DEU NO JORNAL

CHARGE DO SPONHOLZ

MARCELO BERTOLUCI - DANDO PITACOS

O GOVERNO QUER, A JUSTIÇA PROÍBE

Li muita gritaria na internet por conta de uma decisão da justiça proibindo a prefeitura do Rio de Janeiro de bancar um show de uma cantora gospel no final do ano. Meu pitaco à respeito é de que concordo com a decisão, por três motivos que explicarei em ordem de importância:

1 – Tá certo que todo mundo gosta de acreditar que governo é algo que dá coisas de graça para nós. Mas governo pagar show já é um pouco demais. Para mim, governos deviam se contentar em cuidar de infra-estrutura e segurança pública, que já seria muito. (sei que muitos fingem que o governo dá saúde e educação de graça, mas isso é assunto para outro dia)

2 – Se de forma genérica já é absurdo um governo usar nossos impostos para pagar festa para alguns, imagine um governo quebrado como a prefeitura do Rio, que na semana passada avisou que estava suspendendo os pagamentos dos funcionários por falta de dinheiro. É como um sujeito que esta sendo despejado por não pagar o aluguel convidar os vizinhos para um churrasco.

3 – Por último, tem o conceito do Estado Laico. Governos não podem e não devem se misturar com religiões. A humanidade penou por séculos até aprender isso. Governo e Religião seguem princípios e conceitos diferentes. Juntar os dois acaba em guerra ou em ditadura (e muitas vezes os dois juntos). E antes que digam que “na democracia é a maioria que manda”: não, na democracia a maioria não pode se beneficiar às custas da minoria, ou conceder-se regalias que as minorias não têm. Numa democracia, a maioria elege os governantes, mas se estes governantes privilegiam uma parte da sociedade às custas de outra, isso não é democracia, é ditadura disfarçada. Leis devem valer para todos.

Este conceito é bastante falado, mas nem sempre lembrado na prática, porque nossa sociedade costuma confundir o conceito de “certo e errado” com “se é bom para mim, danem-se os outros”. Por exemplo: esta semana a justiça também suspendeu a decisão do presidente de acabar com o DPVAT (o seguro obrigatório dos veículos). Não duvido nada que muita gente que reclamou no caso do show, acusando a justiça de “intrometer-se no governo”, elogiou quando a justiça fez exatamente o mesmo no caso do DPVAT.

PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

DUAS DUPLAS EM CANTORIA E UM FOLHETO DE PELEJA

Valdir Telles e João Paraibano glosando o mote

Minha alma matuta foi gerada,
nas entranhas do ventre do sertão

* * * 

Moacir Laurentino e Sebastião da Silva cantando em sextilhas:

* * *

PELEJA DE BERNARDO NOGUEIRA COM O PRETO LIMÃO – João Martins de Athayde

Em Natal já teve um negro
Chamado Preto Limão
Representador de talento
Poeta de profissão
Em toda parte cantava
Chamando o povo atenção

Esse tal Preto Limão
Era um negro inteligente
Em toda parte que chega
Já dizia abertamente
Que nunca achou cantador
Que lhe desse no repente

Nogueira sabendo disto
Prestava pouca atenção
Dizendo: – eu nunca pensei
Brigar com Preto Limão
Sendo assim da raça dele
Eu não deixo nem pagão

O encontro destes homens
Causou admiração
Que abalou o povo em roda
Daquela povoação
Pra ver Bernardo Nogueira
Brigar com Preto Limão

Eu sou Bernardo Nogueira
Santificado batismo
Força de água corrente
Do tempo do Sacratíssimo
Quando eu queimo as alpercatas
Pareço um magnetismo

Me chamam Preto Limão
Sou turuna no reconco
Quebro jucá pelo meio
Baraúna pelo tronco
Cantador como Nogueira
Tudo obedece meu ronco

Seu ronco não obedeço
Você pra mim não falou
Até o diabo tem pena
Das lapadas qu’eu lhe dou
Depois não saia dizendo:
– Santo Antônio me enganou!

