DEU NO TWITTER

LEGENDA

* * *

Aqui está uma excelente tarefa para os leitores fubânicos.

É pra animar a nossa quinta-feira.

Crie uma legenda para esta foto aí de cima.

Um fantástico flagrante banânico.

O autor ou autora da melhor legenda vai ganhar um beijo de Chupicleide.

COLUNA DO BERNARDO

DEU NO JORNAL

SÓ TINHA ALVOS NA SALA DE DESEMBARQUE

Bolsonaro recebe motorista que ficou dois anos preso na Rússia.

Robson Nascimento de Oliveira, ex-motorista da família do jogador de futebol Fernando, do Spartk Moscou, retornou hoje ao Brasil após dois anos preso na Rússia

Ele estava detido desde março de 2019, após entrar na Rússia com duas caixas do medicamento Mytedom 10 mg destinadas ao sogro do jogador.

A substância é vendida legalmente no Brasil, sob receita médica, mas considerada um narcótico naquele país.

Jair Bolsnaro intercedeu junto ao governo russo e conseguiu obter sua soltura.

* * *

Eu só senti falta de uma coisa…

Não vi um único ativista dos movimentos negros lá no aeroporto pra receber o Robson.

Ô racinha desmantelada é essa nossa.

Nós da pretaiada num se unimos-se de jeito nenhum.

A deputada neguinha Talíria Petrone, do PSOL, deveria ter ido lá saudar seu irmão de raça.

Vôte!

DEU NO TWITTER

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

COLUNA DO BERNARDO

PERCIVAL PUGGINA

CPI VAI INOCENTAR O VÍRUS

A mídia militante foi buscar na covid-19 sua casa de armas. Decidiu que o Brasil deveria ficar fora dessa pandemia e que restavam ao vírus duas possibilidades: ou nos tratava com o devido respeito, ou deveria ser espatifado pessoalmente pelo presidente da República com aquela metralhadora imaginária da campanha eleitoral.

Ela, a mídia, assumiu-se como grande reitora das políticas sanitárias do país. Houve momentos em que quis mandar mais do que o STF, imaginem só! Não se espante, não estou inocentando o Supremo. Devo reconhecer, porém, que a Corte, muitas vezes, abre espaço ao contraditório. Tal condescendência nada resolve, posto que todos têm opinião formada sobre tudo. Mas o contraditório ao menos fala. Na mídia militante é diferente. O contraditório é relegado ao mutismo. O divergente é lobo solitário, exército de um homem só. Eu vivi isso.

Vão encontrar alvos para atingir o governo? Claro que sim. Certa feita, ouvi de uma jornalista do PT que “se o adversário não tem rabo a gente põe”. E se a CPI não consegue pôr, a mídia militante põe. Ela está com sangue nos olhos. Segundo ela, Mandetta comprometeu Bolsonaro. Ao que vi e sei, Mandetta comprometeu Mandetta. Foi ele que primeiro mandou não usar máscaras, depois mandou usar. Orientou para só procurar hospital com febre ou falta de ar. Provocou um esvaziamento de hospitais, UTIs e consultórios durante meses. Firmou inimizade com o tratamento precoce. Para a mídia, porém, na CPI, comprometeu Bolsonaro.

Jamais será reconhecido no foro da comissão e pela mídia militante que (dados de 5 de maio) o Brasil é o 9º país em número de mortes por milhão, o 9º em novas mortes por milhão. E é o 11º no quesito percentagem da população que recebeu apenas uma dose. Tem 2,7% da população mundial e aplicou 4,2% das vacinas disponibilizadas. É o quinto que mais vacinas aplicou. Jamais destacarão o fato de que este último dado o situa atrás, apenas, dos quatro países que as produzem em seus grandes laboratórios – EUA, China, Índia e Reino Unido.

Poderiam os números ser mais elevados? De que jeito? Os países produtores seguiram a regra de Mateus – “Primeiro os meus!” – e vêm utilizando em suas populações 62% das 1,175 bilhão de vacinas produzidas até este momento. Fica fácil, então, presumir o esforço comercial e diplomático para conseguir lugar na parte alta da tabela, bem como perceber o esforço político para ocultar tais informações.

Como brasileiro, particularmente, considero de meu dever louvar a importância da Anvisa e de seus protocolos, que sempre foram fator de tranquilidade da nossa população no consumo interno de vacinas e medicamentos. Ela só não é tão veloz como alguns queriam porque seus técnicos são responsáveis, não obedecem ordens da imprensa e conhecem o alto preço de quaisquer falhas nas autorizações que concedem. Especialmente em relação a algo que vai ser distribuído a toda população do país.

Um dos episódios mais lastimáveis dos últimos meses foi a ordem do ministro Lewandowski para que a Anvisa, em 30 dias decidisse sobre a importação da vacina russa Sputnik V pelo Maranhão. Ora, ministro!

Com sua licença, prezado leitor, vou parar por aqui, pois é hora de assistir o circo montado no Senado Federal.

PENINHA - DICA MUSICAL