DEU NO JORNAL

CUIDADO PRA NÃO OFENDER AS PUTAS

A popularidade de Sergio Moro segue inabalável.

Segundo o Datafolha, 53% dos brasileiros consideram seu trabalho no ministério ótimo ou bom.

Outros 23% o consideram regular.

Só 21% responderam que ele é ruim ou péssimo.

* * *

E olhem que estes números são do suspeitíssimo DataFolha.

Não conseguiram distorcer a opinião pública de modo algum, tão evidente ela é.

Se chamar de filhos da puta estes 21% que acham Moro ruim ou péssimo, é fazer uma ofensa muito grave às putas, esta laboriosa classe que dá duro pra ganhar vida.

Dá duro e leva duro.

O Brasil decente está ao lado de Sérgio Moro!!!

A PALAVRA DO EDITOR

A PONTE DO RIO KWAI, DO EXTRAORDINÁRIO DIRETOR DAVID LEAN

Pessoalmente, confesso que, detesto e tenho pavor a filme de guerra, mas A PONTE DO RIO KWAI é um marco do cinema dessa modalidade. Uma obra prima do genial David Lean, onde inclusive lhe rendeu o Oscar de melhor diretor, destaque ainda para o elenco espetacular, começando pelo ganhador do Oscar de melhor ator Alec Guinness, ainda tendo William Holden e Sessue Hayakawa aqui indicado a coadjuvante. O roteiro é muito bom, com o seu desenvolvimento bem construído com excelentes diálogos. No total foi agraciado com sete estatuetas, incluindo o filme. A Ponte do Rio Kwai é um grande filme na história da cinematografia da luta armada entre nações que é ou são ou foram as famigeradas duas grandes guerras mundiais.

Nessa película cinematográfica do ano de 1957 tem muitas curiosidades e rumores, entre tantos, destaca-se o disse me disse ou boato sobre o elenco do filme, mas a maioria das fontes afirma que Charles Laughton era a escolha original para o papel do coronel Nicholson em “A Ponte do Rio Kwai”. Laughton recusou o papel, pois ele não sabia como interpretá-lo de maneira convincente por não entender as motivações do personagem. Ele disse que só entendeu o personagem depois de ver o filme completo e o desempenho de Alec Guinness como o Coronel Nicholson. Alec Guinness inicialmente recusou o papel do coronel Nicholson, mas logo após foi convencido e resolveu encarar o personagem que lhe reservava e terminou abocanhando o Oscar de melhor ator.

O filme se compõe de dois trabalhos: um para construir e outro para destruir. Conforme nos contam os escritos, realmente, a tal da guerra é como disse o medico Clipton: LOUCURA, LOUCURA!!! Durante a Segunda Guerra Mundial, prisioneiros britânicos recebem o encargo dos japoneses de construir em plena selva uma ponte de transporte ferroviário sobre o rio Kwai, na Tailândia. O coronel Nicholson, que está à frente dos prisioneiros, é o oficial britânico que procura uma forma de elevar o moral de seus homens. Vê a ponte como uma forma de consegui-lo, tendo-os ocupados na construção e fazendo-os sentirem-se orgulhosos da obra. Por sua vez, o major americano Shears, prisioneiro no mesmo campo, só pensa em fugir. Ao final, ele o consegue e, contra a sua vontade, volta algumas semanas depois, guiando um comando inglês, cuja missão é destruir a ponte no instante em que passasse o primeiro trem, para anular a rota de transporte de armas dos japoneses, que pretendiam utilizá-la para invadir a Índia.

A história desse filme nos conta que é baseado em pura ficção, mas a história real de Kanchanaburi (oeste da Tailândia), durante a Segunda Guerra Mundial, começou no início de 1942, após o país ter declarado guerra à Grã Bretanha e aos EUA e permitido que tropas do Japão ocupassem seu território. Os japoneses planejaram construir, em cinco ou seis anos, uma ferrovia para ligar a Tailândia à Birmânia, incluindo uma ponte sobre o rio Kwai. A obra terminou em menos de três anos e provocou a morte por maus-tratos ou doenças de cerca de 16 mil prisioneiros de guerra, além de 240 mil asiáticos, empregados na construção.

