DEU NO TWITTER

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

TRISTE PARTIDA

Sob os protestos da mãe, irrisória, porém cheia de valentia, por dias consecutivos visitei os fofinhos, acomodados em um berço garnisé, urdido com tanto esmero que mais parecia trabalho de crochê. Sentia prazer em contemplar aquelas figurinhas meigas, graciosas, indefesas, naquela imobilidade absoluta. Não entendiam a minha dialética, mas, pareciam gostar do tom ameigado da minha voz. Jamais os vi choramingar. Entre eles e a mãe havia uma simbiose indecifrável: ela vivia da vida deles; eles precisavam da vida dela.

No princípio eram apenas dois ovinhos, minúsculos, brancos, levemente rosados, do tamanho de um caroço de feijão, abrigados num ninho parecente a um dedal, oculto na folhagem do arbusto. Nesse ninho, imaculado, chocadeira incomparável, sucedeu-se o processo de incubação.

Certa feita, em visita de rotina, constatei, surpreso, que os ovinhos já se haviam eclodido; eis, agora, duas criaturinhas diminutas, da cor do azeviche, implumes, do tamanho de uma semente de jade. Pelo visto, a eclosão se deu sob a mais rigorosa reserva; não pude testemunhar. Com o transcorrer dos dias foram adquirindo plumagem de maior espessura, circunstância que delineava o raiar da liberdade.

Eles foram crescendo, crescendo, até que chegou a hora incontornável. Sob os incentivos da mãe, os meus calados ouvidores alçaram-se à imensidade, um de cada vez, em direção a um mundo desconhecido. Estático, apenas os olhei, com o coração confrangido! Ao desapareceram nas vastas redondezas tiraram de mim não apenas as razões dos meus cuidados, mas o regozijo dos meus olhos.! Restou uma doce melancolia. De um lado, a alegria pela merecida independência; de outro, a tristeza pela perda dos anjinhos que sabiam me escutar, embora não me compreendessem. Porém, ficou o gratificante consolo: pude conhecer uma poesia que passou em minha vida!

Um membro do campesinato Centro-Sul diria: adeus cuitelinhos. Outro regionalista diria, adeus colibris. Mas eu, no meu vernaculismo nordestino disse-lhes: adeus meus beija-flores, trapezistas do vento. Vão em paz, conforme os desígnios de Deus. Que não lhes faltem os néctares florais e os botões de rosa.

(…E o cuitelinho não gosta que o botão de rosa caia, ai, ai…).

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

OS CISNES – Júlio Salusse

A vida, manso lago azul, algumas
vezes, algumas vezes mar fremente,
tem sido, para nós, constantemente,
um lago azul, sem ondas, sem espumas.

Sobre ele, quando, desfazendo as brumas
matinais, rompe um sol vermelho e quente,
nós dois vagamos, indolentemente,
como dois cisnes de alvacentas plumas.

Um dia, um cisne morrerá, por certo:
Quando chegar esse momento incerto,
no lago, onde talvez a água se tisne,

que o cisne vivo, cheio de saudade,
nunca mais cante, nem sozinho nade,
nem nade nunca ao lado de outro cisne!…

Júlio Salusse, Bom Jardim-RJ, (1872-1948)

DEU NO JORNAL

A AMANTE CUMPRE A ROTINA DE FALAR MERDA

Gleisi Hoffmann disse que o programa que o partido está lançando, com o slogan “Vamos juntos reconstruir o Brasil”, acolheu sugestões de outras siglas de oposição, como PDT, PSOL, Rede, PSB e PCdoB.

“O plano é a contribuição que o PT vai dar para o debate da esquerda e oposição ao Bolsonaro para essa reconstrução.”, declarou Gleisi.

* * *

Essa súcia petralha não tem um pingo sequer de senso de ridículo.

Podem acredittar: ela falou sério!!!

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!!

A melhor contribuição do PT para o Brasil seria desistir da ideia de contribuir para a reconstrução do que a quadrilha de Lula destruiu.

Só isto. 

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MAURÍCIO ASSUERO – RECIFE-PE

Excelentíssimo Editodos,

gostaria de que fosse divulgado nesta Gazeta Escrota que hoje, quinta feira, 10/Set, das 19h30 às 20h30., haverá mais uma reunião do JBF.

Uma sessão de fuxicos (ou será seção?), com o estimado colunista Goiano Horta falando sobre cultura popular.

Para participar basta clicar aqui e se divertir.

Abraços

R. Meu caro colunista Maurício Assuero, nunca é demais ressaltar que a plataforma onde se realiza a assembleia da turma fubânica, essa cujo link está na mensagem aí em cima, é uma criação sua.

Esta conquista nós devemos a você.

É como eu digo sempre: nessa gazeta escrota só tem gente talentosa e qualificada.

Pois nesta quinta-feira, a partir das 7 e meia da noite, estaremos reunidos para nos deleitarmos e muito aprendermos com a conferência do colunista Goiano Braga Horta, um intelectual que honra este jornaleco e que é doutor no assunto.

O debate estará aberto para todos os participantes, ao vivo e a cores.

Mais tarde a gente se encontra por lá!

JESSIER QUIRINO - DE CUMPADE PRA CUMPADE

DEU NO JORNAL

BEM NO MEIO DO ORIFÍCIO CORRUGADO

Na cerimônia desta quarta no STF, o presidente Jair Bolsonaro encarnou sua melhor versão “paz e amor”.

Pediu “que Deus ilumine” a todos.

Mas lembrou que chegou ao cargo pelo voto e eles, os ministros, por indicação política.

* * *

Ao lembrar que chegou ao Palácio do Planalto por conta de quase 58 milhões de votos do povão e que eles, os togados, chegaram ao STF por indicações políticas espúrias e pra lá de suspeitas, Bolsonaro me trouxe à lembrança o jumento Polodoro.

Fui acometido por aquele tipo de associação de pensamentos que só os doutores em altas ciências da cuca podem explicar. 

A fala do presidente me pareceu a estrovenga do nosso jumento sendo enfiada no furico de um urubu.

Vôte!!!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

AIRTON BELNUOVO – SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP

Boa noite amigo

Acho que este vídeo não foi publicado no JBF.

Se foi me desculpe pelo incomodo .

Abraços.

R. Não há incomoda de modo algum, meu caro.

Pelo contrário: aqui os leitores mandam e dão as ordens.

E vamos ao vídeo que você nos enviou:

DEU NO TWITTER

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

NOEL BRANDÃO – GOIÂNIA-GO

SOBRE O GAROTINHO ENGRAXATE, O RELOJOEIRO E O PROCURADOR

O salário do procurador do Ministério Público do Trabalho Leomar Daroncho, que aparece na reportagem, explicando por que o relojoeiro foi enquadrado, pode ser consultado no portal da transparência daquele órgão.

Basta clicar aqui.

Segue cópia do contracheque dele referente a julho/2020:

A pergunta que fica é: será que uma pessoa que ganha esse salário, R$ 38.986,31 (mais de 37 salários mínimos!) consegue ter a mínima compreensão da vida de privação do garotinho engraxate e de seu pai?

E só para lembrar: o dinheiro que paga o salário desse procurador, e de todos os outros do Ministério Público do Trabalho, vem do bolso de toda a sociedade, inclusive do bolso do pai do garotinho engraxate.

Esse dinheiro poderia ser usado para criar e manter escolas públicas que funcionassem em tempo integral.

Assim, o pequeno engraxate poderia sair das ruas.

Mas não foi essa a opção do Estado brasileiro.