PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

SONETO – Carlos Pena Filho

Por seres bela e azul é que te oferto
a serena lembrança desta tarde:
tudo em torno de mim vestiu um ar de
quem não te tem mas te deseja perto.

O verão que fugiu para o deserto
onde, indolente e sem motivos, arde,
deixou-nos este leve e vago e incerto
silêncio que se espalha pela tarde.

Por seres bela e azul e improcedente
é que sabes que a flor, o céu e os dias
são estados de espírito, somente,

como o leste e o oeste, o norte e o sul.
como a razão por que não renuncias
ao privilégio de ser bela e azul.

Colaboração de Pedro Malta

ALEXANDRE GARCIA

DEU NO JORNAL

DISCURSO DE CANALHA

80% dos latrocínios no Distrito Federal foram para roubar celular, diz Secretário de Segurança Pública do DF, Anderson Torres

* * *

Esta notícia foi publicada no jornal Correio Braziliense, em julho deste ano.

Tem tudo a ver com o horrendo discurso de Lapa de Corrupto ao deixar a prisão, exercitando sua habitual demagogia para um bando de antas descerebradas.

“Matem e roubem, meninos!”, foi esse o recado que este canalha passou.

AUGUSTO NUNES

PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

GRANDES MESTRES DO REPENTE

Poeta cantador pernambucano Otacílio Batista Patriota (1923-2003)

Otacílio Batista

Certa vez fui convidado
Para dançar numa festa
Perto de Nova Floresta
Na Vila do Pau Inchado
Eita forró animado:
Chega a poeira cobria
Mas a mulher que eu queria
Do Pau não se aproximava
Quando eu ia ela voltava
Quando eu voltava ela ia.

.

O poeta e o passarinho
são ricos de inteligência
simples como a natureza
eternos como a ciência
estrelas da liberdade
peregrinos da inocência.

Herdeiros da providência,
um no chão, outro voando,
um pena com tanta pena
outro sem pena penando,
um canta cheio de pena,
outro sem pena cantando.

* * *

João Paraibano

Faço da minha esperança
Arma pra sobreviver,
Até desengano eu planto
Pensando que vai nascer
E rego com as próprias lágrimas
Pra ilusão não morrer.

Há três coisas nesta vida
Que Deus me deu e eu aceito:
A terra para os meus pés,
A viola junto ao peito
E um castelo de sonhos
Pra ruir depois de feito.

* * *

Braulio Tavares

Superei com o valor da minha prosa
o meu mestre imortal Graciliano,
os romances de Hermilo e de Ariano
e as novelas de João Guimarães Rosa;
sou maior que Camões em verso e glosa,
com Pessoa também fui comparado,
tenho a verve do estilo de Machado
e a melódica lira de Bandeira:
sou o Gênio da Raça Brasileira
quando canto martelo agalopado!

* * *

Zé Vicente da Paraíba

O reflexo de estrelas luminosas
São lanternas de Deus no firmamento
Fica muito suave a voz do vento
Evitando qualquer destruição
Os rebanhos deitados pelo chão
E cada pássaro no galho se aquieta
Enriquece o juízo do poeta
O cair de uma noite no sertão.

* * *

Manuel Lira Flores

Quando as tripas da terra mal se agitam
e os metais derretidos se confundem,
os escuros diamantes que se fundem
das crateras ao ar se precipitam.
As vulcânicas ondas que vomitam
grossas bagas de ferro incendiado
ao redor deixam tudo sepultado
só com o som da viola que me ajuda:
treme o sol, treme a terra, o vento muda
quando eu canto o martelo agalopado!

* * *

Joaquim Vitorino

Tenho enorme inteligência
Poeta não me dá vaia
Sou vento rumorejando
Nos coqueiros de uma praia
Sou mesmo, que Rui Barbosa
Na conferência de Haia.

