CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CARLOS EDUARDO – OLINDA-PE

Sugiro inserir em nossa Gazeta ultra-escrota a entrevista com Catarina Rocha Monte numa emissora de rádio de SP.

Como artista, ela meteu a lenha nos artistas petistas que mamavam na Lei Rouanet.

Os comandantes do programa ficaram loucos, fazendo sinais para cortar a transmissão, mas alguém tinha filmado e postou.

Fudeu.

DEVERIAM TER COMBINADO COM A ENTREVISTADA

DEU NO TWITTER

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

SE EU MORRESSE AMANHÃ – Manuel Antônio Álvares de Azevedo

Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n’alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã…
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!

Álvares de Azevedo, São Paulo (1831-1852)

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ALTAMIR PINHEIRO – GARANHUNS-PE

BOLSONARO ESTÁ CONTAMINADO. ASSIM COMO ESTÁ CONTAMINADA SUA REPUTAÇÃO PELO MUNDO

Os adeptos ou frequentadores das redes sociais zombam à vontade do Bunda Suja Boca Porca Bolsonaro ao afirmarem que o “Mito” descendia de italianos, agora passou a descender de alemães: VON MITO… Depois que o inabalável e gentlemen Sérgio Moro foi expulso do Ministério da Justiça, o prestigio do maluco já não era lá essas coisas, imaginem agora com o Brasil atingindo a casa dos dois milhões de infectados e a caminho de 100 mil mortes, por pura incompetência de um troglodita que em um ano e meio está caminhando para o seu quarto ministro da saúde. O Brasil não tem mais imagem no exterior, apenas a caricatura de um país que é governado pelo pai e três filhos marginais sob a batuta do Gabinete do Ódio. O desgraçado já era taxado de exterminador do futuro quando tomou posse, mas se multiplicou com a pandemia e o genocídio do qual o Brasil foi acometido, um caos total!!!

Durante toda essa pandemia ocorreram dois episódios encenados por dois palhaços que, foram as únicas vezes que esses imprestáveis e inúteis abriram seus respectivos comedores de lavagem para afirmar o óbvio: O imundo do Gilmar Mendes abriu à bocarra e, dessa vez, suas palavras fizeram sentido, pois ele procurou PROTEGER os militares que vão pagar um preço muito alto quando à pandemia atingir a casa dos 100 mil óbitos. O peso fatalmente recairá sobre os ombros dos militares em razão das forças armadas se associarem ao desastre patrocinado pelo Capitão Cloroquina no combate ao coronavírus. Os inábeis Verdes Olivas que estão à frente do Ministério da Saúde e sua assombrosa incompetência generalizada que se transformou numa verdadeira caserna ministerial. O ministro bocão afirmou que o Exército está se ASSOCIANDO — e não promovendo — a um genocídio. Acertou na mosca!!! Acertou na veia!!! Acertou em cheio!!!

O outro palhaço que, pasmem, ainda está na presidência que falou a verdade verdadeiramente dita foi o Capitão Cloroquina, quando afirmou que o sulfato de hidroxicloroquina equivalente a cloroquina cura até facada de Adélio quanto mais uma gripezinha feita nas coxas como essa tal de COVID-19. Dessa vez ele lavou a bunda, pois acertou na mira!!! Todos nós sabemos que, a rigidez científica só é invocada quando ela dá suporte aos interesses de quem invoca; quando não, é descartada. Veja o caso da cloroquina: em nome da Ciência, os experts estão relutantes quanto ao seu uso. Dizem que não há estudos que comprovem sua eficácia. Dizem, ainda, que não se sabe bem sobre seus efeitos colaterais, apesar do remédio ser administrado, sem grandes complicações, há oito décadas. Como os tais cientistas não querem a cloroquina, são rígidos, dizendo que não há evidências científicas. Por trás de tudo isso estão os grandes laboratórios farmacêuticos no mundo inteiro e, dentre eles, quatro pertencem ao magnata da Microsoft, Bill Gate. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa: Cloroquina e confinamento não têm nada a ver com ciência, ora bolas!!!

