DEU NO TWITTER

MARCOS ANDRÉ - DADO & TRAÇADO

A TRANSFORMAÇÃO DO MUNDO TRANS

O nosso editor, sempre alerta os aficionados leitores sobre a praga rogada por ele e o que pode ocorrer quando uma sexta-feira, inadvertidamente, cai no dia 13.

Elegantemente, ele sempre invoca e convida o ameaçador Moleque Bimba-de-Alavanca, que está sempre de prontidão, para, digamos, “sodomizar” os “muderninhos do puliticamente correto, os babacas, os idiotas, os TRANSbaitolados, os lesos, os tabacudos e os militantes zisquerdóides”. Não alivia nem um pouco pra essa turma.

Para alivio geral dessa turma (ou não), 2020 só terá 2 sextas-feiras 13 – março e novembro – para que seja invocado o referido Moleque e sua Alavanca.

NOTÍCIA DO REINO UNIDO

“Homem trans dá à luz bebê de parceirx não-binário com doadora de esperma”, esta foi a chamada do jornal Inglês DAILY MIRROR, neste último sábado (28). A estruturação do título da manchete, é um “tanto” excêntrica e, necessitaria de um “curso relâmpago” com a turma da geração “Folha de São Paulo”, para poder compreender a formação da mais mUderna família do Reino Unido.

E justamente agora, por ele adentrar (ôpa) nesse mundo TRANS, além da notícia acima citada, hoje me enviaram algumas definições marotas (gaiatas) sobre o muderno mundo TRANS que assola nossa sociedade neste início de século.

Levando-se em conta de que “o Brasil tem o povo mais legal (bem humorado) do mundo”, segundo a CNN, tirem suas próprias conclusões:

Num bom pernambucanês: “É pra Xolinha chorar até umas horas”

A PALAVRA DO EDITOR

UMA VISITA QUE VEIO DOS ZISTADOS ZUNIDOS

Mês passado recebi aqui em casa a visita de Gray Fielding Kidd, um estudioso norte-americano que está se doutorando em História da América Latina pela Universidade de Duke,  na Carolina do Norte.

Ele é Mestre e Bacharel em História Global.

Veio acompanhado do meu conterrâneo, meu amigo-irmão Walter Portela, que trabalha na Editora Bagaço, daqui de Pernambuco, e é o maior divulgador da minha modesta obra. 

Foram pra mais de duas horas de conversa no terraço aqui de casa. Uma prosa boa que só a peste.

Ele sempre fazendo perguntas e anotando tudo num caderno que trazia na mão.

Segundo Walter me contou depois, na hora em que ficou sozinho com meu amigo o americano resumiu tudo: “Esse Luiz Berto é um grande louco!”.

Fiquei satisfeito e muito honrado com o certeiro diagnóstico.

O PhD americano Gray Fielding Kidd e este Editor inxirido

O português que ele fala é pra lá de bom, fluente que só a porra, melhor que o português de muitos cabras importantes que eu conheço.

Apaixonado pelo Nordeste e por sua cultura, o americano me disse que o cantor predileto dele é Luiz Gonzaga, cuja obra conhece toda.

Declarou também sua paixão pelo Teatro de Mamulengo e por todas as manifestações do folclore daqui desse nosso recanto de mundo.

Um cabra arretado!

Antes de vir aqui em casa, Gray já havia passado em Palmares, conhecido toda a cidade e foi lá que tomou conhecimento da existência do meu livro O Romance da Besta Fubana.

Foi lá em Palmares que disseram pra ele que o meu livro era enquadrado, por quem entende do assunto (o que não é o meu caso…), na linha do Realismo Fantástico, tema pelo qual o Gray Fielding é apaixonado.

E por isso ele fez questão de me conhecer e comigo conversar.

Dei-lhe com muito gosto um exemplar da Besta autografado.

A notícia que recebi ontem, é que lá nos Zistados Zunidos, para onde voltou logo depois do nosso encontro, ele tá agarrado no livro e deve terminar a leitura neste final de semana.

Espero que ele goste das besteiras que escrivinhei.

E, pra terminar, sugiro a vocês que deem uma olhada na folha do corrida desse americano arrretado, meu mais novo amigo, um sujeito porreta.

É só clicar aqui 

DEU NO JORNAL

PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

GRANDES MESTRES DO REPENTE E UM FOLHETO DE CANCÃO

Lenelson Piancó

Quando a chuva passava aparecia
Muita água descendo o tabuleiro
E um açude na curva do terreiro
Com uma quenga de coco eu construía
Como eu nunca entendi de engenharia
Meu diploma foi só de agricultor
O açude não tinha sangrador
Toda vez que enchia, ele arrombava
No passado era assim que se criava
Um menino feliz e sonhador!

