DEU NO TWITTER

SÓ ASSIM PRA MÍDIA FALAR DA INAUGURAÇÃO DA PONTE…

CARLOS EDUARDO SANTOS - CRÔNICAS CHEIAS DE GRAÇA

PORNOGRÁFICO ABECEDÁRIO

D. Alice, minha santa mãe e primeira professora

Em 1942, aos cinco anos, considerei-me alfabetizado por mamãe. Foi um período encantador, Cheio de descobertas. Depois fui para a escola de D. Cleomar Reis Seixas, na Vila dos Remédios, no Recife.

De início papai comprou um livrinho chamado: “A Carta de ABC”, e um outro, chamado: “Tabuada”. Pra mim foram uma atração.

Antes mamãe me ensinou recortado, de revistas e jornais, algumas ilustrações, para que eu gravasse as letras, frases e os motivos das gravuras.

Nas letras fui até bem; facilmente formei frases. Meu destino estaria selado: dedicar-me-ia às ditas cujas. Mas nos cálculos emperrei. E continuaria “travado” todo o tempo, tornando-se barreiras difíceis nos concursos que fiz para me tornar bancário.

O abecedário, de início, foi complicado, mas depois que ela me ensinou sua forma de gravar na mente, em linguagem marcada pelos batuques dos punhos na mesa, a coisa melhorou:

A B C D – E F G H – I J L M… etc.

Anos depois os métodos confundiram a cabeça da gente, inserindo letras usadas nos idiomas estrangeiros: K, Y e W, que se pronunciava, no vulgo: “V-W”. Pra mim uma “engembração”. Mas fui absorvendo.

Decorrido um estirão de tempo enfrentei três reformas do idioma pátrio. Um inferno “abecedal”. No concurso do Banco do Brasil não tirei 10 porque deixei de botar um circunflexo na identificação da capital gaúcha: “Pôrto Alegre”, “chapeuzinho” que, no caso, acabou sendo abolido.

O segundo período, foi mais interessante, pois parecia que estávamos aprendendo a marchar:

Bê-a-ba=BA; Bê-é-bé=BE; Bê-i-bi=BI.. .E mamãe ia batendo com a mão na mesa dando o rítmo, fator que facilitava, e muito, o aprendizado.

Depois, entravamos numa espécie de carretilha e se tornava muito engraçado o modo de se aprender a junção das consoantes:

BA, BE, BI, BO, BU.

Era um aprendizado ritmado e isso animava as sulas. Em seguida, quando eu já estava dominando o conhecimento das letras e suas ligações para formar as palavras, as aulas passaram a ser ainda mais deliciosas.

Entretanto, no período em que estávamos desenvolvendo a forma ritmada das consoantes, notei que mamãe não verbalizou as letras “A” e “C”, não me ensinando a partir do “A” e pulando do “B” para o “E”.

Ao alertá-la para o provável “escorrego” me disse que sendo o “A” uma vogal, deveríamos aprender a formar primeiro as consoantes. E ao ser indagada por que pulou o “C” ela desconversou e disse-me.

– Ah, me esqueci. Depois a gente volta!

Ladina, sabia que aquela parte não daria boa sonoridade, por isso se esquivara, a fim de passar-se por “esquecida”.

Anos depois, já estudando no Ginásio Amauri de Medeiros, uma escola pública de Afogados, os alunos mais adiantados faziam questão de “cantar” o abecedário batendo ritmadamente.

Durante o recreio, a título de bagunça, todos “cantavam” o que minha primeira professora, não ensinou nem deixou-me aprender e se fez de “esquecida”: o famoso: C-a-ca= CA; C-e-Ce=CE; C-e-Ci=CI – e C-o-co= CO; C-u-Cu=CU.

Ao chegar em casa lembrei a D. Alice – na maior inocência – que havia aprendido com os coleguinhas da nova escola a parte que ela havia “esquecido”; um pedaço que para mim só veio a ser conhecido como pornografia, anos depois, junção de letras que seriam repetidas nas muitas anedotas que sempre gostei de contar:

Cuidados e ensinamentos de mãe ficam para sempre!

Cartilha do ABC em uso na década de 1940

PERCIVAL PUGGINA

POR QUE “IMPÉRIO DA LEI” PARECE NOME DE ESCOLA DE SAMBA?

Tive a felicidade de conhecer o Rio de Janeiro no tempo em que seus morros eram expressões do capricho paisagístico de Deus no ato da Criação. Entre as preciosidades dessa estética divina destaco as agulhas pétreas dos Alpes e dos Andes, que vi como inspiração gelada do gótico que tanto fascínio exerce sobre mim.

