PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

AS POMBAS – Raimundo Correia

Vai-se a primeira pomba despertada…
Vai-se outra mais… mais outra… enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sanguínea e fresca a madrugada…

E à tarde, quando a rígida nortada
Sopra, aos pombais de novo elas, serenas,
Ruflando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada…

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais;

No azul da adolescência as asas soltam,
Fogem… Mas aos pombais as pombas voltam,
E eles aos corações não voltam mais…

Raimundo da Mota de Azevedo Correia, São Luís-MA (1859-1911)

DEU NO TWITTER

COLUNA DO BERNARDO

DEU NO JORNAL

O CANTO DO CISNE

Henrique Cordova

O Supremo Tribunal Federal, alheio às suas funções constitucionais, através do protagonismo individual de alguns de seus integrantes claramente marcado pela ideologia que os domina e com a qual homenageiam os que os indicaram para a suprema judicatura, está empurrando o Brasil para uma iminente disrupção institucional.

São decisões monocráticas temerárias, quando não provocativas e sem fundamentação jurídica sistêmica, destinadas a confrontar o Poder Executivo no uso de suas atribuições consagradas histórica e legalmente.

Só a resiliência de um Presidente com convicções democráticas arraigadas e seu espírito de tolerância, que contrastam com seu temperamento, permitem-lhe assimilar os golpes baixos oriundos da Suprema Corte, que visa defenestrá-lo da Presidência da República, e que já impõe aos brasileiros a mais odiosa das ditaduras a pretexto de, cinicamente, defender a democracia.

Como se não bastassem as decisões reprocháveis, perigosas e arrogantes do Ministro Alexandre de Morais, vemos o “decano” Celso de Melo, no apagar das luzes de sua judicatura, esmerar-se na produção das mais arcaicas formas de agressão ao Direito, ao País e à autoridade suprema do Brasil, escolhida em eleições limpas pelo povo brasileiro, que merece o respeito de todos, inclusive dos nomeados, muitas vezes sem méritos, pelos que ocuparam o mesmo cargo de Jair Bolsonaro.

Mas, Celso de Melo é conhecido, à saciedade, por quantos acompanham sua história menos lustral que sombria e credora de qualificações indignas de serem invocadas, em homenagem ao lusco-fusco de seu definitivo crepúsculo.

É lamentável que ele encerre, pelo decurso de seu tempo, melancolicamente, a carreira de magistrado, sob o som das trombetas de uma mídia pobre e podre, mais podre que pobre, mas que soa como música aos seus vaidosos ouvidos e faz com que seu pescoço se alongue, em forma de interrogação invertida, como se perguntasse ao passado por que tudo não foi diferente.

Pensa, o Ministro Celso de Melo, que suas últimas manifestações de exacerbado ódio ao Presidente da República o salvarão do chicote da História. Comovente engano.

Quem, como ele, rende homenagens à mídia oportunista e paga o preço da ilusão com o sacrifício dos fatos penará, no mundo da memória, como alma desvalida, infelizmente.

DEU NO TWITTER

COMENTÁRIOS SELECIONADOS

A VERDADE NUA, CRUA E VERMÊIA-ISTRELADA

Comentário sobre a postagem O ARROCHO TÁ SÓ AUMENTANDO

Gonzaga:

Prezado editor.

Sobre Fakes News, pediria a seu competente Departamento Arquivístico, gerenciado pela Chuplicleide, se possível recuperar um vídeo.

Aquele vídeo em que o Lularapio conta pra imprensa como ele estima o número de crianças de ruas no Brasil.

Uma pérola da verdade petista.

* * *

O leitor pediu apenas um vídeo.

Mas a generosa Chupicleide botou logo dois.

Dois vídeos sobre os quais o luleiro Ceguinho Teimoso sempre manteve prudente silêncio.

DEU NO JORNAL

REPUBLIQUETA FEDERATIVA DE BANÂNIA

A liminar do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, a pedido do Partido Socialista Brasileiro, proibindo operações policiais em favelas do Rio de Janeiro durante a pandemia, provocou indignação entre policiais que arriscam a vida enfrentando o crime organizado.

A impressão é que foi criado uma espécie de “protetorado do tráfico”, onde o poder público está impedido de fazer operações policiais contra bandidos por longo período.

O ministro da Justiça, André Mendonça, avaliou a decisão como preocupante. Segundo a assessoria, ele vai solicitar uma avaliação do impacto da decisão sobre a vida do cidadão e das políticas de segurança aos órgãos de segurança pública do Ministério e do Estado do Rio de Janeiro.

A pandemia pode durar meses no Brasil, talvez até 2022. A decisão de Fachin veda operações policiais nas favelas enquanto houver covid-19.

A doença impede a polícia de fazer seu trabalho, mas não os bandidos, que estão livres para atuar.

Não há precedentes na História.

Questionado, o PSB não contou a serviço de que ou de quem está sua inciativa.

Fachin também não explicou o prazo vago da sua liminar.

Esse “salvo-conduto” sem prazo para acabar, que proíbe a polícia de agir no morro, foi celebrada em bailes funk com vivas às gangues do tráfico.

* * *

Terça-feira e o dia amanheceu chuvoso aqui no Recife.

Não vou fazer comentários sobre esta notícia aí de cima.

Deixo essa tarefa a critério dos leitores.

Vou apenas fechar esta postagem repetindo um vídeo que já foi publicado nesta gazeta escrota anteontem.

Bom dia pra todos vocês.

DEU NO TWITTER

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

SANCHO PANÇA – SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP

Sancho peca pela pouca atividade cerebral, pela briga constante entre tico e teco dentro de seu cérebro pouco, MUITO POUCO afeito em produzir sinapses.

Mas (antíssimo mas), até uma anta como Sancho e Zilma conseguem fabricar interrogações. E uma delas, como o famoso gancho de um pirata famoso, me incomoda.

Por São Capitão Gancho (El capitán James Garfio ou Captain James Hook)) padroeiro do JBF, não consigo formular explicação lógica para o fato de nenhum veículo de comunicação que eu tenha acessado (jornal, rádio, revista, fofoqueira de cidade do interior, blog, site ou TV), conta a seu público alvo qual é o segredo da cura dos pacientes que conseguem escapar da morte nos hospitais, em todos os rincões deste nosso BRASIL VARONIL.

VEMOS aplausos e mais aplausos para equipes médicas e para os que vencem o terrível vilão, mas (incompreensível mas), nada encontramos sobre qual medicamento salvou tais almas do fogo do inferno, do purgatório (processo de purificação ) ou do encontro com os celestiais.

Alguém já viu algum repórter perguntar qual remédio foi utilizado na cura?

E para encerrar, clique no título abaixo e leia uma matéria interessante:

PENINHA - DICA MUSICAL