Bernardo eu não me enganei
Agora é que eu pinto a manta
Cantor pra cantar comigo
Teme, gagueja, se espanta
Dou murro em braúna velha
Que o entrecasco alevanta!

Continue lendo

J.R.GUZZO

POR QUE A ALEMANHA DÁ AS COSTAS AO CAPITALISMO

O que está acontecendo com a Alemanha? Ninguém no Brasil, e numa porção de outros lugares, costuma se preocupar com a Alemanha. Por que, na verdade, alguém deveria se preocupar? A Alemanha é um dos países mais ordeiros do mundo. Os serviços públicos são de primeira categoria, levando-se em conta que estamos aqui diante de um país de verdade, com mais de 80 milhões de habitantes.

Sua indústria, apesar dos invencíveis avanços da tecnologia de vanguarda dos Estados Unidos e da concorrência maciça da China, continua sendo um espetáculo de classe mundial, com marcas-campeãs e uma reputação de qualidade que permanecem intactas há 100 anos, ou mais. A criminalidade está entre as mais baixas da Europa, a infraestrutura é uma das melhores do mundo e a eficiência da máquina de produção tem poucos rivais. As suas universidades são um modelo e o povo é altamente educado. Ainda assim, a Alemanha tornou-se hoje um dos lugares mentalmente mais tumultuados do mundo na discussão das suas opções políticas, econômicas e sociais para o futuro.

O centro da questão, mais do que tudo, está na hostilidade inédita, crescente e, para resumir as coisas, cada vez mais incompreensível, contra a liberdade econômica, contra a atividade produtiva em geral e, no fim das contas, contra o capitalismo. É como se a maior parte do mundo político, o aparelho do Estado e as “classes intelectuais” da Alemanha estivessem achando mais ou menos o seguinte: o país que nós temos, esse mesmo que foi descrito no primeiro parágrafo deste artigo, é um fracasso e tem de ser radicalmente mudado. Soa estranho. A Alemanha, vista da posição ocupada hoje pela maioria dos países, é exatamente o contrário – é um sucesso. Mas não. O esforço do governo, dos partidos de esquerda e de boa parte da sociedade é tentar construir uma Alemanha oposta à que teve o êxito espetacular dos últimos 60 anos.

Parece absurdo que lideranças-chave da sociedade alemã, a começar pelo condomínio que manda do governo e que controla cada vez mais a mídia no país, estejam envolvidos numa ofensiva contra o capitalismo – numa nação que é, justamente, a terceira maior economia capitalista do planeta, atrás apenas de Estados Unidos e Japão (a China joga em outra liga). Parece mesmo, mas é o que está acontecendo na prática. Em nenhum ponto o atual governo e sua base de apoio político-social agem de maneira tão agressiva quanto nas decisões sobre o meio ambiente. É, ao que parece, sua principal arma de combate à Alemanha como a conhecemos.

Ninguém criticou com tanto vigor a recente – e fracassada – “conferência do clima” de Madrid do que os peixes graúdos na política alemã. Acharam, todos eles, que a “conferência” deveria ter feito muito mais do que fez. “Os Estados Unidos têm de agir mais rápido”, disse o ministro do Desenvolvimento da Alemanha, Gerd Müller, que exige mais dinheiro americano num fundo de “100 bilhões de dólares” para salvar a natureza. “É uma vergonha”, afirmou a líder do partido A Esquerda, Katja Kipping. “Foi uma oportunidade perdida”, reforçou a líder do Partido Verde, Lisa Badum.

O resumo mais preciso do que está hoje na cabeça dessa gente toda foi dado por uma outra líder política de peso na esquerda alemã, Amira Mohamed Ali. “É assustador que os ricos e poderosos continuem lucrando sem serem perturbados por um sistema econômico prejudicial ao clima”, disse ela. “Acham que o lucro importa mais que um planeta intacto”.