Quem assiste ao filme há de perceber que aconteceu uma verdadeira aula de princípios humanos, da parte do Coronel Nicholson, e uma verdadeira demonstração de tenacidade do soldado Shears. O modo de pensar do Shears é absolutamente coerente, saindo um pouco do tradicional código de honra dos britânicos. Ele dá valor à vida, enquanto Nicholson dá valor à honra, e no final os dois acabam sofrendo o mesmo fim. Mesmo nas condições de prisioneiros, o Coronel quis demonstrar sua superioridade para os captores, mas um brilho de luz o fez perceber a burrada que fez, e o final era o esperado, finalmente. Obra-prima do cinema, sem dúvidas. E a história por trás das cenas finais é fascinante. Graças ao incrível empenho do diretor David Lean.

Como nas antigas tragédias gregas, todos os principais personagens morrem. No final, quando um grupo de comandos destrói a ponte, um dos sobreviventes murmura: “É Loucura!!! Pura loucura!!!”. Vencedor de 7 Oscars, marcou como a consolidação dos filmes épicos que se estabeleceram em meados dos anos 50 até os anos 60 em Hollywood, com Alec Guiness em uma interpretação perfeita. Uma das trilhas sonoras mais marcantes da história do cinema, impossível assistir e não tentar assobiar junto. Além disso, é um grande filme e um dos épicos de guerra mais clássicos. Parodiando o excelente comentarista Andries Voljoen não se pode terminar esta narração se não dessa maneira: “Fiu fiu, fiu fiu fiu fiu fiu fiiiiu, fiu fiu, fiu fiu fiu fiu fiu fiiiiiiu ♪”…

Dublagem, atores, trilha sonora, cenário, tudo é encantador nas filmagens de A PONTE DO RIO KWAI, além de excelente áudio e imagem que são de primeira grandeza. Assista a seguir, na íntegra, um filme encantador de quase 3 horas de projeção que chegou às telas dos cinemas no mundo inteiro há mais de 60 anos. Nele, quase que não existe efeitos especiais. Uns dos filmes clássicos, de guerra, do embate de ingleses contra japoneses que marcou a minha geração como obra prima de filme de guerra!!!

Clique aqui para assistir ao filme completo.

A PALAVRA DO EDITOR

UM DIA ESPECIAL

Aqui na minha agenda-calendário de mesa, da Editora Vozes, está assinalado que hoje, 9 de dezembro, é o Dia Internacional contra a Corrupção.

Consultei o Diretório Nacional do PT e fui informado que Lula nada tem a ver com esta data.

Mesmo assim, vou apurar.

Todo desmentido petista é sempre passível de apuração.

DEU NO JORNAL

COMENTÁRIOS SELECIONADOS

DEU NO JORNAL

DEMOROU MAS RECONHECERAM: ECONOMIA MELHORA

Melhora da economia aumenta aprovação ao governo Bolsonaro.

Segundo a última pesquisa Datafolha, o otimismo com a atividade econômica chegou a 43%, após os 40% registrados em agosto.

* * *

Se a pesquisa é do Datafolha, então a taxa de aprovação ao governo por parte do povão não é de apenas 43%.

Deve ser o dobro disto.

86% pelo menos.

Até o colunista Goiano, petista devoto e anti-bolsonarista exaltado, escreveu um comentário dizendo o seguinte:

A economia vai bombar e o povo será bombardeado.

Bombardeado com boas notícias e finanças folgadas, presumo.

Que Deus te ouça Goiano!!!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

VALÉRIA BOSSI – BELO HORIZONTE-MG

Berto,

Com o meu agradecimento porque seu esforço para manter esta gazeta de pé nos traz muita alegria e grande contribuição ao jornalismo

Abraço

R. Êita!!!

Que felicidade!!!

Dizer que esta gazeta escrota é uma “grande contribuição ao jornalismo” me deixou ancho que só a peste.

Gratíssimo por sua doação e pela generosa apreciação,  minha querida doutora.

Se eu morasse aí em Belo Horizonte, você seria a minha médica!

Vocês, leitores que depositam na nossa conta, são a força que mantém este jornaleco no ar e aliviam os 600 reais mensais que o Complexo Midiático Besta Fubana paga de hospedagem.

E ainda sobram uns trocados pro capim de Polodoro.

Aproveito a oportunidade pra agradecer também as doações que foram feitas neste mês de dezembro pelos leitores Roque Nunes, Carlos Alberto e Hélio Araújo.

Daqui pro Natal vem mais!

Abraços e um excelente final de semana!

