DEU NO TWITTER

RODRIGO CONSTANTINO

PRECISAMOS FALAR SOBRE BOULOS

A história não se repete, mas rima, como dizia Mark Twain. Como é cansativo esse eterno retorno dos que não foram, essa volta com nova embalagem dos velhos comunistas. A cada geração o lobo usa uma roupagem nova de ovelha para enganar os desavisados. E consegue!

Alain Besançon, em A infelicidade do século, compara o comunismo ao nazismo e conclui: “O comunismo é mais perverso que o nazismo porque ele não pede ao homem que atue conscientemente como um criminoso, mas, ao contrário, se serve do espírito de justiça e de bondade que se estendeu por toda a terra para difundir em toda a terra o mal. Cada experiência comunista é recomeçada na inocência.”

Há controvérsias se, hoje, depois de tanta desgraça causada pelo comunismo, alguém cede a essa ideologia nefasta por “empatia ao próximo”. O socialismo é a ideologia da inveja, do ressentimento, do rancor. Mas dou o benefício da dúvida: muitos são seduzidos pela extrema esquerda por confundir isso com se preocupar com os mais pobres, com as minorias.

E os comunistas sempre souberam explorar isso. Mas uma coisa se repete com regularidade lunática: os seduzidos são invariavelmente do “andar de cima”, são ricos, são “artistas”. Em Esquerda Caviar expliquei melhor o fenômeno. Lula era o queridinho dos “intelectuais” e da elite do setor público. Deu no que deu.

Não obstante, aprendemos com a história que poucos aprendem com a história. E por isso que Guilherme Boulos, um Lula reeditado, está no segundo turno para disputar o comando da capital mais importante do país. E com chances concretas! Segundo as pesquisas, a diferença dele para o primeiro colocado caiu para dez pontos percentuais apenas. Boulos teria 45% das intenções de votos válidos.

E quem faz um esforço comovente para ajuda-lo? Ora, justamente a elite, em especial aquela do jornalismo, onde o PSOL tem bem mais representatividade do que no Congresso. Nossa imprensa é incapaz de sequer chama-lo de radical, de extrema esquerda. Tentam pinta-lo como um moderado esquerdista, o que é uma piada.

E eis de onde vem a sua grana de campanha, segundo reportagem da Folha de SP:

Até agora, a candidatura de Boulos registrou R$ 5,3 milhões arrecadados para a campanha. A maior parte, R$ 3,7 milhões, vem do fundo eleitoral -dinheiro público a que os partidos têm direito em ano de eleição – e representa 70% do total que a candidatura tem para gastar.

Já no topo da arrecadação para a campanha de Boulos registrada em nome de pessoas físicas estão o cantor e compositor Caetano Veloso e a empresária Paula Lavigne, sua esposa, que doaram R$ 100 mil cada um ao candidato do PSOL.

O dinheiro arrecadado com a live feita por eles está sendo dividido entre Boulos e Manuela D’Ávila (PC do B), que concorre à Prefeitura de Porto Alegre.

“O que doamos [como pessoa física] foi o referente ao que eu e Caetano receberíamos pelo nosso trabalho na live”, diz Paula Lavigne. “A doação de quem comprou o ingresso para assistir a live é outra e aparecerá no nome de cada um que comprou como financiamento coletivo.”

Em seguida, a terceira maior doação para a campanha do PSOL é de Marília Furtado de Andrade, herdeira de Gabriel Donato de Andrade, um dos fundadores da empreiteira Andrade Gutierrez. Ela doou R$ 80 mil.

Marília é mãe de Petra Costa, a cineasta que concorreu ao Oscar de melhor documentário com “Democracia em Vertigem”, que trata do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Marília aparece no filme em imagens de acervo da cineasta. Procurada, Petra não retornou o contato da reportagem.

Qual a supresa? O comunismo sempre foi bancado por herdeiros culpados e entediados e artistas alienados e “sonháticos”. Nunca foi apoiado pelo povo, que diz representar. É verdade que os tucanos mereciam uma boa lição nas urnas, mas o custo é alto demais. O povo paulista é refém dos tucanos, pois a alternativa, em vez de te trancar em casa, é invadir sua casa!

