DEU NO JORNAL

O CANALHA AÉREO BOTAFOGO TÁ PUTO

As declarações agressivas contra o governo feitas nesta sexta (6), em São Paulo, pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, foram em reação ao decreto do presidente Jair Bolsonaro tornando mais rigorosos os critérios para utilização de aviões da FAB no transporte de autoridades.

Agora, as aeronaves só poderão ser usadas em viagens oficiais, jamais em deslocamentos pessoais.

O decreto atinge Rodrigo Maia em cheio.

Em 2019, ele fez mais viagens pela FAB que Bolsonaro: 250 no total.

Maia é o recordista absoluto no uso de jatos da FAB: desde julho de 2016, quando assumiu a presidência da Câmara, ele fez 769 viagens por conta dos pagadores de impostos, segundo informação da Força Aérea.

A 769ª viagem de Rodrigo Maia pela FAB foi para São Paulo, ontem, para participar de evento de caráter privado do instituto FHC, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também um crítico do atual governo.

* * *

Este cabra safado, que tem o codinome de “Botafogo” na lista de propinas da Odebrecht, só não é mais folgado por falta de espaço.

Faz uma parelha perfeita com Alcolumbre nas duas presidências do Poder Legislativo.

Ô país escroto que só a porra é esse nosso.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!!

Por conta dessa e outras é que dia 15 estaremos todos nas ruas.

Arroche mesmo, Bolsonaro!

Corte as mordomias todinhas que estes felas-de-puta desfrutam nas aeronaves da nossa Força Aérea.

Eu quero ver é esses canalhas cruzando com o povo no saguão de um aeroporto.

Seria uma cena inesquecível.

O jegue Polodoro tá doidinho pra fazer Botafogo voar nas asas da sua pica.

JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

CAÇA E CAÇADOR

De mim mesmo sou um caçador feroz
Virei caça acuada sob uma grande planta
Tento esconder-me, mas pouco adianta
Pois quando corri em minha fuga veloz
Cansei meus pés, caí, presa do meu eu atroz.
Há nos galhos da árvore olhos arregalados
Bicos sedentos, como eu caça também calados,
Das aves de rapina espreitando a minha vida
Sou fera atocaiada e pronta para ser abatida
Oxalá meu algoz perdoe todos os meus pecados!
Eu miro em meu próprio rosto de vincos suados
Diviso o meu desgosto, aguardo o momento
Sob a dor do medo, vivo o meu sofrimento
Vendo-me mirado, são olhos esbugalhados
Do meu eu caçador, de dias tão cansados
Que logo se acabarão, porque serei vencido
Sou uma presa fácil, sou bicho sem bramido
Empunhando a arma da minha desolação
Carregada com os projéteis da minha aflição
Esperando o romper da carne, coração ferido.
(O que será de mim por mim?)
Paro de respirar por um momento
Fecho o olho, vejo a mim mesmo suando.
Sob a árvore.
Debaixo das aves de rapina.
Vejo nos olhos da minha caça, que sou eu
Em meu olhar temeroso, de bicho acuado
Miro.
Minha vida em minhas mãos, sem brilho
Puxo o gatilho
Fui atingido no peito.
(A carne rasgou. Meu coração atingido)
Cresci!

Natal/Julho de 2012

COMENTÁRIO SELECIONADO

COITADO DO CORNO PETRALHA…

Comentário sobre a postagem NASCIDOS UM PARA O OUTRO

Paulo Terracota:

Puta que pariu, petista rouba até a mulher do correligionário.

Paulo Bernado, o chifre de ouro, sequer vai receber visita intima, quando for parar atras das grades.

PERCIVAL PUGGINA

ESTRANHA DEMOCRACIA SERIA A NOSSA!

Estranha democracia seria a nossa se não pudéssemos expressar opinião no leito vulgar das ruas e no underground das redes sociais. Desqualificada seria nossa democracia se ministros do STF, congressistas, jornalistas e veículos de comunicação fossem imunes à crítica, como pretendem. E note-se: cobram essa imunidade, sem conceder reciprocidade, enquanto criticam todos, especialmente a sociedade e o presidente da República.

A vitória de Bolsonaro aprofundou a cisão política entre os brasileiros. Gerou uma onda nacional e internacional de inconformidades e aplausos a que nem o papa ficou imune. Ainda que Bolsonaro fosse o príncipe perfeito, coisa que nunca foi, a onda se formaria. Valeriam contra ele (como escrevi outro dia) as razões expostas pelo lobo ao cordeiro, narradas por Esopo há 25 séculos. O fato quase milagroso de haver vencido a eleição presidencial nos dois turnos, sem dinheiro e sem tempo de TV, parece nada haver ensinado a olhos cegos e ouvidos surdos, sobre as razões dessa vitória.

Um dia será necessário fazer a necropsia da capacidade de análise que em 28 de outubro de 2018 morreu de morte súbita, sem flores nem amores. Houvesse sobrevivido, teria facilmente reconhecido o fato de que aquela data assinalou uma opção democrática do eleitorado por posição política em quase tudo divergente da que hegemonizara o país desde a Constituinte de 1988. Cinquenta e sete milhões de eleitores optaram por combate à impunidade e à criminalidade, por rigor da lei penal e pela celeridade dos processos penais, por educação sem partido, pela proteção da família e da inocência das crianças, pelo direito de defesa, contra a ditadura do politicamente correto e contra o socialismo que nos quebrou enquanto se instalava. Em consonância com a posição unânime da mídia, a maioria do eleitorado de 2018 quis expurgar de nossas práticas políticas a compra de votos para proporcionar ao governo apoio parlamentar.

Em vão! A maior parte do Congresso e do STF, ao longo de todo o ano de 2019, evidenciou querer outro presidente e outro programa. A “maioria de conveniência” do Supremo continuou em seu afã de amestrar a opinião pública. A maioria do Congresso emitiu todos os sinais de uma enferma nostalgia pelas anteriores práticas políticas, pelos cargos, pelas emendas, pelas oportunidades de negócio. Em sucessivos atos de vingança contra a Lava Jato, ampliaram de modo criativo e infatigável as notórias dificuldades da persecução penal. Legalmente inocente, imaculada como anjinhos de Rafael, a fina flor da corrupção corre mundo mentindo sobre o Brasil.

No dia 15 de março, as ruas expressarão seu repúdio a esse turismo despudorado, a essa ideologia que desejam impor sem voto. Maldiremos, também, a retórica espertalhona que tenta confundir o repúdio a certos membros das instituições com repúdio às próprias instituições. Paradoxalmente, querem que isso valha para si, mas não serve à instituição da presidência quando eles mesmos atacam o presidente. Dá-me a virtude da paciência, Senhor!

A prova dos nove do que aqui está dito seria juntada aos autos do processo histórico se o presidente repetisse as práticas anteriores e comprasse 300 unidades de voto parlamentar do blocão, ou do centrão. A bom preço, até os anjinhos de Rafael voltariam para a gaiola.

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

A BUNDA – Belmiro Braga

Quando ela passa todo mundo espia,
Não para a cara, que não é formosa,
Mas para a bunda, que é maravilhosa.
Em bunda, nunca vi tanta magia.

Requebra, sobe, treme e rodopia
Dentro de uma expressão maravilhosa.
Deve ser uma bunda cor-de-rosa,
Da cor do céu quando desponta o dia.

E ela sabe que sua bunda é boa.
Vai pela rua rebolando à toa,
Deixando a multidão maravilhada.

Eu a contemplo, num silêncio mudo.
Embora a cara não valesse nada,
Só aquela bunda me valia tudo.

DEU NO TWITTER

A PALAVRA DO EDITOR

MAIS UM ESCROTO NO TIME

Meu estimado amigo Bernardo Moraes, fubânico antigo, leitor dedicado e fiel, é o mais novo colaborador do JBF.

Ele é o responsável pela Coluna do Bernardo, que estreou no dia 1º deste mês de março.

Uma coluna que publicará apenas vídeos, sobretudo vídeos com temas políticos e temas de putaria. Que são a mesma coisa no final das contas.

Bernardo, o Rei de Maceió, o véio mais escroto e sacana daquela beirada de praia, vai ajudar a baixar mais ainda o nível deste jornal imundo.

Brigadão pela força, meu caro amigo!

Sua participação diminuiu a trabalheira de caçar vídeos aqui na redação desta gazeta escrota. 

A busca e a seleção de bons vídeos agora estão em boas mãos.

Chupicleide está feliz da vida.

Bernardo e sua filha Elcinha, uma dupla arretada de fubânicos, pai e filha que dão muito brilho a esta gazeta escrota

COLUNA DO BERNARDO

JESSIER QUIRINO - DE CUMPADE PRA CUMPADE

A PALAVRA DO EDITOR

DICAS PARA O FINAL DE SEMANA

Duas dicas da Editoria do JBF para este sábado:

A primeira é não deixar de ler a coluna do nosso estimado colaborador Goiano Braga Horta.

Texto excelente, didático e explicativo. Vocês irão aprender muitas coisas.

Está aí embaixo.

Repito: não deixem de ler.

A segunda dica é iniciar o final de semana ouvindo uma composição inspirada e romântica, na brilhante interpretação de Sara Sonaya.

Um grande abraço para todos os nossos queridos leitores!!!