ALEXANDRE GARCIA

ANDERSON BRAGA HORTA - SONETO ANTIGO

À MODA ANTIGA

Eu lhe daria, à moda antiga, um beijo,
e, à moda antiga, ela enrubesceria.
Depois, tão longo o dia duraria
quão breve a noite para o meu desejo.

Serás a lira, amada (eu lhe diria,
todo imerso num sonho benfazejo);
serei o vento a desferir o arpejo.
Serei o sol… serás a cotovia.

Tu sorrindo em meus olhos, eu sorrindo
nos teus, e ambos ansiando, ambos fremindo
ao luar, sobre a relva, à moda antiga…

E a vida passaria tão de leve
que a continuaria a morte, em breve,
como uma doce e acolhedora amiga.

DEU NO TWITTER

MARCOS MAIRTON - CONTOS, CRÔNICAS E CORDÉIS

AMORES E SEMENTES

Lembro que, quando enviei ao Berto minha poesia “Amores e Sementes”, para postar no Jornal da Besta Fubana, percebi nela certa musicalidade.

Mas, na ocasião, não identifiquei para onde aquele ritmo levaria. Somente meses depois, senti nela um jeito de samba. Um samba suave, sossegado, que desse certo com a letra romântica. Precisava só de um refrão, pra dar mais liga…

Passaram-se mais umas semanas até que o refrão começasse a tocar, dentro da minha cabeça. Um dia tocou! Tocou e eu gostei.

Levei para mostrar ao Mariano Júnior, do Hertz Studios, em Brasília. Ele também gostou, e bolou de imediato um arranjo.

Ficou assim:

AMORES E SEMENTES

Amores mal resolvidos
Nunca morrem totalmente,
Ficam só adormecidos
Dentro da alma da gente.

E o seu sono até parece
Com o sono da semente,
Que, guardada, permanece
Em seu estado latente,

Mas basta lançar na terra
E regar suavemente
Que a longa noite se encerra
E ela acorda novamente.

REFRÃO

E, hoje, te ver
Foi como semear
Pra o nosso amor renascer
Como a semente a acordar.

CHARGE DO SPONHOLZ

DEU NO JORNAL

COMENTÁRIO SELECIONADO

BOSTIFERAÇÃO DOS DESCEREBRADOS

Comentário sobre a postagem PAPARICOS DOS IDIOTAS

José Silva:

O episódio da derrubada do avião no Irã causou duas tragédias: a morte de passageiros e tripulantes, acarretando dores a parentes, familiares e amigos, e a bostiferação da esquerda descerebrada (pleonasmo), tentando defender o Irã nos primeiros momentos e acusando os Estados Unidos pela “queda”.

A tragédia só não foi maior devido ao recesso do parlamento brasileiro.

Imagine só as vozes dos parlamentares do PT e de seus puxadinhos, logo nos primeiros momentos, vociferando a plenos pulmões a culpa do Trump.

Este pacífico jornal dará uma relevante contribuição convocando seus abnegados adeptos a contribuírem com matérias jornalísticas que foram divulgadas logo após a “queda”, tentando justificar o injustificável.

É preciso desmascarar esse tipo de comportamento divulgando o mau caratismo de militantes e supostos “especialistas”, que não deram as caras após o Irã admitir num lacônico comunicado:

Derrubei, mesmo. E daí?

Numa pequena contribuição, aí vão alguns endereços para indignação da banda decente desse jornal. (Clique para ler)

Jornal de Todos os Brasis

Sputinik

Último Segundo

UOL

* * *

DEU NO TWITTER

NEWTON SILVA - CALAMUS SCRIBAE

OS ZÓI AZUL

Mané Cabôco era preto nagô, neto de quilombolas do Cinzento da Bahia. Homem íntegro, muito trabalhador e temente a Deus. Era casado com a angolana Isidora, mulher muito bonita, faceira, dos olhos de mel, cheia dos balangandãs. Ela vivia sempre na igreja da matriz, ajudando no que fosse preciso. Muito devota de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, só não virou freira mesmo porque se abufelou com o Mané Cabôco numa dessas festas da Padroeira, atrás da igreja. E deu no que deu.

Qualquer um diria que era um casal feliz, até o dia em que nasceu o filho deles.

Quando Mané Cabôco soube que a mulher tinha parido, tava no roçado trinchando a terra para o plantio. Vieram avisar que ela tava com dor de menino, quase já nos finalmentes. Ele soltou as coisas e desatou a correr pra chegar a tempo de ver o filho nascer, pois era bom o marido estar presente nessas horas de dor da esposa.

Chegando a casa, viu um monte de gente estancada na entrada. Quando viram Mané Cabôco chegar esbaforido, seguraram ele antes de entrar. Mas não deixaram ele entrar de jeito maneira! Ele esperneou, quis brigar, mas os amigos levaram ele pra detrás da casa. E o pobre ainda sem entender nada. A todo custo queria ver o filho que acabara de nascer e precisava estar com a mulher naquela hora.

– Antes de mais nada, Mané, fique tronquilo e num se meta a besta, não.

– O que foi que houve, pessoal? O menino nasceu morto? A minha Isidora morreu no parto? – perguntou ele tentando entrar na casa.

– Nada disso, homem! Deus nos livre! Bota essa boca pra lá! – falou um dos amigos mais chegados dele. – Vá conhecer o seu filho, mas num se meta a besta não!

Mané Cabôco emburacou porta a dentro, doido pra ver o recém-nascido, o primeiro de uma penca de filhos, conforme tinha prometido pra Isidora. Quando chegou no quarto, percebeu que a mulher estava com o bruguelo todo enrolado, como se fosse um casulo de borboleta. A parteira fez menção de empurrá-lo pra fora do quarto. Ele que já tava meio desconfiando de que alguma coisa estava errada, tomou a criança das mãos da mulher que desatava no choro.

Muito nervoso, o homem jogou o pacote em cima da cama e o desembrulhou, puxando o cobertor pelas pontas, fazendo a criança rolar por sobre o colchão. Mané Cabôco deu um pulo pra trás, caindo em cima de um tamborete, ainda segurando o cobertor. Aprumou a vista e abriu a janela do quarto, deixando entrar a claridade da manhã. Em cima da cama, o bebê soltou um chorinho e se aquietou. Mané Cabôco se aproximou, pegou a pequena criaturinha com uma das mãos, trazendo-a mais para a luz. Olhou para a esposa encolhida a um canto do quarto.

– Ele é branco, Isidora. O diacho do pestinha num puxou a nós, não. É branco! – pegou a mulher pelo braço delicadamente, como se quisesse que ela também visse o que estava vendo.

– E tem os zói azul! O azul mais bonito como eu nunca tinha visto! Até parece o céu! – declarou ele, felicíssimo, abraçando forte a esposa que atônita, desfazia-se em choro, inconsolável.

CHARGE DO SPONHOLZ