O que será que o mundo pensa desses dois governantes siameses e abilolados: Donald Messias e Trump Bolsonaro, hein?!?!?! Tratando-se do Bunda Suja, essa trepeça desorientada foi eleita com base em uma mistura de meias-verdades e mentiras completas, apoiado em parte por picaretas & charlatães revoltados com a ladroagem do PT, das mentiras do Seboso de Caetés e da burrice da Vaca Terrorista da Dilma e com um discurso populista, o Boca Porca, hoje, colhe o que plantou no mundo: a repulsa e a desconfiança permanente. Com o descalabro na educação, no ambientalismo e a esculhambação na saúde, nos dias atuais, o vírus propagou essa percepção. Claro que o Bunda Suja e os marginais dos três filhos, juntos com o Queiroz não inventaram a mentira na política. Isso foi coisa do PT e do Lula. Mas parte da estratégia de líderes populistas é a criação de uma realidade paralela. Dizer e desdizer na mesma hora. Demitir e renomear, anunciar e cancelar. Acusar à Rede Globo ou a Folha de desinformar e criar seus próprios canais de disseminação de fake news e sempre está na defesa não se arriscando a ir para ofensiva, Sua tática predileta é manter a bunda encostada na parede. Queiramos ou não acreditar, o dublê de presidente está contaminado. Assim como está contaminada sua reputação pelo mundo. E, para isso, a cloroquina não será jamais a resposta, apesar de ser um xarope que dar sustança e cura até maleita!!!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

FRED MONTEIRO DA CRUZ – RECIFE-PE

Meu caro amigo Luiz Berto,

Papa de TODOS os recantos dessa bola de gude verde e azul que roda atrás do Sol num Universo sem fim (nem começo).

Estava aqui revisando meus mal-traçados cordéis (tem hífen nessa goa serena ?) arrumando essas fuleiragens pra publicar na Amazon Kindle, que é de graça e vai pelo mundo afora…

Se bem que pelo mundo afora ninguém sabe quem sou eu (nem eu mesmo, kkkk).

Mas achei por bem relembrar os tempos de minha coluna MASCATE DAS LEMBRANÇAS, nesse prestigioso diário internético, que continuo a ler, porque sou viciado em besteiragens gerais e obscenidades políticas (falar nisso, Goiano continua por aí besteirando né?) kkkkkkk

Pois então lá vai umas estrofes que escrevi, por conta de uma compilação que Vossa Santidade Primeiro e Único publicou certa vez, dando trocentos sinônimos de RAPARIGA, PUTA, MARAFONA, essas incansáveis trabalhadoras que não se cansam, mas não saem da cama, que é lugar quente e rendoso (lá pra elas, kkk)..

Um abraço a toda a fuleiragem que aí pontifica, do amigo de sempre, esperando que um dia nos encontremos na bela praia de Muro Alto, Ipojuca, adonde nos vimos pela última vez (e faz tempo !)

R. Grande Fred, meu estimado amigo e fubânico de primeira hora!

É um prazer enorme voltar a ter notícias suas depois de tanto tempo.

De fato, a última vez que nos vimos foi na praia de Muro Alto, aqui pertinho do Recife.

Quanto aos sinônimos de “puta” – que lá em Palmares é mais conhecida por “quenga” -, está tudo registrado no Novo Dicionário Aurélio, da Editora Nova Fronteira, que ocupa um lugar especial aqui na minha estante.

Neste rica enciclopédia, que estou sempre a futucar, as três palavras que encontrei com uma grande quantidade de sinônimos são Meretriz, Diabo e Cachaça.

Veja só os sinônimos de Meretriz:

Isso fora os que ainda não foram dicionarizados!!!

Bom, chega de conversa mole.

Vamos aos versos que você nos mandou e que me deixaram ancho que só a peste.

A Besta Fubana tá feliz que só a porra!!!

Abraços e um excelente domingo.

* * *

A BESTA TÁ SOLTA NO MUNDO E NÓS NELA!

Perguntaram ao Berto Filho
Que diabo era FUBANA
E ele de afogadilho
Deu resposta bem bacana
Pois FUBANA é tão somente
Uma forma bem corrente
De chamar a MARAFONA

Logo acrescentou o Berto
uma lista muito longa:
ANDORINHA, BAGAGEIRA,
SUTRÃO, TOLERADA e TRONGA
BAGAÇA, BAGA, BIRAIA
MICHELA, MOÇA, MIRAIA
só não rolou songa-monga

Tem nome pra RAPARIGA
essa MULHER DE MÁ FAMA
que é palavra engraçada
para quem ganha na cama
BISCAIA, BISCATE, BISCA
é feito peixe na isca
VAQUETA, VENTENA e DAMA

BRUACA, QUENGA e PUTA
ZONGÓ, ZOINA, ZABANEIRA,
E o que a gente mais escuta
É FREGA, FRETE e RAMEIRA
MULHER DA VIDA, MUNDANA
MADAMA, MARAFANTONA
CHINA, CLORI e CANTONEIRA