* * *

Cicinho Gomes

Eu admiro o canção
Na cabeça de uma estaca;
Olha pra baixo e pra cima
Acuando a jararaca
Como quem diz : “Ó meu Deus!
Ah se eu tivesse uma faca!”

Eu admiro demais
É uma gata parir,
Pegar o filho na boca,
Levar pra onde quer ir.
Nem fere o filho no dente,
Nem deixa o gato cair.

* * *

Bráulio Bessa

Sou o gibão do vaqueiro,
Sou cuscuz sou rapadura
Sou vida difícil e dura
Sou nordeste brasileiro
Sou cantador violeiro,
Sou alegria ao chover
Sou doutor sem saber ler,
Sou rico sem ser grã-fino
Quanto mais sou nordestino,
Mais tenho orgulho de ser.

Da minha cabeça chata,
Do meu sotaque arrastado
Do nosso solo rachado,
Dessa gente maltratada
Quase sempre injustiçada,
Acostumada a sofrer
Mais mesmo nesse padecer
Eu sou feliz desde menino
Quanto mais sou nordestino,
Mais orgulho tenho de ser.

Terra de cultura viva,
Chico Anísio, Gonzagão
De Renato Aragão
Ariano e Patativa.
Gente boa, criativa
Isso só me dá prazer
E hoje eu quero dizer
Muito obrigado ao destino,
Quanto mais sou nordestino
Mais tenho orgulho de ser.

* * *

Zé Saldanha

Sou poeta sertanejo,
Sei o caminho onde passo
Tem muito poeta grande
Que nunca fez o que faço
Nem sabe tudo que sei
Nem traça o traço que traço.

Baralho tem 4 ases,
Quatro Duques, 4 Três,
Quatro 4, quatro 5,
Quatro 8, quatro 6,
Quatro 9, quatro 7,
Quatro 10, quatro valetes,
Quatro Damas, quatro Reis.

* * *

Generino Batista

Nós somos dois caborés
cantando aqui neste escuro
é um em cima de um toco
o outro em cima de um muro
e quem tá de fora dizendo:
– Ô caborés sem futuro!.

Eu moro num pé de serra
que não sabe ler ninguém
o meu pai chama “promode”
minha mãe chama “quiném”
e o filho de um casal deste
que português é que tem?

* * *

Manoel Dodô

Na profissão de carreiro,
eu faço tudo e não deixo,
compro sebo ensebo o eixo,
a canga e o tamoeiro,
sete palmos de fueiro
medidos na minha mão,
uma vara de ferrão,
dois canzis de mororó:
carro de boi e forró
faz eu gostar do sertão.

* * *

UM FOLHETO DE JOÃO BATISTA DE SIQUEIRA, O CANCÃO

A CASA DO ÉBRIO

Era um casebre tristonho
De cujas paredes tortas
Vinha um rangido enfadonho
Dos gonzos de duas portas
As telhas já nodoadas
Duas roletas deitadas
Numa camarinha escura
O vento, quando passava
Parecia que falava
Nas frinchas das fechaduras.

Na parede do nascente
Um banco desmantelado
Um garrafão de aguardente
Que ainda havia sobrado
Junto ao quarto de dormida
Cera que foi derretida
Do resto de algumas velas
No chão, marcas de escarros
Cacos de vidros, cigarros
Rolavam por cima delas.

Uma rede remendada,
Outra parte descosida
Em um torno pendurada
Pela fumaça tingida
De um lado havia um cambito
Onde um couro de um cabrito
Sobre um arame pendia
Mais adiante, um jirau
Junto à travessa de um pau
Onde um morcego vivia.

Uma corda, uma rodilha
Bem acima de um caixão
Um pote, numa forquilha
Vazava junto ao fogão
Um gato cego e doente
Deitado sobre um batente
Por certo sentia sono
De fora, um jumento olhava
O seu olhar revelava
A malvadez do seu dono.

Uma vara de ferrão
A banda de uma tigela
Meio quilo de sabão
Embrulhado dentro dela
A banda de um cobertor
Atada em um armador
Onde havia um candeeiro
Uma camisa de saco
Mostrava por um buraco
A tampa dum tabaqueiro.

Continue lendo

DEU NO TWITTER

CHARGE DO SPONHOLZ

DEU NO TWITTER

CADÊ OS HORRORIZADOS COM OS INCÊNDIOS DA AUSTRÁLIA???

Cavalo tenta fugir das chamas próximas a cidade de Nowra, no Estado de Nova Gales do Sul

* * *

A culpa dessa coisa horrorosa é de Scott Bolsonaro Morrison, primeiro ministro daquele país continental que é a Australia.

Fascista incendiário, o Nero de lá quer ganhar do Nero daqui, que botou fogo na Amazônia.

Fogo nacional que provocou chiadeira no mundo inteiro, ao contrário do fogo australiano.

ALEXANDRE GARCIA

DEU NO TWITTER

LA MUJER AGREDIDA POR EL PAPA