ALEXANDRE GARCIA

O POVO PAGA

Lula tomou posse como presidente neste domingo (1º) no Congresso Nacional

Em seu discurso de posse, Lula afirmou que não carrega ânimo de revanche. Logo em seguida se desmentiu. Não fez um único agradecimento pela herança bendita que recebeu nas contas públicas, pela inflação menor que Estados Unidos e Alemanha, pelo crescimento excepcional em anos difíceis, pelas reservas externas. Pelo enxugamento da máquina estatal obviamente não haveria agradecimento, porque o que acontece é um inchaço do Estado com 37 ministérios e o cancelamento de oito planos de privatizações. Desmente a ausência de ânimo de revanche a revogação de decretos do governo anterior e até a ameaça no discurso, que alguns poderiam interpretar como ameaça a si próprio: “Quem errou responderá por seus erros”. E um partido da aliança com Lula, o PSol, já entrou no Supremo pedindo a quebra de sigilo e prisão do ex-presidente.

O Lulinha paz e amor que lhe deu o primeiro mandato já morreu. Envelhecido, voltou zangado. Botou um ministro da Justiça que promete enquadrar todos os que não se comportarem. O cidadão, é claro, espera de um ministro que é também de Segurança Pública que nos dê segurança e tire as armas de guerra dos bandidos; que liberte territórios legalmente brasileiros, mas que estão emancipados da lei brasileira; que se manifeste prioritariamente contra males como drogas e corrupção. O senador eleito Sergio Moro, comentando o discurso de Lula perante o Congresso, estranhou que não tivesse sido mencionada a palavra “corrupção”; que o presidente pelo menos tivesse expressado que seu governo não toleraria corrupção. Mas não se fala em corda em casa de enforcado.

Lula continua a usar seu chavão de três refeições por dia. Graças ao mundo digital, a gente sabe que esse foi seu discurso na primeira posse. Agora acrescentou a picanha com cerveja. Talvez esse venha a ser um dos problemas que ele próprio cria ao gerar a esperança. Graças à propaganda disfarçada de notícia, o povo não se deu conta de que, após 14 anos de governo petista, continua pairando o chavão de três refeições por dia. A mesma notícia-propaganda mostra a biografia da catadora que pôs a faixa presidencial em Lula, e que tem 33 anos de idade. ou seja, quando começou o primeiro governo do PT, tinha 13 anos. Até os 27, viveu em governo petista. E não teve alternativa a não ser catar lixo. É verdade que não se livrou dos lixões nos governos Temer e Bolsonaro. O último presidente também criou esperanças, como as recentes, duramente frustradas e está pagando por isso. A diferença é que não se promoveram na demagogia.

Gratidão é um sinal de caráter. Faltou agradecer ao governo anterior pela herança bendita que recebeu. Ao contrário, Lula diz, no discurso, que recebe “terríveis ruínas”. Agora resta gastar para não frustrar esperanças. Por isso já se dispôs a acabar com “a estupidez do teto de gastos”. Sua ministra da Gestão acaba de confirmar isso. Teto de gastos só atrapalha quem quer gastar. Mas a consequência é que vai atrapalhar também o custo da inflação, dos juros e da dívida pública. É preciso que a origem do poder, o povo, saiba que Estado gasta, mas não produz os recursos. A fonte de pagamento é só uma: o povo – rico ou pobre.

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

A UMA SAUDADE – Gregório de Matos

Em o horror desta muda soledade,
Onde voando os ares a porfia,
Apenas solta a luz a aurora fria,
Quando a prende da noite a escuridade.

Ah cruel apreensão de uma saudade!
De uma falsa esperança fantasia,
Que faz que de um momento passe a um dia,
E que de um dia passe à eternidade!

São da dor os espaços sem medida,
E a medida das horas tão pequena,
Que não sei como a dor é tão crescida.

Mas é troca cruel, que o fado ordena,
Porque a pena me cresça para a vida,
Quando a vida me falta para a pena.

Gregório de Matos, Salvador-BA, (1636-1696)

DEU NO TWITTER

DITADURA ESCANCARADA

CÍCERO TAVARES - CRÔNICA E COMENTÁRIOS

TERCEIRO DIA DE UMA NAÇÃO À DERIVA

Esse é o terceiro dia triste dessa grande nação chamada Brasil, que só funciona de cabeça para baixo e sem roteiro pré-determinado. Mas nada como um dia atrás do outro e um pinguelo janjiano no meio.

