BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DEU NO JORNAL

FALA, BÁRBARA !

DEU NO TWITTER

ANA PAULA HENKEL

UM MINISTÉRIO DO ESPORTE CONTRA AS MULHERES

O novo velho governo subiu a rampa. Junto com a nova velha administração, o velho DNA petista de dezenas e dezenas de ministérios, que durante os próximos quatro anos serão aparelhados por sanguessugas ideológicos e serão usados apenas como vitrine política e moeda de troca de favores em Brasília.

Como manda o conhecido manual petista de abocanhamento geral e irrestrito da política nacional, uma das primeiras medidas na volta à(s) cena(s) do(s) crime(s) foi ressuscitar o famigerado Ministério do Esporte, extinto por Michel Temer, em 2018 (Amém, irmãos! Pena que durou pouco). A pasta, que já teve os comunistas Aldo Rebelo e Orlando Silva como ministros, deixa a categoria de secretaria – enxuta, eficiente e focada nos problemas do esporte de base, como sempre deveria ter sido -, e volta para as maravilha$ de um oceano de oportunidade$ em quase 40 ministério$.

Muitos podem pensar que uma pasta só para o esporte pode ser uma boa notícia. A verdade é que o ressurgimento do Ministério do Esporte não traz boas lembranças, nem sequer alguma esperança de que a pasta não será usada como mais um dos tentáculos em esquemas obscuros de patrocínios e favores. Em praticamente todos os anos do ministério, os “projetos” montados pelos administradores deixavam sempre na última ponta da cascata de recursos exatamente quem mais importava: atletas, principalmente os que deveriam receber incentivo e apoio nas categorias de base, em que futuros talentos olímpicos podem ser moldados e verdadeiras revoluções sociais podem acontecer.

Lula e Ana Moser, ministra do Esporte

A boa notícia da velha pasta poderia ser que ela agora vem com um nome ligado ao esporte: a ex-atleta Ana Moser. Porém, a má notícia se materializa diante do fato de que a medalhista olímpica não é companheira, mas “cumpanhêra”. Ideologicamente, ela não é muito diferente dos comunistas que já gerenciaram a pasta. Mas, antes de prosseguir, eu preciso deixar alguns pontos claros em relação ao nome “Ana Moser”.

Muitos sabem que a minha história se entrelaça com a de Ana Moser nas páginas da inédita medalha olímpica do vôlei feminino de quadra em Atlanta, em 1996, evento que marcou uma geração de nomes e também de espectadores. A clássica semifinal contra Cuba é uma das partidas de vôlei mais vistas do YouTube. A rivalidade, a tensão, as discussões e a briga depois do jogo marcaram o esporte. Lembro-me de detalhes como se fosse hoje, mas isso eu deixarei para outro artigo. Havia alguns problemas pessoais no time, mas éramos extremamente unidas em quadra, e o nível comprometimento e profissionalismo que tínhamos coroou nossa geração com a histórica medalha de bronze em outro jogo dramático contra a Rússia.

Jogadoras cubanas e brasileiras discutem durante as semifinais dos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996

Aquela Olimpíada marcava o fim da carreira de algumas jogadoras, como Ida, Márcia Fu, Ana Flávia e Ana Moser. Depois de amargarmos um quarto lugar em Barcelona, em 1992, até Atlanta e a nossa medalha olímpica, foram muitos altos e baixos vividos individualmente e também em equipe: contusões, viagens, dramas, lágrimas, frustrações, brigas, tréguas, experiências e algumas importantes vitórias ao longo do caminho, como o vice-campeonato no Mundial de 1994, em São Paulo. Há certos momentos na vida de atletas de alta performance que são eternizados. Não falo tanto de glórias e pódios – esses podem ser sempre acessados por meio de fotografias e vídeos, onde as memórias têm cores e alegria ou tristeza podem ser revividas no papel ou na tela de TV. Há momentos, no entanto, tão únicos e especiais, que só com os olhos fechados é possível acessar o que ficou marcado no coração. São histórias de superação física e emocional. Pessoas diferentes que tiveram seus caminhos entrelaçados por difíceis objetivos em comum. Os caminhos, no decorrer das páginas, viravam trincheiras, e, como soldados, defendíamos uma bandeira e uma Nação, mas também vivíamos umas pelas outras.

Continue lendo

BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DEU NO JORNAL

GUSTAVO GAYER

DEU NO TWITTER

BERNARDO - AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS