VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

UM PRESENTE

Um presente é um mimo, um regalo, um carinho, um gesto de delicadeza, que se dá a alguém, espontaneamente. Normalmente, isso ocorre em datas de aniversário natalício. Demonstra, antes de tudo, um elo de consideração e afeto entre duas pessoas. O gesto, por si só, é o verdadeiro presente.

Há pessoas que não pensam assim, e tem a crônica mania de trocar por coisa diferente, qualquer presente que recebem. É como se quem as presenteou não tivesse bom gosto. Essas pessoas não valorizam a escolha de quem comprou o presente, e a primeira iniciativa é irem à loja onde o mesmo foi adquirido, para providenciar a troca e saber quanto custou. Se se tratar de peça de vestuário, não trocam nunca por número maior ou menor. Querem, tão-somente, um presente diferente daquele que lhes foi dado. E fazem questão de revelar a troca do presente, à pessoa de quem recebeu. É um modo estranho de ser.

Para mim, um presente recebido, antes de tudo, traz consigo o perfil e o gosto de quem o comprou. Não vejo nele o valor monetário, e o carinho que ele representa não tem preço. Não costumo trocar os presentes que recebo, nem tenho coragem de dizer à pessoa que me presenteou, o que já ouvi: “Se eu não gostar, eu troco por outra coisa.”

Considero isso, o cúmulo da indelicadeza. É a curiosidade mórbida, que compõe o caráter dessas pessoas, que as leva à loja, onde foi adquirido o presente, para saber seu preço. A segunda providência é trocar o presente por outro diferente, ou até por mais de um, quando o preço foi alto.

Essas pessoas, que sofrem da mania de trocar qualquer presente que recebem, só não devolvem a mercadoria na loja e pedem o dinheiro que o adquirente pagou, porque há uma regra no comércio, que diz: Mercadoria não se devolve; troca-se. Somente em caso de vício redibitório (defeito), o comprador poderá optar pela devolução da mercadoria e recebimento do dinheiro pago. Entretanto, esse direito é próprio do adquirente da mercadoria e não de quem a recebeu de presente.

O valor emocional de um presente não diz respeito ao preço, mas sim à afeição que liga a pessoa que deu o presente àquela que o recebeu. O gesto espontâneo de presentear não tem preço, nem comporta a expectativa de retribuição, ou contraprestação.

Há presentes que, para pessoas sensíveis, não tem preço. Um sorriso franco de uma pessoa querida, uma palavra de delicadeza, um abraço, um elogio, um telefonema falando de saudade, ou uma frase de amor, alegram mais a alma de quem está aniversariando, do que um objeto caro, comprado na mais rica loja.

O maior presente que se pode receber de alguém de quem se gosta é o carinho, o respeito e a consideração.

O ato de presentear, portanto, é um gesto espontâneo. Sinto saudade do tempo da delicadeza.

A franqueza rude sempre fere as pessoas sensíveis. Trocar um presente dado com carinho, só por trocar e ver quanto custou, não passa de um gesto indelicado.

Na minha infância distante, ouvi muito minhas tias Edite e Eulina dizerem:

“Esse presente é da Maroca. Não se dá, não se vende e não se troca.”

Traduzindo: “Foi Fulana quem me deu esse presente e eu não dou, não vendo e não troco.”

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

BARCOS DE PAPEL – Guilherme de Almeida

Quando a chuva cessava e um vento fino
Franzia a tarde tímida e lavada,
Eu saía a brincar, pela calçada,
Nos meus tempos felizes de menino

Fazia, de papel, toda uma armada;
E, estendendo o meu braço pequenino,
Eu soltava os barquinhos, sem destino,
Ao longo das sarjetas, na enxurrada…

Fiquei moço. E hoje sei, pensando neles,
Que não são barcos de ouro os meus ideais:
São feitos de papel, são como aqueles,

Perfeitamente, exatamente iguais…
– Que os meus barquinhos, lá se foram eles!
Foram-se embora e não voltaram mais!

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

A PALAVRA DO EDITOR

NA LATA DE LIXO

Depois de alguns comentários feitos aqui, gostaria de informar aos nossos leitores que o quarteto de canalhas citados na Enquete que está no ar vai todo pro lixo.

Os quatro felas-da-puta, um a um, serão devidamente ucranizados.

A nossa pergunta é apenas quem deve ir PRIMEIRO.

Só isso.

Quem ainda não votou, vá aí do lado direito e exerça sua cidadania fubânica, pois o Instituto Data Besta vai encerrar hoje a consulta.

Um excelente domingo pra todos vocês!!!

* * *

Cidadãos ucranianos colocando no lixo autoridade fela-da-puta, concretizando o sonho e a vontade dos cidadãos decentes do Brasil

DEU NO JORNAL

CABÔ-SE OS PATROCÍNIOS

A média de gastos anual da Petrobras com patrocínios na era Dilma foi de cerca de R$ 248 milhões.