Boulos foi num programa de “entrevistas” nesta segunda e disse: “Tentar me imputar de forma negativa, como foi feito, a pecha de radical ou extremista só expressa o momento sombrio que a gente está vivendo no país. Eu luto há 20 anos para que as pessoas tenham um teto; isso é radicalismo?”. A tática só cola com bobalhões mesmo. É o velho monopólio das virtudes, deixando de lado o debate que realmente importa: aquele sobre os meios. Ele “luta” por moradia num esquema corrupto com violência e invasões. Ou seja, trata-se de um comuna ultrarradical. Mas nossa mídia finge que não sabe de nada disso…

A capital São Paulo poderá ter como prefeito um incendiário que promove quebra-quebra em nome da revolução comunista, uma espécie de sans-cullotte tupiniquim, um jacobino que incita ódio, um defensor de ditaduras como a cubana e a venezuelana. E nossos “jornalistas” não conseguem chamar esse sujeito de radical!

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

PARA SEMPRE – Carlos Drummond de Andrade

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
– mistério profundo –
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade, Itabira-MG, (1902-1987)

COMENTÁRIOS SELECIONADOS

TUDO EXPLICADINHO

Comentário sobre a postagem A PESQUISA DO NOBLAT DESTA SEGUNDA-FEIRA

Francisco:

Vocês me desculpem, mas não consegui encontrar esta notícia.

Têm certeza de que não é fake news?

Se não for, peço desculpas.

Noblat teria dado publicidade na Veja e no Facebook.

* * *

Nota do Editor:

Não costumo usar essa expressão americanóide de “fake news” (argh!!!).

Prefiro “notícia falsa”.

Mas vamos lá:

Não é “fake news” (argh!!! de novo), caro leitor.

O jornalisteiro zisquerdóide banânico Ricardo Noblat postou no seu Twitter esta pesquisa.

Que ele mesmo criou.

Com certeza esperando uma estrondosa derrota do presidente Bozó, ao qual ele faz ferrenha oposição.

Os leitores votaram e o resultado da pesquisa foi este aí em cima.

O meu conterrâneo Noblat quebrou a cara, o bichinho.

Não é “notícia”.

“Notícia” que você diz não “ter conseguido encontrar” na imprensa.

Eu só fiz tirar uma foto (ou dar um “print“, pra ficar mais chic) e reproduzir uma postagem do Twitter do Noblat aqui nesta gazeta escrota.

Afinal, a quebração de cara do jornalisteiro da revista Veja foi fantástica e eu achei que merecia destaque. E dei o devido destaque.

O tiro saiu pela culatra e arrebentou com o furico do coitado.

Coisa pra gente se rir-se o dia todinho.

Pergunte você mesmo pra ele porque não colocou o Doria entre as opões.

Parece que Noblat fez uma doria danada com esta omissão…

Não sei desenhar. Só consigo mesmo digitar. E espero ter me feito entender

E, pra terminar: brigado pela presença e pela audiência.

Vocês leitores dão força e divertimento a esta gazeta escrota.

PS: Continuo aguardando seu retorno para a mensagem que mandei pros dois endereços eletrônicos que você usa pra postar comentários nesta gazeta escrota. Trata-se apenas de um checagem por medida de segurança.

GUILHERME FIUZA

HIPÓCRITAS DESMASCARADOS (E AGLOMERADOS)

O governador da Califórnia é simpático, sorridente, bem apessoado, alto, magro, aparência atlética nos seus 50 e poucos anos de idade, democrata, politicamente correto, a favor do meio ambiente, das minorias, do bem e da felicidade. Na pandemia, se apresentou como um grande defensor de vidas. Sua exuberante bondade só tem um defeito: é falsa.

Gavin Newsom impôs à Califórnia um lockdown severo. Como toda autoridade que adotou políticas de restrição extrema, afirmou que esta era a forma recomendada pela ciência para salvar seres humanos da covid. No entanto, os estados americanos que trancaram mais suas populações não conseguiram números de óbitos mais baixos, como já atestado por estudo feito na UCLA – Universidade da Califórnia em Los Angeles. Mas o governador bondoso não se abalou.

Com a aproximação das festas de fim de ano, ele decidiu como será a ceia dos californianos. Limitou o número de pessoas por residência e decretou que a celebração pode ter no máximo duas horas. E que ninguém pode cantar. Talvez você tenha se distraído, então vamos recapitular: não estamos falando da União Soviética, nem do Afeganistão. Estamos falando do estado mais “progressista” da maior democracia do mundo.

Gavin Newsom é a personificação da bondade, mas não é de ferro: depois de toda essa engenharia implacável de controle sanitário e social, foi visto (e fotografado) numa alegre confraternização em ambiente fechado sem máscaras, nem distanciamento. Na sua doce aglomeração estavam presentes vários médicos e um lobista.

