição”. No seguinte § 2.º, veda qualquer tipo de censura política, ideológica e artística. Teríamos um regime de liberdade de expressão se isso fosse praticado, mas as pessoas não são perfeitas. Muita gente defende sua própria liberdade de expressão, mas não a daqueles de quem discordam. Carregam ideias totalitárias, pelas quais as pessoas são livres para pensar – desde que pensem como se lhes impõem. Assim agem Hitler, Stálin e totalitários políticos e religiosos de todos os tempos.

No nosso país há uma ação disfarçada de libertadora, que na realidade é liberticida. Quem já leu o 1984 de George Orwell identifica bem essa ditadura que começa com o controle do pensamento e pretende desembocar em outra Revolução dos Bichos. Já existe um virtual Ministério do Pensamento, impondo e criando palavras e conceitos, ainda que contrariem a lógica e o conhecimento científico. A Justiça e o mérito são sacrificados ante verdades inventadas – mas quem desmascara o ridículo dessas teses é tido como infectado por alguma neofobia. As pessoas são de tal forma patrulhadas que têm medo de mostrar que não podem ser enganadas. É um processo em que a opinião está sendo criminalizada para formar seres acríticos e inermes.

Na pequena Jacutinga (RS), um diretor de escola foi afastado porque leu, na rádio do município vizinho, um artigo de J.R.Guzzo, publicado pela revista Oeste. O presidente do PT local o denunciou por crime de racismo, porque o articulista identificava os eleitores de Lula como senzala. O diretor não leu isso em sala de aula, mas num debate politico radiofônico, a que fora convidado pela emissora. O episódio mobiliza a Câmara de Vereadores e a Secretaria de Educação, e faz um barulho que nos leva ao perigo real. Gramsci substituiu as armas de Stalin por palavras em salas de aula. Porque o que um professor diz ao microfone de uma rádio é exercício da liberdade de expressão sem anonimato, é público. Mas, na privacidade de uma sala de aula, se prega as maluquices da moda ideológica revolucionária para nossas crianças, fica no anonimato e vai abduzindo corações e mentes. Enquanto se censura a cidadania, a pregação corre solta.

DEU NO JORNAL

RODRIGO CONSTANTINO

SILÊNCIO: A MÍDIA TUCANA ESTÁ DESCOBRINDO O ABUSO SUPREMO E O PT

Por pragmatismo, será que a direita deveria fingir que os tucanos não fizeram o L sabendo muito bem quem estavam ajudando a recolocar no poder, só para somar no esforço antipetista agora? Eu não consigo agir assim. Acredito que, no longo prazo, faz-se necessário o lado pedagógico da coisa, para lembrar que tucanos são oportunistas dispostos a tudo para tirar a direita do poder.

Penso nisso quando vejo a quantidade de tucanos “arrependidos” ou “assustados” com o novo governo. É como se Lula tivesse surgido em cena agora, e seu PT fosse o Novo, não o velho esquema de corrupção e socialismo que todos já conhecemos. É muito cinismo, e isso não pode ser tolerado ou esquecido.

Vejam, por exemplo, essa chamada do Estadão: “Denúncias de 8/1 ignoram condutas individuais, têm textos idênticos e põem garantias em risco”. Correto. Mas cabe perguntar: por onde o jornal andou nos últimos meses? Não percebeu o arbítrio supremo em curso no país? Não achou importante denunciar os métodos, só porque o alvo era Bolsonaro?

João Luiz Mauad comentou: “Sabe o que mais incomoda nessas matérias tardias da mídia militante? É que elas tratam o leitor como um idiota, incapaz de ver que tudo isso só aconteceu devido à complacência e o incentivo do próprio jornalismo, cujo único propósito era enterrar o bolsonarismo, não importa como”. Direto ao ponto! É esperar muito pouco do público, achar que ele não vai perceber o truque.

Diz essa outra chamada do mesmo Estadão: “Lula abre ‘porteira’ de cargos a União Brasil e MDB para ganhar aliados e barrar CPI”. No subtítulo consta: “Presidente deu sinal verde para nomeações após ser alertado por Arthur Lira de que o não atendimento aos aliados pode levar a derrotas significativas no Legislativo”. Pergunta: isso não era o alarmado “orçamento secreto” tratado como escandaloso durante a campanha, para prejudicar Bolsonaro?

Tudo, absolutamente tudo que a mídia tucana condenava como absurdo durante o governo Bolsonaro piorou e muito, em grau e forma. Isso sem falar do resto todo, que era bom no governo anterior, e também virou desgraça no atual. Mas a velha imprensa fez vista grossa por “ojeriza” a Bolsonaro, e ajudou a colocar no poder essa turma. Agora parece que estão descobrindo quem é Lula, pela primeira vez…

Isso é ridículo demais, um circo tupiniquim. E olha que o Estadão tucano ao menos tem dado esta guinada na esperança de que ninguém vá notar. Pois outros veículos de comunicação nem isso fizeram ainda, com seus malabarismos incríveis para defender o indefensável desgoverno. Não será catastrófico assim, alegam, mas também não será bom! Risos? Ou choro, muito choro?

DEU NO JORNAL

UMA REPÚBLICA BANÂNICA

O deputado Orlando Silva (SP), relator do mal-intencionado projeto de “regulamentação” das redes sociais, de forte odor autoritário, tem a vida dedicada ao PCdoB, partido que defende “princípios” de Josef Stalin, o mais cruel ditador da História, versão esquerdista do alemão Adolf Hitler.

