DEU NO X

UM SÁBADO MOVIMENTADO EM TODO O BRASIL

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

AO DIA DO JUÍZO – Gregório de Matos

O alegre do dia entristecido,
O silêncio da noite perturbado
O resplendor do sol todo eclipsado,
E o luzente da lua desmentido!

Rompa todo o criado em um gemido,
Que é de ti mundo? onde tens parado?
Se tudo neste instante está acabado,
Tanto importa o não ser, como haver sido.

Soa a trombeta da maior altura,
A que a vivos, e mortos traz o aviso
Da desventura de uns, dos outros ventura.

Acabe o mundo, porque é já preciso,
Erga-se o morto, deixe a sepultura,
Porque é chegado o dia do juízo.

Gregório de Matos, Salvador-BA, (1636-1696)

DEU NO JORNAL

DESEMPREGO EM QUEDA E O FUTURO DO MERCADO DE TRABALHO

Editorial Gazeta do Povo

Quando terminou sua primeira passagem pela Presidência da República, o PT deixou uma herança maldita no mercado de trabalho: o desemprego medido pelo IBGE no trimestre móvel encerrado em maio de 2016, mês em que Dilma Rousseff foi afastada por decisão do Senado, foi de 11,2%, com tendência de alta. Como o emprego é o último indicador a piorar durante uma crise, a taxa continuou subindo como consequência da recessão deixada pela “nova matriz econômica” petista mesmo depois da saída de Dilma, e o desemprego chegou a 13,6% no período de fevereiro a abril de 2017, antes de começar a recuar.

Em seu retorno ao Planalto, Lula deve receber, no entanto, um cenário bem diferente daquele deixado pelo petismo. Ainda antes do segundo turno da eleição presidencial, o IBGE divulgou a taxa de desemprego do trimestre móvel encerrado em setembro: 8,7%, dando continuidade a uma trajetória de queda que já dura mais de um ano e só foi brevemente interrompida no primeiro trimestre deste ano. Tudo isso levando em conta que a recuperação do desastre petista, iniciada no governo Temer e continuada no começo do governo Bolsonaro, foi bruscamente cortada pela pandemia de Covid-19, que levou o desemprego ao recorde de 14,9% entre janeiro e março de 2021 e forçou o país a reiniciar todo o esforço de voltar a criar emprego e renda.

A pergunta que se faz agora é: Lula será capaz de manter o desemprego em queda, até que o Brasil finalmente atinja o objetivo do pleno emprego, que alguns estados brasileiros já vivenciam, com taxas entre 3% e 6%? Se a prática efetivamente refletir o discurso, há bons motivos para preocupação, pois a campanha de Lula não ficou apenas em palavras genéricas sobre geração de empregos, mas foi marcada por ataques a alguns avanços importantes, como a reforma trabalhista realizada por Michel Temer e que contribuiu para gerar ao menos 1,7 milhão de vagas, segundo estudos realizados por professores da USP e do Insper. O número é especialmente notável quando se considera que, apesar da introdução de novos modelos de contrato de trabalho, a reforma teve como principal objetivo não tanto facilitar a geração de emprego barateando os custos de contratação, por exemplo reduzindo a tributação sobre a folha, mas garantir maior segurança jurídica ao empregador alterando regras que incentivavam a litigiosidade excessiva, ou garantindo a prevalência do negociado sobre o legislado.

Apesar de ter mitigado sua retórica contrária à reforma trabalhista, falando agora em revisão em vez de revogação, os sinais enviados por Lula e sua campanha apontam para a reversão do caminho que vem sendo adotado desde o governo Temer. A genérica “Carta para o Brasil do Amanhã”, divulgada antes do segundo turno, fala em “amplo debate tripartite (governo, empresários e trabalhadores), para construir uma Nova Legislação Trabalhista que assegure direitos mínimos – tanto trabalhistas como previdenciários – e salários dignos, assegurando a competitividade e os investimentos das empresas”; outros textos de campanha falam em “restabelecer acesso gratuito à Justiça do Trabalho”, e não é segredo para ninguém que o petismo sonha com o restabelecimento do imposto sindical, cujo fim cortou uma fonte substancial de financiamento para uma máquina que tradicionalmente se alinha ao PT.

O mercado de trabalho brasileiro precisa é de ainda mais segurança jurídica nas relações entre patrões e empregados, de custos menores de contratação, de uma legislação trabalhista menos engessada, que contemple novos formatos de trabalho. Não se trata de precarização, mas de compreender que nem todos os trabalhadores têm os mesmos desejos: há quem queira a segurança dos direitos garantidos pela carteira assinada, e há quem prefira outros modelos, com seus ônus e seus bônus. O papel do governo é trabalhar para criar as condições que permitam a cada brasileiro – empresário, empregado formal, MEI, terceirizado etc. – trabalhar da forma que considerar a mais adequada para si.

DEU NO X

E FOI ASSIM EM TODO O PAÍS

DEU NO JORNAL

UMA PARELHA DE CANALHAS BANÂNICOS

Bajulador emérito, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, agora diz que “é natural” furar o teto de gastos aprovado no Congresso Nacional.

Ele faz qualquer negócio para Lula ajudá-lo a seguir no cargo.

* * *

Esses dois formam uma parelha perfeita.

Luladrão e Rodrigão vão se entender muito bem a partir de janeiro.

“Rodrigo, tu  sois maió do que eu na artura; mas na safadeza eu ganho de tu”

DEU NO X

DEU NO X

DEU NO JORNAL

AMOSTRANDO O FURICO

Henrique Meirelles faz lembrar o dito popular sobre o que acontece a quem se abaixa demais.

Ele está tão empenhado em ser convidado para o futuro governo que agora defende que Lula fure o texto de gastos, que ele criou quando ministro da Fazenda de Temer, para viabilizar os R$ 600.

* * *

Esse tabacudo se abaixou tanto que mostrou o olho do furico.

Demagogicamente está querendo furar uma coisa que ele mesmo criou.

Ou seja: tem o caráter e a vergonha na medida pra ser ministro do Ladrão  descondenado.

Vai ser chamado pra compor o governo petralha, com certeza.

“Oia a carinha dele; é na midida pra nóis!

COMENTÁRIO DO LEITOR

DO MESMO JEITO QUE NO PTSE

Comentário sobre a postagem DESMENTE ESSA, XANDÃO!

jm:

Há muiiiitos anos atrás numa faculdade tinha um professor que em aula vivia dizendo que detestava corrigir provas.

Pois bem, com o tempo seus alunos começaram a ficar indignados com suas notas.

Aluno entregando prova em branco tirando 5,0, aluno que tinha se preparado tirando 2,0 e por aí vai.

Entraram com reclamações na diretoria da instituição pedindo direito de revisão de prova que foi prontamente negado.

A alegação era de que não era norma da faculdade fazer revisão de prova e ponto final.

O caso foi parar na justiça e depois de muiiito tempo os alunos conseguiram o direito de ver suas provas corrigidas.

E tchan tchan tchan tchannnn…o que foi constatado?

O tal professor nem corrigia as provas apenas dava aleatoriamente as notas.

Foi um escândalo na época.

Qualquer semelhança com as urnas Brasil-Butão-Bangladesh é obviamente mera coincidência.

Você vota, seu voto é convertido em sabe-se lá o quê e só nos resta sair por aí fazendo o “L”.

DEU NO X