ALEXANDRE GARCIA

DINHEIRO TEM DONO

Ministro Lula orçamento secreto Maranhão

Juscelino Filho, ministro das Comunicações: depois de uso de dinheiro do orçamento secreto para asfaltar acesso a fazenda, agora apareceu o uso de jatinho da FAB para ir a leilão de cavalos

Um ministro do governo Lula foi denunciado por asfaltar estrada no Maranhão, que dava acesso às suas propriedades, com dinheiro do orçamento da União. Nada aconteceu, porque fora em tempos de deputado federal, e não durante sua atuação como ministro das Comunicações. Nossa hipocrisia vigente estabelece barreira de calendário para o caráter das pessoas. Pois agora o Estadão mostrou que o ministro Juscelino Filho pegou um jatinho da FAB, por nossa conta, recebendo diárias, por nossa conta, e foi a São Paulo. Deu uma passadinha pela Claro, pela Telebras e pela Anatel, e foi a Boituva, para aplacar sua paixão pelos cavalos Quarto de Milha. Foi assistir ao “Oscar” da espécie e, de quebra, à inauguração de uma praça com o nome de um cavalo de seu sócio. Tudo por conta dos impostos que você paga todos os meses. Caráter confirmado.

Só para lembrar: uma nação se organiza como Estado, para que o Estado preste serviços públicos. O Estado cobra impostos para prestar esses serviços. Não se paga impostos para sustentar o Estado, mas para que o Estado preste bons serviços de justiça, segurança, saúde, educação, infraestrutura. O que o ministro e tantos outros fazem se chama “patrimonialismo”. Julgam esses servidores do público que são donos do Estado. Não são. São empregados do Estado, vale dizer, são servidores do povo, origem do poder. São escolhidos pelo povo, através do voto, e sustentados pelo povo, através dos impostos. Não é o povo que é seu servo. São eles os servidores. Quando o povo não sabe disso, é enganado e o poder se inverte. Eles ficam poderosos e o povo na servidão, para trabalhar, pagar impostos e continuar pedinte. Nada a ver com democracia.

Nesta quarta-feira, a gasolina e o álcool ficam mais caros. O governo alega que não pode deixar de cobrar quase R$ 29 bilhões a mais de quem abastece seus veículos. Uns serviçais da mídia insistem em dizer que isso é só para quem tem poder aquisitivo para ter um carro. Qualquer criancinha sabe, no entanto, que o preço do combustível afeta toda a cadeia econômica. Dispensa demonstração uma tal verdade evidente. Paguemos todos um pouco mais. Apenas R$ 29 bilhões de reais. Se for para prestar bons serviços públicos, dá para aceitar. Mas, se for para pagar diversões equestres de ministro, é injusto.

Os impostos são injustos quando mal empregados e mal usados. Mas são injustos também quando não há tratamento desigual para os desiguais. Um ganha R$ 20 mil e compra R$ 500 no supermercado; outro ganha R$ 2 mil e compra os mesmos produtos –  ambos pagam cerca de R$ 160 de impostos. Para quem ganha R$ 20 mil, isso é apenas 0,8% do salário; para quem ganha R$ 2 mil, é 8% de sua renda mensal. Se isso é impossível mudar, que parem de desfrutar de um Estado inchado, em que há uma cidadania de primeira classe, sustentada pela massa que é conduzida por uma mídia que leu o 1984, de George Orwell, e torce pelo Grande Irmão.

DEU NO X

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

IDEALIZAÇÃO DA HUMANIDADE FUTURA – Augusto dos Anjos

Rugia nos meus centros cerebrais
A multidão dos séculos futuros
Homens que a herança de ímpetos impuros
Tornara etnicamente irracionais!

Não sei que livro, em letras garrafais,
Meus olhos liam! No húmus dos monturos,
Realizavam-se os partos mais obscuros,
Dentre as genealogias animais!

Como quem esmigalha protozoários
Meti todos os dedos mercenários
Na consciência daquela multidão…

E, em vez de achar a luz que os Céus inflama,
Somente achei moléculas de lama
E a mosca alegre da putrefação!

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos, Cruz do Espírito Santo-PB (1884-1914)

DEU NO X

DEU NO JORNAL

RODRIGO CONSTANTINO

NÃO EXISTE “RACISMO DO BEM”

Racismo é quando uma característica do indivíduo, no caso a “raça” – ou a cor da pele, para ser mais preciso – acaba tendo predominância sobre todo o resto. Formam-se, assim, grupos monolíticos com base nesse único quesito estético, como se todos os brancos ou todos os negros fossem iguais. Absurdo total, claro.

Martin Luther King Jr. tinha um sonho: o de viver num mundo em que as pessoas fossem julgadas por seu caráter, não pela cor de sua pele. Um nobre ideal, sem dúvida. Por algum motivo bizarro, os movimentos raciais passaram a acreditar que reforçar o conceito da raça e, pior ainda, segregar as pessoas com base nisso seria um método inteligente para combater o racismo. O tiro saio pela culatra, óbvio.