* * *

Um deputado federal comunista.

Existe mesmo. É de lascar.

Mas temos algo pior:

Um Ministro da Justiça Comunista!!!!

Puta que pariu!!!

Um governo bananífero, num país banânico.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha.

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

O SOL DE DEUS – Ariano Suassuna

Mas eu enfrentarei o Sol divino,
o Olhar sagrado em que a Pantera arde.
Saberei porque a teia do Destino
não houve quem cortasse ou desatasse.

Não serei orgulhoso nem covarde,
que o sangue se rebela ao som do Sino.
Verei o Jaguapardo e a luz da Tarde,
Pedra do Sonho e cetro do Divino.

Ela virá-Mulher- aflando as asas,
com o mosto da Romã, o sono, a Casa,
e há de sagrar-me a vista o Gavião.

Mas sei, também, que só assim verei
a coroa da Chama e Deus, meu Rei,
assentado em seu trono do Sertão.

Ariano Vilar Suassuna, João Pessoa-PB (1927-2014)

DEU NO X

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

SEVERINO SOUTO - SE SOU SERTÃO

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

LUIS MEZETTI – VITÓRIA-ES

Berto,

Hoje o Face lembrou de uma postagem há 6 anos em minha página.

R. Êita peste!

Vocês leitores descobrem cada uma arretada!

Me lembro bem dessa postagem.

Esse sujeito, que era presidente, continua um leitor fiel.

Segundo me informou o Departamento de Notícias Verdadeiras do Complexo Midiático Besta Fubana.

ALEXANDRE GARCIA

OS VERDADEIROS NEGACIONISTAS DA PANDEMIA FORAM OS QUE NEGARAM TRATAMENTO

Bolsonaro Covid-19

Familiares de vítimas alegavam que MP teria sido inerte ao apurar conduta de Bolsonaro no combate à pandemia da Covid-19

O Supremo já tem mais do que maioria para negar um pedido da Associação de Vítimas e Familiares de Vítimas da Covid-19 para processar o ex-presidente Jair Bolsonaro, por retardar, frustrar e sabotar o enfrentamento da pandemia. O ministro Luís Roberto Barroso é o relator; ele mesmo negou, e já foi acompanhado por mais oito ministros. Então esse é um assunto terminado, só que não. Recomendo à associação que reveja os seus conceitos, porque o tempo passou e a verdade prevaleceu. Eu acho que talvez Bolsonaro tenha errado na compra da vacina.

Agora apareceram dados sobre máscaras, tratamento, isolamento, os parentes das vítimas têm de cobrar de quem impediu que os seus entes queridos fossem tratados, de quem fez uma coisa errada. Até entendemos que nos primeiros meses tenha havido um certo desespero, mas depois a verdade chegou, embora os negacionistas ficassem negando, inclusive negando o tratamento eficaz. Hoje vocês já sabem de quem cobrar.

* * *

Os venezuelanos e os yanomamis

Um amigo, o general Rocha Paiva, de um instituto de pesquisa das coisas brasileiras, esteve em Boa Vista, São Gabriel da Cachoeira, Tabatinga, Benjamin Constant, andou por toda a região, constatou que mais venezuelanos estão chegando, fugindo daquele regime, e a Operação Acolhida os está recebendo. Mas vejam também o que ele escreve: “entretanto, fiquei surpreso com a atitude dos yanomamis. Sabia que estão jogando fora os alimentos recebidos com tanto esforço? A mídia não mostra, mas é lamentável”.

Isso me lembra meus tempos de correspondente de guerra em Angola, quando o governo de Luanda mandava coisas que eram recusadas pelas populações. Se enviavam peixe enlatado, eles achavam “meu Deus do céu, estão dizendo que eu sou incompetente pra pescar?” Se mandavam papel higiênico, eles tomavam isso como uma ofensa pessoal, “estão achando que eu não tenho higiene”. Da mesma forma, o general diz que os yanomamis não usam panela para cozinhar arroz e feijão. Mandaram esses alimentos, mas não é disso que eles vivem; eles comem principalmente mandioca, acho que banana, além da caça e pesca. A mídia não mostra, mas é lamentável, diz o general Rocha Paiva.

* * *

Agro tem novos indicadores positivos, mas governo insiste em desprezar o campo

Temos novos dados da Agência Nacional de Transportes Aquaviários referentes a janeiro deste ano: queda de 2,7% no movimento nos portos brasileiros. A navegação internacional de longo curso caiu 3,5% e a de cabotagem, 2,4%. Eles explicam que foi porque a exportação de minério de ferro caiu 11%, mas essa queda foi compensada, vejam só, pelo agro: milho, 128% a mais de movimento; açúcar, mais 32%; trigo, mais 20%.

Tudo isso é um aviso para o governo neste momento em que despencou o preço do petróleo, com bolsas caindo em toda parte depois da quebra do Silicon Valley Bank e do fechamento do Signature Bank, num domingo! As ações dos principais bancos do mundo inteiro estão desabando e isso é algo que afeta, segundo estão dizendo, startups brasileiras que teriam lá US$ 10 milhões, ou R$ 50 milhões. Precisamos estar atentos aqui aos fatos econômicos, e o governo tem de parar com essa história de brigar com o agro, que é nossa locomotiva; tem de apoiar a indústria, apoiar os empresários. Se não promover segurança jurídica, o governo estará sendo masoquista.