Durante o governo Temer caiu para R$ 152 milhões.

E no primeiro ano de Bolsonaro, mais ainda: R$ 48,6 milhões.

* * *

Que pena…

Eu tava doidinho pra arranjar um patrocínio da Petrobras pra esta gazeta escrota.

Bastava um décimo de um milhão. Nada mais que isto.

Agora, com esse governo fascista comandando a nossa estatal, perdi totalmente a esperança.

Vamos continuar no miserê de sempre, sobrevivendo apenas com as generosas doações dos nossos leitores.

Eu acho que nem mesmo o influente leitor Ministro Boca-de-Buceta vai conseguir ajudar a gente…

DEU NO TWITTER

COMENTÁRIOS SELECIONADOS

CONVOCAÇÃO AOS LEITORES BAIANOS

Comentário sobre a postagem CARLOS MEDINA – CAMPINA GRANDE-PB

Álvaro Simoes:

Mestre Berto, sempre falei e escrevi que os piores eleitores do Brasil estão no Rio de Janeiro e na Bahia.

Agora o JBF publicou a lista dos lixos eleitos na terra dos cariocaxxx.

Peça para algum leitor fubânico da terra de Jorge Amado enviar a relação da escória eleita pela baianada.

Garanto que Vossência terá ânsias de vômito.

* * *

Uma criatura baiana, uma criatura carioca e o criador dos dois

DEU NO JORNAL

NAZISMO: O FILHO QUE A ESQUERDA NÃO ASSUME

Rodrigo Constantino

Em um duelo ideológico, não sai vencedor aquele que diz a verdade, mas o que tem a capacidade de convencer seu público de que seu argumento é o correto. Efetivamente, portanto, o poder de persuasão define o vencedor do embate. Com isso, as histórias passam a ser contadas de acordo com as narrativas que prevalecem nos embates ideológicos. Uma das narrativas mais mentirosas adotadas e disseminadas pela esquerda no mundo é a de que o nazismo foi um regime de “extrema direita”.”

No entanto, qualquer historiador ou intelectual não ideologizado pela narrativa socialista predominante que analisar os fatos históricos dentro de seu devido contexto e checar documentos chega facilmente à conclusão de que o nazismo era de esquerda. Sérgio Peixoto Silva (2015), por exemplo, definiu o partido como sendo de esquerda, considerando o programa nazista divulgado em 1920, com seus ideais e reivindicações.

Winston Churchill, em Memórias da Segunda Guerra Mundial – que lhe rendeu o Nobel de Literatura em 1953 -, escreveu que fascismo e nazismo são irmãos gêmeos, ambos filhos do comunismo. E aqui estamos falando de alguém que estudou cada átomo de Hitler e de seus capangas nazistas, como Joseph Goebbels (o facínora chefe da proganda nazista), Heinrich Himmler (líder da SS), Hermann Göring, comandante-chefe da Luftwaffe (a força aérea alemã – aquela que levou um laço da RAF, a Força Real Britânica na Batalha da Grã-Bretanha), Rudolf Hess, Martin Bormann, o puxa-saco secretário de Hitler e o açougueiro nazista Reinhard Heydrich – o grande arquiteto do Holocausto…

Além de autores e de figuras importantes, como Churchill, inúmeras características dão embasamento a qualquer pessoa séria para classificar o nazismo como um regime de esquerda. Evidentemente que, não posso deixar de mencionar, Hitler seguiu uma linha de socialismo com o incremento de suas ideias; mas a questão é o fundamento nazista – que era socialista. Esse é o âmago do raciocínio: a essência, a base, a fundamentação e os princípios do nazismo.

Antes de chegarmos nas características do nazismo, é importante esclarecer o que são direita e esquerda. Claro que tudo começa pela revolução da França e as posições no parlamento e na Assembléia, que deram origem aos termos. Todavia, com o passar do tempo, essa definição se tornou defasada e genérica. Para definirmos direita e esquerda, portanto, é necessário observar seus respectivos produtos. O principal produto da direita está em elementos como o livre mercado, o estado pequeno, a liberdade individual e o direito à propriedade privada – o que conhecermos por CAPITALISMO; a esquerda, por sua vez, tem como principal produto o estado grande e absoluto, que impõe controle sobre o mercado, sobre as liberdades e sobre as propriedades, ou seja, estatiza tudo e prioriza o coletivismo – o que conhecemos por SOCIALISMO.

Assim, grosso modo, para sintetizar, entende-se que direita equivale a capitalismo e esquerda equivale a socialismo. Lógico que há variantes, como liberalismo e conservadorismo na direita e progressismo e social-democracia (eufemismos para menchevismo) na esquerda; mas, na essência, funciona como explanei acima. Vamos em frente.

Continue lendo

DEU NO TWITTER