DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

SÃO JOÃO VIRTUAL

Hoje sofro sem São João,
Sem fogueira, sem balão,
E o canto do meu amor.
Retirando seu chapéu,
Dizendo: Olha pro céu,
Repare quanto esplendor!

Chegou a praga, a desdita,
Chegou a peste maldita,
E acabou nossa ilusão
Fiquei sem meu arraial
Pois agora é virtual
Nossa festa e tradição.

Embora fique bem triste
Meu coração não resiste
E me pede pra cantar.
E eu entro na brincadeira
Acendo minha fogueira
E meu facho pra brincar.

Para seguir nova meta
Convido cada poeta
A fazer sua oração
Vamos rimar alegria
Fazer versos com poesia
Para festejar São João.

A PALAVRA DO EDITOR

DEU NO JORNAL

CURADOS NÃO TÊM VEZ NO NOTICIÁRIO

Sem destaque na mídia, o mundo passou de 4 milhões de curados do Covid19.

Além de serem mais da metade dos infectados, 98% dos ainda doentes têm infecções leves.

Notícia boa não dá audiência?

* * *

Notícia boa dá audiência sim.

Mas na grande mídia extremista e oposicionista de Banânia só sai notícia ruim.

Pra lascar o governo.

Os redatores dos jornais da Globo inventam coisas, multiplicam números e Bonner apresenta tudo no Jornal Nacional com um de riso e de satisfação.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

“Uma excelente notícia: de ontem pra hoje morreram mais trezentas mil e treze pessoas de coronovírus no Brasil”

GUILHERME FIUZA

ESCRAVIDÃO VOLUNTÁRIA

Ok, você quer acordar desse sonho macabro. Mas ainda não é agora. Primeiro você vai ter que sonhar que viu João Dória anunciando com um laboratório chinês a vacina para o coronavírus.

Isso um dia depois de ser convidado a explicar por que comprou câmeras frigoríficas para cadáveres que não poderão ser guardados nelas. Pesadelo é pesadelo. A vacina chinesa do governador de São Paulo terá a participação do Instituto Butantã – que seguiu a linha do Imperial College de Londres e soltou projeções arbitrárias sobre a epidemia. Tudo para que o governador pudesse dizer, na ponta de um lápis imaginário, quantas vidas estava salvando com a quarentena totalitária. Nem a OMS, nem cientista nenhum no mundo tem essa fórmula. Mas sonho ruim é assim mesmo, só serve para empapar o lençol de suor.

E não adianta virar para o outro lado, porque vai vir um especialista crispado, enchendo a tela da TV, te dizer que há novos casos de coronavírus no Brasil porque o lockdown precisa ser mais asfixiante. Você vai gritar – e ninguém vai ouvir, como em todo pesadelo – que esse especialista é um irresponsável. Que ele está afirmando algo que a ciência desconhece. Que a comparação entre o Reino Unido e a Suécia joga essa certeza no lixo. Que esses tarados da quarentena burra expurgaram de suas equações delirantes o fator de contágio doméstico, atestado pela própria OMS.

Tudo em vão. Por mais que você berre, a sua voz não sai. Ninguém te ouve. E volta o apresentador funesto à tela da TV para dizer que a culpa é do velhinho que foi à padaria. Aí você grita que isso é uma leviandade, que em Nova York o grupo dos que circularam apresentou muito menos infecção que o grupo dos confinados. Você se esgoela para dizer que, depois de deflagrada a pandemia, a ideia de que a humanidade ia ficar trancada em casa deixando o vírus do lado de fora era uma miragem. Uma miragem terrível.

Mas, e daí? Você queria um pesadelo com miragem bucólica?

Entre flashes difusos de Bruno Covas soldando as portas do comércio e recitando planilhas de urnas funerárias e sacos para cadáveres, surge um personagem que você não conhecia. Estamos tomando a liberdade de entrar no seu sonho para apresentá-lo: é Berbel, o Feiticeiro Multimídia, que está vendo o filme completo passando na sua cabeça e veio te ajudar a entendê-lo. Ouça as palavras de Berbel:

“Bastou um único comando – fique em casa – para o mundo inteiro parar ao mesmo tempo. E disseram que o vírus veio ajudar o ser humano a dar mais valor a si mesmo e ao semelhante que está ao seu lado. Mensagens lindas começaram a circular na internet sobre a oportunidade valiosa de aprender a viver com menos, de não precisar sair para trabalhar. Caberia aos governos finalmente exercer a bondade e prover o pão para os que não têm.”