Polodoro arreganhando um sorriso de alegria com as doações dos nossos leitores

DEU NO TWITTER

NANICA MÍDIA BANÂNICA

* * *

Esta expressão “diz leitor“, criada pelos babacas que compõem a redação da Falha de Verdevaldo, é pra lá de cômica.

Eu chega se mijo-me todinho de tanto se rir-se-me.

Na verdade, o que Bolsonaro fraquejou mesmo foi na intensidade com que empurrou a pajaraca no furico da grande mídia oposicionista.

Ainda tá faltando enterrar mais umas 17 polegadas até chegar nos ovos.

Aquilo que antigamente era conhecido como “grande mídia”, hoje em dia virou um monturinho insignificante de bosta.

CÍCERO TAVARES - CRÔNICA E COMENTÁRIOS

BARRACO NO ÔNIBUS DO ALTO DA FOICE

Era uma quarta-feira enluarada, o vento tarado soprando os cabelos dos transeuntes que voltavam do trabalho e invadindo as saias das jovens para mostrar-lhes a bunda. Depois de mais de oito horas de labuta era natural que as pessoas estivessem cansadas, exaustas, com o nervo à flor da pele, se alterando com qualquer incidente cotidiano, levando-os ao extremo do debateboca por simples aborrecimento efêmero.

Era dia de clássico das multidões. Primeiro jogo das quartas de final do campeonato pernambucano envolvendo Santa Cruz e Sport. Para azar de todos os trabalhadores que retornavam do trabalho àquela noite o inferno já começava na Encruzilhada. Ônibus parados, carros particulares, táxi. Tudo. Pessoas descendo e caminhando a pé porque não havia a mínima possibilidade do transporte prosseguir. Um inferno – diziam todos os passageiros dos coletivos. Torcidas corais e rubro-negras se engalfinhando no meio da rua feito gladiadores nos anfiteatros romanos.

O ônibus que seguia a linha Alto da Foice/Subúrbio travou na Encruzilhada, cheio de gente entupido. Dele ninguém descia. Ninguém subia. Um calor infernal. Gente descendo de outros ônibus e caminhando a pé ao Mundão do Arruda pela Avenida Beberibe, porque o trânsito travou e carro nenhum se locomovia.

Neste exato momento sobe no ônibus do Alto da Foice uma senhora morena, baixinha, peitos enormes, cabelos com um pitó atrás, parecendo uma casa de marimbondo. E se esfregando por entre os passageiros, chega a se encostar no senhor sessentão que está sentado na quarta cadeira do lado esquerdo do ônibus. E passa gente daqui e passa gente de lá, se esfregando na bunda da baixinha que já está virada no penteio de barrão com tanta esfregação no seu traseiro avantajado.

Nesse exato momento toca o celular do senhor sessentão que ela dele ficou perto: Trililililililili! Aí o homem se estica todo para tirar o celular do bolso direito da calça. Era a mulher dele ao telefone.

– Oi, minha fia! Eu ainda não cheguei porque tá um engarrafamento danado aqui na Encruzilhada. Ninguém sai! Ninguém chega! É o jogo do Santa Cruz e Sport! Tá um inferno! Desliga e guarda o telefone no bolso. Enquanto isso, a mulher dos peitões fica junto dele, e a cada pessoa que passa esfregando sua bunda ela eleva os peitões na cara do velho, quase o sufocando.

Dois minutos após ter justificado à mulher por que não havia chegado ainda em casa, o celular toca novamente: Trilililililili! E o velho mais do que depressa, faz um esforço da porra, estica as pernas e tira o celular do bolso:

– Alô! Oi minha fia! O ônibus ainda tá parado! Ninguém sai. E eu não cheguei ainda por causa desse transtorno. E volta a guardar o celular no bolso, impaciente porque o ônibus não dava sinal de que ia seguir em frente. E a cada minuto mais gente chegava e a bagunça dava lugar à desordem.

Quando menos se espera, o telefone do sessentão volta a tocar novamente: Trilililili!! Era a mulher do outro lado da linha reclamando novamente por que o velho estava demorando tanto para chegar, e com a dificuldade de sempre, começa a tirar o celular do bolso para justificar o óbvio ululante:

– Oi, minha fia! O ônibus ainda tá parado! Ninguém sai! Tá tudo travado devido à grande quantidade de torcedores se dirigindo ao campo! Me espere que já já eu tou chegando! E torna a guardar o celular no bolso novamente.