Comemoremos essa incerteza com dois vídeos que resumem a cinebiografia de um homem pequeno, gordinho, óculos bifocais, macho, destemido, que, com ousadia, determinação, culhões roxos, atitudes e lances geniais, mudou a maneira de se fazer filmes de faroeste numa Itália devastada da Guerra, mesmo sem grana e com as críticas dos chamados expertises mourões: Sergio Leone.

Diferentemente daqui, onde todos os agentes públicos envolvidos com a máquina do poder tinham as ferramentas de transformação nas mãos, mas preferiram jogá-las no ventilador cheio de bosta.

a) Quem é Sérgio Leone?

Clique aqui para acessar o vídeo completo

b) Era Uma Vez No Oeste (dez óbices que só os grandes homens sabem driblar)

DEU NO TWITTER

DEU NO JORNAL

LULA VAI GASTAR MAIS E VOCÊ VAI PAGAR A CONTA

Paulo Uebel

O governo Lula III já deu sinais de que irá gastar mais: prova disso foi o empenho em aprovar a PEC para gastar bilhões fora do teto de gastos, que no final ficou oficialmente no valor de R$ 145 bilhões e garantia de outros R$ 23 bilhões em investimentos, antes mesmo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vestir a faixa presidencial. E agora? Quando um governante quer (por necessidade ou capricho) incluir novos gastos no orçamento do país, ele se encontra diante de um dilema: cortar outros gastos que já existiam ou aumentar a arrecadação, tirando ainda mais do bolso dos pagadores de impostos e encarecendo o custo de vida da população. O presidente Lula sinaliza, desde o ano passado, antes de tomar posse, que escolheu a segunda opção. Ou seja, você vai pagar essa conta!

E o furo do teto de gastos não vai parar nos R$ 145 bilhões. Na verdade, a PEC fura-teto permite outros gastos, e, por isso, o furo no teto pode chegar ao valor de R$ 215,2 bilhões, o equivalente a 2,4% do PIB (Produto Interno Bruto); de acordo com um novo estudo do Instituto Millenium. O estudo também lembra que, já que os “programas sociais” usados como desculpa para furar o teto não vão acabar em 2023, é provável que os gastos excessivos continuem nos anos subsequentes. A própria PEC tem um dispositivo para que isso aconteça. Por isso, muita gente chama de PEC da Gastança.

Fora o Auxílio Brasil ou Bolsa Família de no mínimo R$ 600, a PEC fura-teto também deixa fora do teto de gastos despesas como a execução de obras e serviços de engenharia custeadas por recursos transferidos dos estados para a União; despesas com projetos custeados com recursos decorrentes de acordos judiciais ou extrajudiciais de desastres ambientais e despesas das Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação (ICTs), custeadas por receitas próprias, de doações ou de convênios, contratos ou outras fontes, entre entes da Federação ou entidades privadas. A PEC criou vários ralos que vão permitir gastos fora do teto.

No meio de suas aberrações, a PEC não apenas fura o teto de gastos, como também abre margem para que ele seja extinto de vez, “ao definir que o próximo governo encaminhe ao Congresso Nacional, até 31 de agosto de 2023, um projeto de lei complementar (PLC) para substituí-lo. Esta previsão permitirá que o novo governo transforme todos os gastos ‘temporários’ relativos a 2023 em definitivos, além de criar espaço legal para mais gastos, com uma proposta mais fácil de ser aprovada no Congresso (um PLC) do que uma PEC”, explicam Marcelo Faria, presidente do Instituto Liberal de São Paulo (Ilisp) e Wagner Vargas, cientista de dados especializado em políticas públicas, no estudo publicado pelo Instituto Millenium.

Como mencionado anteriormente, a consequência de tudo isso é óbvia: mais dinheiro tirado do bolso dos pagadores de impostos e mais custos para onerar a vida de todos brasileiros. A princípio, a materialização desses aumentos começam por meio dos tributos sobre combustíveis, que haviam sido reduzidos, mas que agora devem aumentar. Atendendo um pedido do próprio Lula, no final de dezembro, o novo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse ao então ministro da Economia, Paulo Guedes, que não gostaria que o governo de Jair Bolsonaro prorrogasse a suspensão da cobrança do Pis/Cofins sobre os combustíveis (suspensos até 31 de dezembro de 2022). Por pressões da sociedade, em seu primeiro dia de mandato, Lula prorrogou a desoneração sobre os combustíveis, mas por apenas 60 dias. Antes da prorrogação da desoneração, a estimativa era de que a volta da cobrança do imposto federal sobre combustíveis iria garantir aproximadamente R$ 50 bilhões a mais de arrecadação para o Governo em 2023 e nos próximos anos. Daqui a dois meses, quando a cobrança de tributos sobre os combustíveis retornar, toda a sociedade será penalizada.