No Rio é diferente. Aliás, é o oposto. A mão de Deus moldou, ali, curvas tropicais, sensuais, grávidas de vida. A beleza da cidade costumava atrair um qualificado turismo nacional e internacional. De lá para cá, morros se tornaram ameaça soturna a pesar sobre a “cidade a seus pés”. Regiões inteiras tornaram-se palco de uma guerra sem fim, focos de insegurança, sedes de estados paralelos, casamatas de organizações criminosas, ocupações viciosas do espaço urbano que expandiram seu modelo pelos outros grandes centros do país.

Quinta-feira, 6 de maio, a favela do Jacarezinho foi palco de uma ação policial que deixou 25 mortos. Aliciamento de crianças e adolescentes para o tráfico, roubo de cargas, homicídios, sequestros de pessoas e de trens são alguns dos ramos de negócios da quadrilha que atua na região. Desconheço os detalhes da operação, mas não vejo como aceitável que ações criminosas mesmo quando eventuais, fiquem sem resposta policial, judicial e penal.

Mesmo acostumada a dormir ouvindo o espocar dos tiroteios e o matracar das metralhadoras, mesmo habituada a contar, toda manhã, cadáveres abandonados pelos criminosos, o número de vítimas dessa operação ganhou manchetes em todo o país.

O que se colhe no Rio de Janeiro nestas últimas décadas é rescaldo da tolerância. Contaminadas pela corrupção, sua política, sua justiça, sua polícia foram sendo moldadas por um estilo de vida que zombou da virtude e se foi deixando encantar por seus demônios. Enquanto isso, parte da sociedade aderiu a uma falsa virtude que pretende combater o crime com pombas brancas, flores e pulsantes coraçõezinhos feitos com as mãos.

O saneamento de uma região conflagrada com ações de atenção social não prescinde da ação policial contra a criminalidade, nem do revide quando bandidos, armados, disparam contra a polícia. Nenhuma sociedade civilizada pode tolerar que criminosos ajam impunemente e atirem contra a polícia que expõe a própria vida para protegê-la.

O que se vê no Rio é um microcosmo compactado da realidade nacional. Não difere do que se observa no Brasil, nesse combate com objetivos revolucionários, multilateral, aos valores e princípios cujo abandono nos tem custado tão caro. Tão caro que “império da lei” mais parece nome de escola de samba.

GUILHERME FIUZA

O JURAMENTO DE HIPÓCRITA

Carlos Henrique Provetta é médico. Quando apareceu uma epidemia ele tranquilizou a todos: deixem esse vírus comigo. Como vamos enfrentá-lo? – quiseram saber os curiosos. Provetta não piscou: no gogó. Alguns inocentes não entenderam a resposta, mas o médico teve paciência para explicar cientificamente o seu brado: quem se garante enfrenta epidemia no gogó. Eu fiz o Juramento de Hipócrita.

Fim de papo. Todos sabiam que um juramento desses torna qualquer um invencível – o que vem a ser a principal qualidade do herói. E um herói atrai imediatamente as câmeras de TV – principalmente depois de afirmar que vai salvar o seu povo no gogó. Luz, câmera, falação. Lá se foi o Doutor Provetta matraquear pelos cotovelos, ao vivo, quase 24 horas no ar. Um show. Ninguém tirava o olho do herói – qualquer distração poderia ser fatal. Vai que você perde alguma palavra-chave e fica indefeso diante do perigo?

Ele falou de tudo. Disse que a culpa era dos ricos e a favela ia se ferrar. Mas ele, Doutor Provetta, não hesitaria em ter uma conversa civilizada com os assassinos que mandam nos morros – porque traficante também é ser humano e os facínoras haveriam de ter sensibilidade social e sanitária. Foi praticamente uma aula de sociologia, como se diz no botequim. Com todo o respeito ao botequim.

Tudo isso de graça. Só um missionário altruísta, um Robin Hood da ciência, compartilharia tanto saber sem cobrar nada de ninguém. Transbordante de empatia e comiseração, o médico revolucionário disse a todos que se isolassem uns dos outros – nada de aproximações inconsequentes que pusessem vidas em risco. Foi então visto num ambiente fechado e aglomerado, sem máscara, abraçando seus áulicos e cantando sorridente: viver e não ter vergonha de ser feliz – ou viver e ser feliz de não ter vergonha (há controvérsias sobre o refrão entoado).