Continue ouvindo Berbel, o Feiticeiro Multimídia:

“No confinamento proliferaram lições sobre os males do capitalismo e o despertar para uma nova realidade onde não pensaremos mais em dinheiro, só em vidas. Chega de mercado – cada um produz seu próprio sustento. A Terra estava mesmo precisando respirar, e agora os mares e rios estão limpos pela quarentena. Tudo natural, a não ser o chip que vão colocar em você para te vacinar. E através desse chip, uma autoridade mundial, tipo uma OMS turbinada, vai te monitorar para cuidar de você. Final feliz.”

Não entendeu o recado do Feiticeiro Berbel? Sem problemas, traduzimos para você. Ele te disse o seguinte: se o seu sonho não é se tornar um silvícola chipado… Acorda! Antes que seja tarde.

SEVERINO SOUTO - SE SOU SERTÃO

DEU NO TWITTER

JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

TEMPO DE GUARNICÊ

Santo Antônio “afogado” por quem procura marido

Ontem, 13 de junho, dia consagrado a Santo Antônio, foram oficialmente iniciados os festejos religiosos do mês, no Maranhão. Com simpatias, fogueiras, muitas brincadeiras tradicionais, podemos dizer que, “começou o São João”, embora o dia em que comemoramos em louvor ao santo, seja apenas no dia 24 de junho.

Nesta segunda semana do mês, também de forma oficial, foram iniciados os batizados dos bomba-bois, festa cultural do Estado, patrimônio imaterial do Brasil, de acordo com a Unesco.

Durante a segunda semana de junho, são divulgadas e conhecidas as novas “toadas” (músicas apresentadas) que vão conduzir a boiada em todos os terreiros onde se apresentam. Quem apresenta a “toada”, não é o “cantor”. É o “Cantador”. Mas, há também aqueles que cantam e, sem terem ligações com os “bois”, se transformam em cantores e cantadores ao mesmo tempo. É o caso de Papete.

José de Ribamar Viana, conhecido como Papete, nasceu em Bacabal, a 8 de novembro de 1947, e faleceu em São Paulo, a 26 de maio de 2016), foi um cantor, compositor e percussionista brasileiro.

Papete estudou no Colégio Marista Maranhense. Estudou também reportagem fotográfica em São Paulo. Trabalhou por sete anos em uma casa de música, o Jogral, onde deu início a sua trajetória musical. Trabalhou como produtor, pesquisador e arranjador na produtora Discos Marcus Pereira. Foi eleito um dos três melhores percussionistas do mundo quando participou do Festival de Jazz de Montreux na Suíça nos anos de 1982, 1984 e 1987.

Também acompanhou o músico italiano Angelo Branduardi na década de 80, se apresentou com o saxofonista japonês Sadao Watanabe, com Toquinho e Vinicius, e posteriormente com Toquinho, por treze anos fazendo com este mais de mil apresentações em mais de vinte países. Trabalhou com os maiores artistas da MPB, como Paulinho da Viola, Miucha, Rosinha de Valença, Paulinho Nogueira, Marília Medalha, Chico Buarque, Sá e Guarabira, Almir Sater, Rita Lee, Diana Pequeno, Renato Teixeira, Martinho da Vila, entre outros.

Compôs com Josias as canções e o libreto da ópera “Catirina”, marco da cultura maranhense nos anos 90. Um dos projetos que coordenou, originou a obra Os Senhores Cantadores, Amos e Poetas do Bumba Meu Boi do Maranhão lançado em novembro de 2015.

Catirina

Catirina que só quer
comer da língua do boi
carne seca na janela
quando alguém olha pra ela
pensa que lhe dão valor

Ai Catirina poupa esse boi,
Ai Catirina poupa esse boi.
Que quer crescer

Papete

Coisa bela pela plasticidade, e encantadora pela evolução dos movimentos, nesse período da magia que envolve a cultura popular maranhense, é o bumba-boi de orquestra (aqui, chamado de “sotaque” – o que caracteriza ritmo, sonoridade e percussão diferentes). E, um desses momentos mágicos e encantadores é apresentado pelo Boi Pirilampo.