Não perca seu tempo dizendo que o governador fofo da Califórnia é um hipócrita. Isso já está carimbado na testa dele para sempre (se os Senhores da Verdade não derem um jeito de apagar). O que você precisa constatar é que Gavin Newsom não é um suicida. Você acha que ele se ajuntou com sua turminha desmascarada para brincar com a morte num ritual satânico?

Não, né? Pois é. Então é o seguinte: o hipócrita de Beverly Hills não vê na pandemia o risco que diz ver – e que embasa suas medidas ditatoriais, que por sua vez não são para salvar ninguém, senão o companheiro Newsom não colocaria o seu corpinho na reta, certo? Então responda:

Você acha que o governador da Califórnia deveria responder criminalmente pela gravidade dos seus atos?

Você acha que as demais autoridades, inclusive no Brasil, que submeteram os cidadãos a restrições abusivas com o pretexto de segurança sanitária também deveriam responder criminalmente por isso?

Você acha que autoridades que lacraram lojas e soldaram portas deveriam ter de explicar à Justiça a necessidade inescapável dessas medidas brutais? Ou você acha que os cidadãos arrebentados pelo fascismo sanitário devem só arcar com o prejuízo e lamber suas feridas?

Você acha que uma autoridade pode proibir hospitais públicos e privados de realizar cirurgias sem precisar demonstrar matematicamente o risco de colapso da rede por internações de covid?

Você acha que autoridades podem determinar o trancamento de populações inteiras sem demonstrar a eficácia disso para a proteção aos grupos de risco?

Você acha normal que essas mesmas autoridades passem a falar em obrigatoriedade de vacinação da população inteira sem que a taxa de letalidade da covid aponte essa necessidade?

Somos muito inocentes para suspeitar que isso tudo seja uma questão de poder e dinheiro. O ser humano não pode ser tão miserável assim. Vamos buscar as explicações. Mas não é contar história triste para imprensa amiga. Essa história tem que ser contada à Justiça. Ou à polícia – quem for mais atencioso.

O diretor regional da Organização Mundial da Saúde na Europa, Hans Kluge, declarou que o lockdown deve ser evitado. E que as escolas devem funcionar. Gavin Newsom, o rei do lockdown, disse que sua festinha californiana foi “um erro”.

Vamos ajudá-lo a entender melhor a situação. Prezado Newsom, você não cometeu um erro. Você é um erro. Da sua afetação politicamente correta à sua suposta defesa da saúde humana, nada é verdadeiro. Se a humanidade não desistiu de vez da democracia, você e seus comparsas de boa aparência vão ter que desistir do seu surto ditatorial. E pagar por isso.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

DEU NO JORNAL

ALTA IGNORÂNCIA ECONOMÍSTICA

O saldo da balança comercial brasileira, diferença entre importações e exportações, subiu 54,7% em 2020, segundo dados do Relatório Focus, do Banco Central, com informações de mercado.

Em janeiro, a previsão era de US$ 37,31 bilhões, mas o valor subiu durante a pandemia com a alta nas exportações e atingiu US$ 57,73 no último levantamento.

Em reais, a alta foi de 106%, passando de R$ 150,7 para R$ 310,5 bilhões.

A economia segue dando sinais de recuperação acelerada e a previsão de queda no PIB, que já foi de -6,54% em junho, agora está em -4,55%.

* * *

Sou totalmente analfabeto nessas coisas de economia e outras ciências filosofofais dinheiráticas.

Leio uma notícia feito esta aí de cima e fico perdido.

Fico mais abestalhado do que um burro espiando um palácio.

Isso é bom ou é ruim?

Provoca alegria ou choro nas redações da grande mídia banânica?

Vou apelar pro fubânico Ceguinho Teimoso, que tem conversas mais compridas do que um dia de fome e que enxerga tudo em todas as áreas, inclusive em economia.

É bom ou ruim pra nóis e pro país esse monte de número aí de cima, Ceguinho?

É mais uma merda do atual governo ou é coisa pra se comemorar?

Desculpe incomodar.

Mas esta minha ignorância economística é de uma enormidade sesquipedal.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

EDUARDO GIANNETTI – SÃO PAULO-SP

Caros amigos e amigas,

No dia de hoje, 24/11, terça-feira, realizarei a live de lançamento do meu novo livro, O anel de Giges, às 19:00.

Será uma grande alegria contar com a sua participação.

A transmissão será pelo canal Companhia Das Letras

O livro está disponível clicando aqui e nas principais livrarias e lojas on-line.

Abraço,

COLUNA DO BERNARDO

SEVERINO SOUTO - SE SOU SERTÃO