Só uma meia dúzia de inocentes (sempre os mesmos) quis saber se a muvuca do Provetta não contrariava suas diretrizes de isolamento. É uma gente obtusa e azeda, que não suporta a felicidade alheia. Dessa vez o médico revolucionário nem perdeu seu tempo explicando o óbvio: quem faz o Juramento de Hipócrita tem a obrigação de se aglomerar por trás do distanciamento social. O escândalo seria jurar hipocrisia e não praticá-la.

Esses céticos niilistas jamais compreenderão o poder sagrado do juramento para um homem de fé.

Foi assim que o Doutor Provetta mandou todo mundo ficar em casa em nome da vida e foi jogar sinuca no boteco em nome da ciência. Sem máscara, que ninguém é de ferro – e o povo precisa reconhecer a fisionomia do seu herói para se sentir seguro. Então lá estava ele, de cara limpa, mostrando que o verdadeiro médico confia no seu taco quando vê alguém pela bola sete. Viver e não ter vergonha de ser feliz, cantar e ser feliz de não ter vergonha. O juramento do hipócrita nunca tinha sido cumprido com tal abnegação.

E você, que talvez nem mereça, recebeu mais uma lição de graça: o boteco não é só o lugar da sociologia. É também o lugar da ética.

O que deixou o povo um pouco confuso foi a reaparição do Doutor Carlos Henrique Provetta de máscara. OK, agora ele não estava no botequim, mas estava no circo – e aí já começou uma polêmica sobre as supostas diferenças científicas entre circos e botequins, porque todos sabem que palhaços e bêbados são iguais perante a lei e ninguém toleraria diferenças de protocolo sanitário entre essas duas instituições milenares. Mas logo tudo se esclareceu.

Provetta estava de máscara porque se encontrava diante de Renan Calheiros – e mesmo um herói invencível tem seu momento de autocontenção.

A máscara ali não era um sinal preocupante de que o médico salvador pudesse estar começando a sofrer de vergonha na cara. Era só um sinal de reverência a um ídolo – porque quem fez o Juramento de Hipócrita sabe reconhecer um superior juramentado. Enfim, foi um momento bonito na história da medicina. Solta o som, DJ: viveeeer e não ter vergonha… etc.

DEU NO TWITTER

COLUNA DO BERNARDO

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

EMERGINDO…

Emerjo…!

Obviamente, após estar submerso e imerso. Explico, estive submerso ante toda esta bagunça que assola nosso país: pandemia, vírus, o STF e os seus Supremos, decisões inconstitucionais, Constituição rasgada, fim da tripartição dos poderes, a CPI da palhaçada, quero dizer da COVID e, tudo o que vem ocorrendo, cotidianamente, no Brasil.

Sinceramente, lhes digo que não aguento mais a demagogia de nossos políticos, a hipocrisia de nossos artistas, as mentiras de nossos jornalistas e tão pouco aguento os desmandos do nosso judiciário.

Parece-me chegada a hora do basta e, como ainda não é possível dar este basta, submergi. Submergi em meus pensamentos, em minhas reflexões e em minhas indignações.

Também estive imerso, que é diferente, portanto, explico. Imerso no trabalho, nas muitas aulas que tenho que dar, nos alunos a orientar, no preparo das atividades de pesquisa e extensão, no atendimento às diversas comissões que faço parte. Nunca parei de trabalhar na pandemia. Aliás, creio que trabalhei muito mais do que já trabalhava e, muito me indigna a atitude de colegas, servidores públicos, que nada fazem, nada fizeram e ainda reclamam de tudo.

Outro motivo de minha imersão é que estava concluindo o curso de bacharelado em direito, minha quinta graduação. Como professor, incorporei a ideia do mestre como eterno aprendiz. Nunca parei de estudar e, quando concluo uma graduação ou uma pós-graduação, inicio logo outra.

O objetivo não é qualificação profissional, ganho financeiro ou qualquer coisa que o valha, o objetivo único é satisfação pessoal. É óbvio que isto melhora a qualidade do meu trabalho.

Pois, emerjo ao concluir a faculdade de direito no dia de hoje, com a notícia estampada na mídia, que a Universidade onde estudara, a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) tomou uma decisão hipócrita.

Criou uma cota de acesso aos cursos de pós-graduação Strictu Sensu para gays lésbicas e outros seres do tipo.

Não é preconceito não, mas isso é um escárnio!

E, antes que os piadistas de plantão venham dizer que isso só podia acontecer na universidade de Pelotas ou de Campinas, lhes digo que não é o momento de brincar. O que aconteceu é algo sério e, demonstra a degradação do pensamento dentro das universidades.

