DEU NO JORNAL

POVO NA RUA, GILMAR NO ESGOTO

O ministro Gilmar Mendes prometeu processar quem, no seu entender, ofendê-lo e chamá-lo de corrupto.

O ministro fez essas declarações hoje (16/11), véspera das manifestações deste domingo que terão como pauta única a exigência de impeachment de Gilmar Mendes.

O pedido de impeachment do ministro é baseado na suspeita de prática de inúmeros crimes, entre eles, o de corrupção passiva.

As declarações foram dadas em entrevista ao Glamourama, um site de fofocas e de futilidades de socialites do portal UOL.

A fala do ministro foi uma espécie de recibo passado e confirmação do efeito da pressão que vem sendo exercida sobre ele por meio das redes sociais ao longo desta semana.

Apesar das manobras do Twitter, as hashtags associadas ao impeachment de Gilmar Mendes estiveram no topo dos trending topics durante os últimos dias.

* * *

O jumento Polodoro, mascote desta gazeta escrota, está de prontidão com a pica devidamente vaselinada.

Ele está ansioso pra cruzar com Gilmar, depois que este canalha for impichado.

Hoje Polodoro passou o dia treinando na tabaca da égua Carminha.

DEU NO TWITTER

BANDIDO CANALHA: TINHA QUE SER MESMO PROPRIETÁRIO DO PT

DEU NO JORNAL

MAPA PELA PRISÃO EM SEGUNDA INSTÂNCIA

O movimento Vem Pra Rua montou um site que mostra as posições dos deputados e senadores em relação à PEC da prisão em segunda instância.

Ainda nesta sexta-feira, o mapa já atingiu mais de 1 milhão de visitantes únicos.

* * *

Os leitores fubânicos, pertencentes à banda decente do Brasil, já sabem os tipos de parlamentares que são a favor da prisão em segunda instância e os que são a favor de bandidos.

Para acessar o mapa, que está bem detalhado por estado, basta clicar na imagem abaixo:

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

ETERNOS ATALAIAS – Cruz e Souza

Os sentimentos servem de atalaias
Para guiar as multidões errantes
Que caminham tremendo, vacilantes
Pelas desertas, infinitas praias…

Abrangendo da Terra as fundas raias,
Atingindo as esferas mais distantes,
São como incensos, mirras odorantes,
Miraculosas, fúlgidas alfaias.

Tudo em que logo transfiguram,
Encantam tudo,tudo em torno apuram,
Penetram, sem cessar, por toda parte.

Alma por alma em toda a parte inflamam.
E grandes, largos, imortais, derramam
As melancólicas estrelas d’Arte!

Colaboração de Pedro Malta

DEU NO JORNAL

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

DEU NO JORNAL

UMA PARELHA DE SUPREMOS CANALHAS

Impeachment de Gilmar” e “Prisão de Toffoli’ são os assuntos mais comentados do Brasil no Twitter.

* * *

De fato, não se fala em outro assunto  no Twitter.

Um fenômeno contagiante!

Amanhã, domingo 17, o Brasil decente vai estar inteiramente nas ruas,  pedindo o impeachment de Gilmar Boca-de-Buceta.

A concretização deste pedido seria a glória, um sonho, uma coisa formidável, uma maravilha, uma felicidade!!!

Já quanto à prisão de Dias Petralha Toffoli, a gente tem que ficar de olho numa coisa:

Este canalha não pode ficar na mesma cela que Lula ficou em Curitiba.

Ele tem que ser mandado pra um daqueles presídios onde o Ministro Moro tem ultimamente engaiolado os bandidos mais perigosos deste país.

“Eu preso e tu impichado… Tamos fudidos…”

DEU NO JORNAL

PROCLAMAÇÃO DA CLEPTOCRACIA

Guilherme Fiuza

O Brasil levou um susto neste 15 de novembro. Em meia à celebração da data histórica, veio a bomba: a Proclamação da República estava revogada. Foi um Deus nos acuda. Boataria, confusão, informações desencontradas e a crise de identidade já pairando sobre o povo brasileiro quando veio a confirmação oficial: o Supremo Tribunal Federal anulou o ato que inaugurou o regime republicano no país.