Existindo há mais de três dezenas de anos, o Boi Pirilampo é o elemento mágico que se tornou conhecido a partir da beleza e da simplicidade da toada “Esqueça”, carro-chefe do grupo, onde quer que se apresente. Infelizmente, problemas de desentendimento entre o autor da toada e os comandantes (aqui chamados de “amos” – no caso, é o “amo”) levaram à uma decisão judicial que, hoje, proíbe a apresentação da toada. Mas, você pode ouvi-la logo abaixo.

Passistas do Boi Pirilampo

Esqueça – Composição de José Raimundo Gonçalves – Boi Pirilampo

Esqueça aqueles momentos, felizes que você me deu
Esqueça aquele juramento, que fizemos só você e eu
Esqueça a noite, a madrugada, e a lua que já se perdeu
Esqueça que você me amou
Esqueça esse amor que foi meu
Esqueça que já me deixou
Esqueça que não me esqueceu

Humberto – Cantador e Amo do Boi de Maracanã

Muitos neste Brasil já ouviram a maranhense Alcione apresentar essa toada (“Maranhão meu tesouro, meu torrão”) e isso contribuiu para que o bumba-boi da zona rural de São Luís ganhasse notoriedade e seja um dos mais festejados da Ilha. Infelizmente, o Cantador e amo do Boi de Maracanã, Humberto, faleceu há poucos anos atrás deixando uma lacuna aberta na vida da cultura popular maranhense.

Maranhão Meu Tesouro, Meu Torrão

Maranhão, meu tesouro, meu torrão
Fiz esta toada, pra ti Maranhão
Maranhão, meu tesouro, meu torrão
Eu fiz esta toada, pra ti Maranhão
Terra do babaçu
Que a natureza cultiva
Esta palmeira nativa
É que me dá inspiração

A pandemia instalada no Brasil por conta do Corona vírus diminuiu o ímpeto e limitou as apresentações juninas no Maranhão. Entretanto, como os batalhões diminuídos para atender as determinações das autoridades sanitárias, ainda assim, na noite de ontem aconteceram alguns batizados.

Ainda é dúvida na cidade, o que vai acontecer nos dois últimos dias seguidos do mês, com encerramento oficial dos festejos religiosos. No dia 29, consagrado à São Pedro e, no dia seguinte, 30, consagrado à São Marçal, dia em que acontece há mais de 50 anos, em São Luís, um encontro de bumba-bois de todos os sotaques.

DEU NO TWITTER

NO FUCINHO DO REITOR

A PALAVRA DO EDITOR

A ESCROTIDÃO VOLTOU AO NORMAL

Como vocês já sabem, esta gazeta escrota é mais arreganhada do que priquito de rapariga.

Publica de tudo e de todos.

Aqui são postadas opiniões de todas as tendências e que variam de um a outro extremo.

Uma zorra total.

Nossos colunistas têm ampla liberdade de opinião. E eu publico seus textos do jeito que eles mandam, sem cortes ou censura, mesmo quando não concordo com alguma coisa que eles dizem.

A coluna de hoje de Adônis Oliveira, que está logo aí embaixo, é um exemplo disso que estou dizendo.

Mas o que eu quero dizer agora é que não temos aqui a tal “moderação” de comentários.

É só o leitor digitar o seu pensamento, clicar e o comentário vai ao ar de imediato.

Todo mundo sabe disso. 

Mas, ontem, sábado, por uma sacanagem do sistema ou sabotagem de algum invejoso, vários comentários ficaram no aguardo da tal “moderação”.

Na condição de gerente do estabelecimento, eu tinha que ir à página de edição e liberar cada um dos comentários que estavam no aguardo.

Deu um trabalho danado e me tomou um tempo precioso.

De imediato pedi as providências de Bartolomeu, nosso competente hospedeiro, e tudo se resolveu em pouco tempo.

E voltamos ao normal: porteira escancarada pra todo tipo de bandalheira.

Peço desculpas aos viciados e desejo um excelente domingo pra toda a comunidade fubânica!

Fecho esta postagem com uma música.