Lula, sem dúvidas, poderia utilizar outras alternativas para ter recursos para investir em programas sociais, inclusive no longo prazo. A reforma administrativa, por exemplo, que daria fim a privilégios do alto escalão do setor público como licença-prêmio e férias de 60 dias, pode economizar cerca de R$ 330 bilhões (considerando União, estados e municípios) em 10 anos, conforme uma projeção do economista-chefe da RPS Capital, Gabriel Leal de Barros. Já um estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) calculou uma economia de R$ 1,751 trilhão em duas décadas considerando apenas a redução de gastos com servidores da União. Entretanto, até agora, Lula não sinalizou interesse algum em negociar a reforma administrativa com o Congresso — e, provavelmente, não o fará, já que sua base de apoio está repleta de sindicalistas inimigos da modernização do setor público e do fim dos privilégios.

E, em vez de seguir com as privatizações, que tirariam responsabilidade do Governo com diversos gastos e investimentos com estatais, ainda na época da equipe de transição, Lula deixou claro que iria paralisar todas privatizações que pudesse. Assim que assumiu a Presidência, Lula já revogou o processo de privatização de 8 estatais, incluindo da Petrobras, dos Correios e da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Por outro lado, vai aumentar os gastos com publicidade e propaganda das estatais: a mudança na Lei das Estatais aprovada na Câmara dos Deputados em dezembro concedeu a Lula o aval para aumentar os gastos com propagandas estatais em até R$ 20 bilhões. Falta o Senado votar. E, além disso, as torneiras do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) devem voltar a jorrar como na época em que Lula emplacou a política dos campeões nacionais (mais detalhes sobre isso em minha última coluna e também nesta outra anterior), um grande fracasso internacional.

O governo deveria trabalhar para melhorar a qualidade do gasto público, avaliando políticas públicas, cortando desperdícios, combatendo a corrupção, seguindo o programa de transformação digital do governo federal, dando continuidade a simplificação das estruturas organizacionais federais, bem como mantendo a reposição da força de trabalho de forma técnica, e não para contentar demandas sindicais. Infelizmente, essa não é a agenda do PT. Você não vai escutar nada sobre isso nos discursos do Lula. O PT vai seguir a velha cartilha de aumentar gastos, impostos e a inflação.

O aumento dos impostos e da inflação ampliam as desigualdades sociais e geram impacto em todos, principalmente nos mais pobres. É uma contradição que Lula tenha escolhido acabar com o teto de gastos supostamente para investir mais em programas sociais e assim ajudar os mais pobres quando o resultado disso é justamente tirar ainda mais dinheiro do bolso desses cidadãos mais vulneráveis.

Se Lula realmente quisesse reduzir a pobreza no Brasil de forma perene, deveria primeiro enxugar a máquina pública para poder fazer investimentos verdadeiramente inteligentes naqueles que mais precisam: e não apenas no que se refere a programas sociais como o Auxílio Brasil ou o Bolsa Família, mas também abrindo o mercado para que mais empregos e oportunidades sejam ofertados a essas pessoas. Ainda dá tempo de mudar a direção do governo Lula III: será que o presidente irá repensar suas escolhas ou vai querer continuar a velha prática de passar o custo da ineficiência estatal para os cidadãos?

DEU NO TWITTER

ISSO NÃO PODE, GENTE! É DISCRIMINAÇÃO BAITOLÍSTICA

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, foi hostilizado na noite de segunda-feira 2 no Aeroporto Internacional de Miami, enquanto estava no balcão de embarque.

Um vídeo, postado nas redes sociais, mostra um coro dos passageiros, que também embarcariam no mesmo voo, para Brasília.

“Sai do voo”, gritavam.

Também é possível ouvir vaias e xingamentos, como “vagabundo” e “lixo”.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MARIA APARECIDA – CONTAGEM-MG

Podem falar o que for, mas tem uma diferença abismal entre os eleitores da esquerda e os eleitores da direita.

Basta observar o que foi a posse do Lalau.

Gente da pior espécie; uma massa horrenda de uma gentalha de aspecto nauseabundo e sujo.

Eu senti nojo.

Deploráveis.