DEU NO TWITTER

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

A MENSAGEM

Ao pegar meu celular
Mensagem sua encontrei
Sem querer acreditar
O seu lamento escutei
Sem duas vezes pensar
Seu áudio eu deletei.

Não me fale de saudade,
Pois não terei compaixão
Você não teve piedade
Ao ferir meu coração
Com toda sinceridade
Em mim não restou paixão.

DEU NO TWITTER

O CODINOME “RABÃO” SERIA MAIS APROPRIADO

J.R. GUZZO

O MESMO DESERTO

Quando o ex-presidente Lula foi solto há exatamente um ano, após ser condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro e ficar 18 meses na cadeia, muito se escreveu e se falou para tentar descobrir o que o futuro iria trazer para o Brasil. Com Lula de volta à vida política, pelo que então se presumia, “muita coisa” podia acontecer, embora ninguém se aventurasse a dizer com mais clareza que coisas seriam essas. A questão, em português claro, era a seguinte: Lula seria o grande nome, ou o único nome viável, para disputar com o presidente Jair Bolsonaro as eleições de 2020? E se fosse: poderia ganhar e levar?

Havia o inconveniente de Lula estar proibido por lei de se eleger para qualquer cargo público, após sua condenação penal em três instâncias, mas e daí? A questão iria para o STF e nenhum dos aliados do ex-presidente achava que isso poderia realmente ser um problema sério – até o imperador Nero, que matou a própria mãe, tocou fogo em Roma e crucificou São Pedro de cabeça para baixo, seria absolvido pelo STF se caísse na Turma certa. “Vamos para a briga”, disse Lula ao ser solto. Mas não aconteceu nada – e logo ficou claro que ele continuava do mesmo tamanho que tinha quando foi preso, ou menor ainda. Quer dizer: estava bichado como um rival para valer de Bolsonaro.

De lá para cá, por mais tumultos que o governo tenha gerado para si próprio, foi se tornando claro que há um deserto de candidatos capazes de encarar o projeto de reeleição do presidente com possibilidades reais de sucesso. Agora, com o resultado das eleições municipais, ficou ainda mais difícil olhar para o outro lado e fazer de conta que a questão não existe. Lula, após um ano em estado de coma político, não voltou ao mundo dos vivos. Ao contrário, seu PT saiu arrasado das urnas: dos 630 prefeitos que tinha em 2012, ficou com 179. Se ganhar todas as quinze disputas que vai ter no segundo turno, o problema fica igual.

O PT, que já teve as prefeituras de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Belo Horizonte e de Fortaleza, corre o risco real de não eleger um único prefeito nas 27 capitais do Brasil. O candidato do Partido dos Trabalhadores em São Paulo, a cidade que tem o maior número de trabalhadores em todo o país, ficou em sexto lugar, com uma votação calamitosa – a pior de toda a sua história. Seus companheiros de “esquerda”, reais ou de fantasia, não fizeram melhor. O PSDB, que era inimigo e hoje tenta ser aliado, na suposição de “construir uma alternativa” para 2022, foi o pior de todos: conseguiu perder 273 das prefeituras que tinha, um recorde nacional. O PSB, que pretende ser um PT em embalagem premium, performou o terceiro maior desastre da eleição, perdendo 153 prefeitos. O PCdoB foi dizimado: ficou com metade das suas prefeituras. O PSOL, enfim, até pode dizer que dobrou de tamanho – mas isso significa que foi de dois prefeitos para quatro.

E o inimigo? Os candidatos de Bolsonaro, ou aqueles que usaram o seu nome na campanha, foram a pique nas grandes cidades, sobretudo em São Paulo – mas não é o deputado Celso Russomanno quem vai disputar a Presidência em 2022. Os quatro maiores partidos do Centrão – os que mais ganharam nessa eleição, levando em conjunto 600 prefeitos a mais do que tinham – não são aliados do governo. Mas também não são contra; aliás, não são contra nenhum governo. O que faria diferença é outra coisa: o fortalecimento de um nome capaz de levantar 70 milhões de votos e impedir a reeleição do presidente. As eleições municipais não mudaram a realidade que interessa na prática. Não havia opositor de verdade para Bolsonaro.

Continua não havendo.

DEU NO TWITTER

DEU NO JORNAL

MAIS UM CRIME RACIAL

Três jovens foram assassinados e um ficou ferido em uma chacina em uma festa na noite dessa sexta-feira (20) em Jaciara, a 149 km de Cuiabá.

Segundo a Polícia Civil, dois homens chegaram em uma motocicleta na casa onde ocorria uma festa e dispararam contra algumas pessoas que estavam no local.

Nenhum suspeito foi preso ou identificado até este sábado (21).

* * *

Nas fotos publicadas pela imprensa local, eu constatei que os três mortos eram brancos.