Não deu dois minutos, e o telefone do velho toca novamente. Aí a senhora espivitada que estava ao lado dele, puta da vida com os esfregões da pessoas no bundão dela, olha para o velho, com a boca esfumaçando, os olhos vermelhos, e fulmina:

– Ô meu senhor! O senhor não tem moral para essa pessoa não! O senhor não respeita esse pá de ovo que tem entre as pernas não?! Porque se fosse comigo eu já teria mandado essa porra se lascar, ir pra puta que o pariu! Essa pessoa não tá “veno” que o senhor está no ônibus preso! Por que fica enchendo seus cuiões? Olhe, se fosse comigo eu já teria mandado quebrar a cara dessa rapariga! Ora porra! A gente já tá puta da vida com um engarrafamento do caralho desses, doida pra chegar em casa e tem de aguentar uma aporrinhação dessas!

Mal a mulher termina de falar, o telefone do velho toca novamente: Trililililili! E aí a mulher puta da vida, de saco cheio, com os pentelhos arrebitados, perde as estribeiras e parte pra cima do velho, toma-lhe o celular, põe no ouvido, e grita:

– Minha senhora! A senhora não tá vendo que esse velho tabacudo está no engarrafamento da porra por que não para de encher o saco dele e da gente também?!

Foi quando do outro lado da linha a mulher, barraqueira, perguntou quem era aquela rapariga que estava ao telefone do velho dela. Sem papas na língua, a baixinha, fumaçando de raiva, agarrada com o celular, berra:

– Eu sou a puta dele que tá lhe butando gaia! E não fale nada mais não porque, puta da vida como eu tou, eu vou aí lhe quebrar os dentes e dar-lhe uma surra de cipó de goiabeira nesse seu tabaco veio, e nele também para ele aprender a respeitar esse par de ovos murchos que tem entre as pernas que não servem mais pra porra nenhuma!

Nesse momento se ouve uma gargalhada geral no ônibus, com assobios, aplausos e gritos gaiatos de “é isso aí dona Maria! Pau nela! Valeu!” Nesse momento os passageiros esqueceram que estavam sofrendo num engarrafamento de mais de duas horas e riram-se a bandeiras despregadas!

A zoeira feita pela baixinha instigando o coroa tirou a tensão do povo que sirria de se mijar com a presepada! A confusão hilária provocada por ela tirando a tensão dos passageiros angustiados, provou que o bom humor é universalmente generoso: Faz bem a todo mundo! Dá mais do que recebe!

DEU NO JORNAL

TÁ FAZENDO UM ANO

Há exatamente um ano, no dia 7 de dezembro de 2018, uma reportagem baseada em depoimentos de dez mulheres que acusaram João de Deus de praticar diversos tipos de violência sexual foi publicada pelo jornal O Globo e pelo Programa do Bial.

Nos dias seguintes, a redoma que protegeu o líder espiritual por décadas foi quebrada por uma avalanche de denúncias nacionais e internacionais.

Hoje, João Teixeira de Faria, nome real do médium, responde por onze denúncias de crimes sexuais feitas pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO).

Famoso pela realização de “cirurgias espirituais”, o líder religioso já atendeu políticos e celebridades do mundo inteiro, como o ex-presidente Lula, que o consultou em Abadiânia.

João de Deus viajava para atender Lula em São Paulo, quando o ex-presidente foi diagnosticado com câncer na laringe.

O médium está detido desde 16 de dezembro do ano passado no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital de Goiás.

* * *

João de Deus e Lula são dois falsos líderes.

Duas grandes mentiras, duas impressionantes encenações demagógicas.

Um participava de uma encenação religiosa e o outro de uma encenação política.

João de Deus continua preso e Lula, safado e faceiro, está livre, leve e solto, cagando discursos pela boca todos os dias.

Como costumava dizer meu saudoso pai, gente besta e mato é o que mais tem neste mundo.

E gente besta pra seguir João de Deus e Lula era o que não faltava.

Felizmente, desmascarados que foram, os dois perderam muitos fiéis em suas seitas.

As duas igrejas, a de João de Deus e a de Lula, entraram em acelerado processo de decadência e estão ambas falidas atualmente.

Lula e João de Deus, dois cabras safados que eram venerados por multidões de idiotas