Crise. O dólar só não foi à Lua por ser feriado – mas bem que o STF tentou decretar dia útil para dar mais uma apimentada no mercado de câmbio, o que só não foi possível porque o ministro Marco Aurélio Mello já tinha feito o check in e declarou não ia correr o risco de passar o 15 de novembro no Brasil nem a pau. “Só fico aqui para azucrinar”, sustentou sua excelência. “Para relaxar existe lugar melhor”.

Teve a concordância imediata do presidente da corte, Dias Toffoli, encerrando a questão: “Você tem razão”. Marco Aurélio voou enfurecido no pescoço de Toffoli, aos gritos de “você” é a p… q… p… Muito hábil, Toffoli acalmou o colega em 30 segundos com uma resposta brilhante: “Minhas profundas, condoídas e perpétuas escusas, excelência, fulgurante excelência. Jamais voltarei a me dirigir à sua magnífica, soberana e inalcançável pessoa por meio de tratamentos incompatíveis com a exuberante divindade da sua aura”.

“Aura sacerdotal”, corrigiu Marco Aurélio, já mais calmo. “Exato, foi o que eu quis dizer”, encerrou Toffoli.

Na saída do plenário a imprensa estava alvoroçada com a decisão surpreendente do STF que revogava a Proclamação da República. Os jornalistas cercaram o ministro Gilmar Mendes para ouvir a explicação sobre os motivos da medida revolucionária. Ex-vilão favorito da mídia nacional, Gilmar tinha se tornado o queridinho dela, por essas mágicas da vida, e estava até sorrindo pela primeira vez em várias décadas de existência.

Com o carisma e o alto astral sintonizados ao momento épico, Gilmar Mendes esbanjou clareza e eloquência na fundamentação da decisão histórica do Supremo.

Ele explicou que o ato de 1889 foi anulado por um motivo simples: na ocasião, os advogados de Lula e de José Dirceu não tiveram respeitado seu amplo direito de defesa do regime que pretendiam implantar em lugar da República – a Cleptocracia – o que, no entender do STF, torna ilegítima a Proclamação pelo princípio da presunção de mortadela (já que ninguém vai gastar presunção de presunto com massa de manobra, muito menos a presunção de lagosta do Supremo).

Salvo algumas exceções fascistas, a euforia da imprensa com a declaração do companheiro Gilmar foi indisfarçável. Quiseram saber quanto tempo, a partir da decisão histórica do STF, seria necessário para a tão sonhada implantação da Cleptocracia no Brasil. A resposta foi um banho de esperança: na verdade, o regime dos cleptocratas (baseado no assalto institucionalizado ao contribuinte para o bem comum da quadrilha) já estava testado e aprovado pela suprema corte – só faltando remover do caminho o inimigo número um dos ladrões honestos, Sergio Moro, responsável pela interrupção da vigência cleptocrática. Um detalhe.

Mas que ninguém se preocupasse com esse incidente, porque o STF já estava em contato com os melhores hackers do país para julgar a suspeição de Moro com base numa cadeia impecável de intrigas montadas a partir de material roubado absolutamente transparente e confiável. Moro e os fascistas não contavam com a tecnologia de primeiro mundo da quadrilha do bem para defender a democracia trans.

Imediatamente começaram a aparecer as pesquisas indicando que, se as eleições fossem hoje, Lula seria eleito Imperador da Cleptocracia em primeira instância, sem chance de habeas corpus. Impaciente, um estrategista de mídia objetou: “Vamos parar com esse papo de ‘se as eleições fossem hoje’. Vamos dizer que as eleições são hoje!” A ideia foi prontamente levada ao STF, que aceitou legalizá-la no grito desde que tudo fosse feito com a máxima segurança pelo Método Evo Morales de escrutínio assistido. “Todo cuidado é pouco”, explicou Lewandowski.

Para criar um clima positivo visando a recleptocratização do país, a elite intelectual importou uns black blocs do Chile e a música popular reproduziu a sonoridade dos fuzileiros do Maduro – tudo em paz e harmonia para que a destruição do Brasil não afrontasse, em nenhuma hipótese, os direitos humanos do povo massacrado. A ONU aprovou – e soltou um comunicado internacional com a foto de Dilma Rousseff fazendo um coraçãozinho com as mãos.

Foi difícil, mas finalmente o bem triunfou. Hoje se agiganta no Eixo Monumental a estátua imponente do herói Gilmar Mendes – visível de qualquer fila do papel higiênico que você esteja.