Uma composição de Sandro Becker intitulada “Gosto não se discute

Uma música que dedico ao sabotador (se é que houve um…) que tentou sacanear a gente.

JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

OS BRASILEIROS: Adolfo Lutz

Adolfo Lutz nasceu no Rio de Janeiro, em 18/12/1855. Médico sanitarista, zoologista, cientista e pioneiro da medicina tropical e saúde pública brasileiras. Junto com Oswaldo Cruz, Vital Brasil, Emílio Ribas e Carlos Chagas, entre outros, estabeleceu as bases de combate às epidemias e doenças urbanas, bem como a criação de sólidas instituições de pesquisas na área da saúde.

Criado numa tradicional família de Berna, Suíça, seu avô –Friedrich Bernard Jacob Lutz- chefiou o serviço médico do exército da Confederação Helvética. Seus pais –Gustav Lutz e Mathilde Oberteuffer chegaram ao Rio de Janeiro em 1850, no auge de uma epidemia de febre amarela. Em 1855, a cidade, passou por outra epidemia, agora, de cólera. Tanto o pai, que trabalhava no comércio, como a mãe eram grandes empreendedores. Dona Mathilde abriu uma escola, que veio a se tornar o Colégio Suiço-Brasileiro, no bairro Botafogo. Na época, o Rio era conhecido como o “túmulo dos imigrantes”. Isto fez com que a família voltasse à Suíça 2 anos depois. Mas, em 1864, os pais retornaram ao Rio, devido aos negócios, e deixaram os 3 filhos maiores em Basiléia para concluir os estudos. Adolfo contava com 9 anos e desde cedo demonstrava certa precocidade e segurança ao afirmar, aos 6 anos, que queria dedicar-se ao estudo da Natureza. Aos 13 anos já era leitor habitual da bíblia da biologia moderna: A origem das espécies, de Charles Darwin. Graduou-se médico na Universidade de Berna, em 1879 e, no ano seguinte, aos 25 anos, doutorou-se com tese sobre Os Efeitos Terapêuticos do Quebracho. Em seguida, fez cursos de especialização em medicina experimental em Londres, Viena, Praga e Paris, onde foi aluno de Louis Pasteur.

Retornou ao Brasil, em 1881, e foi trabalhar em Limeira (SP), como clínico geral por 6 anos. Interessado na área de pesquisa médica, foi estudar na Alemanha, especializando-se em doenças infecciosas e medicina tropical. Trabalhou junto a Paul Gerson Unna, “papa” da Dermatologia, e publicou seu primeiro trabalho sobre o micróbio da lepra (1886) na conceituada revista (atual) “Dermatologische Wochenschrift”. Foi uma grande contribuição ao caráter não contagioso da doença, motivo pelo qual foi convidado para o cargo de diretor do Hospital Kahili, no Havaí. onde passou a estudar in loco a hanseníase. Aí conheceu Amy Marie Gertrude Fowler, enfermeira inglesa voluntária, destacada pelo destemor com que entrava em contato com os leprosos. Trabalharam duro para demonstrar que a lepra não era uma doença contagiosa. Ao enfrentarem o preconceito dos colegas, suas afinidades se ampliaram e vieram a casar em 11/4/1891. Após breve período na Califórnia (EUA), foi convidado pelo governador de São Paulo, em 1893, como diretor interino do Instituto de Bacteriologia, que mais tarde foi rebatizado com seu nome. O instituto foi criado para estudar e combater as epidemias, endemias e epizootias mais comuns no estado. Com uma pequena equipe, ele foi a alma, o cérebro e a força de trabalho do instituto. Com sua dedicação, foi efetivado no cargo de diretor em 1895, onde permaneceu por 15 anos.