É muito palavreado
Pra dizer MULHER DA VIDA
MULHER DO MUNDO ou DO FADO
ÉGUA, FÊMEA, DECAÍDA
CADELA, CÓIA, FADISTA
E tome nome na lista
MULHER À TOA, PERDIDA

É FUSA, GANAPA e GANÇA
É BUCHO, CAÇÃO, CADELA
Esse povo não se cansa
Botando apelido nela
Profissão independente
Que a humanidade indecente
Provoca, mas gosta dela

É a MULHER DA COMÉDIA
que às vezes quase MENINA
DE PROGRAMA, faz sua média
CÓIA, CÓIRA, CATERINA
Mas por PÉCORA, COCOTE
Poeta perde seu mote
Vai rimar com a MESSALINA

JEREBA, CARCÁIO e BOI
Dessas nunca ouvi falar
MURIXABA ou MURUXABA
Também nem vou comentar
FINDINGA, PONTA DE RUA
FRECHE, RASCOA e PERUA
E a lista vai se acabar

Tem LÚMIA, LOBA E LOUREIRA
No mundo a fazer a vida
MULHER DE RÓTULA, estradeira
Roda a bolsa por comida
Sofrendo sua desdita
Vivendo feito Afrodita
Seu caminho só tem ida…

Mas essa FUBANA nossa
Tem sua própria textura
Uma gazeta com bossa
Rio claro de água pura
Descendo lá dos Palmares
até desaguar nos mares
Da nossa rica cultura.

COMENTÁRIOS SELECIONADOS

SERIEDADE E SAFADEZA: TUDO JUNTO E MISTURADO

Comentário sobre a postagem RÔMULO SIMÕES ANGÉLICA – SANTA MARIA DE BELÉM DO GRÃO PARÁ

Marcos André M. Cavalcanti:

O Besta Fubana é um desses raros achados no universo da net que, com inteligência e refinada elegância (e argúcia escrota) leva o sujeito a “matutar” sobre o mundo que gira em torno de suas orelhas.

Pecado imperdoável seria nominar aqui, os colunistas que professam diariamente verdadeiras lições de filosofia, politica, economia, educação, poesia, Direito(?), etc. tudo isso com proposital jocosidade e graça.

Uma mistura de seriedade e humor com safadeza.

Também preciso deixar bem claro que, embora a “bodega” seja bem dirigida e administrada pelo seu editor, não se deve tirar os méritos da assessoria de Chupicleide, do apoio sentimental de Polodoro, e da desafortunada cadela Xolinha.

* * *

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CARLOS DOMINGUES – CURITIBA-PR

Há mais de uma semana os hospitais do RS e de SC estavam sem analgésicos e sedativos, extremamente necessários quando se usa os respiradores.

Os estoques nos fornecedores foram a zero e quem ainda tinha colocou o preço nas alturas.

Então o General que está Ministro da Saúde entrou em negociação com o governo do Uruguai e resolveu rapidamente o problema.

Sexta-feira o 3° Batalhão de Suprimentos, de Nova Santa Rita/RS, mandou caminhões e alguns militares até o porto seco da cidade uruguaia de Rio Branco, separada da cidade brasileira de Jaguarão pelo rio do mesmo nome.

Lá, os militares conferiram 55 mil caixas de analgésicos e sedativos vendidos pelo governo uruguaio, colocaram tudo nos caminhões e iniciaram a viagem para o quartel.

Em seguida, com muita presteza, começaram a entregar as embalagens aos hospitais gaúchos e aos de SC.

É importante observar que a verba não foi entregue aos Governadores, que nenhum político participou do evento e que toda o operação foi e está sendo executada por militares, não existindo, portanto, desvio ou entrega de material a privilegiados políticos.

Acabo de assistir os noticiários locais da TV filiada à Rede Globo: nem uma palavra.

E é aí que devemos externar o nosso apoio e a nossa aprovação ao governo, divulgando estas atitudes, já que a mídia se omite.

É compreensível toda esta pressão contra o General que está Ministro da Saúde, pois nos governos anteriores foram desviados bilhões de reais deste ministério.

Veja o vídeo.

* * *

DEU NO TWITTER

JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

AS BRASILEIRAS: Auta de Souza

Auta de Souza nasceu em Macaíba, RN, em 12/9/1876. Poeta, professora e figura destacada na religião espírita. Integrante da segunda eração romântica, com alguma influência simbolista, foi considerada por Luís da Câmara Cascudo, a “maior poetisa mística do Brasil”. Seu nome encontra-se estampado em diversas instituições espíritas em todo o País. Sua vida constitui-se numa bela história de superação ocorrida no País.