É isso, em suma. Para salvar a Terra da destruição, é preciso bater no lucro – e, necessariamente, na liberdade econômica, no direito de empreender, na iniciativa privada, na propriedade e no sistema capitalista em geral. Em busca dessa meta, já foi anunciado um aumento de 75 centavos de euro, ou cerca de R$ 3,30, para o litro do diesel em 2020. Para piorar, o uso do diesel, que ainda assim é mais barato que a gasolina, vai ser proibido em diversas categorias de veículos.

O imposto predial pode subir até 150% em áreas que o governo quer ver livres da presença humana. Há planos para proibir, simplesmente, os voos domésticos de avião em todo o território da Alemanha. A maioria das ideias do governo para 2020 vai no mesmo rumo. Dar certo, às vezes, é tão ruim para os países quanto dar errado.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MAURI – SÃO PAULO-SP

Sobre o Paulo Freire, achei ótima colocação do site Zé Beto que está abaixo:

Por Dirceu Pio

– Afinal, quem é esse tal de Paulo Freire de que tanto falam ?

– Não sei ao certo, mas dizem que ele inventou um método revolucionário de alfabetização que não deu muito certo…

– Como assim ?

– São conhecidas só duas pessoas famosas que dizem ter sido alfabetizadas pelo método Paulo Freire, o Lula e a Dilma… Lula continua analfabeto mas aprendeu com o método Paulo Freire apenas a roubar; e Dilma deve ter aprendido como estocar vento…e foi só !

MAURÍCIO ASSUERO - PARE, OLHE E ESCUTE

CHOVENDO NO MOLHADO

Antigamente as notícias tratavam de indícios de corrupção e esse termo ainda é usado em várias partes do mundo e, inclusive, é com base nele que se elabora o ranking de países ou instituições corruptas. Fala-se de indícios de corrupção porque os estudos apontavam para dificuldade de identificar, realmente, se houve corrupção porque os valores envolvidos não eram pagos em cheques nominais. Tudo em dinheiro, em cash, de modo fosse difícil rastrear.

A corrupção, na verdade, continua com ares de sofisticação tecnológica e transmudada na forma de benefícios feitos pelo corruptor ao corrupto. A triangulação dos recursos escusos é norma prática, ou seja, uma empresa brasileira faz um pagamento a uma empresa no exterior para que esta pague a alguém aqui no Brasil.

O maior problema disso tudo é o comportamento dos corruptos. Agem como se não fossem alcançados pela justiça e, de fato, quando são já se passou uma eternidade. Além disso, a relação incestuosa entre corruptos e tribunais parece não ter fim. Basta ver a conversa gravada do ministro Alexandre de Moraes com Alexandre Victor do ST-MG. “Vamos tirar da frente antes que o povo encha o saco”, disse o nobre ministro Alexandre de Moraes. É essa a forma como a população é vista por aqueles que são pagos para defender o interesse da população: como os caras que vão encher o saco! O que não se entende é como estas pessoas continuam no poder da mais alta corte do país.

Logicamente, a esperança é seria um pedido de impeachment acatado pelo Senado, mas quem disse que o Davi Alcolumbre tem coragem para algo assim? Ainda mais quando se sabe que dentre seus orientadores está o senador Renan Calheiros. Resta pressionar como, de certa forma, foi feito em relação ao escandaloso fundo partidário que passou de R$ 3,80 bilhões para R$ 2 bilhões, ou seja, embora ainda imoral, já está menor. Precisa pressionar o presidente para vetar essa imoralidade.