* * *

Diniz Vitorino cantando com Manoel Xudu

Manoel Xudu

Voei célere aos campos da certeza
E com os fluidos da paz banhei a mente
Pra falar do Senhor Onipotente
Criador da Suprema Natureza
Fez do céu reino vasto, onde a beleza
Edifica seu magno pedestal
Infinita mansão celestial
Onde Deus empunhou saber profundo
Pra sabermos nas curvas deste mundo
Que ele impera no trono divinal.

Diniz Vitorino

Vemos a lua, princesa sideral
Nos deixar encantados e perplexos
Inundando os céus brancos de reflexos
Como um disco dourado de cristal
Face cálida, altiva, lirial
Inspirando canções tenras de amor
Jovem virgem de corpo sedutor
Bem vestida num “robe” embranquecido
De mãos postas num templo colorido
Escutando os sermões do Criador.

Manoel Xudu

Os astros louros do céu encantador
Quando um nasce brilhando, outro se some
E cada astro brilhante tem um nome
Um tamanho, uma forma, brilho e cor
Lacrimosos vertendo resplendor
Como corpos de pérolas enfeitados
Entre tronos de plumas bem sentados
Vigiando as fortunas majestosas
Que Deus guarda nas torres luminosas
Que flutuam nos paramos azulados.

Diniz Vitorino

Olho os mares, os vejo revoltados
Quando o vento fugaz transtorna as brumas
E as ondas raivosas lançam espumas
Construindo castelos encantados
As sereias se ausentam dos pecados
Que nodoam as almas dos humanos
E tiram notas das cordas dos pianos
Que o bom Deus ocultou nos verdes mares
E gorjeiam gravando seus cantares
Na paisagem abismal dos oceanos.

DEU NO TWITTER

IMPEACHMENT PARA O CORRUPTO SOLTADOR DE CORRUPTOS

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOSÉ CLAUDINO – IPIRANGA DO PIAUI-PI

Papa Berto

Boa tarde

Acabo de ver no facebook uma materia muito interessante e boa até mesmo para mudar de assunto.

É sobre as musicas de Evaldo Gouveia.

Tem videos, só que eu não manejo bem esta tá de Net e não sei como proceder para publicar no nosso Besta Fubana.

O amigo pode me ajudar ou mesmo fazer o procedimento, desde já agradeço pela atenção.

Um grande abraço

R. Meu caro, aqui nesta bodega escrota quem dá as ordens é o freguês.

É só mandar que a gente divulga.

Quem quiser acessar a página enviada pelo fubânico José Claudino, o interessante projeto Os Cearenses, é só clicar aqui 

Além do Evaldo Gouveia, tem uma lista de nomes só com gente talentosa e gabaritada.

Vale a pena dar uma passada por lá.

Um excelente feriadão, meu caro!

Dê as ordens e disponha sempre.

DEU NO TWITTER

DEU NO JORNAL

SÓ VAI TOMANDO NO FOPA

A Receita Federal está enviando seis mil relatórios a Dias Toffoli.

Ao contrário do que fez o Coaf, o órgão optou por enviar o material sem qualquer chave de acesso, franqueando análise irrestrita e sem rastreamento.

Dias Toffoli, portanto, poderá escarafunchar os relatórios à vontade, sem o controle de ninguém.

* * *

Isto não é caso pra impeachment.

Isto é caso pra enfiar uma pajaraca no furico desse petista safado.

O nosso estimado jumento Polodoro, mascote desta gazeta escrota, já está de prontidão, com a estrovenga devidamente vaselinada, esperando o momento de cruzar com este canalha.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ANA AMÉLIA DUARTE – SALVADOR-BA

Caro Editor Berto,

A vinda do condenado Lula ontem a Salvador foi um completo fracasso.

Um vergonhoso fiasco.

Acabou a verba da mortadela e os “militantes” assalariados sumiram.

A Bahia mudou!!!

O Nordeste mudou, o Brasil mudou!!!

Que coisa boa!!!