Hoje vemos gente desses movimentos destilando normalmente o ódio racial, demonizando pessoas apenas por serem de outra cor. E com o apoio da mídia mainstream! É por isso que celebridades ridicularizam colegas brancos e fica tudo bem. É por isso que o Project 1619, do NYT, retrata a América como uma nação racista e clama por “reparação”, ou vingança, sendo mais claro.

Scott Adams, cartunista e autor do famoso Dilbert, fez uma declaração totalmente infeliz e, sim, racista. Com base numa pesquisa da Rasmussen, que aponta que quase metade dos negros não consideram okay alguém ser branco, Adams declarou que isso era estrutural (questionável) e assustador (correto) e que a única saída para um branco seria não andar mais com negros (absurdo e racista).

Adams foi cancelado, perdeu espaço em todos os jornais que ainda publicavam suas tiras, e mergulhou no inferno. A fala foi abjeta mesmo, ainda que muita gente esteja tirando do contexto e ignorando a pesquisa que ele menciona antes. Agora podemos fazer um exercício hipotético: imaginar um negro dizendo a mesma coisa com base numa pesquisa invertida.

Qual seria a reação se um negro, com base numa pesquisa que apontasse que cerca de metade dos brancos não consideram okay ser negro, afirmasse que a única possibilidade é se afastar de brancos? Ele provavelmente receberia destaque positivo no NYT, seria entrevistado por vários canais como um corajoso herói. E é esse duplo padrão que tem sido o grande responsável pelo aumento do racismo no país.

Não dá para achar normal ou legal alguém se referir a uma pessoa como “demônio branco” só por sua cor da pele. Não é aceitável rotular todo um grupo de pessoas como desprezível só por serem brancos. A The Cut, publicação da New York Magazine, fez um vídeo entrevistando negros e perguntando em que brancos são superiores. A lista é abominável: em opressão, em mentiras, em violência, em roubar etc. Imaginem se um grupo de brancos se referisse assim a negros só por serem negros…

Passou da hora de dar um basta a isso e admitir que não existe “racismo do bem”, que quando negros destilam ódio a brancos só por serem brancos, isso é tão condenável quanto o inverso. Vamos julgar o caráter das pessoas, enxergar indivíduos com inúmeras características, não grupos estanques e monolíticos de “raças”.

A PALAVRA DO EDITOR

FEVEREIRO FOI-SE

Terça-feira, 28.

Fevereiro foi-se.

Aguardemos as águas de março.

O Complexo Midiático Besta Fubana fecha o mês com tudo certo, tudo em dia, tudo em ordem.

Já está pago o serviço de assistência técnica, que nos presta a empresa Bartolomeu Silva 24 horas por dia, bem como os salários da secretária Chupicleide e do faxineiro Bosticler.

Fora os pixulecos pra subornar autoridades que fiscalizam blogs…

E tudo isto graças à generosidade dos nossos leitores, que mantêm esta gazeta escrota avuando pelos ares.

Obrigado Boaventura Bonfim, Luiz Leôncio, Ronaldo Borges, Leandro de Mattos e Marluce Quintas, que fizeram as últimas doações.

A pisada fubânica vai continuar firme e forte no mês de março que começa amanhã.

Abraços e uma excelente tarde de terça-feira para todos vocês!!!

DEU NO JORNAL

O MINISTRO EQUINOSO DO GUNVERNO PETRALHA

Pode ser uma imagem de texto

Juscelino Filho, ministro das Comunicações, registrou duas horas e meia de agendas oficiais em São Paulo, em janeiro. Depois, dedicou-se a leilões de cavalos e homenagem que não estavam em sua agenda. O deslocamento a partir de Brasília foi feito com avião da FAB e contou com diárias pagas pelo governo. As agendas foram em 26 e 27 de janeiro. Da tarde do dia 27 ao dia 29, ele se dedicou aos eventos de cavalos. Ele voltou a Brasília com a FAB no dia 30, dia em que também recebeu diária.

DEU NO X

DEU NO JORNAL

SÃO QUANTAS DEZENAS DE BIQUINHOS PRA MAMAR?

A decisão do governo de aumentar os combustíveis, voltando a cobrar impostos, é ruim para todo mundo e afeta principalmente os mais pobres.

Combustíveis mais caros farão a inflação ser retomada com força, o que prejudica sobretudo o poder aquisitivo dos mais pobres.

O governo diz que sem impostos perderia R$ 30 bilhões, mas essa é a expectativa de receita bilionária dos tempos de petróleo nas alturas.

A volta dos impostos decorre da ânsia do governo de arrecadar mais para gastar ainda mais, sem se importar com seus efeitos na inflação.

* * *

A expressão “arrecadar mais para gastar mais” resume tudo.

Isso é cagado e cuspido a politicagem administradeira do Ladrão Descondenado.

Só a quantidade de novos ministérios que foram criados por esse cabra safado já diz tudo.

São tantos que nem sei mais o total…

Algum leitor poderia informar qual o número de bicos pra mamar que estão atualmente em vigor no gunverno petralha?

O fato é que a rataidada vermêia vai encher o bucho!!!