Principalmente pelas declarações que acompanharam a decisão unânime do conselho superior da universidade. Segundo a Revista Oeste “Ainda segundo a UFpel, a ideia é que haja mais professores desse público de modo que, no futuro, os alunos tenham em quem se espelhar”.

Se espelhar? Se espelhar, sic, não é para cultuar a diversidade, não é para combater preconceitos. É para servir de exemplo, então o que eu entendo, em bom português, é que a Universidade quer mostrar para os alunos e o mundo que o todos devem ser gays, lésbicas e militantes.

Ora, convenhamos, as universidades em geral e, as universidades públicas mais ainda, tem dentro de seus quadros, número percentual de gays, lésbicas e simpatizantes, muito superior, mas muito superior mesmo, a representatividade destes grupos na sociedade. E, ainda agora, assim buscam criar cota de acesso na pós-graduação.

Temos cotas de acesso, por uma questão legal, para negros, índios e pardos. Não temos conta de acesso para pobres. Agora temos cota de acesso, na UFPel para gays, lésbicas etc.

Rezo, é o que me resta, para que Deus ilumine a justiça e, que os tribunais superiores não permitiram isto. Estes mesmo tribunais, anos atrás, não permitiram que se estendessem as cotas raciais da graduação para a pós-graduação, que mantenham o entendimento.

Me sinto é triste, mas em plenas condições de debater o que aconteceu e, sim, expressar minha indignação como cidadão, como pagador de impostos e como professor. Principalmente porque a UFPel é minha Alma Mater.

Nela fiz 3 das minhas 5 graduações, fiz meu doutorado. E, fui professor da UFPel por quase de 20 anos, onde ocupei cargos de diretor de campus, de faculdade, pró reitor, presidente de fundação de apoio, assessor do reitor. Participei de todos os conselhos da Universidade então, sei do que estou falando.

E digo mais, tivemos reitores gays, assumidos e, jamais passou pela cabeça destes propor algo assim. Aliás um deles, quando as discussões se acaloravam por uma bobagem nos dizia, vamos parar com a frescura e com a viadagem estamos trabalhando.

E, agora isto!???

Vai virar moda, o Instituto Federal Sul-Rio-Grandense, onde hoje eu labuto tramita no conselho superior, com grandes chances de aprovação a proposta de reserva de cotas pós-graduação Lato e Stricto Sensu, para servidores da IES.

Reserva de vaga, pura e simples. Você imagina o servidor público, o professor funcionário do próprio Instituto usando a cota (pois não é competente para passar na seleção comum) para ser orientado do colega da sala ao lado. E, pior que isso, ingressa no pós e pede afastamento com o salário integral por até 5 anos.

Para cursar algum curso na sala do lado da dele.

Foi isto que fez com que eu despertasse para manifestar minha preocupação. As universidades no mundo todo cedendo aos chamados canceladores e, a este pensamento reformista. Tenham certeza de que esta Universidade caminha a passos largos para se tornar obsoleta.

E, a universidade brasileira, especialmente a universidade pública brasileira, já se tornou obsoleta. Hoje é apenas um sumidouro de dinheiro. Talvez nós, professores universitários devamos refletir sobre o que estamos legando para esse país.

E, sobre a importância que o país dá para nós. Garanto que veremos que é cada vez menor. Estamos jogando a pá de cal uma universidade brasileira. Lamento dizer isto, cada vez mais me convenço que o único caminho para educação brasileira é a privatização da universidade pública.

Após esta minha pequena manifestação de repúdio, encerro aqui minha fala e volto a submergir.

Só que agora de vergonha…!

* * *

Em tempo:

Minhas sinceras condolências aos familiares e amigos das três inocentes crianças e das duas jovens professoras, mortas em Santa Catarina. Que Deus acolha suas almas. E, que castigue aqueles que estão fazendo palanque político desta tragédia. Quisera eu poder viver num país, onde o assassino responsável por esse massacre, fosse pendurado pelo pescoço em uma árvore, em praça pública, até a morte. Não só como punição, mas para servir de exemplo a outros assassinos.

Também aqui registro minhas condolências aos familiares do policial morto em Jacarezinho e, a eventuais vítimas inocentes, que tenham sucumbido ante as milícias de traficantes, que tomaram conta dos morros do Rio, com a devida vênia dos nossos Supremos.

Quanto aos bandidos mortos, lamento. Perdoem minha insensibilidade, mas que queimem no inferno.

DEU NO TWITTER

COLUNA DO BERNARDO

DEU NO TWITTER