Crime racial, sem sombra de dúvidas.

O assassinato de brancos neste país está atingindo números absurdos.

DEU NO TWITTER

PERCIVAL PUGGINA

O VOTO DOS IDOSOS

Entre as tantas contradições do Direito positivo brasileiro, o voto realiza a proeza de ser, ao mesmo tempo, direito e dever. O cidadão tem o direito de votar, concedido à sua cidadania brasileira, e tem a obrigação, na mais tolerante hipótese, de encenar na cabine um arremedo de votação, fazendo-o de modo nulo ou em branco.

O mesmo, porém, não vale para os maiores de 70 anos, dispensados do dever. A partir dessa idade o sujeito ganha alforria, está livre da multa por descumprimento do dever. É como se a lei lhe dissesse: “A democracia passa muito bem sem seu voto, senhor”. Convenhamos que tal norma é tão idiota quanto a que torna obrigatório o voto do pior dos eleitores, aquele que vota a contragosto, de qualquer jeito, em qualquer sujeito, sem reconhecer a importância do que faz.

A história de sucessivas civilizações contém inúmeros exemplos de valorização da opinião dos idosos. A humanidade entrou pelo século XX incorporando no seio das famílias a tradição do aconselhamento pelos mais velhos, num reconhecimento do valor da experiência e da sabedoria acumulada. Abandonar essa tradição e vencê-la integra a agenda daqueles que querem derrubar, desde seus fundamentos éticos e práticos, a civilização ocidental. Recupere-se, então, uma importante e descuidada noção: o domínio dessas sutilezas que compõem o cotidiano da geração digital, ante as quais tropeçam os dedos e os neurônios dos idosos, está longe de ser sabedoria.

Os conselhos dos anciãos incluem-se entre as primeiras formas de organização espontânea das sociedades primitivas, substituindo a razão do mais forte pela dos mais sábios e experientes. No antigo Egito, os anciãos eram honrados e consultados mesmo após a morte. Eles estão mencionados em livros do Antigo Testamento. Integravam a organização política de Esparta, denominados Gerúsias, e daí advêm os atuais Senados. Também em Roma, nos mosteiros medievais, na Revolução Francesa (após a derrota dos jacobinos) os anciãos cumpriram importante papel. Foi nessa natural tradição que se inspiraram os constituintes da Filadélfia para criar o Senado dos EUA e o Brasil para instituir nosso próprio Senado em 1824. Tudo isso sem esquecer algo pitoresco: foi a associação entre idade e sabedoria que fez valer ao judiciário britânico o uso das perucas brancas, vigentes durante séculos, até 2007.

Diante de tantas e tais evidências, proporcionada no decurso de milênios, o desinteresse pelo voto dos idosos se revela rematada tolice. No último pleito, talvez em função da pandemia, a abstenção em Porto Alegre chegou a um terço dos votantes. A esses eu digo que no domingo passado, valendo-nos do horário prioritário dos idosos, minha mulher e eu tivemos mais facilidade e agilidade para votar do que em qualquer outra ocasião. Saímos convencidos de que se alguém pode ir ao supermercado, certamente estará mais bem resguardado num rápida chegada à sua seção eleitoral no horário apropriado. Aos que estão dispensados da obrigação, lembro:

Vocês são eleitores altamente qualificados por sua experiência, pelo que testemunharam na história vivida, pelo Brasil que conheceram e pelo Brasil que conhecem. Ele precisa de vocês.

PROMOÇÕES E EVENTOS

KASA DO KEIJO – OLINDA, RECIFE E REGIÃO METROPOLITANA

A Kasa do Keijo está localizada no Mercado de Sítio Novo, Box 35, em Olinda – Av. Luis Correia de Brito.

Queijos, frios e produtos regionais, além de 80 itens de conveniência

Telefones 9-9729-8469 e 3104-4002

É só ligar e falar com Alexandre ou com Sonia.

Também é possível fazer consultas e compras por e-mail: amalta2@hotmail.com

A Kasa do Keijo opera com cartão e não cobra pela entrega.

Fubânicos de Olinda, do Recife e redondezas, fiquem à vontade pra fazer suas encomendas!!!!

Carnes frescas e de sol, cabrito, cordeiro, leitão, queijo de coalho defumado com orégano, linguiças caseiras, matuta, bode, charque, frango com bacon, buchada já temperada, sarapatel de bode e de porco, tripinha de porco pré cozida, mel de engenho e de abelha puro (colhido na fazenda), massa e goma de tapioca (direto da casa de farinha), doces em calda caseiros (mamão, mamão e coco, goiaba, jaca, caju, banana e abacaxi), doce de leite, cocada de rapadura recheada com leite condensado, bolo caseiro de Mandioca, Macaxeira, Barra Branca, Engorda Marido, de rolo, castanhas, amendoins, frutas cristalizadas, passas, amêndoas etc.

JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

AS COISAS BOAS DA VIDA

O que seria a vida se não existisse o sal?

Hoje vamos mais uma vez justificar o título da nossa coluna. Vamos, literalmente, “enxugar gelo” e tentar colocar nossa opinião pessoal discorrendo sobre o que quase todos sabem.

É. Vamos falar de algumas coisas boas da vida. Algumas muito importantes, e outras largadas aos conceitos de cada um.

Claro que, banho, a maioria prefere tomar nu. A não ser naqueles filmes onde as temporariamente ricas (quando morrem, todos ficam iguais) aparecem nas banheiras vestidas com peças que nada cobrem. Nem a vergonha.

Agora, num açude, no rio, numa lagoa ou no mar – tomar banho nu, sem nada, nos parece ser tão prazeroso quanto indescritível.

Sexo feito entre casais (eu sou de outra geração e abomino “esfregação” entre duas pessoas do mesmo sexo – mas, quem quiser dar o que é seu, que dê), será sempre algo que será trocado por enes maçãs e em qualquer lugar. No Éden, na sombra, dentro do carro e até sobre uma bicicleta. Sexo é bom.

Existem, sabemos disso, várias coisas “condenáveis”, que acabam se tornando prazerosas por conta do intempestivo. Soltar um peido fedorento, silencioso, dentro de um elevador lotado e depois ficar olhando para a cara das pessoas, não tem preço. É muita falta de educação. Mas que é gostoso e hilário, isso é.

Comida em mesa farta é uma bênção

Nos dias atuais muita coisa mudou no Ceará, estado onde nasci. Nos anos 50 e 60, o cearense, com sustento garantido pela agricultura, dependia das chuvas. Dependia do bom inverno para semear e colher – alguns até transformavam cômodos das casas em depósitos de sementes alimentares, se prevenindo para a possibilidade de novos períodos sem chuva e, com plantio mas sem colheita. Era a seca. Seca braba, que matava animais e tangia pessoas para longe do convívio.

Quem conhece, teve notícia ou (como eu) viveu essa situação, sabe o significado de uma mesa farta de alimentos. É um bálsamo. É uma verdadeira transfusão de otimismo e a certeza de que Deus existe.

A noite sugere e propõe uma pausa na labuta diária

Na prática, a noite serve para separar um dia do outro. Acreditamos que a noite é metade de um dia que se vai, e metade de outro que começa. É na noite que acontece a reparação e a preparação para o que vem a seguir.

Uma noite de frio, sem cobertor, não é coisa boa. Quem não tem esse cobertor, será sempre como um(a) filho(a) que acabou de perder a mãe. Estará a partir de então, “descoberto”.

É na noite que as cigarras cantam e que os grilos aporrinham. Habitualmente, é na noite que os diversos acasalamentos acontecem e que renascem as possibilidades reprodutivas.

Mas, aprendi ao longo da vida que, a noite é o semear da esperança de um dia sempre melhor. E jamais haverá alguém esperando por algo pior. A noite é a partida para o recomeço.

Ler é um dos prazeres da vida

Entre as muitas coisas boas e prazerosas da vida, considero a leitura uma das mais importantes. Quem lê, viaja.

Já estivemos incontáveis vezes na Inglaterra, sem passaporte, sem dólar e até conhecemos o detetive Hércule Poirot, que nos foi apresentado pela magia de Agatha Christie.

Também, sem que nunca tivéssemos sido condenado ou preso, já convivemos num cárcere através de Graciliano Ramos, e até nos consideramos Mestre e Doutor em nordestinidade, graças ao paraibano Ariano Suassuna.

Ler em qualquer lugar é bom. Ler deitado é melhor ainda, e ler o que é bom, faz a festa de qualquer um.

Nesse “rodar da Terra” um livro escrito cem anos atrás acaba sendo atual. Como “Capitães da areia”, que Jorge Amado descreveu uma infância vivida em Salvador. Algo muito atual nos dias de hoje.

O amor é o melhor de todos os prazeres

Não há, entre todas as coisas boas terrenas, algo que supere o amor. Amor emoldurado pelo respeito, pela admiração e sobretudo pelo prazer de estar junto construindo a vida, a família, superando todos os obstáculos encontrados.

Aqui, não dá para deixar de fora nenhuma espécie de amor. O amor é algo que merece respeito, qualquer que seja ele – embora existam alguns tipos de amor que não podem ser considerados como tal. O amor interesseiro que busca sempre os bens materiais – esse não é amor.

O desmedido amor edipiano, que consegue superar qualquer coisa. O amor materno, preparado, semeado ainda no ventre, será sempre algo que nenhum tipo de tempestade vai destruir.