Filha de Elói Castriciano de Souza e Henriqueta Leopoldina Rodrigues, ficou órfã aos 3 anos, com a morte da mãe e aos 4 do pai, vitimados por uma epidemia de tuberculose que assolava o País. Foi criada pela avó materna Silvina Maria Paula Rodrigues, numa chácara no Recife, Aos 11 anos ingressou no Colégio São Vicente de Paula, dirigido por freiras francesas, e tornou-se ledora compulsiva de Victor Hugo, Lamartine, Chateaubrind e Fenélon no original, além de muita literatura religiosa. Em 1890 retornou com sua avó para Macaíba.

Aos 14 anos foi também atingida pela epidemia de tuberculose e interrompeu os estudos no Colégio, mas prosseguiu estudando como autodidata. Participou da “União Pia das Filhas de Maria” e ministrou aulas de catecismo, ao mesmo tempo em que escrevia poemas religiosos. Na opinião do crítico Jackson Figueiredo, era uma das mais altas expressões da poesia católica nas letras femininas do Pais. Começou a publicar seus poemas aos 16 anos, quando passou a frequentar o “Club do Biscoito”, associação de amigos que promovia reuniões dançantes e saraus, recitando Casimiro de Abreu, Castro Alves, Gonçalves Dias e autores potiguares.

Em 1894 passou a colaborar com a revista “Oásis” e 2 anos depois já colaborava com “A República”, jornal de maior circulação e que lhe deu visibilidade na imprensa nacional, incluindo O Paiz, do Rio de Janeiro. No ano seguinte, passou a escrever assiduamente para A Tribuna, de Natal.. Entre 1899 e 1900, assinou seus poemas com os pseudônimos de Ida Salúcio e Hilário das Neves, prática comum naquela época. Colaborava também nos jornais “A Gazetinha”, de Recife, no jornal religioso “Oito de Setembro”, de Natal, e na “Revista do Rio Grande do Norte”.

Em 1895 conheceu o promotor público de Macaíba, João Leopoldo da Silva, de quem ficou enamorada durante um ano. Mas ele veio a falecer devido a tuberculose, que acompanhava seus passos desde a infância. Tal frustração amorosa, junto à orfandade e à religiosidade ficaram marcadas em sua obra poética. Seu único livro – Horto -, publicado em 1900, foi prefaciado por Olavo Bilac e foi republicado diversas vezes, inclusive em Paris. O livro foi bem recebido pela crítica e pelo público, cuja edição esgotou-se em 2 meses. A edição de 1936 foi prefaciada por Alceu de Amoroso Lima e boa parte dos (14) poemas foram musicados.

Faleceu em 7/2/1901, vitimada pela tuberculose, e foi sepultada no cemitério do Alecrim, em Natal.. Em 1904 seus restos mortais foram transferidos para o jazigo da família, na parede da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Macaíba. Em 1936, a Academia Norte-Riograndense de Letras dedicou-lhe a cadeira nº 20, em reconhecimento à sua obra. Em 12/9/2008, na comemoração de seu nascimento, foi laçado o documentário “Noite Auta, Céu Risonho”, dirigido por Ana Laurentina Ferreira Gomes, produzido pela TV Universitária em parceria com o Núcleo Câmara Cascudo de Estudos Norte-Riograndenses.

Em 1953, foi criada em São Paulo, por Nympho de Paulo Corrêa, a Campanha de Fraternidade, que mais tarde passou a se chamar “Campanha de Fraternidade Auta de Souza’, realizada em centenas de centros espíritas em todo o País e no exterior. O espiritismo tem cultivado sua obra composta de poemas póstumos. Chico Xavier psicografou o livro Auta de Souza, com sonetos atribuídos ao seu espírito, além de outros poemas publicados no livro Parnasso de além-túmulo (1932). Em 2016 foram musicados, por Carlinhos Santa Rosa, 11 sonetos de sua autoria, psicografados por Chico Xavier e gravados no CD “Presença do Amor”. Sua vida e obra foi escrita em algumas biografias, das quais destacam-se A vida breve de Auta de Souza (1961), de Luís da Càmara Cascudo; Auta de Souza (1991), de Diniz Ferreira da Cruz e Auta de Souza (1924), de Jackson de Figueiredo.

DEU NO TWITTER