Por essa época, a cidade de Santos sofreu uma grande epidemia de peste bubônica e ele foi para lá junto com outros dois jovens médicos: Emílio Ribas e Vital Brasil, de quem ficou amigo e deu-lhe suporte às pesquisas sobre antídotos para picadas de cobra. Suas pesquisas tornaram-no o primeiro cientista latino-americano a confirmar os mecanismos de transmissão da febre amarela pelo Aedes aegypti, o mosquito vetor dessa doença. Sua dedicação à saúde pública, levou-a pesquisar várias epidemias, como a cólera, peste bubônica, febre tifoide, malária, ancilostomíase, esquistossomose e leishmaniose. Além de pioneiro na área da Entomologia, pesquisou as propriedades terapêuticas das plantas brasileiras. Como zoologista, descreveu várias espécies de insetos e anfíbios. Nesta área, sua filha, a bióloga Bertha Lutz (1894-1976) tornou-se conhecida com a descoberta de 10 espécies de anfíbios e famosa como pioneira na luta pelo voto da mulher. Em 1899, ingressou como membro honorário na Academia Nacional de Medicina. Seu nome passou a ser uma referência nacional na área da bacteriologia, que adquiria papel fundamental na saúde pública, com os surtos de cólera, febre tifoide, disenterias, febre amarela etc.

Neste período publicou dezenas de artigos nas principais revistas do mundo e mantinha contato com diversos cientistas em âmbito internacional. No contato profissional com os brasileiros, seu estilo alemão encontrou algumas dificuldades. Certa vez reclamou que os principais obstáculos não residiam nas condições externas e sim no caráter do brasileiro: “A pontualidade, solidez e sinceridade científica lhe são estranhas, e ele se sente completamente satisfeito em manter as aparências. As antipatias e simpatias pessoais frequentemente tomam o lugar da lei e do direito. O protecionismo e nepotismo são quase um cancro que não se pode exterminar.” Aposentado em 1908, aos 53 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro e foi ajudar seu amigo Oswaldo Cruz a erguer o Instituto de Manguinhos. Aí encontrou espaço para se dedicar integralmente à sua vocação de cientista. Pode, enfim, retomar as pesquisas em zoologia e botânica que não puderam ser realizadas a contento enquanto esteve em São Paulo.

Era um homem mais afeito ao trabalho solitário de laboratório e não um líder ou chefe aglutinador e formador de talentos. Não apreciava a publicidade inerente à condição de homem público. Mesmo em São Paulo, sempre deixou à Emilio Ribas o encargo, e louros, das grandes ações públicas. Dizia-se que não era um timoneiro do porte de Oswaldo Cruz. Certamente a união dos dois foi determinante para o sucesso da empreitada em fazer da FioCruz uma instituição respeitada na ciência mundial. Após a morte de Oswaldo Cruz, em 1917, continuou em estreita ligação com o novo diretor -Carlos Chagas- dotando o instituto de uma excelência técnica até 6/10/1940, quando veio a falecer. Em menos de um mês foi inaugurado o Instituto Adolfo Lutz (29/10/1940), a partir de uma fusão do Instituto Bacteriológico com o Laboratório Bromatológico, localizado ao lado da Faculdade de Medicina da USP.

Trata-se de uma das mais renomadas instituições cientificas no mundo. Conta hoje com 11 laboratórios regionais no interior do Estado e foi credenciado pelo Ministério da Saúde como Laboratório Nacional em Saúde Pública e Laboratório de Referência Macroregional. É também o Centro Controlador da OPS-Organização Pan-Americana de Saúde, nas áreas de arbuvírus e vírus influenza. É reconhecido como o principal centro de controle de qualidade de alimentos, bebidas, águas, medicamentos, cosméticos, produtos de higiene etc. Quanto ao legado, toda sua obra (21 livros) foi compilada e organizada pelo historiador Jaime Benchimol e pela bióloga Magali Romero Sá, editada em 4 volumes pela FioCruz em 2004. O mesmo autor escreveu também extenso esboço biográfico, publicado na revista da FioCruz “História, Ciências, Saúde-Manguinhos”, em 2003. Para acessar basta clicar aqui.

Sua filha Bertha Lutz se empenhou na preservação de sua memória e legado ao ponto de projetar um Museu no Rio de Janeiro, com apoio de instituições internacionais, mas não foi concluído. Em 1955 foram realizadas as celebrações do centenário de seu nascimento, registradas no documento “Comissão do centenário de Adolfo Lutz. Adolfo Lutz: vida e obra do grande cientista brasileiro, publicado pelo Conselho Nacional de Pesquisas, em 1956. Seu sobrenome foi homenageado com a denominação científica de uma espécie de perereca (Aplastodiscus lutzorum) e de um mosquito (Anopheles lutzi).]