Mas, se antes o tal indicio de corrupção era uma nesga de possibilidade, o avanço da tecnologia trouxe novidades através de gravações, filmagens, etc. Todos lembram do Rodrigo Loures sendo filmando carregando uma mala com R$ 500 mil, que ele não sabia que era dinheiro, mas que desapareceu R$ 35 mil quando a mala ficou escondida na casa dos seus pais. A recente gravação do ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, afirmando “meu seu 13º está garantido”. Estamos falando de uma bagatela de R$ 134,2 milhões que foram desviados de recursos da saúde e da educação. Interessante é que cuidar da educação é o primeiro projeto de qualquer candidato e quando eleito é o primeiro ponto de desvios de recursos. Os escândalos envolvendo desvio de dinheiro com merenda, fardamento, aquisição de livros, etc. são inúmeros e expressivos.

A fuga de recursos públicos, atualmente, ocorre através de OS – Organização Social. Estas instituições, sem fins lucrativos, são regulamentadas pela lei No. 9637/88 e atuam na administração pública através de contratos de gestão. O estado libera orçamento e patrimônio, se preciso, para que elas executem o contrato. O argumento principal é a celeridade visto que estas empresas não estão inseridas na lei 8666/93, lei das licitações. O problema é a prestação de contas que, em geral, se faz no encerramento do contrato. Não há regras mais rígidas como no caso das fundações apoio a instituições de ensino superior.

O que vai sobrar de tudo isso? Nada! Coriolano Coutinho, irmão do governador, foi preso e já entrou com um habeas corpus assinado pelos filhos do presidente do Tribunal de Justiça, João Otávio Noronha. Entenderam? A corte vai negar? Muito provavelmente não.

O fato é que a corrupção no Brasil é um câncer com metástase. Impunidade é a quimioterapia que não mata o tumor.

No mais, um feliz Natal a todos.

DEU NO JORNAL

PROPINAGEM MIDIÁTICA

A Construtora Norberto Odebrecht fez dois empréstimos para a Editora Confiança, responsável pela revista “Carta Capital”, no valor total de R$ 3,5 milhões, entre 2007 e 2009, a pedido do Partido dos Trabalhadores (PT).

A operação foi feita pelo Setor de Operações Estruturadas, o departamento da empreiteira que geria propinas.

As informações constam de um dos anexos da delação premiada do executivo Paulo Cesena, que foi diretor financeiro da construtora.

* * *

A Carta Capital recebeu R$ 3,5 milhões só pra falar bem de Lula e do PT, contando cabeludas e bem ilustradas mentiras.

Ou seja, o “jornalista” Mino Carta encheu o rabo com dinheiro propinado.

Ora, por um centésimo deste valor, o Jornal da Besta Fubana louvaria Lula e sua quadrilha com sigla partidária o dia todo e todos os dias.

Era só falar comigo que eu providenciaria tudo na hora!!!

Por muito menos do que esta fortuna, eu faria capas bem mais mentirosas e mais caprichadas do que esta aí embaixo:

ALEXANDRE GARCIA

DEU NO JORNAL

RATO PARAIBANO DE ALTÍSSIMO PORTE

Um áudio gravado por Daniel Gomes, operador da Cruz Vermelha do Brasil no Rio Grande do Sul e do Instituto de Psicologia Clínica Educacional e Profissional, em 30 de setembro de 2015, mostra o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), cobrando propina de R$ 360 mil mensais sobre a gestão do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena.

* * *

Pra um aliado do PT, pra um protegido de Lula, essa propina de R$ 360 mil é uma minxaria.

Uma besteira mesmo.

Ricardo Canalha Coutinho foi devidamente enjaulado ontem, quinta-feira, quando voltava de uma viagem ao exterior.

Uma viagem na qual torrou uma boa quantidade do dinheiro público que roubava da sofrida Paraíba.

Daqui uns dias, por ordem de Lula, Toffoli determinará que Gilmar Mendes mande soltá-lo.

Enquanto isto vamos recordar.

Recordar é sorrir.

Vamos nos divertir com este depoimento do ladrão Ricardo Safado Coutinho.

Vejam só que cara cínica da porra: